A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

InícioFimAnteriorPróximo. InícioFimAnteriorPróximo OBJETIVOS O objetivo deste material é oferecer a gerentes de empresas e a instrutores de treinamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "InícioFimAnteriorPróximo. InícioFimAnteriorPróximo OBJETIVOS O objetivo deste material é oferecer a gerentes de empresas e a instrutores de treinamento."— Transcrição da apresentação:

1 InícioFimAnteriorPróximo

2 InícioFimAnteriorPróximo OBJETIVOS O objetivo deste material é oferecer a gerentes de empresas e a instrutores de treinamento a oportunidade de questionamento dos métodos tradicionais de ensino de adultos, comparativamente a métodos mais atualizados e dizer das vantagens destes últimos. São apresentadas algumas técnicas de dinâmica de grupos, que devem ser utilizadas em harmonia com o tipo de público treinado, com o conteúdo, com o tempo e objetivos do treinamento. As técnicas de dinâmica de grupos, auxiliam o instrutor ou gerente a enriquecer o leque de ferramentas que utilizarão em seu trabalho para transmitir conteúdos e discutir temas ligados à gestão com seus subordinados ou treinandos. No slide final há uma bibliografia sobre o assunto, que poderá ser consultada para aprofundar o conhecimento sobre as técnicas aqui apresentadas e para pesquisar novas.

3 InícioFimAnteriorPróximo ENSINO TRADICIONAL No ENSINO TRADICIONAL, o educador é o monopolizador de todo o conhecimento, pensando e agindo pelo educando. O aluno tem medo (respeito?!) do professor. O aluno fica contando os minutos para acabar a aula (em muitos casos). O processo de treinamento chega a ser quase um CASTIGO. Às vezes é utilizado o retroprojetor/datashow de forma exagerada, com o intuito de modernizar as exposições, o que acaba até prejudicando o aprendizado e desestimulando a participação. Em geral este método explora somente a audição e a visão dos alunos, ficando os outros sentidos fora do processo. Para muitos alunos o objetivo é acabar logo com o curso ou treinamento e receber o diploma.

4 InícioFimAnteriorPróximo ENSINO MODERNO No ENSINO MODERNO, o aluno é o sujeito e autor da própria educação. Neste método o educador ou treinador funciona como um gerenciador e estimulador do processo de aprendizado. Em vez de o treinador discursar o tempo todo para os alunos tomarem nota, ou escrever no quadro para que os alunos fiquem copiando, o treinador utiliza técnicas de DINÂMICA DE GRUPOS, que estimulam a participação de todos e permitem aos mais tímidos, iguais oportunidades e facilidades na participação e no processo de aprendizado. São utilizados também recursos didáticos modernos e de forma equilibrada (datashow, vídeos, quadro, flip chart, jogos).

5 InícioFimAnteriorPróximo Relatos sobre experiências em treinamento têm comprovado que, em geral, os alunos absorvem: 10% do que foi lido 20% do que foi ouvido 30% do que visto na forma real 50% do que foi visto na forma real e ouvido 70% do que foi discutido 90% do foi discutido e feito. RETENÇÃO DO APRENDIZADO

6 InícioFimAnteriorPróximo COMO O SER HUMANO APRENDE O homem aprende através dos seus cinco sentidos. É através deles que as impressões se transformam em conhecimento e se gravam na mente. É importante ao instrutor saber que, quanto mais sentidos entram no processo de aprendizagem, mais fácil e mais firmemente são gravados os conhecimentos.

7 InícioFimAnteriorPróximo COMO OS ADULTOS APRENDEM Os adultos têm tanta facilidade de aprender como as crianças, no entanto os métodos e técnicas utilizados com adultos devem ser diferentes dos utilizados para as crianças. Nos slides a seguir há uma série de indicações de como os adultos aprendem, para serem utilizadas pelo instrutor nos seus processos de treinamento de adultos.

