A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O SUPORTE DA COMUNICAÇÃO NO BRINCAR DA CRIANÇA JOGOS E SIMBOLIZAÇÃO Nilde J. Parada Franch Myrta Casas de Pereda.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O SUPORTE DA COMUNICAÇÃO NO BRINCAR DA CRIANÇA JOGOS E SIMBOLIZAÇÃO Nilde J. Parada Franch Myrta Casas de Pereda."— Transcrição da apresentação:

1 O SUPORTE DA COMUNICAÇÃO NO BRINCAR DA CRIANÇA JOGOS E SIMBOLIZAÇÃO Nilde J. Parada Franch Myrta Casas de Pereda

2 cada um dos jogos que se realizam entre criança e seus pais é uma forma de vida (Bruner, 1984, p.43) Os gestos e a voz são, desde início uma forma de discurso infantil

3 Do ponto de vista do observador: Sujeito e Objeto: Esta dupla pode ser percebida de modo intercambiável, alternando-se Quando o objeto passa a se existir com o estatuto de objeto: Quando se instaura a cs de obj separado

4 Desamparo do bebê humano Ser humano vem o mundo em estado de desamparo, dependência e indiferenciação Freud (1911): mencionava forma muito primitiva de vida psíquica qdo refere: realização alucinatória do desejo Bion(1962): funcionamento de aparelho protomental: físico e psíquico indiferenciados

5 Constituição do sujeito psíquico A experiência de satisfação é o ato inaugural do aparelho psíquico ( Freud, 1895), como diferença entre o tudo e o nada. Primeiras capacidades do bebê: Expressar fortemente suas necessidades biológicas, desejos, sentimentos: Capacidade expressiva: Diferente de capacidade representativa

6 Bion Experiência emocional capacidade de revérie materna Função alfa Elementos alfa X elementos beta Evacuações: através de Id.Projetiva Somatizações

7 Agitação Hiperatividade Têm valor expressivo mas não representativo No entanto: Descarga imediata não satisfaz por muito tempo

8 A inibição da descarga motora Que pode levar ao pensar se desenvolve: A partir de representações mentais (Freud, 1911) Experiências emocionais fazem pressão à figurabilidade, buscando representação mental

9 Representação mental da experiências emocionais Outros tipos de manejo de angústia e desespero são possíveis: Cuidados maternos:reduzem progressivamente as sensações de tensão Aparelho para pensar pensamentos (Bion)

10 Do ponto de vista pulsional A ausência é o que é desprazeroso e a simbolização faz presente o prazer da representação. O ato em si também como fato psíquico, como acontecimento, contém o êxito de uma representação como triunfo sobre a ausência. O prazer da representação é o oposto da angústia ante o fracasso da simbolização.

11 Então, penar e gozar, prazer/desprazer, é um modo de nos referirmos ao objeto (sempre perdido), e é em última instância o espaço do trabalho psíquico, um trabalho sobre a ausência

12 Pictograma auto erótico: Pode ser simbolizado Imagem face contra o seio figurando um bebê satisfeito e em repouso Eixo metafórico de transposição da satisfação

13 Em outro registro que não o da descarga pulsional Registro em que: A tensão moderada mantém um funcionamento mental que também é fonte de prazer

14 Que está na origem do prazer de pensar, falar, sonhar, brincar A nostalgia da coisa ausente e perdida em sua realidade, uma vez que re-presentada, viesse adoçar o sofrimento do luto

15 Dificilmente se pode falar do bebê com seus recursos e capacidades, sem incluir o papel do objeto externo

16 O PAPEL DO OBJETO Importância do obj. materno Winnicott: Mãe suficientemente boa Mantém a ilusão da fusão: consciência da separabilidade se dá paulatinamente

17 Bion: capacidade de revérie aparelho psíquico - aparelho digestivo Guignard: Mãe só poderá intervir indiretamente no sofrimentos originados ao interior do aparelho digestivo

18 Ser humano nasce Pré concepção do seio: Objeto que satisfaça as necessidades Mãe com cap. de revérie Metaboliza Devolve de forma mitigada

19 Ausência Primórdios do aparelho para pensar Criança que se desenvolve em situação de revérie materna Processamento de emoções a partir de função alfa Brincar níveis mais altos de simbolização

20 . Há uma disponibilidade representacional que deve criar-se, jogar-se atualizar-se na peripécia sempre diferente de cada ser humano em seu encontro com seus pais. Talvez o objeto transicional seja um exemplo privilegiado para pensar alguns dos elementos assinalados neste processo de simbolização

21 Acerca do objeto transicional no caminho da simbolização O objeto transicional é um desafio para psicanálise. Entre o próprio corpo e o alheio, entre seu psiquismo e o mundo, é materialidade psíquica.

22 O objeto transicional é um desafio, pois nos questiona sobre um processo que, inicialmente no sujeito ( o infans, o bebê) em eu encontro com a mãe (objeto parcial, objeto total, mundo, o outro), culmina no que poderíamos denominar a modo de proposta como disponibilidade representacional

23 É necessário sublinhar que importa tanto a realidade do objeto como seu valor simbólico, pois é a presença e ausência da mãe que necessita ser representada, o que está ainda no ato e ou requer ainda um tempo de repetição em ato

24 Esta simbolização é sempre um trabalho sobre ausência, a perda, a morte. Na definição Winnicottiana primeira possessão não-eu, estão presentes dois elementos: o trabalho sobre o objeto ausente - na palavra possessão – e o lugar de um sujeito desejante que deseja possuir o objeto

25 Neste desaparecer natural do objeto transicional, assistimos a um dos passos da dialética da simbolização.

26 Momento de simbolização - que é soltar-se o sujeito do objeto e o objeto do sujeito - que podemos localizar como momentos significativos de organização psíquica: subjetivação Nomeio deste modo mais abrangente o que pode estar implícito em: - a formação de objeto interno de MK, -a representação-coisa em Freud e sua articulação com a representação palavra, -a constituição do objeto objetivo para Winnicott -a caída do objeto a em Lacan

27 Então podemos ver o objeto transicional como um momento do processo metafórico do processo de simbolização. Momento de experiência, de mediação é sinal do psíquico em estrutura:

28 -sublinha a necessidade do outro, tal como uma palavra necessita da outra para que haja metonímia e metáfora; -se produz e/ou se expressa como ação, gesto, balbucio, palavra ou melodia(corpo-objeto, sujeito-objeto).

29 O objeto transicional é testemunha deste trabalho psíquico donde a criança cria o objeto porque já é perdido, e ali se constitui como sujeito. Criação em realidade psíquica (também na realidade material) de um objeto metonímico do encontro com a mãe, que fala de uma tarefa de simbolização acontecendo

30 Vinhetas clínicas: Predominância das identificações projetivas O desenhar na sessão O mise-em-scène


Carregar ppt "O SUPORTE DA COMUNICAÇÃO NO BRINCAR DA CRIANÇA JOGOS E SIMBOLIZAÇÃO Nilde J. Parada Franch Myrta Casas de Pereda."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google