A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 3 – Parte 3 Cálculo da carga instalada e da demanda 2.° semestre de 2005 Mauro Moura Severino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 3 – Parte 3 Cálculo da carga instalada e da demanda 2.° semestre de 2005 Mauro Moura Severino."— Transcrição da apresentação:

1 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 3 – Parte 3 Cálculo da carga instalada e da demanda 2.° semestre de 2005 Mauro Moura Severino

2 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino2 Prescrições da Light (25/2/2002) Tipo de atendimento, conforme o número de fases: Monofásico a 2 fios: uma fase e neutro Trifásico a 4 fios: três fases e neutro A Light eliminou o bifásico. Cálculo da carga instalada e da demanda

3 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino3 Cálculo da carga instalada e da demanda

4 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino4 Determinação da carga instalada: somatório das potências nominais de placa dos aparelhos elétricos e das potências das lâmpadas de uma unidade consumidora. Pode-se utilizar a tabela 3.3 para calculá-la. Cálculo da carga instalada e da demanda

5 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino5

6 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino6 Se Pinst > 8,0 kW (220 V/127 V), deverá ser feita a avaliação da demanda utilizada para a definição da categoria de atendimento e para o dimensionamento dos equipamentos e materiais das entradas de serviço trifásicas. Se Pinst < 8,0 kW: não é necessário considerar demanda. Cálculo da carga instalada e da demanda

7 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino7 Usam-se as tabelas 3.5a, 3.5b, 3.5c e 3.5d para o dimensionamento de entradas individuais e coletivas de unidades consumidoras. Cálculo da carga instalada e da demanda

8 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino8

9 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino9

10 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino10

11 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino11

12 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino12 A seguir, é apresentada uma metodologia para avaliação de demandas composta por duas seções aplicativas, que podem ser empregadas isolada ou conjuntamente, dependendo da característica da instalação. Seção A e Seção B: surgem como novas e significativas ferramentas de trabalho do projetista. Cálculo da carga instalada e da demanda

13 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino13 Seção A Expressão geral: D(kVA) = d 1 + d 2 + (1,5 x d 3 ) + d 4 + d 5 + d 6 d 1 (kW ou kVA) = demanda de iluminação e tomadas, calculada com base nos fatores de demanda da tabela 3.6, considerando o fator de potência igual a 1. Cálculo da carga instalada e da demanda

14 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino14

15 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino15 Seção A Expressão geral: D(kVA) = d 1 + d 2 + (1,5 x d 3 ) + d 4 + d 5 + d 6 d 2 (kW ou kVA) = demanda dos aparelhos para aquecimento de água (chuveiros, aquecedores, torneiras etc.), calculada conforme a tabela 3.9, considerando o fator de potência igual a 1. Cálculo da carga instalada e da demanda

16 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino16

17 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino17 Seção A Expressão geral: D(kVA) = d 1 + d 2 + (1,5 x d 3 ) + d 4 + d 5 + d 6 d 3 (cv) = demanda dos aparelhos de ar- condicionado do tipo janela, calculada conforme as tabelas 3.10 e Cálculo da carga instalada e da demanda

18 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino18

19 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino19 Seção A Expressão geral: D(kVA) = d 1 + d 2 + (1,5 x d 3 ) + d 4 + d 5 + d 6 d 4 (kVA) = demanda das unidades centrais de condicionamento de ar, calculada a partir das respectivas correntes máximas totais – valores dados pelos fabricantes –, considerando o fator de demanda de 100%. Cálculo da carga instalada e da demanda

20 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino20 Seção A Expressão geral: D(kVA) = d 1 + d 2 + (1,5 x d 3 ) + d 4 + d 5 + d 6 d 5 (kVA) = demanda dos motores elétricos e máquinas de solda do tipo motor-gerador, calculada conforme as tabelas 3.7, 3.8 e Cálculo da carga instalada e da demanda

21 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino21

22 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino22

23 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino23 Seção A Expressão geral: D(kVA) = d 1 + d 2 + (1,5 x d 3 ) + d 4 + d 5 + d 6 d 6 (kW ou kVA) = demanda das máquinas de solda a transformador e aparelhos de raios-X, calculada conforme a tabela Cálculo da carga instalada e da demanda

24 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino24

25 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino25 Campo de aplicação Entradas de serviço individuais: Avaliação e dimensionamento de entrada de serviço individual, isolada (residencial, comercial e industrial), com atendimento por ramal de ligação independente. Avaliação e dimensionamento do circuito dedicado a cada unidade de consumo individual (apartamento, loja, sala etc.) derivada de ramal de entrada coletivo. Cálculo da carga instalada e da demanda

26 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino26 Entradas de serviço coletivas: Avaliação e dimensionamento dos circuitos de uso comum em entrada coletiva residencial com até 3 unidades de consumo trifásicas. Avaliação e dimensionamento dos circuitos trifásicos de uso comum em entrada coletiva não-residencial. Avaliação e dimensionamento dos circuitos trifásicos de uso comum dedicado às cargas não-residenciais, em entrada coletiva mista. Avaliação e dimensionamento dos circuitos de uso comum em vilas. Cálculo da carga instalada e da demanda

