A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IEM-V1 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO PROJETO PARTE 5 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IEM-V1 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO PROJETO PARTE 5 2009."— Transcrição da apresentação:

1 IEM-V1 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO PROJETO PARTE

2 IEM-V2 A ESSÊNCIA DA ENGENHARIA Solucionador de problemas novo produto / melhoria; Solucionador de problemas novo produto / melhoria; Sistema subsistemas; Sistema subsistemas; Projetar experiência / bom senso / criatividade / análise e síntese; Projetar experiência / bom senso / criatividade / análise e síntese; Prática contínua e experiência particular são insubstituíveis; Prática contínua e experiência particular são insubstituíveis; – O projeto é a essência da Engenharia

3 IEM-V3 O PROJETO Projeto atividade que envolve ciência e arte; Projeto atividade que envolve ciência e arte; Ciência exercício de uso de técnicas e cursos específicos; Ciência exercício de uso de técnicas e cursos específicos; Arte experiência / dedicação / força de vontade; Arte experiência / dedicação / força de vontade; Projeto é o conjunto de atividades que precede a execução de um produto, sistema, processo ou serviço; Projeto é o conjunto de atividades que precede a execução de um produto, sistema, processo ou serviço; Processo de um projeto é a aplicação específica de uma metodologia de trabalho na resolução de problemas; Processo de um projeto é a aplicação específica de uma metodologia de trabalho na resolução de problemas; Projetar não é descobrir, a descoberta pode estar presente num projeto, mas não fazem (necessariamente) parte dele; Projetar não é descobrir, a descoberta pode estar presente num projeto, mas não fazem (necessariamente) parte dele; Projeto por evolução_ adaptação/variação do projeto anterior; Projeto por evolução_ adaptação/variação do projeto anterior; Projeto por inovação_aplicação de conhecimentos anteriores não experimentados, resultando em novos produtos (+ erros). Projeto por inovação_aplicação de conhecimentos anteriores não experimentados, resultando em novos produtos (+ erros).

4 IEM-V4 PROCESSO DE PROJETO IDENTIFICAÇÃO DE UMA NECESSIDADE IDENTIFICAÇÃO DE UMA NECESSIDADE Definição do problema Definição do problema Coleta de informações Coleta de informações Concepção Concepção Avaliação Avaliação Especificação da solução Especificação da solução COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO

5 IEM-V5 AÇÃO CIENTÍFICA E AÇÃO TECNOLÓGICA Ação Científica comunidade científica ciência Ação Científica comunidade científica ciência Ação Tecnológica produto aceitação comercial Ação Tecnológica produto aceitação comercial AÇÃO CIENTÍFICA AÇÃO TECNOLÓGICA AÇÃO CIENTÍFICA AÇÃO TECNOLÓGICA Conhecimentos Estado de Arte Conhecimentos Estado de Arte Curiosidade Necessidade Curiosidade Necessidade Hipótese Concepção Hipótese Concepção Análise Viabilidade Análise Viabilidade Prova Produção Prova Produção

6 IEM-V6 FASES DO PROJETO Identificação de uma necessidade; Identificação de uma necessidade; Definição do problema; Definição do problema; Coleta de informações; Coleta de informações; Concepção da solução; Concepção da solução; Avaliação do projeto; Avaliação do projeto; Especificação da solução Final; Especificação da solução Final; Comunicação do projeto; Comunicação do projeto;

7 IEM-V7 IDENTIFICAÇÃO DE UMA NECESSIDADE Insatisfação atual: redução de custos,aumento da confiabilidade/desempenho de sistemas ou satisfação do consumidor; Insatisfação atual: redução de custos,aumento da confiabilidade/desempenho de sistemas ou satisfação do consumidor; Problemas apresentados por outros profissionais; Problemas apresentados por outros profissionais; Organizações possuem pesquisadores para gerar idéias às suas necessidades; Organizações possuem pesquisadores para gerar idéias às suas necessidades; Necessidades podem ser geradas por consultores externos, agentes de compras, agentes governamentais, atitudes ou decisões do público em geral; Necessidades podem ser geradas por consultores externos, agentes de compras, agentes governamentais, atitudes ou decisões do público em geral; A necessidade pode não estar evidente ou estar ofuscada por outra. A necessidade pode não estar evidente ou estar ofuscada por outra.

