A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

5º Congresso Riopharma de Ciências Farmacêuticas Hotel Glória - RJ Dr. Jorge Raimundo – OBE Rio de Janeiro, 22/09/07 Patentes Farmacêuticas e Acesso a.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "5º Congresso Riopharma de Ciências Farmacêuticas Hotel Glória - RJ Dr. Jorge Raimundo – OBE Rio de Janeiro, 22/09/07 Patentes Farmacêuticas e Acesso a."— Transcrição da apresentação:

1 5º Congresso Riopharma de Ciências Farmacêuticas Hotel Glória - RJ Dr. Jorge Raimundo – OBE Rio de Janeiro, 22/09/07 Patentes Farmacêuticas e Acesso a Medicamentos.

2 Agenda Desafios da Saúde no Brasil relacionados ao acesso a medicamentos. Propostas para vencer estes desafios.

3 Fonte: Target; IBGE; GRUPEMEF; Ministério da Saúde, IMS PMB; BCG analysis Mercado total Classes de renda mais baixa com restrição de acesso a medicamentos Consumo per capita atual R$ per capita/ mês ABE 9,6 C 16,3 Custo de R$ 3,5 Bi por ano para fechar a lacuna de acesso 9,8 3,1 7,0 D 12,4 População Total (M) =177M 31,2 19,4

4 Iniciativas do Governo para aumentar o acesso da população a remédios não surtiram o efeito esperado Mercado não se expandiu após controle Governo não passou a gastar menos a partir do controle de preços Projeto embrionário, necessita de tempo para estar em plena operação – muito cedo para avaliar resultados Redes privadas de farmácias poderiam cumprir papel de distribuição Iniciativas do Governo Iniciativas do Governo Não aumentou o volume global de medicamentos no nível esperado Efeito substituição: Quem não comprava antes continua sem comprar Resultado observado Genéricos Controle de preços Farmácia popular

5 (1) TACC = Taxa anual de Crescimento Composto Fonte: IMS/PMB, análise BCG 0% TACC (1) (00-04) Classes terapêuticas com genéricos (milhões de unids) -3,8% Referência e similares Genéricos +105% Total Genéricos cresceram por substituíção, sem ampliar globalmente o mercado

6 Controles de preços Genéricos Hab (M) Variação do PIB Controle de preços e genéricos aparentemente não aumentaram o acesso Unidades (M) ,794,36 1,31 1,93 0,54 5,18 Vendas de lab. priv. não considerando vendas informais

7 Proposta de reembolso público do governo pode aumentar acesso da população aos medicamentos População que não é atendida pelo SUS (11,5M com hipertensão/diabetes) e tem dificuldade para comprar medicamentos Deveria focar na população SUS, de forma complementar Lacuna é mais acentuada nessa população Embora tenha possibilidade a medicamento gratuito no SUS, na prática não ocorre Por meio de receita especial a ser distribuída para médicos Caso focasse na parcela de renda mais baixa, poderia utilizar cadastro único de programas sociais do governo Impacto pode aumentar se focar na popul. de baixa renda Público alvo (M) Como controlar Projeto de lei do Min. da Saúde Considerações

8 Gastos totais com saúde como % do PIB-2002 O Setor Público Brasileiro gasta abaixo da média de outros países em saúde 9,0% Média 1 7,9 Brasil 14,6 EUA 6,1 México 8,9 Argentina 9,5 Grécia 8,8 Holanda 9,5 Austrália 9,6 Canadá 9,3 Portugal 7,6 Espanha 6,1 Polônia 8,5 Itália 9,7 França 8,5 N. Zelândia 10,9 Alemanha 7,7 Inglaterra 1 Para Brasil 2002; Para OECD último ano disponível no OECD Health Média sem o Brasil Nota: Argentina: OMS 53,4% PEH/TEH e gastos com saúde / pessoa = US$679 (2001); CICOP – Sindicato dos Profissionais de Saúde de Buenos Aires: 30% dos gastos com medicamentos = público, total de gastos Pesos 3B - Ministério da Economia Argentino (2001) Fonte: OECD Health, 2003; OMS; IMS; análise BCG

