A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Biotecnologia, Biodiversidade e Conhecimentos Tradicionais Cristina M. Amaral Azevedo Departamento do Patrimônio Genético SBF – Ministério Meio Ambiente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Biotecnologia, Biodiversidade e Conhecimentos Tradicionais Cristina M. Amaral Azevedo Departamento do Patrimônio Genético SBF – Ministério Meio Ambiente."— Transcrição da apresentação:

1 Biotecnologia, Biodiversidade e Conhecimentos Tradicionais Cristina M. Amaral Azevedo Departamento do Patrimônio Genético SBF – Ministério Meio Ambiente 2004

2 Biodiversidade Conceito: variabilidade de organismos vivos de todas as origens, sob os diferentes níveis de organização: diversidade genética, específica, ecossistêmica. Importância: serviços ambientais; base da alimentação; matéria prima; valor cultural.

3 BIODIVERSIDADE ANIMAIS PLANTAS FUNGOSBACTÉRIASPROTISTAS GENES Moléculas complexas ESPÉCIE GENOMA Recurso Genético CodificadoRecurso Genético Decodificado INFORMAÇÃO (TRADUÇÃO)

4 BIODIVERSIDADE Em 1ha de floresta tropical: até 500 espécies vegetais até 100 vezes (50.000) espécies animais. Diversidade química (derivada da genética) decorre da interação entre plantas e animais. Teores de compostos químicos de espécies tropicais são mais elevados que aqueles de espécies semelhantes, temperadas.

5 BIODIVERSIDADE Brasil: 20 a 22% n. total estimado de espécies do planeta estimado: 10 a 13 milhões conhecido: Perda de espécies – taxa de extinção de vertebrados e plantas vasculares é de 50 a 100 vezes maior do que a taxa natural esperada. Podendo chegar a 10 mil vezes

6 Biotecnologia Conceito: aplicação tecnológica que utiliza sistemas biológicos, organismos vivos ou derivados para fabricar produtos ou processos. Base da biotecnologia: – Biodiversidade em seu nível genético; – Conhecimento tradicional associado. Ferramentas:bioprospecção; química combinatória, genômica.

7 Biotecnologia (dados de 99) Produtos da biotecnologia: fármacos, cultivares, fitomedicamentos, cosméticos, etc. Estimativa do mercado anual global: US$ 500 bi a US$ 800 bi Comparando... –Mercado de petroquímicos: US$ 500 bi –Mercado de computação: US$ 800 bi Tempo varia por setor: 2 a 5 anos (fitomedicamentos e cosméticos) a 10 a 15 anos (sementes e fármacos)

8 Biotecnologia Atores: cadeia com muitos elos - setor privado: novos arranjos institucionais; - setor público: provedor, regulador; - intermediários: coleções, mediadores, instituições de pesquisa; - povos indígenas e com.locais: provedores; - prop. privados: provedores, dependendo da legislação nacional.

9 Bioprospectado Plantas: mais procurado. 10% das plantas superiores (250 mil a 500 mil) Microorganismos: < 10% do estimado é conhecido; fonte de antibióticos (penicilina, tetraciclinas.. agentes antitumorais); requer pequena coleta, cultura ex situ, ampla diversidade química. Coletas de solo, folhedos, fezes de animais, ecdises.. Organismos marinhos : grupo que menos foi bioprospectado. Interesse crescente, de 77 a 87: novos compostos. Alguns em testes clínicos. Animais : fonte menor de compostos ativos, mas importante. Ex. capoten, droga cardiovascular baseada em peçonha de serpente. Fontes: peçonhas de aracnídeos, insetos, serpentes.

10 Indústria Farmacêutica Mercado de fármacos: US$ 300 bi, derivados de recursos genéticos de US$ 75 bi a US$ 150 bi Custos para desenvolver: US$ 230 milhões a US$ 500 milhões Chances variam cf a estratégia de busca : 1/5000 a 1/10000 (c/ cta: 3/100) randômica, ecológica, quimiotaxonomia, etnoconhecimento

11 BIODIVERSIDADE E CONHECIMENTO TRADICIONAL 75% dos 120 compostos ativos isolados e amplamente utilizados pela medicina moderna apresentam correlação positiva com o uso tradicional das plantas das quais derivaram (OMS,1985); Medicamentos amplamente utilizados: emetina, vincristina, quinino, curare, pilocarpina, já eram utilizados pelas comunidades tradicionais.