8 IEM-V8 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Nem sempre é percebido numa visada; Nem sempre é percebido numa visada; O problema inicialmente mal formulado seqüência do trabalho pode ser inútil; O problema inicialmente mal formulado seqüência do trabalho pode ser inútil; Processo de retroalimentação; Processo de retroalimentação; Não confundir solução do problema com o próprio problema; Não confundir solução do problema com o próprio problema; Formular mais claramente possível o problema; Formular mais claramente possível o problema; Deve se definir o problema mais amplo possível; Deve se definir o problema mais amplo possível; Utilização da caixa preta; Utilização da caixa preta; ESTADO INICIAL rolo de arame CAIXA PRETA processo de transformação ESTADO FINAL pregos

9 IEM-V9 MÚLTIPLAS FORMULAÇÕES DE UM PROBLEMA ESTADO INICIAL ESTADO FINAL ESTADO INICIAL ESTADO FINAL 1. Energia elétrica gerada na usina 2. Energia cinética produzida pela turbina 3. Energia potencial (água represada) 4. Fluxo livre da água de um rio 5. Recursos da natureza 1. Lâmpada acesa na residência do consumidor 2. Energia elétrica disponível na residência 3. Energia elétrica disponível para consumo 4. Energia elétrica disponível 5. Energia para consumo

10 IEM-V10 COLETA DE INFORMAÇÕES Dados de entrada e saída_levantamento dos parâmetros que se tem antes e após a transformação desejada Dados de entrada e saída_levantamento dos parâmetros que se tem antes e após a transformação desejada Condicionantes de entrada e saída_especificação dos valores que podem assumir cada uma das variáveis de entrada e saída: peso, volume, formato Condicionantes de entrada e saída_especificação dos valores que podem assumir cada uma das variáveis de entrada e saída: peso, volume, formato Critérios_ base de referência para avaliação das várias soluções encontradas Critérios_ base de referência para avaliação das várias soluções encontradas Utilização_uso do sistema projetado custo x benefício Utilização_uso do sistema projetado custo x benefício Volume de produção_números finais de produção Volume de produção_números finais de produção

11 IEM-V11 CONCEPÇÃO DA SOLUÇÃO É o coração do processo; É o coração do processo; Busca de soluções sem preocupações com detalhamentos; Busca de soluções sem preocupações com detalhamentos; Projeto preliminar 1 a idéia de uma solução proposta; Projeto preliminar 1 a idéia de uma solução proposta; Revisão bibliográfica; Revisão bibliográfica; Estímulo da criatividade; Estímulo da criatividade; Formulação de um modelo (analítico/experimental); Formulação de um modelo (analítico/experimental); Soluções parciais; Soluções parciais; Importantes: análise e síntese; Importantes: análise e síntese;

12 IEM-V12 AVALIAÇÃO DO PROJETO É a fase de julgamento; É a fase de julgamento; Modelos experimentais / protótipos; Modelos experimentais / protótipos; Erros podem ser fonte de dados para projetos futuros; Erros podem ser fonte de dados para projetos futuros; Toda etapa do processo requer uma avaliação; Toda etapa do processo requer uma avaliação; Dois tipos de avaliações: matemática e bom senso; Dois tipos de avaliações: matemática e bom senso; concepção da solução satisfatória ? não sim especificação da solução final

13 IEM-V13 ESPECIFICAÇÃO DA SOLUÇÃO FINAL É preparado o memorial descritivo do projeto: É preparado o memorial descritivo do projeto: – objetivos,funções e localizações das partes que compõem o projeto; – características básicas da solução final (propriedades requeridas para os materiais especificados); – indicação dos valores previstos para os parâmetros e variáveis envolvidas; – detalhes construtivos e operacionais; – desenhos detalhados de componentes, subsistemas e sistemas

14 IEM-V14 COMUNICAÇÃO DO PROJETO Relatório final Relatório final – Memorial descritivo; – Memorial de cálculo; – Listas de materiais; – Cronogramas; – Orçamento do projeto: custos com pesquisas, serviços especializados em terceiros, consultorias técnicas, materiais e equipamentos adquiridos, honorários do projetista e/ou equipe; – Informações gerais: características básicas da solução proposta, especificações de detalhes construtivos, justificativa de métodos, critérios utilizados para cálculos, simbologia, convenções e unidades adotadas;

15 IEM-V15 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE UMA CASA ATIVIDADES MESES preparação do terreno estaqueamento baldrame levantamento dos tijolos/laje tubulação/esgoto/água/eletricidade reboco telhado acabamento/pintura


Carregar ppt "IEM-V1 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO PROJETO PARTE 5 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google