A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INDRODUÇÃO AO COMÉRCIO INTERNACIONAL Profª: Pollyanne Severino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INDRODUÇÃO AO COMÉRCIO INTERNACIONAL Profª: Pollyanne Severino."— Transcrição da apresentação:

1 INDRODUÇÃO AO COMÉRCIO INTERNACIONAL Profª: Pollyanne Severino

2 ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO

3

4 Banco Central do Brasil (BACEN) É uma autarquia federal que efetua o controle de capitais estrangeiros, autoriza as instituições financeiras a operar em câmbio e as fiscaliza. Nas praças onde não há unidade do Banco Central, é delegado ao Banco do Brasil o controle e a fiscalização das operações cambiais.

5

6 Secretaria da Receita Federal (SRF) Vincula-se ao Ministério da Fazenda. Fiscaliza as exportações e as importações de mercadorias e a correta utilização dos incentivos fiscais concedidos pela legislação em vigor. na.asp

7

8 Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) Vincula-se ao Ministério da Indústria, do Comércio Exterior. Normatiza, supervisiona, orienta, planeja, controla e avalia as atividades comerciais do Brasil com outros países, em observância à política de comércio exterior vigente. secex/competencia.php

9

10 Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento MISSÃO: Promover as exportações de produtos e serviços contribuindo para a internacionalização das empresas brasileiras.

11

12 Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) Tem por objetivo a formulação, adoção, implementação e a coordenação de políticas e atividades relativas ao comércio exterior de bens e serviços, incluindo o turismo. A Camex é integrada pelo Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; que a preside, pelos Ministros Chefe da Casa Civil; das Relações Exteriores; da Fazenda; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; e do Planejamento, Orçamento e Gestão. menu=1698

13

14 Departamento de Negociações Internacionais (DEINT) negociar e promover estudos e iniciativas internas destinados ao apoio, informação e orientação da participação brasileira em negociações de comércio exterior; desenvolver atividades de comércio exterior, junto a organismos e participar de acordos internacionais; e coordenar, no âmbito interno, os trabalhos de preparação da participação brasileira nas negociações tarifárias em acordos internacionais e opinar sobre a extensão e retirada de concessões. interna.php?area=5&menu=366

15

16 Departamento Operações de Comércio Exterior (DECEX) expandir as vendas externas brasileiras a patamar coerente com o potencial do País; aperfeiçoamento dos mecanismos de comércio exterior brasileiro implementadas ações direcionadas à sua simplificação e adequação a ambiente de negócios cada vez mais competitivo ?area=5&menu=252

17

18 Departamento Comercial (DECOM) acompanhar as discussões relativas às normas e à aplicação dos Acordos de defesa comercial junto à OMC; acompanhar as investigações de defesa comercial abertas por terceiros países contra exportações brasileiras e prestar assistência à defesa do exportador. ?area=5&menu=228

19

20 Departamento de Política de Comércio Exterior propor e acompanhar a execução das políticas e programas de comércio exterior; formular propostas de planejamento da ação governamental, em matéria de comércio exterior.

21

22 Comércio Internacional

23 É caracterizado pelo intercâmbio de mercadorias e serviços e também pela movimentação de capitais entre nações. O leva os países comercializarem entre si, é a diversidade de possibilidade de produção, combinada às vantagens comparativas de produzir, com menor custo, um produto de melhor qualidade

24 NENHUM PAÍS É AUTO SUFICIENTE DE TUDO: EXPORTAM O EXCEDENTE E IMPORTAM O NECESSARIO PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES DE PRODUÇÃO DE CONSUMO.

25 Conceituando a Exportação

26 Exportação vem a ser a venda de bens para uma empresa em outro país, em moeda forte, como o dólar americano, o marco alemão, o yen japonês, o franco suíço, etc. É a saída regulamentar de mercadorias para além da fronteira territorial de um país.

27 Exportação Com ou Sem Cobertura Cambial Diz-se que uma exportação é com cobertura cambial quando implica um pagamento a ser efetuado pelo importador estrangeiro. A exportação é sem cobertura cambial quando não acarretar um pagamento da parte do importador estrangeiro

28 Por que Exportar? Maior produtividade: aumento na escala de produção; Redução da dependência das vendas internas: proporciona à empresa maior segurança contra as oscilações dos níveis de demanda interna; Aumento da Capacidade Inovadora: as empresas exportadoras tendem a ser mais inovadoras que as não-exportadoras, adotam programas de qualidade e desenvolvem novos produtos com maior freqüência;

29 Por que Exportar? aperfeiçoamento de recursos humanos: as empresas que exportam se destacam na área de recursos humanos. Melhores salários, treinamentos; aperfeiçoamento dos processos industriais e comerciais: melhoria na qualidade e apresentação do produto, a empresa adquire melhores condições de competição interna e externa;

30 O que Exportar? A princípio, todo produto pode ser exportado, embora haja algumas ressalvas para armas, pedras preciosas, material explosivo, entre outros.

31 SUA CAPACIDADE DE ENTENDER OS MERCADOS. O QUE EXPORTAR?

32 Um produto certamente será bem sucedido no exterior se tiver: Preços mais baixos que o fornecedor tradicional; Qualidade igual ou superior aos produtos de outros fornecedores; Características especiais ou ineditismo (comum para artesanatos, roupas com modelos exclusivos, bordados regionais, frutas raras e exóticas, flores regionais, etc.).

33 Para Onde Exportar? É verdade que praticamente tudo pode ser exportado, mas nem tudo pode ser exportado pra qualquer país.

34 A vida esta cheia de desafios que se aproveitado de forma criativa, transformam-se em oportunidade. Maxwell Maltz


Carregar ppt "INDRODUÇÃO AO COMÉRCIO INTERNACIONAL Profª: Pollyanne Severino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google