A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

POLIÉSTER Sarah R. Baldin 3º Sem. Têxtil RA 062036 FATEC Americana Profª. Adelina - Ciência das Fibras.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "POLIÉSTER Sarah R. Baldin 3º Sem. Têxtil RA 062036 FATEC Americana Profª. Adelina - Ciência das Fibras."— Transcrição da apresentação:

1 POLIÉSTER Sarah R. Baldin 3º Sem. Têxtil RA FATEC Americana Profª. Adelina - Ciência das Fibras

2 Importância do poliéster no mercado mundial de fios Sintético 59 % Natural 41 % Total Geral kton/ano Poliéster 65% Outros 16% Celulósicas 9% Poliamida 10% Total Sintéticos kton

3 Definição de Poliéster Substância em que o polímero de longa cadeia sintética é composto de, pelo menos, 85% em massa de um éster do álcool dihídrico e do ácido tereftálico; Fórmula: P – HOOC – CH6H4 – COOH; Macromoléculas que apresentam a ligação éster em cada unidade repetitiva; DUPONT: umas das primeiras a iniciar uma pesquisa com poliésteres.

4 Matérias-primas As principais matérias-primas para a obtenção do poliéster são: Para-xileno; Ácido tereftálico (PTA); Dimetiltereftalato (DMT); Etilenoglicol.

5 Processos de obtenção do filamento O processo para a produção de poliéster é conhecido como polimerização. Há duas tecnologias disponíveis para obtenção de polímeros e fios de poliéster: tecnologia contínua e tecnologia descontínua: Tecnologia Contínua: indicada para uma produção superior a 10 toneladas/dia, parte diretamente do PTA e representa uma economia de cerca de 15% em relação ao uso do DMT. Tecnologia Descontínua: Transforma o PTA em polímeros (chips), que passam por silos de estocagem, extrusora e secagem antes de chegar à fiação.

6 Processos de obtenção do filamento PETRÓLEO PTA POLI TÊXTIL Fil. Têxteis CHIPS ESTIROTEXTURIZAÇÃO FILAMENTO TEXTURIZADO FILAMENTO ESTIRADO FILAMENTO FDY FIO POY ESTERIFICADOR FIAÇÃO EXTRUSÃO Polímeros EPS P-XILENO FIAÇÃO DIRETA CORTADOR TECNOLOGIA CONTÍNUA TECNOLOGIA DESCONTÍNUA

7 Titulagem A gama de produção de fios de poliéster é muito variada, e depende basicamente do: Título: que mede a quantidade de gramas por metros de fio (dtex), isto é, a grossura do fio; Número de filamentos: a quantidade de filamentos por fio.

8 Titulagem Exemplo: 167 dtex/48 filamentos

9 Titulagem Exemplo: 167 dtex/96 filamentos

10 Titulagem Exemplo: 167 dtex/288 filamentos

11 Titulagem Dependendo dos processos de fiação e bobinamento dos fios, estes terão características diferentes e são chamados: LOY - Low Oriented Yarn - Bobinado de 1200 a 1800 m/min. MOY - Medium Oriented Yarn - Bobinado de 1800 a 2800 m/min. POY - Partially Oriented Yarn - Bobinado de 2800 a 3500 m/min.

12 Beneficiamento Os processos de beneficiamentos dos fios são: Estiragem: o fio é alimentado em máquinas específicas, que sofrem o processo de estiramento e fixação a quente do fio, obtendo um fio liso, sem volume e fixado.

13 Beneficiamento Texturização: processo de criar volume no fio, visando aproximar o mesmo do aspecto de fibras naturais, como algodão e linho.

14 Estrutura e propriedades do poliéster O poliéster é encontrado na forma de fios de filamento contínuo, fibra cortada e tow. As propriedades são melhor consideradas pela divisão em três grupos principais: Filamento de alta tenacidade; Filamento de média tenacidade; Fibra cortada.

15 Características de deformação Os fios de filamento contínuo e fibras cortadas de poliéster estão sujeitos a desprezíveis deformações; O fio de filamento contínuo recupera-se rapidamente de um alongamento de 1%. A recuperação será superior a 90% para um alongamento de 3%. A recuperação de fibras cortadas é menor do que em filamento contínuo.

16 Temperatura Ponto de fusão cristalino: 260º C Ponto de transição vítrea: 80º C Por esta razão, o poliéster não pode ser estirado à frio, pois as regiões amorfas não têm fluidez nem flexibilidade. O poliéster é muito menos sensível que o nylon à oxidação e pode resistir um tempo considerável a temperaturas próximas aos 200º C.

17 Efeito da luz solar O poliéster resiste à ação da radiação ultrvioleta do sol muito melhor que o nylon e apenas com a proteção de um vidro transparente resiste durante anos à exposição.

18 Efeito de ácidos O efeito de ácidos é insignificante, diferente de outras fibras têxteis.

19 Outros agentes químicos O poliéster tem boa resistência à maioria dos agentes oxidantes e redutores e não é solúvel na maior parte dos solventes orgânicos, exceto os dos grupos dos fenóis. Os ácidos mono, di e tricloroacético dissolvem o poliéster. Os hidrocarbonetos e os solventes comuns não afetam as fibras de poliéster.

20 Umidade A absorção de umidade das fibras de poliéster é muito baixa, menos de 1%. Isto obviamente, produz certa tendência à produção de eletricidade estática.

21 Uso final do poliéster Têxtil Vestuário Decoração Tecido Automotivo

22 Uso final do poliéster Têxtil Cortina Voil Tecidos para moda em geral Etiquetas

23 Uso final do poliéster Têxtil Moda FemininaModa Masculina

24 Comércio Os principais países produtores e exportadores de poliéster estão na Ásia. Na China, se tornou a base do desenvolvimento e prosperidade têxtil. O Brasil é inexpressivo nesse mercado, mas algumas empresas já iniciaram projetos que visam minimizar as exportações.

25 FIM


Carregar ppt "POLIÉSTER Sarah R. Baldin 3º Sem. Têxtil RA 062036 FATEC Americana Profª. Adelina - Ciência das Fibras."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google