A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Belmino I. K. C.¹; Bezerra L. C.¹; Caracas I. B.¹; Soares T. C. M.¹. ¹: Laboratório de Biogeoquímica Costeira – Instituto de Ciências do Mar - Universidade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Belmino I. K. C.¹; Bezerra L. C.¹; Caracas I. B.¹; Soares T. C. M.¹. ¹: Laboratório de Biogeoquímica Costeira – Instituto de Ciências do Mar - Universidade."— Transcrição da apresentação:

1 Belmino I. K. C.¹; Bezerra L. C.¹; Caracas I. B.¹; Soares T. C. M.¹. ¹: Laboratório de Biogeoquímica Costeira – Instituto de Ciências do Mar - Universidade Federal de Ceará. Orientador: L. D. Lacerda- Instituto de Ciências do Mar - Universidade Federal do Ceará Metais pesados são elementos presentes naturalmente no ambiente ou oriundos de efluentes de diferentes atividades antrópicas. A aplicação de novas técnicas de produção permitem a redução dos níveis destes contaminantes ao ambiente, podendo contudo apresentar fontes difusas. O Hg pode estar presente no ambiente sob a forma inorgânica e/ou orgânica. A ultima apresenta elevada toxicidade podendo acumular ao longo da cadeia trófica, processo conhecido como biomagnificação (UNEP, 2002). Em ambientes aquáticos este metal pode ocorrer dissolvido (Hg-D) ou associado a partículas em suspensão (Hg-P). A fração dissolvida tende a ser mais facilmente assimilada pela biota enquanto quando associado ao Material Particulado em Suspensão (MPS) grande parte deposita-se em sedimentos, podendo entretanto, ser mobilizado por processos físicos, químicos e biológicos, incluindo atividades antrópicas como dragagens. Este estudo quantifica a concentração de Hg e suas distribuição entre a fração dissolvida e particulada em nove pontos amostrais no entorno do Porto do Mucuripe após processo de dragagem (Fig. 1). INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO RESULTADOS E DISCUSSÃO Para a digestão das amostras foram utilizadas as técnicas descritas por MARINS et al., 2002; PARAQUETTI et al., 2004; PSA, 2004; PARAQUETTI et al., Após este processo de digestão, as amostras de Hg-D e Hg-P foram analisadas utilizando a técnica de espectrofotometria de fluorescência atômica com geração de vapor frio (CVAFS), através de uma solução ácida de SnCl 2, em um equipamento PSA Millennium Merlin Para cada partição (Hg-D e Hg-P) obteve-se um Limite de Detecção e no tratamento dos dados foi realizado o Teste-t de Student para a verificação da representatividade estatística dos valores encontrados. Figura 1: Região do Porto do Mucuripe e localização dos pontos de amostragem. Sal.MPS (mg.g -1 ) Hg-MPS (ng.g -1 ) Hg-D (ng.l -1 ) Hg-P (ng.l -1 ) PM 01 38,022,6112,29<0,382,54 PM 02 38,019,094,76<0,381,80 PM 03 38,020,5111,48<0,382,29 PM 04 39,022,677,41<0,381,75 PM 05 38,522,2121,41<0,382,70 PM 06 39,017,3134,24<0,382,32 PM 07 38,521,6111,51<0,382,41 PM 08 38,515,6151,47<0,382,37 PM 09 38,022,0122,09<0,382,69 Os níveis de Hg-D, como se pode observar, ficaram abaixo do limite de detecção do equipamento (<0,38 ng.l -1 ). Já na fração particulada os valores foram de 1,7 a 2,7 ng.l -1 com média de 2,2 ng.l -1. Por meio do teste-t não foi possível observar diferenças significativas entre o grupo de dados da zona costeira adjacente (P ) e a área sob influencia do porto (P 05 – 09). A salinidade apresentou pouca variação (38,3 ± 0,4). A homogeneidade dos dados de MPS (20,4 ± 2,5) corroboram com a baixa variabilidade do Hg-P. Entretanto, ocorreu uma diferença significativa entre o teor de Hg no MPS na área de influência do porto (129±14 ng.g -1 ) em relação as amostras fora da área de influência (99±14 ng.g -1, sugerindo um enriquecimento de Hg por influência das atividades portuárias, como por exemplo a re-suspensão de sedimentos pela dragagem da área do Porto. MATERIAL E MÉTODOS Tabela 1: Pontos amostrais, salinidade (sal.), Material Particulado em Suspensão (MPS), Hg no MPS (Hg-MPS), Hg dissolvido (Hg-D) e Hg particulado (Hg-P). AGRADECIMENTOS:: CONCLUSÃO Baseando-se nos valores encontrados pôde-se concluir que não há níveis significativos de Hg nas águas sob influência do Porto do Mucuripe e, portanto, que não há relevante contribuição da atividade portuária para o aumento dos níveis desse metal no ambiente. Entretanto, as maiores concentração de Hg no MPS na área do Porto pode significar a mobilização de sedimentos mais enriquecidos em Hg pela atividade da dragagem. Como foi feita uma única amostragem, não se pode dispor com maior certeza sobre os reais níveis de mercúrio locais, no entanto, o mesmo trabalho será realizado outras vezes com o intuito de monitorar esse tipo de contaminação no local. DISTRIBUIÇÃO DE Mercúrio (Hg) EM ÁGUAS SOB INFLUÊNCIA DO PORTO DO MUCURIPE, FORTALEZA, CE


Carregar ppt "Belmino I. K. C.¹; Bezerra L. C.¹; Caracas I. B.¹; Soares T. C. M.¹. ¹: Laboratório de Biogeoquímica Costeira – Instituto de Ciências do Mar - Universidade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google