A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MODELAÇÃO DE PROCESSOS FÍSICOS RELACIONADOS COM A CIRCULAÇÃO OCEÂNICA NA MARGEM CONTINENTAL IBÉRICA. H. S. Coelho HIDROMOD, Taguspark, Núcleo Central nº

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MODELAÇÃO DE PROCESSOS FÍSICOS RELACIONADOS COM A CIRCULAÇÃO OCEÂNICA NA MARGEM CONTINENTAL IBÉRICA. H. S. Coelho HIDROMOD, Taguspark, Núcleo Central nº"— Transcrição da apresentação:

1 MODELAÇÃO DE PROCESSOS FÍSICOS RELACIONADOS COM A CIRCULAÇÃO OCEÂNICA NA MARGEM CONTINENTAL IBÉRICA. H. S. Coelho HIDROMOD, Taguspark, Núcleo Central nº 349, Oeiras, Portugal

2 Objectivos Identificar mecanismos forçadores dos principais fenómenos físicos que ocorrem na ZTC Ibérica; Quantificar os transportes meridionais e determinar em que condições ocorrem; Quantificar trocas entre a região costeira e o oceano profundo.

3 Cronologia do trabalho Estado da arte Aplicação do modelo (resultados em desacordo com o ponto anterior) Análise de dados históricos e do projecto OMEX II Nova aplicação do modelo

4 A visão clássica da circulação Circulação para Sul no Verão nas camadas superficiais sobre a plataforma, vertente e oceano profundo (Corrente de Portugal) Circulação para Norte nas camadas superficiais sobre a plataforma e vertente. Corrente para Norte permanente a profundidades intermédias (200 a 1500 m) O transporte para Norte aumenta com a latitude (Frouin et al., 1991; Huthnance, 1984)

5

6 Estimativas recentes de transportes Jorge da Silva, SV (NACW) 5.2 SV (MSOW) 2 SV (NACW) 2 SV (MSOW) O transporte diminui para Norte !! Mazé et al., 1997

7 A corrente da vertente na costa ocidental

8

9 MSOW NACW

10 E na Costa Sul? Relvas, 1999 FonteLat/LongMétodoTransporte Zenk (1975)8ºWHidrografia e modelo de mistura 2.9 Sv Gruendlingh (1981) 9ºWHidrografia, modelo de mistura e correntometria 4.3 Sv Ambar e Howe (1979) C. São VicenteHidrografia 3 Sv Howe (1984)9.5ºWCorrentometria 6.5 Sv Zenk e Armi (1990) C. São Vicente/Banco de Gettysburg Hidrografia 4 Sv (apenas 2 Sv levando em conta as recirculações) Rhein e Hinrichsen (1993) 8ºWHidrografia e modelo de mistura 3.7 Sv Mauritzen et al. (2001) Modelo inverso 2.7 Sv Mauritzen et al. (2001) Correntometria 4.2 Sv Mazé et al. (1997). 37ºNModelo Inverso 5.2 Sv a Este de 10ºW; 10.6 Sv a Este de 10.75º W. NACWMSOW

11 NACW MSOW

12 12ºW Transporte acumulado para Este a 12ºW entre 33 e 59ºN Densidade a 11.5 ºW – Fonte IH

13 S – 42.5ºN T – 42.5ºN

14 Conclusões/Questões A corrente da vertente existe é permanente e o transporte associado decresce para Norte junto à vertente O Banco da Galiza pode ser responsável pelo menos por parte desse decréscimo? O mecanismo forçador mais plausível é o gradiente meridional de pressão O gradiente é fraco ou não existe acima de 41/42ºN

15 Modelação MOHID2000 ( ) Resolução horizontal: –25 km simula a corrente dos Açores –8 km não simula a corrente dos Açores Ventos e Fluxos de calor reais de 1994 Spin-up de 2 anos (analisam-se os resultados do 3º ano)

16 Modelação (cont.) Resolução vertical (18 camadas – 10 m à superfície, 1000 m no fundo). Condições iniciais (WOA94)

17 Modelação – Cond. Fronteira Laterais velocidade barotrópica: velocidades baroclínicas Temperatura e Salinidade –Para inflow E ainda:

18 8 km 25 km

19 Fevereiro Julho

20 Velocidade a 780 m de profundidade

21 Velocidade a 1050 m de profundidade

22 S V T

23 Total ( m)NACWMSOW Modelo 0.81 Sv/ºLat0.23 Sv/ºLat0.58 Sv/ºLat Mazé et al. (1997) 0.63 Sv/ºLat0.1 Sv/ºLat0.53 Sv/ºLat J. da Silva (1996) 0.26 Sv/ºLat NACW MSOW

24

25

26 NACW MSOW

27 Modelação - Conclusões O modelo reproduz um conjunto de características já observadas nos dados nomeadamente a diminuição para Norte dos transportes associados à corrente da vertente. Além disso o modelo mostra claramente a existência de zonas de outflow da margem continental (A Sul do Banco da Galiza, e a Sul de Lisboa) Este outflow faz-se sentir particularmente na MSOW

28 Modelação - Conclusões O modelo de 25 Km mostra transportes elevados a Sul que estão relacionados com a recirculação da Corrente dos Açores no Golfo de Cádiz A corrente da vertente aparece sempre à superfície durante todo o ano (pelo menos em 1994).

29 Esquema da circulação obtida com o modelo


Carregar ppt "MODELAÇÃO DE PROCESSOS FÍSICOS RELACIONADOS COM A CIRCULAÇÃO OCEÂNICA NA MARGEM CONTINENTAL IBÉRICA. H. S. Coelho HIDROMOD, Taguspark, Núcleo Central nº"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google