27 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino27 Circuitos de serviço dedicados ao uso de condomínios: Avaliação e dimensionamento da carga de circuito de uso do condomínio, em entrada coletiva residencial com até 3 unidades de consumo. Avaliação e dimensionamento da carga de circuito de serviço de uso do condomínio, em entrada coletiva não-residencial. Avaliação e dimensionamento da carga de circuito de serviço de uso do condomínio dedicado exclusivamente às unidades de consumo não-residenciais, em entrada coletiva mista com circuitos de serviços independentes. Avaliação e dimensionamento da carga de circuito de serviço de uso do condomínio, em entrada coletiva mista, com um único sistema de serviço dedicado a todas as unidades de consumo. Cálculo da carga instalada e da demanda

28 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino28 Cálculo da demanda: entradas individuais e circuitos de serviço dedicado ao uso de condomínios Calcula-se Pinst. Verifica-se se a Pinst encontra-se dentro dos limites mínimos da tabela 3.6. Determina-se a previsão mínima de carga correspondente aos motores instalados, independentemente da carga já determinada para fins de iluminação e tomadas. Cálculo da carga instalada e da demanda

29 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino29 Para ar-condicionado do tipo janela: Unidades de consumo residenciais, isoladas, com atendimento por ramal de ligação independente: 1 x 1 cv por unidade de consumo (1 cv = W) Unidades de consumo residenciais (apartamentos) derivadas de ramal de entrada coletivo: 1 x 1 cv por UC <= 70 m 2. 2 x 1 cv por 70 m 2 <= UC <= 100 m 2. 3 x 1 cv por UC >= 100 m 2. Cálculo da carga instalada e da demanda

30 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino30 Exemplo 1: Residência isolada, área útil de 300 m 2, com fornecimento de energia por ramal de ligação independente de 220 V/127 V. Carga instalada: Iluminação e tomadas: W Chuveiros elétricos: 3 de W Torneiras elétricas: 2 de W Aparelhos de ar-condicionado: 3 de 1 cv e 2 de ¾ cv Motores monofásicos: 2 de 1 cv (1 reserva), 2 de ½ cv (1 reserva) e 2 de 1/6 cv Sauna: W Cálculo da carga instalada e da demanda

31 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino31 Exemplo 1: Resolução A) Determinação da carga instalada Pinst = x x [(3 x 1) + (2 x ¾)] x ½ x /6 x = W > W. Logo, é necessário calcular a demanda. Cálculo da carga instalada e da demanda

32 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino32 B) Compatibilização da carga instalada com as previsões mínimas Iluminação e tomadas: o mínimo é 30 W/m 2 (tabela 3.6) = 30 x 300 = W > W. Assim, a carga a ser considerada é de W, e não de W, conforme previsão original. Aquecimento: não há previsão mínima. Logo, vale a carga instalada. 3 chuveiros de W cada 2 torneiras de W cada 1 sauna de W Cálculo da carga instalada e da demanda

33 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino33 Aparelhos de ar-condicionado: previsão mínima é de 1 cv por unidade consumidora. Assim, a carga instalada deve ser de (3 x x ¾) cv = 4,5 cv > 1 cv. Logo, a carga a ser considerada é de 4,5 cv. Motores: não há previsão mínima. Logo, a carga a ser considerada é a seguinte: 1 x 1 cv 1 x ½ cv 2 x 1/6 cv Cálculo da carga instalada e da demanda

34 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino34 C) Demandas parciais IT (fp = 1,0) (tabela 3.6) c1 = 9,0 kW d1 = 1 x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0, x 0,30 = 4,80 kVA aparelhos de aquecimento (fp = 1,0) (tabela 3.9) c2 = 3 x x x d2 = (3 x 4.400) x 0,70 + (2 x 2.500) x 0, x = W Cálculo da carga instalada e da demanda

35 Instalações elétricas Prof. Mauro Moura Severino35 C) Demandas parciais aparelhos de ar-condicionado (tabela 3.10) c3 = 3 x 1 cv + 2 x ¾ cv d3 = (3 x 1 cv + 2 x ¾ cv) x 0,70 = 3,15 cv motores (tabelas 3.7, 3.8 e 3.16) c5 = 1 x 1 cv + 1 x ½ cv + 2 x 1/6 cv d5 = (1 x 1,56 kVA + 1 x 1,18 kVA + 2 x 0,45 kVA) x 0,70 = 2,55 kVA Dtotal = 4, ,99 + (1,5 x 3,15) + 2,55 Logo, Dtotal = 34,07 kVA e, segundo a tabela 3.5c, o padrão de atendimento é o trifásico T6. Cálculo da carga instalada e da demanda


Carregar ppt "INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 3 – Parte 3 Cálculo da carga instalada e da demanda 2.° semestre de 2005 Mauro Moura Severino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google