12 Etnoconhecimento e desenvolvimento de novas drogas Indicador geral, sem bioatividade específica – aplicável a muitos testes; Indicador específico, para determinados testes; Indicador de atividade farmacológica, para o qual ainda não há testes. (Cox, 1994) Mais de 50% das empresas utilizam-se de conhecimento tradicional, 80% acessam indiretamente. Fonte: Ten Kate & Laird, 1999

13 Reunião Regional de Bélem – SBPC 2004 desenvolvimento de fármacos Desenvolvimento clássico: 300 mil compostos sintetizados 20 mil estudos pré- clínicos 200 fase clínica 1 40 fase clínica 2 12 fase clínica 3 8 fase aprovados 1 LUCRO Custo: US$ m Tempo: anos Conhecimento Tradicional da fauna e flora Custos menores: 100 etnobotânicos – 3 a 5 fármacos úteis Custo: US$ 500 mil – 5 milhões Tempo: 5 – 10 anos JC 2596, de 30 de Agosto de Reunião Regional de Belém: a promessa da biodiversidade

14 T. Carlson et al, 1997 Royal Soc. Chem., 200:84-95.

15 Indústria Farmacêutica Capacidade das empresas: obtenção de 2 mil a 10 mil amostras/ano. Testes: empresas médias 100 mil/ano (10 a 50 alvos). Fases de P &D: aquisição das amostras extração testes iniciais isolamento e caracterização testes in vitro estrutura testes pré-clínicos * testes clínicos* * alto investimento. Fonte: Ten Kate & Laird, 1999

16 Repartição de Benefícios Ao longo do tempo: –Curto prazo: adiantamentos, quando há cooperação técnico-científica. Desconto dos royalties. –Médio prazo: etapas da P & D:. Identificação de um composto ativo;. No pedido de uma patente;. No início da fase clínica II. - Longo prazo: royalties ( valor pago ao detentor de patente, produto, etc. pelo direito de sua exploração comercial ). Definir base de cálculo.

17 Tipos de Benefícios Monetários – estabelecidos nos Contratos Pagamento pela amostra* (US$ 50 a US$ 100/Kg) – coleta, identif.,secagem. Pagamento por extrato (US$ 100 a US$ 200/25g) Pagamento de royalties: varia cf informação com amostras, novidade/raridade, mercado, categoria de recurso genético. * Tem sido considerado como taxa de coleta e não repartição de benefícios.

18 Royalties Mercado Internacional Matéria-prima "bruta" ou primeiros beneficiamentos Royalties * plantas secas, amostras de solo0.5-2% * extratos orgânicos ou aquosos0.5-2% Amostras acrescidas de informação * informação etnobotânica1-4% * amostras acrescidas de resultados de screening2-3% * compostos bioativos identificados1-4% Amostras com avaliação de dados clínicos * compostos identificados com dados em modelo animal2-6% * compostos identificados com dados clínicos5-15% Fonte: Ten Kate & Laird, 1999

19 Tipos de Benefícios Não -Monetários – estabelecidos nos Contratos Participação em pesquisa, treinamento, transferência de tecnologia, pesquisa em doenças de interesse do provedor, rojetos de conservação e uso sustentável. * A maior parte das transferências de tecnologia tem estado diretamente relacionada ao objeto da bioprospecção, beneficiando ambas as partes.

20 Fitoterápicos desenvolvimento mais rápido (2 a 5 anos) e menos dispendioso (US$ 150 mil a US$ 7 milhões); produzidos diretamente do material vegetal, contém vários compostos ativos; uso de conhecimento tradicional associado é geral; maior parte acesso em fonte secundária; foco em espécies novas: cta + c.cient. estimativa mercado 2000: US$ 22 bi

21 Cosméticos Mercado global em 1995: US$ 55 bi; Setor natural tem crescido a uma taxa > sintéticos e petroquímicos; Cadeia com vários elos: vendedores de matéria prima, empresas químicas (ingredientes básicos para a formulação), empresas que fabricam produto final; CTA bastante usado: anti-sépticos, anti- inflamatórios, decoração corporal, tonificantes, limpeza corporal...

22 Repartição de Benefícios empresas que desenvolvem muito distantes dos provedores; poucos conhecem as previsões da CDB; compra de matéria prima e doações têm sido vistas como repartição de benefícios; poucos exemplos de pagamento de royalties; benefícios não-monetários: treinamento em coleta, armazenamento, extração. Para garantir o fornecimento do produto.

23 Sementes desenvolvimento de novas variedades: 8 a 15 anos, US$ 1 milhão a US$ 2,5 milhões; Fases: seleção, pré-melhoramento, melhoramento, aprovação; Seleção de materiais: ecologia, quimiotaxonomia, etnoconhecimento; Características: tolerância ao estresse, arquitetura da planta, crescimento, teor de nutrientes.

24 Impactos sócio-culturais e ambientais Pilocarpus jaborandi – cerrado nordestino Pilocarpina: glaucoma e xerostomia. Produção do medicamento por meio da extraçao é mais barata que a síntese: extrativismo e plantações: dependência de populações, teor de pilocarpina... Taxus brevifloria (yew)- costa oeste EUA Taxol (paclitaxel): anti cancerígeno kg de casca para testes pré-clínicos; para testes clínicos: ameaça à espécie.

25 Conclusão Novos paradigmas: arranjos institucionais, novas regras, revisão da ética em P & D


Carregar ppt "Biotecnologia, Biodiversidade e Conhecimentos Tradicionais Cristina M. Amaral Azevedo Departamento do Patrimônio Genético SBF – Ministério Meio Ambiente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google