A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922. CONTEXTO HISTÓRICO Início do século XX no Brasil: Criação de novas fábricas; A vinda de imigrantes em grande.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922. CONTEXTO HISTÓRICO Início do século XX no Brasil: Criação de novas fábricas; A vinda de imigrantes em grande."— Transcrição da apresentação:

1 A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922

2 CONTEXTO HISTÓRICO Início do século XX no Brasil: Criação de novas fábricas; A vinda de imigrantes em grande número; Expressivo crescimento econômico e transformações sociais resultantes do convívio com diferentes culturas.

3 anos da Independência do Brasil

4 ANTECEDENTES DA SEMANA DE ARTE MODERNA 1912 – CHEGADA DE OSWALD DE ANDRADE DA EUROPA Oswald de AndradeOswald de Andrade retorna de sua primeira viagem à Europa trazendo consigo as idéias Cubistas e Futuristas. Impressionado com esses movimentos, escreve, em versos livres, o poema "Passeio de um tuberculoso, pela cidade, de bonde". A obra foi tão mal recebida pelo público que o autor a jogou fora. A ida de Oswald à Europa foi muito importante, pois conheceu a técnica do verso livre proposta por Paul Fort. Sentindo a necessidade de remodelar as artes brasileiras, ainda muito influenciadas pelo academicismo, Oswald afirmou: "Estamos atrasados cinquenta anos em cultura, chafurdados ainda em pleno Parnasianismo."

5 PUBLICAÇÃO DA REVISTA ORPHEU, QUE MARCA O INÍCIO DO MODERNISMO EM PORTUGAL.

6 1913 – Exposição de obras de LASAR SEGALL Lasar Segall, um pintor russo que fixou-se no Brasil, fez uma exposição de pintura expressionista. Essa mostra, apesar de representar a ruptura com o passado acadêmico, teve pouca repercussão nos meios artísticos. Algum tempo depois, Mário de Andrade disse o seguinte sobre essa exposição: é a primeira exposição de pintura não acadêmica em nosso país.

7 Duas amigas Perfil de Zulmira

8 1917 EXPOSIÇÃO DE ANITA MALFATTI, CAUSANDO O PRIMEIRO CONFRONTO ABERTO ENTRE O VELHO (MONTEIRO LOBATO COM O ARTIGO PARANÓIA OU MISTIFICAÇÃO) E O NOVO (JOVENS ARTISTAS DE SÃO PAULO). Nu cubista A estudante

9 Paranoia ou mistificação Monteiro Lobato – crítico de arte de O Estado de São Paulo Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem normalmente as coisas (...). A outra espécie é formada pelos que veem anormalmente a natureza e interpretam-na à luz de teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. (...) Embora eles se deem como novos, precursores de uma arte a vir, nada é mais velho do que a arte anormal ou teratológica: nasceu com a paranoia e a mistificação. (...) Essas considerações são provocadas pela exposição da sra. Malfatti onde se notam acentuadíssimas tendências para uma atitude estética forçada no sentido das extravagâncias de Picasso e companhia.

10 Telas polêmicas de Anita

11 ADESÃO DE GRAÇA ARANHA AO MOVIMENTO ARTÍSTICO DOS JOVENS PAULISTAS.

12 A Semana de Arte Moderna, também chamada de Semana de 22, ocorreu em São Paulo no ano de 1922, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro, no Teatro Municipal. Durante os dias de exposição, foram expostos quadros e apresentadas poesias, músicas e palestras sobre a modernidade,o que deixou indignados alguns escritores e artistas de renome. Considera-se a Semana de Arte Moderna como ponto de partida do Modernismo no Brasil.

13 Financiamento da SAM: Os artistas conseguiram apoio financeiro de Paulo Prado, latifundiário do café, e de outros paulistanos abastados, entre eles, Armando Penteado e Antonio Prado Júnior. Conseguiram o Teatro Municipal com a autorização do prefeito.

