A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ECN/911 – Métodos de Análise Regional e Urbana II Modelos Aplicados de Equilíbrio Geral Prof. Edson Domingues.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ECN/911 – Métodos de Análise Regional e Urbana II Modelos Aplicados de Equilíbrio Geral Prof. Edson Domingues."— Transcrição da apresentação:

1 ECN/911 – Métodos de Análise Regional e Urbana II Modelos Aplicados de Equilíbrio Geral Prof. Edson Domingues

2 Qual a sensibilidade dos resultados aos parâmetros do modelo? Conclusões são robustas para um espaço de parâmetros amplo? Quais parâmetros devem ser mais importantes na simulação? –elasticidades de substituição –choques Análise de sensibilidade em modelos de equilíbrio geral computável

3 Referências Arndt, C. An Introduction to Systematic Sensitivity Analysis via Gaussian Quadrature. GTAP Technical Paper No. 2. West Lafayette, Indiana: Center for Global Trade Analysis, Purdue University, Arndt, C. and T. W. Hertel. Revising "The fallacy of Free Trade". Review of International Economics 5, no.2 (1997): DeVuyst, E. A., and P. V. Preckel. Sensitivity Analysis Revisited: A Quadrature-Based Approach. Journal of Policy Modeling 19, no. 2 (1997): Harrison, G. W. and H. D. Vinod. The sensitivity analysis of applied general equilibrium models: completely randomized factorial sampling designs. Review of Economics and Statistics 74 (1992). McKitrick, R. R. The econometric critique of computable general equilibrium modeling: the role of functional forms. Economic Modelling 15 (1998): Wigle, R. The Pagan-Shannon Approximation: Unconditional Systematic Sensitivity in Minutes. Empirical Economics 16 (1991): Domingues, E. P. & E. A. Haddad. Sensitivity analysis in computable general equilibrium models: An Application for the Regional Effects of the Free Trade Area of the Americas (FTAA). Revista de Econometria, v.25, n

4 Modelo EGC (e.g. Monash, GTAP, B-MARIA) estrutura analítica : equilíbrio geral walrasiano (relações causais e variáveis) estrutura funcional: equações do modelo e estrutura matemática estrutura numérica: coeficientes, parâmetros e choques Análise de Sensibilidade em modelos de equilíbrio geral computável (EGC)

5 Avaliar a robustez dos resultados para diferentes parâmetros e choques (estrutura numérica) Análise qualitativa –Conjuntos ad hoc para parâmetros escolhidos –Análise pontual para algumas simulações –Às vezes, pouco informativa sobre robustez dos resultados Análise de Sensibilidade em modelos EGC

6 –Mais informativa e rigorosa que o método usual (qualitativo) A partir da distribuição de parâmetros ou choques Média e desvio-padrão para todas as variáveis endógenas Intervalos de confiança para os resultados –Caráter ad hoc persiste quando há pouca informação econométrica sobre parâmetros Análise de Sensibilidade Sistemática em modelos EGC

7 Metodologia Análise de Sensibilidade Sistemática –Modelo EGC como problema de integração numérica F(v,a)= 0 : modelo EGC v*(a)=H(a) : vetor de soluções Em geral, E[H(a)]H(E[a]) média desvio padrão

8 Metodologia Análise de Sensibilidade Sistemática –Problema de integração numérica (5) (6) Aproximação numérica Monte Carlo: J números aleatórios gerados de g(x), no intervalo [a,b] Integrando avaliado J vezes, com pesos w j =1/J Harrison e Vinod (1992): Monte Carlo para análise de sensibilidade em EGC (5 simulações, 1000 vezes cada)

9 Metodologia Análise de Sensibilidade Sistemática Monte Carlo e EGC: exige grande número de simulações (>10000) Quadraturas: aproximação ao problema de integração numérica que requer número limitado de avaliações aproximações

10 Metodologia Análise de Sensibilidade Sistemática Quadraturas Gaussianas: fórmulas para produzir pontos (x j ) e pesos (w j ) s: ordem de aproximação Stroud (1957): método de Quadraturas Gaussianas de ordem 3 para distribuições simétricas

11 Modelo SPARTA –2 regiões endógenas: São Paulo e Demais Regiões do Brasil –42 setores produtivos e de investimento –2 agregados de famílias regionais –42 bens –2 fatores de produção: capital e trabalho –2 esferas de governo: regional e federal –7 mercados externos: Argentina, R. Mercosul, Nafta, R. Alca, União Européia, Japão e Resto do Mundo – equações e variáveis –Ano Base: 1996 –Implementado em GEMPACK Aplicação da análise de sensibilidade: Modelo SPARTA na simulação da ALCA (Domingues, 2002)

12 Base de Dados Central

13 –Curto X Longo Prazo Capital Fixo X Mobilidade de Capital (setorial e regional) Mobilidade Setorial X Mobilidade Setorial e Regional da força de trabalho (migração) –Ausência de progresso tecnológico ou alterações nas preferências (ganhos dinâmicos) Modelo SPARTA: ambientes

14 Ambiente de longo prazo Consumo do Governo Diferencial de retorno sobre o capital Estoque de Capital Consumo Privado Emprego =+++ Endógeno Exógeno Saldo Comercial Invest. Salário Real (nacional) Produto Regional Bruto Doméstico e externo Público e Privado Federal e Regional Emprego nacional