8 InícioFimAnteriorPróximo a)Os adultos aprendem somente o que sentem necessidade de aprender: necessitam de conhecimentos com aplicabilidade imediata, não podem perder tempo ouvindo revisões e muita teoria. b) Os adultos devem querer aprender: as crianças normalmente aprendem induzidas pelos pais ou por algum professor, estudam para tirar boas notas. Os adultos devem ter forte motivação íntima que os leve a adquirir novos conhecimentos e/ou habilidades; o desejo de aprender pode ser despertado, porém nunca imposto. c) Os adultos aprendem fazendo: a regra geral, vale também para os adultos, ou seja, quanto mais sentidos intervém na aprendizagem, tanto mais fácil se gravam as coisas. COMO OS ADULTOS APRENDEM

9 InícioFimAnteriorPróximo COMO OS ADULTOS APRENDEM d) Os adultos aprendem resolvendo problemas ligados à realidade: se os problemas apresentados em aula não lhes dizem respeito, aos adultos não há interesse. e) A experiência afeta a aprendizagem do adulto: os novos conhecimentos devem ser relacionados com suas experiências anteriores e integrados às mesmas; se não houver este ajustamento, os alunos adultos tendem a rejeitá- los. f) Os alunos adultos aprendem melhor em ambiente informal: a formalidade bitola, inibe e cerceia a imaginação. Muitos conservam tristes recordações da escola tradicional. A própria disposição das carteiras traz lembranças de outrora, por vezes, não muito agradáveis. Por isso, a sala deve apresentar um aspecto acolhedor, com as carteiras dispostas em círculo, em V ou U, ou ainda de acordo com a técnica que está sendo utilizada.

10 InícioFimAnteriorPróximo COMO OS ADULTOS APRENDEM g) Uma variedade de métodos e técnicas deve ser utilizada em treinamento de adultos: como as crianças, os adultos também reagem melhor quando lhes é apresentada uma idéia de diferentes modos. Todavia, a escolha dos métodos, das técnicas, deverá estar orientada segundo: - a personalidade dos alunos - os objetivos - a matéria e conteúdos a ser transmitidos. h) Os adultos querem orientações e não notas: é lógico que é importante para os alunos adultos conhecer o próprio progresso. Porém, através de exames e notas não é recomendável, a não ser que se crie um ambiente de mentalidade de aceitação. i) Os adultos ou aceitando ou censurando sempre participam: o adulto sempre participa, mesmo que seja de modo não explícito. A própria crítica, a aceitação ou não do ensino apresentado já é uma participação. O segredo e o mérito do treinador está em fazer esta participação ser exteriorizada.

11 InícioFimAnteriorPróximo ALGUMAS TÉCNICAS DE DINÂMICA DE GRUPOS A seguir são apresentadas algumas técnicas de dinâmica de grupos. Todas elas têm por objetivo estimular o aprendizado, integrar os participantes e balancear as participações. Um desafio que tem o treinador de adultos é fazer com que as participações de todos seja equilibrada, evitando concentração de participação nos líderes e nos que têm maiores facilidades de aprendizado e de comunicação.

12 InícioFimAnteriorPróximo PAINEL INTEGRADO n Divisão do grupão em pequenos grupos n Entrega de partes de um conteúdo para cada grupo n Estudo do conteúdo pelos participantes dos grupos n Cruzamento dos grupos de modo a que todos participem n Discussão final do conteúdo inteiro PRIMEIRA FASESEGUNDA FASE I I

13 InícioFimAnteriorPróximo n Primeira rodada com opiniões individualizadas dos participantes do grupo sobre um assunto n Segunda rodada com cruzamento intenso de opiniões n Fechamento com resumo do coordenador PRIMEIRA RODADASEGUNDA RODADA I DISCUSSÃO CIRCULAR

14 InícioFimAnteriorPróximo n Definição do objetivo/situação a pesquisar n Rodada de opiniões totalmente livres n Coordenador vai anotando tudo n Resumo crítico das opiniões coletadas n Definição SDFA DFASDFSAF SDFASDF SFASDFASDFASDFA ASFASDFASDFAF ASFS SDFSDFSDF SDFSD FSD SDFSDFSD SDF FSDFSD SDFSDF SDFDF BRAINSTORMING