14 Intenção Colocar a cultura brasileira a par das correntes de vanguarda do pensamento europeu e pregar a tomada de consciência da realidade brasileira. Cartaz da Semana de 22 – Di Cavalcanti

15

16

17 Nós não sabíamos o que queríamos, mas sabíamos o que não queríamos. (Mário de Andrade)

18 Fases do Modernismo brasileiro Fase Pau-Brasil – iniciada por Tarsila do Amaral Segundo Sérgio Milliet, é caracterizada pelas cores ditas caipiras, rosas e azuis, as flores de baú, a estilização geométrica das frutas e plantas tropicais, dos caboclos e negros, da melancolia das cidadezinhas, tudo enquadrado na solidez da construção cubista.

19 O MAMOEIRO "O Mamoeiro pertence à Fase Pau-Brasil. Nessa fase as pinturas de Tarsila exaltavam a natureza tropical, valorizavam a brasilidade, os tipos humanos como os caboclos e os negros, e a tranquilidade das pequenas cidades"

20

21 Fase Antropofágica A teoria antropofágica propunha que os artistas brasileiros conhecessem os movimentos estéticos europeus, mas criassem uma arte com feição brasileira. De acordo com essa proposta, para ser artista moderno no Brasil não bastava seguir as tendências europeias, era preciso criar algo enraizado na cultura do país.

22 Abaporu, tela da segunda fase, cujo nome, segundo a artista, é de origem indígena e significa antropófago.

23 Desde algum tempo, Tarsila e Oswald de Andrade vinham entretendo um romance, que acabou em casamento no ano de 1926, verificando-se uma junção de propósitos com o início do Movimento Antropofágico. Foi então que surgiu o seu mais famoso quadro, o Abaporu, famoso e valioso, pois em um leilão realizado em 1995, nos Estados Unidos, foi arrematado por cerca de um milhão e meio de dólares! Tarsila pintou o Abaporu para impressionar Oswald. A intenção era criar um ser antropófago e o nome saiu mesmo de um dicionário de tupi-guarani. Não esperava, porém, tamanho impacto. Chamado por Tarsila, Oswald vai ao ateliê nos Campos Elísios e, ao ver o quadro, exclama: «Mas o que é isso ?!» De imediato, telefonou ao amigo Raul Bopp, pedindo-lhe que viesse sem mais demora. É ela que conta: Bopp foi lá no meu ateliê, na rua Barão de Piracicaba, assustou-se também. Oswald disse: Isso é como se fosse um selvagem, uma coisa do mato, e Bopp concordou. Eu quis dar um nome selvagem também ao quadro e dei Abaporu, palavras que encontrei no dicionário de Montóia, da língua dos índios. Quer dizer antropófago. O casamento dos dois também foi devorado, pouco tempo depois. Em 1930, Tarsila e Oswald se separaram, seguindo cada um seu próprio destino.

24 ANTROPOFAGIA

25 AUTORRETRATO OPERÁRIOS TARSILA DO AMARAL

26 Os objetivos e preceitos da Semana de Arte Moderna não foram compreendidos pela elite paulista, que era influenciada pelas formas estéticas europeias mais conservadoras.

27 OUTROS ARTISTAS

28 Vicente do Rego Monteiro Dentre as pinturas expostas na Semana de 22, as de Vicente do Rego foram consideradas as primeiras de uma artista brasileira na estética cubista. Predominam as linhas retas e o corpo humano é reduzido a formas geométricas, o que sugere ao espectador a percepção de volumes.

29 Vitor Brecheret Graças a ele, a escultura brasileira ganhou um aspecto mais moderno. Afastou- se da representação real de imagens, optando por volumes geometrizados, delimitados por linhas e poucos detalhes.

30 Monumento às bandeiras – Victor Brecheret – São Paulo

31 Cândido Portinari Sua obra é uma ampla síntese crítica de todos os aspectos da vida brasileira: os temas sociais, históricos e religiosos, os tipos populares, a festa popular, as brincadeiras infantis, as cenas do trabalho no campo e na cidade, os animais e a paisagem.

