A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Núcleo Sul da Rede de Centros Colaboradores da ANS Imaginários da formação: a perspectiva pública e privada do trabalho em saúde no ensino de graduação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Núcleo Sul da Rede de Centros Colaboradores da ANS Imaginários da formação: a perspectiva pública e privada do trabalho em saúde no ensino de graduação."— Transcrição da apresentação:

1 Núcleo Sul da Rede de Centros Colaboradores da ANS Imaginários da formação: a perspectiva pública e privada do trabalho em saúde no ensino de graduação (estudo exploratório na graduação em medicina, odontologia e psicologia, na região sul do Brasil) Rio de Janeiro, maio de 2007.

2 Cenários iniciais: ausência de referências de ensino da saúde suplementar na condução regular dos cursos; ausência de referências à regulação: como fator de cidadania, como interesse da população; decreto 5.773/2006 – abertura de cursos (Med. Odo. Psi – manifestação do CNS);

3 Cenários à explorar: superação da dicotomia no pensamento, na gestão, na avaliação e nas perspectivas de trabalho entre um subsetor desqualificado e outro de alta qualidade; superação do imaginário da autonomia (liberal e soberana) e da privatização da terapêutica (que reduz o outro da clínica à pura biologia); superação da ideação de profissão liberal (consultório/diagnóstico- prescrição) para encetar a integralidade (equipe/cuidado/redes sociais); alteração da micropolítica do trabalho tendo em vista os usuários, os desenhos da atenção no setor como um todo e a alta responsabilidade com a qualidade e autogestão da vida.

4 Cenários Futuros: construir referências e dar sentido ao ensino e à pesquisa na Educação em Saúde Suplementar; trabalhar pela disruptura no imaginário vigente e pela noção de regulação que dignifique o papel do Estado em saúde; acentuar a noção/compreensão/aceitação ativa da relevância pública da saúde na ordem jurídica e social; acentuar a noção/compreensaão/aceitação ativa de papel público à área da saúde aos setores estatais ou não (toda saúde é da ordem pública); naturalizar no ensino a abordagem do sistema único com subsetores estatal e suplementar com critérios de microrregulação;

5 Modelagem do processo de trabalho O Núcleo Regional Sul optou por organizar-se em Rede Científica (que difere bastante do conceito de pesquisa multicêntrica), o que implicou cumprir passos metodológicos e acordos interinstitucionais legítimos a tal conformação; não como pesquisa multicêntrica, mas como articulação coletiva e interinstitucional, aproximando-se dos conceitos de rede de translação (Latour e Woolgar, 1986), arena transepistêmica (Knorr-Cetina, 1981), rede tecnocientífica (Callon, Laredo e Rabeharisoa, 1991) ou rede de conversações (Maturana, 2001); o coordenador da pesquisa é um ponto obrigatório de passagem da rede científica (Latour e Woolgar, 1986); é ele quem organiza a morfologia da rede. Por um lado, conformar a rede gera relações hierarquizadas, pois trata-se do estabelecimento de funções, prazos, necessidades operacionais etc.. Por outro lado, a rede é potencializada em função da definição do papel de cada participante com suas diferentes finalidades, ritmos e culturas e, deste modo, cada papel agrega um valor de confiabilidade na composição produtora de conhecimento.

6 A coleta de dados Os dados foram coletados por meio de questionário semi-estruturado e de grupos focais, orientados por uma agenda de temas pertinentes aos interesses da pesquisa; o questionário foi respondido por discentes formandos e docentes do último ano dos cursos de Medicina, Odontologia e Psicologia das três Universidades participantes: UFPR, UFSC e UFRGS; uma etapa-piloto foi realizada na Universidade de Caxias do Sul, seguida de uma oficina de análise dos dados e ajustes de algumas questões deste instrumento, além de servir para uma primeira aproximação com o material empírico de interesse da pesquisa;

7 Dados gerais

8 Média Idade 47 anos (27-68) MasculinoFeminino 65,2%34,8% Média Idade 24 anos (20-49) MasculinoFeminino 41,8%58,2% Docentes Discentes