9 66,8% Média 1 Gastos públicos com saúde como % dos gastos com saúde no país O Setor Público Brasileiro gasta abaixo da média de outros países em saúde 1 Para Brasil 2002; Para OECD último ano disponível no OECD Health Média sem o Brasil Nota: Argentina: OMS 53,4% PEH/TEH e gastos com saúde / pessoa = US$679 (2001); CICOP – Sindicato dos Profissionais de Saúde de Buenos Aires: 30% dos gastos com medicamentos = público, total de gastos Pesos 3B - Ministério da Economia Argentino (2001) Fonte: OECD Health, 2003; OMS; IMS; análise BCG 44,9 50,2 52,9 65,6 67,9 69,9 70,5 71,3 72,4 75,6 76,0 77,9 78,5 83,4 45,9 Brasil EUA México Argentina Grécia Holanda Austrália Canadá Portugal Espanha Polônia Itália França N. Zelândia Alemanha Inglaterra

10 Gastos públicos com medicamentos como % dos gastos públicos com saúde(1) NA 12,8 12,6 17,4 13,4 15,7 21,8 7,8 10,7 9,7 17,4 5,0 6,7 4,9 7,4 12% Média 1 Brasil EUA México Argentina Grécia Holanda Austrália Canadá Portugal Espanha Polônia Itália França N. Zelândia Alemanha Inglaterra 1 Para Brasil 2002; Para OECD último ano disponível no OECD Health Média sem o Brasil Nota: Argentina: OMS 53,4% PEH/TEH e gastos com saúde / pessoa = US$679 (2001); CICOP – Sindicato dos Profissionais de Saúde de Buenos Aires: 30% dos gastos com medicamentos = público, total de gastos Pesos 3B - Ministério da Economia Argentino (2001) Fonte: OECD Health, 2003; OMS; IMS; análise BCG O Setor Público Brasileiro gasta abaixo da média de outros países em saúde

11 Patenteados: Nelfinavir, Efavirenz Não patenteados: Diadanosina, Lamivudina (3TC), Zidovudina (AZT), Estavudina (d4T), Nevirapina, Zalcitabina (ddC) (2) Apenas quimioterápicos – estimated in R$500M Nota: Gastos municipais e estaduais incluem Farmácia Popular. Gastos do governo estadual incluem Saúde Mental e Parte dos Excepcionais. Considera-se que Gastos Hospitalares incluam estadual e municipal Fonte: CPI dos Medicamentos, MoH, Datasus Governos (Fed., Estad. e Municipal) gastaram em 2002 / 2003 ~R$3,6 bilhões em medicamentos C-EA-B Amoxicilina, mebendazol, sulfato ferroso, paracetamol Medicamentos Antibióticos, vermífugos, anemia, analgésicos etc. Doença / tipo de medicamento R$348M (dividido entre 3 esferas) 46M Farmácia pop. + básica – medicam. para doenças simples (diarréia, febre...) Premissa classe social Gastos Pessoas beneficiadas Programa Aproximadamente 14% do mercado total

12 R$981M 120K Captopril, Hidroclorotiazide, Propanolol, Insuline, Glibenclamida, hemoderivados: Factor VIII, IX... Hipertensão, Diabetes, Tuberculose, Hanseníase, Endemias (Leishmaniose, malária), coagulopatias... Total 15 medicamentos patenteados e não patenteados (1) AIDSR$510M Programas estratégicos Antiretrovirais /HIV Outros: ex.: HiperDia, Hemoderivados, Tuberculose Vacinas C-EA-B Medicamentos Doença/tipo de medicamento Premissa classe social Gastos Pessoas beneficiadas Programa Patenteados: Nelfinavir, Efavirenz Não patenteados: Diadanosina, Lamivudina (3TC), Zidovudina (AZT), Estavudina (d4T), Nevirapina, Zalcitabina (ddC) (2) Apenas quimioterápicos – estimated in R$500M Nota: Gastos municipais e estaduais incluem Farmácia Popular. Gastos do governo estadual incluem Saúde Mental e Parte dos Excepcionais. Considera-se que Gastos Hospitalares incluam estadual e municipal Fonte: CPI dos Medicamentos, MoH, Datasus Governos (Fed., Estad. e Municipal) gastaram em 2002 / 2003 ~R$3,6 bilhões em medicamentos Aproximadamente 14% do mercado total