32 Enterro na rede / Futebol

33 Manifestos e Revistas Revista Klaxon Mensário de Arte Moderna ( ) Recebe este nome, pois klaxon era o termo usado para designar a buzina externa dos automóveis. Primeiro periódico modernista, é conseqüência das agitações em torno da SAM. Inovadora em todos os sentidos: gráfico, existência de publicidade, oposição entre o velho e o novo. Klaxon sabe que o progresso existe. Por isso, sem renegar o passado, caminha para diante, sempre, sempre.

34 Manifesto da Poesia Pau-Brasil ( ) Escrito por Oswald e publicado inicialmente no Correio da Manhã. Em 1925, é publicado como abertura do livro de poesias Pau-Brasil de Oswald. Apresenta uma proposta de literatura vinculada à realidade brasileira, a partir de uma redescoberta do Brasil. A poesia existe nos fatos. Os casebres de açafrão e de ocre nos verdes da Favela sob o azul cabralino, são fatos estéticos. A língua sem arcaísmos, sem erudição. Natural e neológica. A contribuição milionária de todos os erros. Como falamos. Como somos.

35 A Revista ( ) Responsável pela divulgação dos ideais modernistas em MG. Teve apenas três números e contava com Drummond como um de seus redatores. Verde-Amarelismo ( ) É uma resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil. Grupo formado por Plínio Salgado, Menotti del Picchia, Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo. Criticavam o nacionalismo afrancesado de Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado (década de 30). Idolatria do tupi e a anta é eleita símbolo nacional. Em maio de 1929, o grupo verde-amarelista publica o manifesto Nhengaçu Verde-Amarelo Manifesto do Verde-Amarelismo ou da Escola da Anta.

36 Manifesto Regionalista de e 1930 é um período marcado pela difusão do Modernismo pelos estados brasileiros. Nesse sentido, o Centro Regionalista do Nordeste (Recife) busca desenvolver o sentimento de unidade do Nordeste nos novos moldes modernistas. Propõem trabalhar em favor dos interesses da região, além de promover conferências, exposições de arte, congressos etc. Para tanto, editaram uma revista. Vale ressaltar que o regionalismo nordestino conta com Graciliano Ramos, José Lins do Rego, José Américo de Almeida, Rachel de Queiroz, Jorge Amado e João Cabral - na 2ª fase modernista.

37 Revista Antropofagia ( ) Contou com duas fases (dentições): a primeira com 10 números (1928 e 1929) direção Antônio Alcântara Machado e gerência de Raul Bopp; a segunda foi publicada semanalmente em 16 números no jornal Diário de São Paulo (1929) e seu açougueiro (secretário) era Geraldo Ferraz. É uma nova etapa do nacionalismo Pau-Brasil e resposta ao grupo Verde- amarelismo. A origem do nome movimento esta na tela Abaporu de Tarsila do Amaral. 1ª fase - inicia-se com o polêmico manifesto de Oswald e conta com Alcântara Machado, Mário de Andrade (2º número publicou um capítulo de Macunaíma), Carlos Drummons (3º número publicou a poesia No meio do vaminho); além de desenhos de Tarsila, artigos em favor da língua tupi de Plínio Salgado e poesias de Guilherme de Almeida.

38 2ª fase - mais definida ideologicamente, com ruptura de Oswald e Mário de Andrade. Estão nessa segunda fase Oswald, Bopp, Geraldo Ferraz, Oswaldo Costa, Tarsila, Patrícia Galvão (Pagu). Os alvos das críticas (mordidas) são Mário de Andrade, Alcântara Machado, Graça Aranha, Guilherme de Almeida, Menotti del Picchia e Plínio Salgado. SÓ A ANTROPOFAGIA nos une, Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. / Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos. De todas as religiões. / De todos os tratados de paz. / Tupi or not tupi, that is the question. (Manifesto Antropófago) A nossa independência ainda não foi proclamada. Frase típica de D. João VI: Meu filho, põe essa coroa na tua cabeça, antes que algum aventureiro o faça! Expulsamos a dinastia. É preciso expulsar o espírito bragantino, as ordenações e o rapé de Maria da Fonte. (Revista de Antropofagia, nº 1)


Carregar ppt "A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922. CONTEXTO HISTÓRICO Início do século XX no Brasil: Criação de novas fábricas; A vinda de imigrantes em grande."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google