A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série da classificação brasileira de solos: Relações solo-paisagem e sua utilização em levantamentos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série da classificação brasileira de solos: Relações solo-paisagem e sua utilização em levantamentos."— Transcrição da apresentação:

1 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série da classificação brasileira de solos: Relações solo-paisagem e sua utilização em levantamentos pedológicos detalhados em áreas de citrus, cana-de-açúcar e café

2 Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil Resultados de pesquisa 95,6 ha (citrus) 530 ha (cana-de-açúcar) 31,7 ha (café) 200 ha (cana-de-açúcar) Considerações finais Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série

3 Série ??? Brasil (Série ???) E.U.A Limites laboratorias quantitativos Sistema de classificação de solos Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil

4 Levantamento: Nível Exploratório Levantamento: Nível Semi-detalhado Levantamento: Nível Ultra-detalhado Pédon Trado

5 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Segundo Legros (2006) existem 5 tipos de mapeamento de solo: LEGROS, J.-P. Mapping of the soil, 411 pp., 2006 (a)pela similaridade de diferentes (método clássico) (b)livre ou categórico (podem utilizar conceitos de relação solo-paisagem) (c)utilizando análise geoestatística (d)utilizando à lógica fuzzy (e)pela capacidade de uso da terra Mapeamento híbrido ( Modelos de paisagem+classificação númerica ) Em escalha detalhada e ultra-detalhada requer grande número de amostras Em escalha detalhada e ultra-detalhada requer grande número de amostras 1.Aumento dos custos 2.Aumento do tempo de coleta e análise 3.Erro laboratórial ( até 30% - Cantarella et al., 2006) 4.Menor tempo para planejamento 5. Impacto ambiental ( reagentes químicos usados nas análises laboratóriais) 1.Aumento dos custos 2.Aumento do tempo de coleta e análise 3.Erro laboratórial ( até 30% - Cantarella et al., 2006) 4.Menor tempo para planejamento 5. Impacto ambiental ( reagentes químicos usados nas análises laboratóriais) Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil

6 Siqueira et al. (2010a) Correlation of properties of Brazilian Haplustalfs with magnetic susceptibility measurements. Soil Use and Management, 26, 425–431 Auxílio Pesquisa CNPQ(Proc. 470165/2009-0) Caracterização do Solo Utilizando Técnicas Geomorfologicas e Classificação Númerica Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil Suscetibilidade magnética (SM) Correlação da SM com: Teor de argila ( 0,68 ), V% ( 0,76 ) e teor de hematita ( 0,81 )

7 Principal componente-PC ( trabalha os segmentos de diferentes amostras simultaneamente ) Espectroscopia de Reflectância Difusa PC- Visível (Vis) PC- Infravermelho (Nir) Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil

8 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil Resultados de pesquisa 95,6 ha (citrus) 530 ha (cana-de-açúcar) 31,7 ha (café) 200 ha (cana-de-açúcar) Considerações finais

9 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 1 Auxílio Pesquisa FAPESP (Proc. 2005/03513-2). Relações entre a variabilidade espacial dos atributos físicos de Latossolos e qualidade da fruta cítrica Caracterização da área Município: Gavião Peixoto – SP Material de origem: arenitos do Grupo Bauru, Formação Adamantina Solos: Latossolo Vermelho Escuro distrófico, com horizonte A moderado e textura média a argilosa Uso: laranja Área: 95,6 ha Pontos amostrados: 312

10 Caracterização da área Município: Gavião Peixoto – SP Material de origem: arenitos do Grupo Bauru, Formação Adamantina Solos: Latossolo Vermelho Escuro distrófico, com horizonte A moderado e textura média a argilosa Uso: laranja Área: 95,6 ha Pontos amostrados: 312 Espaçamento: 50 m Unidade amostral amostragem do fruto (média de 9 plantas) Coleta de solo Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 1

11 Mapeamento de zonas específicas de manejo ( g.kg -1 ) ( mmol c.dm -3 ) Resultados de pesquisa – Exemplo 1

12 Mapeamento de zonas específicas de manejo ( g.kg -1 ) (m g.kg -1 ) ( g.kg -1 ) Resultados de pesquisa – Exemplo 1

13 (número de cx. tonelada de suco concentrado -1 ) 1.Menor número de caixas 1 tonelada de suco concetrado 2.Mais homogênea planejamento de colheita: maior uniformidade da matéria-prima Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 1 Dissertação: Leão, M. G. (2004)

14 Índice de qualidade física do solo Índice da fruta 0,18 0,39 DMG, teor de argila, teor de matéria orgânica, condutividade hidráulica, resistência do solo à penetração, teor de água, VTP e densidade do solo na profundidade de 0.00 – 0.20 m Sólidos solúveis totais, acidez total titulavel, produção e tamanho da frua, em três épocas diferentes côncava Análise de correlação canônica (ACC): Foi criado um índice para expressar a relação de causa-efeito entre solo e planta Siqueira et al. (2010b) The use of landforms to predict the variability of soil and orange attributes. Geoderma v. 155, 55-66 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 1