9 Total de discentes concluintes (n 449) ODONTOLOGIAMEDICINAPSICOLOGIA UFRGS UFSC UFPR358570

10 Discentes (questionários respondidos) ODONTOLOGIAMEDICINAPSICOLOGIA UFRGS21(48%)46(89%)20(54%) UFSC18(40%)23(50%)20(57%) UFPR27(77%)40(47%)49(70%)

11 Total de docentes nesse cenário (n 195) ODONTOLOGIAMEDICINAPSICOLOGIA UFRGS UFSC UFPR213715

12 Docentes (questionários respondidos) ODONTOLOGIAMEDICINAPSICOLOGIA UFRGS08(38%)30(86%)08(89%) UFSC06(40%)18(55%)09(100%) UFPR14(67%)31(84%)09(60%)

13 Total de questionários contabilizados 397 (n 644) Discentes264 (n 449) Docentes133 (n 195) Os sujeitos

14 Questionários Discentes

15 Na questão 01 do questionário foi indagado aonde o discentepoderá trabalhar, tendo em conta sua opinião sobre o atual cenário do mercado de trabalho. As opções de resposta – não excludentes – foram (a) iniciativa privada e (b) serviço público. Na questão 02 a indagação foi sobre o espaço onde o discente concluinte deseja desenvolver sua atividade profissional, considerando o momento de término do curso. As opções de respostas eram as mesmas da questão 01. A questão 03 remeteu o respondente à época do seu ingresso no curso, perguntando em que espaço o estudante imaginava trabalhar depois de formado. Seguindo a mesma lógica das duas primeiras perguntas. o agrupamento destas 03 questões permite contrastar – numa linha de tempo - onde o discente desejava exercer sua profissão no início de sua graduação; onde ele o deseja agora, ao final do curso; e onde ele prevê que vai trabalhar em função da realidade do mercado de trabalho (realidade esta também presente em seu imaginário).

16

17

18

19

20 A questão 04 perguntou sobre o tipo de atividade profissional que o discente pretende desenvolver. As opções de respostas exploravam: (a) docência; (b) pesquisa; (c) clínica; (d) gestão; (e) outras. A alternativa clínica foi a mais escolhida isoladamente com 43,2% de respostas. Nas diversas possibilidades de respostas combinadas, esta alternativa atinge 88% das respostas. Ao considerar a dinâmica do trabalho em saúde é relevante observar a presença da alternativa gestão. Isoladamente esta alternativa obteve a preferência em apenas 2,7% das respostas e esteve presente em 16% das respostas produzidas (isoladas + combinadas). Entretanto, ao considerar os 100% das respostas combinadas que envolveram alternativa clínica – 118 respostas –, em apenas 25% (29 respostas) estava combinada a alternativa gestão, ou seja, 75% das respostas sobre a pretensão de trabalhar na clínica não consideraram a gestão como uma dimensão do processo de trabalho. Deste modo é possível inferir que esse dado revela uma perspectiva preponderantemente técnica da clínica entre os estudantes que participaram da pesquisa.

21 Sobre se houve contato – durante o curso – com algum profissional de sua área que, na sua opinião, era uma figura bem sucedida profissionalmente. No total de respostas obtidas, 93,2% foram positivas e 6,4% negativas; em apenas um questionário esta pergunta não obteve resposta. Na perspectiva dos cursos, 88,8% responderam sim nos cursos de Psicologia; 95,4% responderam sim nos cursos de Medicina e 95,5% nos cursos da Odontologia.

22 Quais os campos de prática em que esse profissional bem sucedido atuava ou atua. As alternativas – não excludentes – ofertadas foram: (a) clínica privada; (b) consultório particular; (c) plano de saúde e/ou seguros de saúde; (d) serviço público; (e) hospital; (f) instituição de ensino; (g) outro. Ocorreram para esta questão 61 combinações de respostas. Dentro deste universo, a alternativa plano de saúde e/ou seguros de saúde foi a única opção de resposta que não foi escolhida por nenhum estudante isoladamente. Entretanto, as respostas compostas pelas alternativas clínica privada e consultório particular foram escolhidas por 78% dos respondentes. Destacam-se as combinações entre público e privado no trabalho.