13 Patenteados: Nelfinavir, Efavirenz Não patenteados: Diadanosina, Lamivudina (3TC), Zidovudina (AZT), Estavudina (d4T), Nevirapina, Zalcitabina (ddC) (2) Apenas quimioterápicos – estimated in R$500M Nota: Gastos municipais e estaduais incluem Farmácia Popular. Gastos do governo estadual incluem Saúde Mental e Parte dos Excepcionais. Considera-se que Gastos Hospitalares incluam estadual e municipal Fonte: CPI dos Medicamentos, MoH, Datasus 15M Medicamentos hospitalares R$ 1,200M 130K Ex.:., Medicamentos para emergências, Quimioterápicos Anestesia, Infecções, Neonatologia, Câncer Prednizone,Donepezil, Bromocriptine, Gabapentina, Toporimato, Ziprazidona, Interferon Alfa, Pancreatics,.. Artrite, Alzheimer Parkinson, Convulsão, Hep C, Esclerose R$ 570M Doenças crônicas/ excepcionais (alto custo) C-EA-B Medicamentos Doença/tipo de medicamento Premissa classe social Gastos Pessoas beneficiadas Programa 2 Governos (Fed., Estad. e Municipal) gastaram em 2002 / 2003 ~R$3,6 bilhões em medicamentos Aproximadamente 14% do mercado total

14 Patenteados: Nelfinavir, Efavirenz Não patenteados: Diadanosina, Lamivudina (3TC), Zidovudina (AZT), Estavudina (d4T), Nevirapina, Zalcitabina (ddC) (2) Apenas quimioterápicos – estimated in R$500M Nota: Gastos municipais e estaduais incluem Farmácia Popular. Gastos do governo estadual incluem Saúde Mental e Parte dos Excepcionais. Considera-se que Gastos Hospitalares incluam estadual e municipal Fonte: CPI dos Medicamentos, MoH, Datasus TotalR$3.6B Doenças mentais R$29M Programa de saúde mental C-EA-B Medicamentos Doença/tipo de medicamento Premissa classe social Gastos Pessoas beneficiadas Programa Aproximadamente 14% do mercado total Governos (Fed., Estad. e Municipal) gastaram em 2002 / 2003 ~R$3,6 bilhões em medicamentos

15 Mais impostos... Arrecadação teórica: R$ 7,3 Bi O Brasil é o único país que gasta menos do que arrecada com Impostos sobre Medicamentos Considerando impostos sobre venda (2002) 28 Brasil 21 Argentina 16 Alemanha 15 Itália 8 Grécia 6 6 Holanda 5 Japão 5 Portugal 4 Espanha 3 00 México 0 R. Unido* França* EUA Canadá * média

16 Gastos: R$ 3,6 Bi Considerando impostos sobre venda (2002)...menos gastos * média 14 Brasil 70 Alemanha 52 Itália 75 Grécia 60 Holanda 67 Japão 62 Portugal 73 Espanha 17 México 65 R. Unido* 66 França* 19 EUA 30 Argentina 36 Canadá O Brasil é o único país que gasta menos do que arrecada com Impostos sobre Medicamentos

