A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852, em folhetins, no Correio Mercantil); Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852, em folhetins, no Correio Mercantil); Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852,"— Transcrição da apresentação:

1

2 Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852, em folhetins, no Correio Mercantil); Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852, em folhetins, no Correio Mercantil); Estilo/estrutura: traços primitivos; Estilo/estrutura: traços primitivos; Romance de humor popular, baseado nas aventuras de tipos humanos característicos da sociedade carioca do começo do século XIX. Romance de humor popular, baseado nas aventuras de tipos humanos característicos da sociedade carioca do começo do século XIX. Título – Memórias de um sargento: de quem são as memórias? Título – Memórias de um sargento: de quem são as memórias?

3 origem: Antônio César Ramos, português que viera para o Brasil em 1817 como soldado e depois chegara a sargento de milícias, ainda na Colônia, sob o comando do major Vidigal; origem: Antônio César Ramos, português que viera para o Brasil em 1817 como soldado e depois chegara a sargento de milícias, ainda na Colônia, sob o comando do major Vidigal; ambigüidade no título: refere-se ao herói do livro, o Leonardo, ou ao outro sargento veterano que contava ao autor casos do tempo do rei velho? ambigüidade no título: refere-se ao herói do livro, o Leonardo, ou ao outro sargento veterano que contava ao autor casos do tempo do rei velho?

4 1894 José Veríssimo define as Memórias de um sargento de milícias como romance de costumes.

5 Segundo ele o livro: Descreve lugares e cenas do Rio de Janeiro no tempo de D. João VI Caracterizando-se por uma espécie de realismo antecipado

6 1941 Mário de Andrade reorienta a crítica. Segundo ele: mas um continuador atrasado de um romance de tipo marginal o romance não é um precursor

7 Afasta-se da corrente média das literaturas e liga-se a tradições tais como: as de Apuleio e Petrônio, na Antigüidade ou do Lazarillo de Tormes, no Renascimento todos com personagens anti-heróicos que são modalidades de pícaros.

8 Estrutura próximo de lendas e fábulas: próximo de lendas e fábulas: Era no tempo do rei Era no tempo do rei origem folclórica. origem folclórica.

9 Era uma vez, Num certo país, Há mil anos (...) – esses inícios sugerem que o que se segue não pertence ao aqui e agora que nós conhecemos. Esta indefinição deliberada do início dos contos simboliza que estamos deixando o mundo concreto da realidade comum. A Psicanálise dos Contos de Fadas, Bruno Bettelhei Bruno Bettelheim

10 1956 Darcy Damasceno aborda esta análise estilística, rejeitando as posições anteriores.

11 Leonardo parenteLeonardo parente de Macunaíma??!!de Macunaíma??!! 1970 Antonio Candido

12 (...) a malandragem é uma variante do jeitinho (...), constituindo-se como uma outra forma de navegação social. O malandro, portanto, seria um agente profissional do jeitinho e da arte de sobreviver nas situações mais difíceis: aquelas nas quais ele está claramente fora ou longe da lei. Na malandragem também temos esse relacionamento complexo e criativo entre o talento pessoal e as leis que engendram o uso de expedientes, de histórias e de contos-do-vigário, artifícios com um alto apelo pessoal que nada mais são que modos engenhosos de tirar partido de certas situações (...) O que é o Brasil?, Roberto DaMatta

13 Veremos então que, embora elementares como concepção de vida e caracterização dos personagens, as Memórias são um livro agudo com percepção das relações humanas tomadas em conjunto. (..) Poderíamos dizer que há, desse modo, um hemisfério positivo da ordem e um hemisfério negativo da desordem, funcionando como dois ímãs que atraem Leonardo, depois de terem atraído seus pais. ("Dialética da Malandragem", Antônio Cândido. ) ("Dialética da Malandragem", Antônio Cândido. )

14 ÍMÃS QUE ATRAEM LEONARDO UNIVERSO ORDEM ORDEMUNIVERSODESORDEM LEONARDO

15 1. Romance picaresco 2. Romance malandro 3. Romance docu mentário 4. Romance representativo 5. Um mundo sem culpa

16 CENÁRIO Restrito espacialmente (região central do RJ) Restrito espacialmente (região central do RJ) Também socialmente a ação é circunscrita a um tipo de gente modesta (pequena burguesia) Também socialmente a ação é circunscrita a um tipo de gente modesta (pequena burguesia) Há uma senhora rica, dois padres, um chefe de polícia e, de relance, um oficial superior e um fidalgo, através dos quais nota-se o mundo do Paço. Há uma senhora rica, dois padres, um chefe de polícia e, de relance, um oficial superior e um fidalgo, através dos quais nota-se o mundo do Paço.