15 –Elimina ç ão de barreiras tarif á rias intra-bloco Imposto de importa ç ão bilateral sobre bens (não inclui servi ç os) Elimina ç ão das tarifas de importa ç ão, no Brasil, com origem na Alca (Argentina, Resto do Mercosul, Nafta, Resto da Alca) Elimina ç ão das tarifas sobre as exporta ç ões brasileiras para a Alca 2 ambientes: curto e longo prazos Simula ç ão ALCA

16 Impacto regional e macroeconômico da ALCA: projeções com o modelo SPARTA

17 Positivos no longo prazo crescimento do PIB, superávit comercial marginal Negativos no curto prazo déficit comercial Repercussões setoriais e regionais diferenciadas ganhos de longo prazo nas regiões mais desenvolvidas (São Paulo) abertura setorial na Alca pode produzir impactos regionais heterogêneos Impactos da ALCA na economia brasileira fonte: Domingues, 2002

18 Qual a sensibilidade dos resultados aos parâmetros do modelo? Conclusões são robustas para um espaço de parâmetros amplo? Quais parâmetros devem ser mais importantes na simulação? –elasticidades de substituição –choques Simulação da ALCA com o modelo SPARTA

19 Estrutura Agrupada da Tecnologia de Produção Regional no modelo SPARTA

20 Parâmetros de Substituição: DOM x IMP SP x RB IMP1 x... IMP7

21 Estrutura Agrupada da Tecnologia de Produção Regional no modelo SPARTA Parâmetros de Substituição: SIGMA(i) MA*SIGMA(i) MAM*SIGMA(i) (imp) I=1,...42

22 Estrutura Agrupada da Demanda das Famílias Regionais LES - linear expenditure system CES - constant elasticity substitution

23 MAParâmetro para fluxos domésticos:2,00 MAMParâmetro para fluxos importados: 1,20 (longo prazo) 1,00 (curto prazo)

24 intervalo de 50% para os parâmetros de substituição entre bens; distribuição triangular, simétrica e independente todos os usos domésticos (setores, famílias, investimento) intervalos para 378 parâmetros 756 (= 2*378) soluções do modelo pela metodologia de Stroud para quadraturas gaussianas resultados médios e desvios-padrão para 7028 variáveis endógenas execução em 25 horas (Pentium 4) Análise de sensibilidade sistemática: simulação ALCA no modelo SPARTA

25 Análise de Sensibilidade Sistemática nos Parâmetros de Substituição: Variáveis macro selecionadas (simulação ALCA, longo prazo)

26 Análise de Sensibilidade Sistemática nos Parâmetros de Substituição: Variação % do nível de atividade setorial em São Paulo (simulação ALCA, longo prazo)

27 Exercício Análise de sensibilidade sistemática –Aplicação no modelo MinSPARTA a) Choques b) Parâmetros

28 Análise de Sensibilidade Sistemática - Modelo MinSPARTA Implemente o fechamento de curto-prazo (sr.mdf e sr.cls) Estabeleça um choque de +10% nas exportações (quantidade) –variável feq Realize a simulação

29 Análise de Sensibilidade Sistemática a) Choques Após a simulação Análise de sensibilidade para choques: Tools > SSA wrt Shocks

30 a) SSA - Choques Especifique a análise como: feq, todos os elementos conjuntamente, intervalo de 50%, distribuição uniforme

31 a) SSA - Choques Especifique a quadratura para Liu (modelo resolvido 4 vezes)

32 a) SSA - Choques Aguarde o final do procedimento

33 a) SSA - Choques Salve os resultados

34 a) SSA - Choques Confirme a abertura dos resultados com ViewSol

35 a) SSA - Choques Obseve os resultados Macros com ViewSol: pontuais, média, desvio padrão

36 a) SSA - Choques Estabeleça intervalos de confiança a 95% para as seguintes variáveis: Utilize a desigualdade de Chebyshev...

37 a) SSA - Choques …Desigualdade de Chebyshev para distribuições desconhecidas: Desigualdade de Chebyshev: para qualquer distribuição de uma variável, para um número real k, a probabilidade de que o valor de Y não esteja no intervalo de k desvios-padrão da média M não é maior que 1/(k^2)

38 a)SSA – Choques Resultados Pontual: resultado da simulação Média: resultado para a média obtido com a SSA CI 95%: intervalo de confiança a 95% delbt: variação ordinária no déficit comercial natimpvol: volume de importações natexpvol: volume de exportações yr: PIB real Impacto da elevação nas exportações de 5 a 15% Ambiente de curto-prazo

39 Análise de Sensibilidade Sistemática b) parâmetros 1. Volte para o RunGEM Para a mesma simulação, utilize Tools > SSA wrt Parameters

40 b) SSA - parâmetros 2. Especifique a análise como: EXP_ELAST, todos os elementos conjuntamente, intervalo de 50%, distribuição triangular

41 b) SSA - parâmetros 3. Especifique a quadratura para Liu (modelo resolvido 4 vezes) 4. Obtenha os resultados para delbt, natexpvol, natimpvol, yr 5. Construa intervalos de confiança a 95%

42 Resultados Construa a tabela para o caso b) Interprete os resultados.


Carregar ppt "ECN/911 – Métodos de Análise Regional e Urbana II Modelos Aplicados de Equilíbrio Geral Prof. Edson Domingues."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google