17 Mantido igual para estimar Total Varejo1,67x Relação POF / IMS Fonte IMS IMS (preço fábrica) 12,5%14%Governo como % total Total Governo + Varejo Para 2004 estimativa baseada na relação POF/IMS Total Varejo (POF-IBGE 2002) Total – Governo Dado mais atual não disponível29 Saúde Mental Dado mais atual não disponível Hospitalares Quimioterapia Outros Atualização publicada no Balanço Saúde Excepcionais Dado do Min. da Saúde. Pode chegar a 950M em 2005 Dado mais atual não disponível Programas estratégicos AIDS Demais Aumento na contrapartida do PAB de 0,5 para 1 para estados e municípios Farmácia popular Justificativa 2004 (R$ M) 2004 (R$ M) 2002/3 (R$ M) 2002/3 (R$ M) Programa Gasto com Governo provavelmente aumentou mas estimativa aponta que Governo como % do total de medicamentos pode ter reduzido Falta de dados mais recentes impede atualização Estimativas indicam que governo não aumentou % s/mercado total

18 Patentes e Acesso a Medicamentos 95% das Drogas essenciais de acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), não são patenteadas.95% das Drogas essenciais de acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), não são patenteadas. Companhias farmacêuticas possuem programas de parceria para atender populações em países mais pobres, fornecendo a custo, abaixo do custo ou gratuitamente.Companhias farmacêuticas possuem programas de parceria para atender populações em países mais pobres, fornecendo a custo, abaixo do custo ou gratuitamente. ÍNDIA – Muitos Produtores / Pouquíssimo Acesso.ÍNDIA – Muitos Produtores / Pouquíssimo Acesso. Toda negociação de boa fé traz real melhoria no Acesso e na Saúde Pública.Toda negociação de boa fé traz real melhoria no Acesso e na Saúde Pública. Verdadeira barreira ao Acesso: A falta de infra-estrutura, falta de fundos e financiamento, impostos, carga tributária e falta de pessoal.Verdadeira barreira ao Acesso: A falta de infra-estrutura, falta de fundos e financiamento, impostos, carga tributária e falta de pessoal.

19 Propriedade Intelectual promove Incentivos para competições nas classes terapêuticas, inventando novas soluções com produtos inovadores e melhorando os produtos disponíveis.Propriedade Intelectual promove Incentivos para competições nas classes terapêuticas, inventando novas soluções com produtos inovadores e melhorando os produtos disponíveis. Propriedade Intelectual

20 Origem das Patentes 1449 – Inglaterra – Processo de fabricação de vidro, John of Utynan, por 20 anos. vidro, John of Utynan, por 20 anos. Em troca ele ensinou outros ingleses. Em troca ele ensinou outros ingleses – Carta de Veneza – Primeira Lei Inglesa (Estatuto de James). (Estatuto de James) – Primeira Lei Americana – Primeira Lei Francesa – Alvará de D. João VI.

21 Origem das Patentes 1859 – Abrahan Lincoln "The patent system... secured to the "The patent system... secured to the inventor, for a limited time, the inventor, for a limited time, the exclusive use of his invention; and exclusive use of his invention; and thereby added the fuel of interest to thereby added the fuel of interest to the fire of genius in the discovery and the fire of genius in the discovery and production of new and useful things" production of new and useful things" 1883 – Convenção de Paris. (rev. Estocolmo ) (rev. Estocolmo )

22 Código da Propriedade Industrial 1945 São eliminadas as concessões de São eliminadas as concessões de patentes de medicamentos no patentes de medicamentos no Brasil. Brasil.

23 INPI Lei de 11 de Dezembro de 1970 Criou-se o Instituto Nacional da Criou-se o Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Propriedade Industrial.

24 Constituição de 1988 Artigo 5º - Inciso XXIX: A lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País. A lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País.

