A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sumário 3. Para uma tipologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.1. As velhas nações europeias 3.2. As novas nações das Américas David Justino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sumário 3. Para uma tipologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.1. As velhas nações europeias 3.2. As novas nações das Américas David Justino."— Transcrição da apresentação:

1

2 Sumário 3. Para uma tipologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.1. As velhas nações europeias 3.2. As novas nações das Américas David Justino e Sílvia de Almeida2

3 As velhas nações europeias David Justino e Sílvia de Almeida3 Velhas e novas nações As Velhas Nações são aquelas que adquiriram uma identidade nacional ou uma consciência nacional antes da formulação das primeiras doutrinas do nacionalismo. As Novas Nações são aquelas em que se desenvolveram dois processos simultâneos: a formação da consciência nacional e a criação de movimentos nacionalistas. Hugh Seton-Watson, Nations and States, Methuen, London, 1977

4 As velhas nações europeias David Justino e Sílvia de Almeida4 Hugh Seton-Watson, Nations and States, Methuen, London, 1977 Velhas Nações da Europa em 1789 Ocidente: Ingleses, Escoceses, Franceses, Holandeses, Castelhanos e Portugueses. Norte: Dinamarqueses e Suecos Leste: Húngaros, Polacos e Russos Todos estas nações viviam em estados dirigidos por pessoas da sua nacionalidade não se justificando qualquer movimento de independência nacional, com três excepções: Escoceses (Reino Unido), Húngaros e Polacos.

5 As velhas nações europeias David Justino e Sílvia de Almeida5 Hugh Seton-Watson, Nations and States, Methuen, London, 1977 Velhas Nações da Europa em 1789 Outras comunidades onde se encontram expressões de identidade nacional, nomeadamente entre as élites culturais : Alemães, Italianos, Irlandeses, Catalães e Noruegueses.

6 As velhas nações europeias 6 A Europa em 1815 e proposta de tipologia dos Nacionalismos A B C

7 As novas nações da América Latina : Insurreição de Miguel Hidalgo no México 1811: Independência da Venezuela e do Paraguai 1813: Revolução em Nova Granada (Colômbia) 1816: Independência da Argentina 1818: Independência do Chile Vitória de San Martín no Peru 1819: Vitória de Simón Bolívar e Proclamação da Grande Colômbia 1821: Independência do México, Rep. Dominicana e Peru 1822: Independência do Brasil 1825: Independência da Bolívia 1828: Independência do Uruguai 1830: Desagregação da Grande Colômbia. Independência do Equador e Venezuela 1831: Independência de Nova Granada (Colômbia) : Independência do Texas 1838: Independência da Guatemala. Honduras, Nicarágua e Costa Rica

8 As novas nações da América Latina 8

9 9

10 10 A conjuntura europeia (Guerras Napoleónicas) favorece os movimentos independentistas As sociedades crioulas Estados federais (USA e Brasil) e estados nacionais (ex- colónias espanholas) O caudilhismo A doutrina Monroe (1823): A América para os Americanos Congresso do Panamá (1826): insucesso do Plano Bolívar para uma união sul-americana

11 As novas nações da América Latina 11 Estados de dominância colonial europeia: Argentina e Uruguai Estados de dominância mestiça: Brasil, México, Antilhas e América Central Estados de dominância indígena: Bolívia, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador e Paraguai

12 As novas nações da América Latina 12 Indígenas, escravos e crioulos De colónias a repúblicas A herança da administração colonial A burocracia imperial e a limitação social dos crioulos Porque é que o modelo das 13 colónias não se projectou na América Latina?

13 David Justino e Sílvia de Almeida13


Carregar ppt "Sumário 3. Para uma tipologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.1. As velhas nações europeias 3.2. As novas nações das Américas David Justino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google