23 Este perfil – profissional bem sucedido – estava no seu grupo de professores? As alternativas foram as seguintes: (a) todos; (b) a maioria; (c) a média; (d) raros; (e) nenhum. Total geral (%) Todos1,1 A maioria22,2 A média39,0 Raros32,6 N=264

24 Em algum momento durante o cursos foram abordados os temas: planos de saúde, seguros ou empresas privadas de saúde. As alternativas de respostas eram (a) sim e (b) não.

25 Quais os espaços onde foram trabalhados os temas referidos. As alternativas de respostas foram as seguintes: (a) como conteúdo disciplinar; (b) em atividade de extensão; (c) seminários; (d) outros. Estas alternativas não foram apresentadas de forma excludentes. 39% não esclareceu questão. Como conteúdo disciplinar foi a alternativa respondida isoladamente: 27,3%.

26 Quais os conteúdos abordados nos espaços referidos? As alternativas de respostas – não excludentes - eram: (a) aspectos legais; (b) aspectos financeiros; (c) financiamento dos planos e seguros privados de saúde; (d) relação entre o SUS e as seguradoras e operadoras dos planos privados de saúde; (e) vantagens e desvantagens da vinculação profissional aos planos e seguros de saúde; (f) regulação e controle dos planos e seguros privados de saúde; (g) outros.

27 40,5% não esclareceu esta questão. Ao considerar as respostas onde aconteceu uma escolha isolada, a alternativa aspectos legais obteve 4,2% das escolhas e a alternativa relação entre o SUS e as seguradoras e operadoras dos planos privados de saúde obteve 3,8%. A alternativa regulação e controle dos planos e seguros privados de saúde foi a única opção de resposta não escolhida isoladamente, aparecendo em 29 respostas combinadas; 11% do total. 89% do total de discentes pesquisados não tiveram contato ou não lembram do conteúdo regulação e controle dos planos e seguros privados de saúde;

28 Desejo do discente concluinte de atuar vinculado profissionalmente aos planos e seguros privados de saúde. As possibilidades de respostas foram (a) sim e (b) não.

29

30 Consideração sobre os conhecimentos relativos a planos e seguros privados de saúde e quais as instâncias responsáveis pela regulação (controle, fiscalização e acompanhamento) deste setor. As alternativas não excludentes de respostas eram: (a) a população; (b) os beneficiários dos planos e seguros; (c) o mercado; (d) os profissionais; (e) o Sistema Único de Saúde e suas Agências Reguladoras; (f) Procuradoria de Defesa do Consumidor (Procon).

31 As respostas para esta questão atingiram 57 combinações; No total das respostas encontradas, as alternativas respondidas isoladamente tiveram o seguinte perfil: a alternativa o Sistema Único de Saúde e suas Agências Reguladoras obteve 8,3% das respostas; Considerando a totalidade dos questionários respondidos (N= 264), a alternativa mercado esteve presente em 22% das respostas formuladas e a alternativa o Sistema Único de Saúde e suas Agências Reguladoras em 33,3% das respostas. Estas duas alternativas apareceram juntas em 8,7% das respostas.

32 As informações quantitativas da pesquisa sugerem algumas conclusões: os discentes pesquisados têm um forte desejo de desenvolver sua trajetória profissional na iniciativa privada; entendem ser necessário conciliar este forte desejo com a atuação profissional nos serviços públicos de saúde; percebem esta atuação conciliada prioritariamente envolvida com a clínica; admiram, principalmente, profissionais envolvidos com a clínica; trata-se de uma compreensão sobre o trabalho em saúde onde a dimensão da gestão dos serviços está pouco presente; um pouco mais da metade dos discentes pretende trabalhar vinculado às operadoras de saúde; conteúdos disciplinares sobre a regulação do setor suplementar da saúde foram muito pouco trabalhados na graduação; um terço dos discentes percebe o Sistema Único de Saúde e suas agências reguladoras como a instância responsável pela regulação e o controle do setor saúde.

33 Todas estas conclusões foram aprofundadas e ampliadas nos grupos focais; Todo este mesmo processo também foi desenvolvido com os docentes e este material informativo está em fase final de escrita do relatório de Pesquisa.

34 Fone: (51)


Carregar ppt "Núcleo Sul da Rede de Centros Colaboradores da ANS Imaginários da formação: a perspectiva pública e privada do trabalho em saúde no ensino de graduação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google