25 TRIPS/OMC 1994 – Promulgada a ata final da Rodada do Uruguai do Acordo GATT, do qual faz Uruguai do Acordo GATT, do qual faz parte o TRIPS - Acordo sobre Aspectos parte o TRIPS - Acordo sobre Aspectos dos Direitos da Propriedade Intelectual dos Direitos da Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio. Relacionados ao Comércio – Decreto nº de 30/12/94, introduzindo o TRIPS na legislação introduzindo o TRIPS na legislação brasileira. brasileira – Criação da OMC – Organização Mundial do Comércio, da qual o Brasil é membro do Comércio, da qual o Brasil é membro fundador. fundador.

26 14 de maio de 1996 BRASIL Lei da Propriedade Industrial Nº Regula direitos e obrigações relativos a propriedade intelectual Regula direitos e obrigações relativos a propriedade intelectual

27 O que pode ser patenteado? A lei determina que é patenteávelA lei determina que é patenteável o que: for novidade; for novidade; contenha atividade inventiva; e contenha atividade inventiva; e tenha aplicação industrial. tenha aplicação industrial.

28 Lei nº de 14/05/96 ARTIGO 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade: Item IX – o todo ou parte de seres vivos naturais e materiais biológicos encontrados na natureza, ou ainda que dela isolados, inclusive o genoma ou germoplasma de qualquer ser vivo natural e os processos biológicos naturais.

29 Lei nº de 14/05/96 ARTIGO 18 – Não são patenteáveis: I.o que for contrário à moral, aos bons costumes e à segurança, à ordem e à saúde públicas. II.as substâncias, matérias, misturas, elementos ou produtos de qualquer espécie, bem como a modificação de suas propriedades físico-químicas e os respectivos processos de obtenção ou modificação, quando resultantes de transformação do núcleo atômico; e III.o todo ou parte dos seres vivos, exceto os microorganismos transgênicos que atendam aos três requisitos de patenteabilidade – novidade, atividade inventiva e aplicação industrial – previstos no art. 8º e que não sejam mera descoberta. Parágrafo único – Para os fins desta Lei, microorganismos transgênicos são organismos, exceto o todo ou parte de plantas ou de animais, que expressem, mediante intervenção humana direta em sua composição genética, uma característica normalmente não alcançável pela espécie em condições naturais.

30 Seção III - Da Licença Compulsória Artigos 68 a 74 Artigo 68 - o titular ficará sujeito a ter a patente licenciada compulsoriamente se exercer os direitos dela decorrentes de forma abusiva, ou por meio dela praticar abuso de poder econômico, comprovado nos termos da lei, por decisão administrativa ou judicial. Artigo 68 I - a não exploração do objeto da patente no território brasileiro por falta de uso integral do processo patenteado, ressalvados os casos de inviabilidade econômica, quando será admitida a importação, ou (...)

31 Artigo 71 - nos casos de emergência nacional ou interesse público, declarados em ato do Poder Executivo Federal, desde que o titular da patente ou seu licenciado não atenda a essa necessidade, poderá ser concedida, de ofício, licença compulsória, temporária e não exclusiva, para a exploração da patente, sem prejuízo dos direitos do respectivo titular. Seção III - Da Licença Compulsória Artigos 68 a 74

32 Lei da Propriedade Industrial e suas Conseqüências 1.Essa alteração legislativa não apenas resgatou antiga dívida que o país tinha desde 1945 (para produtos) e 1967 (para processos de fabricação) com os legítimos titulares de direitos sobre suas invenções na área farmacêutica, como também colocou o Brasil em linha com a legislação internacional em matéria de propriedade industrial.

33 Lei da Propriedade Industrial e suas Conseqüências 2.Legislação para exploração dos medicamentos genéricos com Bioequivalência e Biodisponibilidade. 3.Lei de Inovação. 4.Melhoria do INPI/Academia. 5.Melhoria do Judiciário/Cursos.

34 Lei da Propriedade Industrial e suas Conseqüências 6.Novos investimentos em ativos fixos e chegada de novas empresas. 7.Processos de transferências de tecnologia. 8.Acesso imediato a novos e importantes medicamentos.

