A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Companhia Siderúrgica Nacional MAIO - 2009 Marcio Frazão G. Lins.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Companhia Siderúrgica Nacional MAIO - 2009 Marcio Frazão G. Lins."— Transcrição da apresentação:

1 Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Companhia Siderúrgica Nacional MAIO Marcio Frazão G. Lins

2 Siderurgia Brasileira Síntese Fonte: IBS Parque produtor de aço - 26 usinas, sendo que 12 integradas (a partir do minério de ferro) e 14 semi- integradas (a partir do processo de ferro gusa com a sucata), administradas por nove grupos empresariais. Capacidade instalada - 41 milhões de t/ano de aço bruto (ao final de 2008) Produção Aço Bruto: 34 milhões de t Produtos siderúrgicos: 31 milhões de t Consumo aparente 24 milhões de t Número de colaboradores: ~ Saldo comercial: US$ 4,4 bilhões - 17,6% do saldo comercial do país 13º Exportador mundial de aço (exportações diretas) (dado de 2007) 5º Maior exportador líquido de aço (exp - imp): 8,8 milhões de t (dado de 2007) Exporta para mais de 100 países Exportações indiretas (aço contido em bens): 3,4 milhões de t

3 Produção Mundial de Aço Evolução da Produção em 2008 e 2009 Fonte: WSA 10³ t Histórico Início da crise mundial

4 Produção Mundial de Aço Participação na Produção A produção asiática representou quase 60% do total mundial. Em 2008 o Brasil foi responsável por metade da produção da América Latina. Fonte: WSA

5 Consumo Aparente Mundial de Aço Evolução do Consumo Fonte: WSA 2008 Histórico

6 Produção de Aço – Planos e Longos Brasil Em 2008 e 1T09 Planos Longos Fonte: IBS e WSA Produção Aço Bruto

7 Consumo Aparente de Aço – Planos e Longos Brasil Fonte: IBS Observações: 1- Exclui as vendas para dentro do parque. 2- Consumo aparente = vendas internas + importações, excluindo as vendas para dentro do parque e importações das empresas siderúrgicas para transformação. MM t Em 2008Em 2008 e 1T09

8 Consumo Aparente de Aço - Brasil Evolução do Consumo Aparente por Setores Consumidores Finais Principais Consumidores em 2008 Construção Civil33% Setor Automotivo25,5% Bens de Capita, Máquinas e Equipamentos 21% Fonte: IBS Evolução do Consumo Aparente por Grandes Setores nos últimos 10 anos A construção civil se consagra principal consumidora de aço do Brasil.

9 Consumo Aparente Mundial de Aço PIB per capita x Consumo aparente per capita – cenário em 2007 Fontes: FMI e WSA Kg/hab/ano US$/hab/ano

10 Consumo Aparente Mundial de Aço Variação anual PIB x Consumo aparente per capita Fontes: FMI e WSA

11 Consumo Aparente Mundial de Aço BRASIL x AMÉRICA LATINA Fontes: FMI e WSA

12 Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Previsão para o Consumo Aparente Fonte: IBGE, IBS e FMI

13 Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Previsão para o Consumo Aparente – base PIB, previsão FMI Fonte: IBGE, IBS e FMI CAGR - PIB (últimos 5 anos) CAGR - PIB (últimos 10 anos) Planos Longos Unid: MM t

14 Perspectiva de Crescimento – Antes da Crise Siderurgia Brasileira Fonte: IBS Quais efeitos da crise ??

15 Principais Projetos da Siderurgia Brasileira R$ 82,2 bilhões em investimentos X

16 Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Capacidade Produtiva Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Capacidade produtiva na siderurgia dobrará até 2014 Milhões toneladas

17 Aumento dos Preços de Commodities 2003 a 2008 Fontes: Bloomberg LME, Clarkson, MBR, Platts, AMM e CRU. Para contratos em 2008 Minério Fino: 65% Pelotas: 86% Carvão Mineral: 190%

18 Fonte: CRU Analysis 2009 verá o retorno ao patamar de custos de 2007 ??? Curva do custo de produção global Bobina Laminada a Quente – US$/t

19 2009 verá o retorno ao patamar de preços de 2007 ??? Evolução recente do preço de laminados a quente BQ - US$/t Fonte: CRU

20 O Banco Mundial prevê que a economia mundial crescerá apenas 0,9% em será marcado pelos impactos de desvalorizações competitivas ( preços ), e ajustes nas taxas de juros e políticas fiscais nas principais economias, e também no Brasil. O aumento da taxa de câmbio real no Brasil tende a deprimir a compra de bens e serviços estrangeiros, aumentando a competitividade da indústria nacional no mercado interno e externo. A entrada de investimento estrangeiro, que duplicou entre 2005 e 2008, também está sendo afetada pela crise externa. De acordo com o boletim Focus publicado pelo BC, a estimativa para o crescimento do PIB caiu de 3,60% para 3,50% em Para 2009 a projeção de crescimento é de 1,5%. Os analistas também diminuíram a projeção para o crescimento da atividade industrial de 1,30% para 1,24% neste ano, mas mantiveram a estimativa de 4% para A estimativa para a taxa de câmbio ao final de 2009 foi mantida em R$ 2,30 e para 2010 foi ajustada de R$ 2,27 para R$ 2,28. Neste contexto, a capacidade de reação das siderurgia brasileira é bem avaliada pelo mercado de capitais, refletindo em uma posição de market cap relativamente boa dentro dos padrões internacionais. Perspectivas para a Economia

21 Valor e Competitividade das Empresas Siderúrgicas Market Cap x Capacidade Instalada Fonte: Bloomberg – Valores referentes à data

22 OBRIGADO Marcio Lins Companhia Siderúrgica Nacional


Carregar ppt "Perspectivas para a Siderurgia Brasileira Companhia Siderúrgica Nacional MAIO - 2009 Marcio Frazão G. Lins."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google