A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

C olégio do A mor de D eus Educação Moral e Religiosa Católica UL 2 a universalidade do FENÓMENO RELIGIOSO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "C olégio do A mor de D eus Educação Moral e Religiosa Católica UL 2 a universalidade do FENÓMENO RELIGIOSO."— Transcrição da apresentação:

1 C olégio do A mor de D eus Educação Moral e Religiosa Católica UL 2 a universalidade do FENÓMENO RELIGIOSO

2 Independentemente do que pensamos da religião, ela é uma realidade estruturante das sociedades, e a compreensão da história da humanidade faz-se tendo em conta a dimensão religiosa. A religião responde aos anseios e às questões fundamentais do ser humano: “quem sou?”, “donde venho?”, “para onde vou?”. As religiões, em geral, chamam de Deus 01 religião e religiosidade pág 54 CAD

3 Deus existe? Os ateus afirmam que não. Os agnósticos declaram que não sabem. Os crentes dizem que sim. 01 religião e religiosidade CAD

4 02 religião e religiosidade Religião é: um fenómeno universal no tempo e no espaço, está na base das culturas, da vida familiar e da vida social pág 56 CAD

5 Religião é um conjunto de doutrinas, de rituais e de práticas que pretendem estabelecer o contacto entre a divindade e o humano. Muitos povos do passado adoraram vários deuses forças da natureza, animais (politeísmo), que representavam sob várias formas e a quem davam diversos nomes. 02 religião e religiosidade pág 57 CAD

6 Politeísmo Sistema religioso que reconhece e venera vários deuses. Monoteísmo Sistema religioso que admite a existência de um só Deus. Sendo Deus o ser absoluto é necessariamente único e distinto da realidade por ele criada. 02 religião e religiosidade pág 57 CAD

7 Cada religião apresenta um caminho de felicidade e oferece um conjunto de respostas e metas. Como cada família, também cada religião tem as suas características próprias, a sua maneira de ser e os seus costumes. É essencial descobrir, respeitar e amar tudo o que de bom existe em cada tradição religiosa: o fundador, o culto, os livros sagrados, os ensinamentos, o desenvolvimento histórico e cultural. 02 religião e religiosidade pág Devemos estar atentos e rejeitar o fanatismo a intolerância e o fundamentalismo CAD finalidade

8 Olá! O meu nome é Abraão. Vivi no séc. XIX a.C. Isso mesmo: tenho quase anos! Nasci em Ur, no actual Iraque, e por lá habitei até a minha vida mudar completamente. Era chefe de uma tribo e, como todos os meus conterrâneos, adorava vários deuses. 03 religião e religiosidade pág Canaã CAD

9 Mas progressivamente fui descobrindo o Deus único e percebi que podia adorá-lo em qualquer lugar e em qualquer circunstância. Compreendi que só pode existir um único Deus, os deuses antigos eram ídolos mortos, elementos naturais ou representações construídas pelas pessoas. Eu e o meu clã começámos a acreditar no Deus vivo e presente que acompanha a história pessoal e a história do povo. 03 religião e religiosidade CAD pág 59 60

10 Um dia, Deus disse-me: “Deixa a tua terra e a casa de teu pai e vai para a terra que eu te mostrar. Farei de ti um grande povo; hei-de abençoar-te e tornar-te famoso. O teu nome será uma bênção... e todas as famílias da Terra serão em ti abençoadas” (Gn 12, 1-3) 03 religião e religiosidade Canaã CAD pág 59 60

11 E eu confiei, acreditei, obedeci e assim me tornei no patriarca de todos aqueles que acreditam num único Deus. Abraão, embora seja o pai do povo de Israel, assumiu um significado muito mais universal, porque é ponto de referência de três grandes religiões. 03 religião e religiosidade CAD pág 59 60

12 Séc. XIX a.C. Séc. XIII a.C. Séc. I d.C. Séc. VII d.C. Deus Abraão IsaacIsmael Moisés JUDAÍSMO Jesus Cristo CRISTIANISMO Maomé ISLAMISMO 04 religião e religiosidade pág 61 CAD

13 Abraão “judeu” Olhem para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz. Quando o chamei não tinha filhos, mas abençoei-o e dei-lhe numerosa descendência. (Is 51, 2) 05 religião e religiosidade pág 61 CAD

14 Abraão “cristão” Abraão é o pai espiritual de todos os que crêem em Deus sem serem circuncidados e a quem Deus aceita como seus amigos. É igualmente pai dos que são circuncidados, isto é daqueles que não só receberam a circuncisão, mas também seguem o exemplo de fé que o nosso pai Abraão mostrou antes de ser circuncidado”. (Rm 4, 11-12) 05 religião e religiosidade pág 61 CAD

15 Abraão “islâmico” Dizei: “(...) Nós acreditamos na fé de Abraão, o íntegro. Ele não foi nenhum idólatra”. (Alcorão 2, 129) 05 religião e religiosidade pág 61 CAD

16 C olégio do A mor de D eus Bibliografia: manual do professor 7ºano prof. jj guedes Educação Moral e Religiosa Católica


Carregar ppt "C olégio do A mor de D eus Educação Moral e Religiosa Católica UL 2 a universalidade do FENÓMENO RELIGIOSO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google