35 Lei da Propriedade Industrial e suas Conseqüências 9. Parceria Universidade/Empresa. 10. Formação de parcerias e novos negócios. 11. Fixação de pesquisadores no país. 12. Combate à Pirataria.

36 Lei da Propriedade Industrial e suas Conseqüências 13. Aumento significativo das pesquisas clínicas Fases II e III. 14. Transformação do conceito de publicação de trabalhos científicos (curiosidade acadêmica) para pesquisa com agregação de valor. 15. Desenvolvimento de pesquisas locais por empresas nacionais.

37 Patentes requeridas por Laboratórios Nacionais Biolab/Sanus/UQ12Biolab/Sanus/UQ12 Libbs14Libbs14 Medley08Medley08 Eurofarma01Eurofarma01 EMS01EMS01 Biosintética20Biosintética20 Fiocruz60Fiocruz60

38 INPI - Patentes depositadas e concedidas – Área da Saúde Casos não-pipeline farmacêuticos depositados a partir de Jan 1, 1995 Estimativa de pendências Pedidos referentes a preparações para fins médicos, dentários e higiene (icl A61K) N/A Pedidos de patente enviados para ANVISA (7.4) 381N/A Pedidos de patente deferidos pelo INPI (9.1) após anuência ANVISA – 308 = 73 (pedidos enviados para ANVISA ainda sem anuência prévia) Patentes concedidas pelo INPI (16.1) – 269 = 39 Informações até 27 Set 2005 (RPI 1811) 2005 Dannemann Siemsen. Todos os direitos reservados

39 INPI - Patentes depositadas e concedidas - Pipeline Casos pipeline Estimativa de pendências Pedidos pipeline publicados pelo INPI (23.3) 1.198N/A Patentes concedidas (23.9) Pedidos enviados para ANVISA para anuência prévia (23.17) 246N/A Patentes concedidas (23.9) após anuência prévia ANVISA – 181 = 65 (pedidos enviados para ANVISA ainda sem anuência prévia) Patentes concedidas (23.9) sem anuência prévia ANVISA (770 – 181) = +/- 589 N/A Informações até 27 Set 2005 (RPI 1811) 2005 Dannemann Siemsen. Todos os direitos reservados

40 INPI e seus problemas: Aperto fiscal. Aperto fiscal. Contingenciamento de verbas pelo Tesouro Nacional. Contingenciamento de verbas pelo Tesouro Nacional. Não contratação de pessoal. Não contratação de pessoal. Redução do quadro de para 600 funcionários. Redução do quadro de para 600 funcionários. Aumento do volume de pedidos de marcas. Aumento do volume de pedidos de marcas. Volume de pedidos de patentes para área de saúde. Volume de pedidos de patentes para área de saúde. A deterioração do órgão. A deterioração do órgão. Novas leis, portarias e decretos. Novas leis, portarias e decretos. Falta dinheiro, pessoal, processos. Falta dinheiro, pessoal, processos.

41 INPI e suas soluções: Reestruturação. Reestruturação. Disseminação da cultura da PI. Disseminação da cultura da PI. Revisão conceitual. Revisão conceitual. Articulação internacional. Articulação internacional. Próximos investimentos/sistemas. Próximos investimentos/sistemas.

42 Para reconhecer a importância da propriedade intelectual para indústria farmacêutica como incentivo para pesquisadores na busca de novas e importantes invenções que minimizam a dor, promovem a melhoria da qualidade de vida e buscam a cura.Para reconhecer a importância da propriedade intelectual para indústria farmacêutica como incentivo para pesquisadores na busca de novas e importantes invenções que minimizam a dor, promovem a melhoria da qualidade de vida e buscam a cura. EFICÁCIA DO INPI

