A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Às vésperas da proclamação da república, lamentando o fato de Pedro II estar divorciado das coisas militares, Eduardo Prado, político e historiador,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Às vésperas da proclamação da república, lamentando o fato de Pedro II estar divorciado das coisas militares, Eduardo Prado, político e historiador,"— Transcrição da apresentação:

1

2

3 Às vésperas da proclamação da república, lamentando o fato de Pedro II estar divorciado das coisas militares, Eduardo Prado, político e historiador, um monarquista convicto, admitiu que existia no Brasil "um exército esquecido, mal-organizado, mal-instruído, e mal-pago".

4

5 Palavras de Benjamim Constant em reunião do Clube Militar, em 9 de novembro de 1889, após criticar o governo imperial pelas hostilidades contra os militares:

6 Mais do que nunca preciso que me sejam dados plenos poderes para tirar a classe militar de um estado de coisas incomparável com a honra e a dignidade. Comprometo-me, sob palavra, se não encontrar dentro de oito dias uma solução honrosa para o Exército e a Pátria, resignar aos empregos públicos e quebrar minha espada.

7 Em 15 de novembro ombreava com o Marechal Deodoro da Fonseca na Proclamação da República.

8 No início de 1964 o governo populista de João Goulart, coligando-se a grupos sediciosos de ideologia marxista, tentou incorporar o Brasil à ordem política internacional ditada pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, expondo a nação brasileira ao perigo de uma submissão a um regime estrangeiro de ideologia comunista.

9

10 Já em 1962 o General Castelo Branco havia escrito:

11 A guerra revolucionária é uma luta de classes, de fundo ideológico, imperialista, para a conquista do mundo; tem uma doutrina, a marxista-leninista. É uma ameaça para os regimes fracos e uma inquietação para os regimes democráticos. Perfaz, com outros, os elementos da guerra fria.

12 Já em 1962 o General Castelo Branco havia escrito: As Forças Armadas não podem atraiçoar o Brasil. Defender privilégios de classes ricas está na mesma linha antidemocrática de servir a ditaduras fascistas ou sindico-comunistas.

13 Em 31 de março de 1964, as Forças Armadas, atendendo ao chamamento do povo brasileiro, eliminou a ameaça de sovietização do Brasil.

14 Com a queda do muro de Berlim e o desmantelamento da União Soviética, com total falência dos regimes comunistas do Leste Europeu, as organizações latino-americanas de ideologia marxista reuniram-se em 1990 para a reorganização dos movimentos de esquerda na América Latina e região do Caribe. Criaram, então uma organização internacional chamada Fórum de São Paulo, com a participação de Fidel Castro e Lula, sendo responsável pela organização, toda a cúpula do PT brasileiro.

15 Participam do Fórum várias organizações de caráter militar, entre elas as FARC e outras organizações consideradas terroristas e envolvidas no tráfico de drogas, todas de orientação marxista, da Guatemala, da Colômbia, do Uruguai e da Bolívia, além das forças regulares de Cuba e da Venezuela, esta em processo aberto de preparação de suas Forças Armadas para uma suposta guerra.

16 O objetivo institucional do Fórum de São Paulo é intervir em todos os países da América Latina e do Caribe, em esforço conjunto, através da propaganda e do apoio financeiro, para garantir a vitória dos partidos de esquerda nas eleições de todos os países e formar uma força de pressão ideológica contra a influência norte-americana na América do Sul

17 Essa intervenção deverá determinar o controle político dos países dominados, através da desestruturação da organização política atual e da criação de forças paramilitares, formadas por elementos ligados a centrais sindicais, movimentos de sem-terras e sem-teto, com cooptação de grupos armados, recrutados entre elementos oriundos do crime organizado.

18 Para isso é necessário que estabeleçam bases financeiras de suporte para a manutenção dessas forças e para a manutenção do próprio Fórum, com recursos externo provindos de fontes diversas não selecionadas moralmente e da captação interna via corrupção direta ou malversação do dinheiro público.

19 Para anular a resistência interna dos países dominados, é necessário que se neutralizem as Forças Armadas através da sucatagem de todo o equipamento bélico, e da supressão de verbas para treinamento e manutenção da tropa, de modo a criar desânimo, descrença e apatia no meio militar.

20 Nas últimas duas décadas os governos civis do Brasil menosprezaram as Forças Armadas como instituição nacional, comprometendo a sua capacidade de cumprir com eficiência a missão constitucional que lhe foi atribuída desde a sua criação. Menosprezaram de forma ostensiva a honra e a soberania nacional, corrompendo política e administrativamente as instituições públicas e ameaçando incorporar o Brasil a essa nova ordem política emergente expondo toda a nação brasileira ao perigo de uma submissão a doutrinas estrangeiras, surgidas das cinzas de uma ideologia morta. Lançaram a classe militar, através da propaganda difamatória, a um estado de coisas incomparável com a honra e com a dignidade.

21 E em consequência desses governos mal intencionados, temos hoje, novamente, uma Força Armada esquecida, mal-equipada, mal-instruída, e mal-paga.

22

23

24

25

26


Carregar ppt "Às vésperas da proclamação da república, lamentando o fato de Pedro II estar divorciado das coisas militares, Eduardo Prado, político e historiador,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google