A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As Religiões e a Violência Que relação? Ana Isabel Marques.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As Religiões e a Violência Que relação? Ana Isabel Marques."— Transcrição da apresentação:

1 As Religiões e a Violência Que relação? Ana Isabel Marques

2 Teses possíveis As religiões não geram necessariamente conflito e violência, não existe obrigatoriamente uma relação entre as duas realidades. As religiões não geram necessariamente conflito e violência, não existe obrigatoriamente uma relação entre as duas realidades. As religiões provocam inevitavelmente conflito e violência, existe uma relação de causa-efeito entre as duas realidades. As religiões provocam inevitavelmente conflito e violência, existe uma relação de causa-efeito entre as duas realidades.

3 Tese: violência e Religião são independentes Ao longo do tempo, a aceitação de uma figura superior (Deus ou deuses) e o sentido de submissão a essa figura de autoridade tem ajudado a controlar a acção dos líderes dos grupos humanos, contribuindo para a diminuição da violência recíproca, uma herança evolutiva bem documentada. Ao longo do tempo, a aceitação de uma figura superior (Deus ou deuses) e o sentido de submissão a essa figura de autoridade tem ajudado a controlar a acção dos líderes dos grupos humanos, contribuindo para a diminuição da violência recíproca, uma herança evolutiva bem documentada. Assim, a existência de religiões traz benefícios: estas podem servir interesses humanos, promovendo a convivência pacífica, respeitadora e tolerante. Então, a violência existe independentemente da religião, e esta pode mesmo ajudar a combatê-la. Logo, as religiões não geram necessariamente violência e não existe obrigatoriamente uma relação entre as religiões e a violência.

4 Tese rejeitada: religião causa violência Se cada religião afirma a sua verdade como a única possível, então baseia-se na intolerância, que por vezes se traduz em fundamentalismos e fanatismos religiosos que influenciam as decisões políticas, e na exclusão de outras religiões, o que leva ao desconhecimento que, por sua vez, pode gerar a suspeita, a rejeição e a consequente perseguição violenta. Logo, as religiões provocam conflito e violência. Se cada religião afirma a sua verdade como a única possível, então baseia-se na intolerância, que por vezes se traduz em fundamentalismos e fanatismos religiosos que influenciam as decisões políticas, e na exclusão de outras religiões, o que leva ao desconhecimento que, por sua vez, pode gerar a suspeita, a rejeição e a consequente perseguição violenta. Logo, as religiões provocam conflito e violência.

5 Avaliação do argumento O argumento é válido, pois verifica as três regras gerais de validade O argumento é válido, pois verifica as três regras gerais de validade O argumento é sólido: as premissas e a conclusão são verdadeiras O argumento é sólido: as premissas e a conclusão são verdadeiras Contudo, o argumento é fraco: tem uma premissa tanto ou mais discutível que a conclusão. Logo, não é forçoso aceitar a tese defendida. Contudo, o argumento é fraco: tem uma premissa tanto ou mais discutível que a conclusão. Logo, não é forçoso aceitar a tese defendida.

6 Avaliação do argumento (2) O facto de as religiões afirmarem a sua verdade como a única possível não as faz, necessariamente, intolerantes e excludentes, o que tira força à expressão Se p, então q e r, pois mesmo que p seja verdadeira, nem sempre se verifica a implicação de q e r. O facto de as religiões afirmarem a sua verdade como a única possível não as faz, necessariamente, intolerantes e excludentes, o que tira força à expressão Se p, então q e r, pois mesmo que p seja verdadeira, nem sempre se verifica a implicação de q e r. A maioria das religiões defende valores de paz e respeito, e os crentes, agindo coerentemente com este facto, devem respeitar a existência de outras religiões, ainda que não acreditem na sua veracidade. A maioria das religiões defende valores de paz e respeito, e os crentes, agindo coerentemente com este facto, devem respeitar a existência de outras religiões, ainda que não acreditem na sua veracidade. Assim, as religiões não provocam necessariamente a exclusão e a perseguição violentas de outras religiões, sendo possível a convivência pacífica. Assim, as religiões não provocam necessariamente a exclusão e a perseguição violentas de outras religiões, sendo possível a convivência pacífica.

7 Conclusão As religiões não são necessariamente intolerantes e excludentes As religiões não são necessariamente intolerantes e excludentes Coexistência pacífica de diferentes religiões Coexistência pacífica de diferentes religiões As religiões não geram por si só conflito ou violência As religiões não geram por si só conflito ou violência


Carregar ppt "As Religiões e a Violência Que relação? Ana Isabel Marques."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google