15 InícioFimAnteriorPróximo n Divisão do grupão em dois grupos (GV e GO) n O GV discute um tema, exercita liderança e objetividade em solucionar problemas n O GO anota tudo n Ao final o GO dá um feedback ao GV I INSTRUTOR GRUPO DE OBSERVAÇÃO GRUPO DE VERBALIZAÇÃO G.V.G.O. (GRUPOS DE VERBALIZAÇÃO E DE OBSERVAÇÃO)

16 InícioFimAnteriorPróximo n Escolha de um tema polêmico para julgar n Distribuição de papéis para os participantes n Julgamento do tema escolhido n Avaliação dos trabalhos dos dois advogados n Avaliação geral do processo de julgamento JUIZ ADV. ACUSAÇÃO ADV. DEFESA RÉU JURADOS PLATÉIA JÚRI SIMULADO

17 InícioFimAnteriorPróximo n A platéia passa perguntas para os entrevistadores n Os entrevistadores tabulam e selecionam as perguntas n Os entrevistadores perguntam ao entrevistado n O entrevistado responde para a platéia PLATÉIA ENTREVISTADORES ENTREVISTADO ENTREVISTA PLANEJADA

18 InícioFimAnteriorPróximo n Escolha de uma situação da vida real (uma venda, uma negociação, etc.) n Distribuição de papéis para os participantes n Representação da situação pelos atores n Feedback do grupo n Reforço n Novo feedback DRAMATIZAÇÃO

19 InícioFimAnteriorPróximo FEEDBACK Feedback é o processo de informação verbal ou não-verbal, dirigido a outra pessoa ou grupo, tornando-os cientes de como sua conduta está nos afetando. INDIVÍDUO OU GRUPO ATITUDE 1 FEEDBACK ATITUDE 2 (MODIFICADA) O seu objetivo é, sendo aceito pela pessoa ou pelo grupo que o está recebendo, que haja uma mudança de atitude para melhor, construindo, assim, melhores relacionamentos entre os indivíduos e grupos.

20 InícioFimAnteriorPróximo 1. O FEEDBACK é mais descritivo que avaliativo. Evitando a linguagem avaliadora, reduz-se a necessidade da reação da outra pessoa a uma forma defensiva. 2. Deve ser específico e não geral. Em vez de dizer você está sempre procurando dominar, melhor seria especificar o momento em que demonstra tal atitude. 3. Tomar em consideração as necessidades tanto daquele que recebe o FEEDBACK como daquele que o oferece. O FEEDBACK pode ser destrutivo quando só responde às necessidades daquele que o oferece, sem tomar em conta as da pessoa que o recebe. 4. Dirigir-se aquele comportamento que pode ser modificado, caso contrário aumentamos a frustração. 5. Deve ser solicitado/negociado, nunca imposto. 6. É preciso oferecê-lo no momento oportuno. É muitas vezes mais eficiente se for oferecido logo após a ocorrência da conduta, dependendo, naturalmente, do preparo da pessoa ou do grupo. 7. Deve ser comprovado, para assegurar uma boa comunicação. CRITÉRIOS PARA DAR FEEDBACK

21 InícioFimAnteriorPróximo TRECKER, Harleigh B. - Como Trabalhar com Grupos; tradução de Evangelina Leivas. 4a. Edição. Rio de Janeiro, Agir, FRITZEN, Sílvio José (Ir. Amadeu Egydio) - Exercícios Práticos de Dinâmica de Grupos. 10a Edição. 2 Volumes. Petrópolis, Vozes, ANDREOLA, Balduíno A. - Dinâmica de Grupos: Jogo da Vida e Didática do Futuro, 3a. Edição. Petrópolis, Vozes, LIMA, Lauro de Oliveira - Treinamento em Dinâmica de Grupos, 5a. Edição, Petrópolis, RJ, Vozes, BIBLIOGRAFIA

22 InícioFimAnteriorPróximo


Carregar ppt "InícioFimAnteriorPróximo. InícioFimAnteriorPróximo OBJETIVOS O objetivo deste material é oferecer a gerentes de empresas e a instrutores de treinamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google