17 ESTRUTURA Capítulos unitários, quase todos contendo um episódio completo Capítulos unitários, quase todos contendo um episódio completo Em conjunto, a obra reconstitui a vida de Leonardo Pataca e de seu filho Leonardo Em conjunto, a obra reconstitui a vida de Leonardo Pataca e de seu filho Leonardo O volume dá muita atenção às festas, encontros, instituições e profissões populares da cidade O volume dá muita atenção às festas, encontros, instituições e profissões populares da cidade

18 Ruas descritas com a animação de uma verdadeira narrativa de costumes Ruas descritas com a animação de uma verdadeira narrativa de costumes Romance muito agitado e festivo, em que não há praticamente nenhuma página sem um incidente ou surpresa Romance muito agitado e festivo, em que não há praticamente nenhuma página sem um incidente ou surpresa Autor utiliza o português coloquial de seu tempo, com muitas palavras e construções difíceis para o leitor atual. Autor utiliza o português coloquial de seu tempo, com muitas palavras e construções difíceis para o leitor atual.

19 PERSONAGENS Personagens são tipos sociais, cuja ação personifica a função que exercem na comunidade Personagens são tipos sociais, cuja ação personifica a função que exercem na comunidade Várias personagens não têm nome, são designados pela profissão ou condição social que possuem: o barbeiro, a parteira, a cigana, o fidalgo, o mestre-de-cerimônias, o toma-largura etc. Várias personagens não têm nome, são designados pela profissão ou condição social que possuem: o barbeiro, a parteira, a cigana, o fidalgo, o mestre-de-cerimônias, o toma-largura etc.

20 Quando uma personagem fala ou age, tem- se a impressão de um grande movimento, pois vislumbra-se todo o grupo social ao qual pertencem Quando uma personagem fala ou age, tem- se a impressão de um grande movimento, pois vislumbra-se todo o grupo social ao qual pertencem Personagens participam de cenas isoladas e somem, sem maiores conseqüências para a trama central Romance Picaresco: expressão derivada do termo pícaro, espécie de personagem marginal que vive ao sabor do acaso. Romance Picaresco: expressão derivada do termo pícaro, espécie de personagem marginal que vive ao sabor do acaso.

21 IMPORTANTE Major Vidigal: única personagem autenticamente histórica. Chefe da polícia colonial carioca, era habilíssimo nas diligências, perverso e ditatorial nos castigos, era o horror das classes desprotegidas do Rio de Janeiro. Major Vidigal: única personagem autenticamente histórica. Chefe da polícia colonial carioca, era habilíssimo nas diligências, perverso e ditatorial nos castigos, era o horror das classes desprotegidas do Rio de Janeiro.

22 LEONARDO: HERÓI PICARESCO? SEMELHANÇA É de origem humilde e irregular, filho de uma pisadela e um beliscão É de origem humilde e irregular, filho de uma pisadela e um beliscão

23 DIFERENÇAS Não é o narrador Não é o narrador Personagem como outro qualquer (embora preferencial) Personagem como outro qualquer (embora preferencial) Pícaro é sempre ingênuo (o nosso memorando já nasce malandro) Pícaro é sempre ingênuo (o nosso memorando já nasce malandro) Nunca aparece o problema da subsistência. Nunca aparece o problema da subsistência.