43 COMO NASCE UMA DROGA

44 Tempo para desenvolver um medicamento a selecionados 250 entram em teste pré-clínico Apenas 1 chega ao mercado Anos Invenção e desenvolvimento Testes pré-clínicos (testes laboratoriais em animais) Fase I – 20 a 80 voluntários saudáveis para determinar segurança e dosagem Fase II – 100 a 300 voluntários para determinar eficácia e efeitos colaterais Fase III – a pacientes voluntários para monitorar reações adversas em uso de longa duração Aprovação do Governo Fase IV – Teste adicional pós-comercialização PatentesolicitadaPatenteconcedida 5 entram em testes clínicos

45 Gastos com P&D: $58 bilhões em 2006 nos EUA Telecomunicação Média das Indústrias dos EUA AutomotivaEletrônica P&D Farmacêutica 20%16%12%8%4%0% % sobre as vendas 5%5%5%5% 4%4%4%4% 4%4%4%4% 6%6%6%6% 18% Fonte: PhRMA (EUA)

46 Pesquisa e Desenvolvimento de medicamentos anos em desenvolvimento Somente 1 em cada 5,000 compostos chega at é os pacientes $897 milhões por medicamento 7 entre 10 drogas não cobrem os custos de P&D

47 Invenção / Inovação Indústria Farmacêutica A grande diferença…

48 ROBÓTICA ROBÓTICA QUÍMICA COMBINATÓRIA QUÍMICA COMBINATÓRIA ENGENHARIA GENÉTICA ENGENHARIA GENÉTICA BIOTECNOLOGIA BIOTECNOLOGIA Novos processos em P&D

49 Produtos da Biotecnologia VENDAS $ Bil

50 Mercado Global de Biotecnologia chega a US$ 53 billion, com 60% nos EUA Sales US$ Bil Source: IMS Health MIDAS MAT Dec 2004

51 HIV / AIDS79 Mal de Alzheimer19 Depressão13 Diabetes19 Doen ç as Gastrointestinais 9 Osteoartrite 8 Osteoporose18 Mal de Parkinson10 Doen ç as da Pr ó stata 4 Problemas Respirat ó rios18 Artrite Reumat ó ide20 Disfun ç ões sexuais 9 Problemas de Pele15 Medicamentos em Desenvolvimento O Futuro promete ser brilhante Fonte: PhRMA (EUA)

52 Produtos naturais e derivativos Antagon. H2 bloqueadores bloqueadores PenicilinassulfanamidasAspirina Receptores Química NSAIDS Psicotropicos Engenharia genética Enzimas Farmacologia celular Biologia molecular Redutores de lipídeos Inibidores da ECA Drogas de biotecnologia Doença degenerativa crônica associada com a idade, inflamação e câncer Inovações dos Medicamentos Células Tronco ARVs Antibióticos TRE p/ doenças de depósito

53 CÉLULAS TRONCO CÉLULAS TRONCO ENGENHARIA GENÉTICA ENGENHARIA GENÉTICA NOVAS ENTIDADES QUÍMICAS – FOLLOW- ON NOVAS ENTIDADES QUÍMICAS – FOLLOW- ON DROGAS PARA DOENÇAS NEGLIGENCIADAS DROGAS PARA DOENÇAS NEGLIGENCIADAS DROGAS DE BIOTECNOLOGIA DROGAS DE BIOTECNOLOGIA INOVAÇÕES NO BRASIL

54 BRASIL BIODIVERSIDADE

55 Parceria para a Prosperidade... MDICINPI Min. Saúde MCT Prevenção, Tratamento, Cura e Tratamento, Cura e Qualidade de Vida Qualidade de Vida Indústrias e Centros de Pesquisas Universidades Sistema de saúde Médicos Hospitais Hospitais Trabalhos Trabalhos clínicos clínicos Farmacêuticos Farmacêuticos P&D GOVERNO EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO


Carregar ppt "5º Congresso Riopharma de Ciências Farmacêuticas Hotel Glória - RJ Dr. Jorge Raimundo – OBE Rio de Janeiro, 22/09/07 Patentes Farmacêuticas e Acesso a."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google