24 ESTILO JORNALÍSTICO Linguagem simples, direta, praticamente sem metáforas ou refinamentos estilísticos Linguagem simples, direta, praticamente sem metáforas ou refinamentos estilísticos M. A. Almeida foi o primeiro escritor brasileiro a adotar o estilo descontraído do jornal no romance M. A. Almeida foi o primeiro escritor brasileiro a adotar o estilo descontraído do jornal no romance Desse processo de simplificação decorre a oralidade de Memórias; Desse processo de simplificação decorre a oralidade de Memórias;

25 Como todas as personagens pertencem às camadas populares, o autor deu à obra um tom popular Apesar da espontaneidade, há no romance inúmeras palavras e estruturas frasais que já eram antiquadas no tempo do autor (daí a harmonia entre a linguagem da época do romance - Segundo Reinado - e da época da ação - reinado D. João VI). Apesar da espontaneidade, há no romance inúmeras palavras e estruturas frasais que já eram antiquadas no tempo do autor (daí a harmonia entre a linguagem da época do romance - Segundo Reinado - e da época da ação - reinado D. João VI).

26 REGISTRO SOCIAL Há um painel social do contexto em que se desenvolverá o episódio da vida de Leonardo ou de outra personagem Há um painel social do contexto em que se desenvolverá o episódio da vida de Leonardo ou de outra personagem Dois ou três parágrafos, nos quais são fornecidos os componentes do quadro em que se desenvolve a aventura. Essas descrições estão sempre integradas ao enredo Dois ou três parágrafos, nos quais são fornecidos os componentes do quadro em que se desenvolve a aventura. Essas descrições estão sempre integradas ao enredo

27 Toda vez que houver descrições deve-se perceber que elas servirão de moldura de um episódio que está por acontecer Toda vez que houver descrições deve-se perceber que elas servirão de moldura de um episódio que está por acontecer Elas podem ser lidas como lances de humor ou como flagrantes sociais independentes, mas que se integram sempre ao corpo da ação romanesca. Elas podem ser lidas como lances de humor ou como flagrantes sociais independentes, mas que se integram sempre ao corpo da ação romanesca.

28 O NARRADOR O narrador de Manuel Antônio de Almeida deixa claro o modo como se priva de admiração, cuidando sempre de retirar a beleza possível das imagens que pinta. Aristocraticamente, despreza as classes mais ínfimas. O narrador de Manuel Antônio de Almeida deixa claro o modo como se priva de admiração, cuidando sempre de retirar a beleza possível das imagens que pinta. Aristocraticamente, despreza as classes mais ínfimas.

29 ROMANTISMO EXCÊNTRICO para Antonio Candido o romance é romântico, mas excêntrico. para Antonio Candido o romance é romântico, mas excêntrico.

30 Razões da excentricidade o enredo envolve pessoas de baixa renda, não personagens da classe dominante o enredo envolve pessoas de baixa renda, não personagens da classe dominante as cenas são reais, não idealizadas, apresentando aspectos pouco poéticos da existência as cenas são reais, não idealizadas, apresentando aspectos pouco poéticos da existência ausência de moralismo e recusa da idéia de que as ações humanas dividem-se necessariamente entre boas e más (maniqueísmo) ausência de moralismo e recusa da idéia de que as ações humanas dividem-se necessariamente entre boas e más (maniqueísmo)

31 troca do sentimentalismo pelo humorismo, do estilo elevado e poético pelo estilo tosco e direto troca do sentimentalismo pelo humorismo, do estilo elevado e poético pelo estilo tosco e direto o estilo é oral e descontraído, derivado da conversa ou do estilo jornalístico da época o estilo é oral e descontraído, derivado da conversa ou do estilo jornalístico da época a personagem central não é herói nem vilão, trata-se de um anti-herói malandro. a personagem central não é herói nem vilão, trata-se de um anti-herói malandro.

32 Vocabulário limpo, sem qualquer baixeza de expressão. Mesmo quando entra pela zona da licenciosidade, M. A. Almeida o faz de modo discreto e, de tal forma caricatural que o elemento irregular se desfaz em bom humor. limpo, sem qualquer baixeza de expressão. Mesmo quando entra pela zona da licenciosidade, M. A. Almeida o faz de modo discreto e, de tal forma caricatural que o elemento irregular se desfaz em bom humor.

33 Portela Enredo: Memórias de um Sargento de Milícias Paulinho da Viola Homenagem ao malandroHomenagem ao malandro Chico Buarque Chico Buarque


Carregar ppt "Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852, em folhetins, no Correio Mercantil); Escrito nos primórdios do Romantismo (publicado em 1852,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google