15 7.248,73 kg Preço médio do suco concentrado e congelado na Bolsa de Nova Iorque, 2007 (US$/t): 2223* * Fonte: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA ESALQ/USP ~ 16 mil dólares/ha Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 1 Cortez et al. (2011) Suscetibilidade Magnética para Identificação de Áreas de Manejo Específico em Citricultura Energia na Agricultura Côncava

16 Caracterização da área Município: Pradópolis – SP Material de origem: arenitos do Grupo Bauru, Formação Adamantina Solos: Latossolos vermelhos eutroférricos, distroférricos Uso: cana-de-açúcar Transeção: ~ 3 km Pontos amostrados: 121 pontos Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2 Auxílio Pesquisa FAPESP (Proc. 2009/05995-5). Variabilidade Espacial da Mineralogia da Fração Argila e Relações com Atributos Físicos e Químicos de Latossolos em Diferentes Superfícies Geomórficas

17 SG I SG II SG III Topo Ombro Meia encosta Sopé Sopé t-studant Splint Moving Windows Suscetibilidade magnética 0-20 cm 60-80 cm Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2

18 Bi-lateralidade ? ? SG I SG II SG III Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2

19 Bi-lateralidade SG I SG II SG III Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2

20 Bi-lateralidade Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2

21 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2 Dissertação: Siqueira, D. S. (2010) – Bolsa FAPESP/Mestrado (Proc. 2008/07693-3) Tese: Matias, S. S. R. (2010) – Programa DINTER – Bolsa/CAPES Ultra-detalhado (110 ha-257 pontos) Ultra-detalhado (110 ha-257 pontos) Detalhado (770 ha-110 pontos) Detalhado (770 ha-110 pontos)

22 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 2 Atributos cristalográficos do mineral goethita Ferro mais cristalino encontrado no solo Tese: Camargo, L. A. (2012) Bolsa FAPESP/Doutorado (Proc. 200906834/5)

23 Co:50% Co: 33% Menor erro na modelagem na modelagem da variabilidade Exemplo 2 - Semivariograma Escalonado Siqueira et al. (2010) Suscetibilidade Magnética no Estudo da Variabilidade Espacial dos Atributos do Solo e da Cana-de-açúcar ConBAP – Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão, Ribeirão Preto-SP, 2010, Apresentação Oral Proximidade do parâmetro alcance

24 Município de Guimarânea, região do Alto Paranaíba, a suldoeste do Estado de Minas Gerais (18 de produção de café var. Catuaí) 31,7 hectares (145 pontos ) Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3 Dissertação: Baracat, M. G. S. (2009)

25 Unidade amostral amostragem do fruto (média de 9 plantas) 145 pontos Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3

26 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3

27 Análise de componentes principais (ACP) Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3 Silva Júnior et al. (2010) Delimitação de zonas de manejo específico por meio da geoestatística e análise multivariada ConBAP – Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão, Ribeirão Preto-SP, 2010, Apresentação Oral

28 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3

29 % peneira litros pé -1 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3 litros pé -1

30 Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 3

31 Caracterização da área Município: Catanduva – SP Material de origem: rochas areníticas sedimentares do Grupo Bauru, Formação Adamantina Solos: Argissolo Vermelho-Amarelo eutrófico textura média/argilosa Uso: cana-de-açúcar Área: 200 ha Pontos amostrados: 623 pontos 2 malhas de 1 ha (121 pontos) Côncava Convexa Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série Exemplo 4 Finalistas da 11ª edição do Prêmio FINEP de Inovação Tecnólogica Dissertações: Barbieri, D. M. (2007), Camargo, L. A. (2009) Tese de Doutorado: Baracat, R. S. (2006) Tese de Livre-Docência: Marques Jr. (2009) Caracterização de áreas de manejo específico no contexto das relações solo-relevo ( Bolsa FAPESP de Pesquisa no Exterior, Proc. FAPESP Processo: 2007/08457-9 )

32 Exemplo 4 - Malhas Barbieri et al. (2009) Hillslope curvature, clay mineralogy, and phosphorus adsorption in an Alfisol cultivated with sugarcane Scientia Agricola, 6, 819-826

33 Mapeamento de zonas específicas de manejo Área total (200 ha) Modelo matemático +modelo de paisagem: 60,05 U$ ha -1 Modelo de paisagem: 88, 53 U$ ha -1 Resultados de pesquisa – Exemplo 5

34 ~ 120 pontos (0,00-0,20 m) ~ 1 ha Marques Jr. et al. (2010) Suscetibilidade Magnética e Refletância Difusa como Função de Pedotransferência para Atributos Físicos e Químicos do Solo. XXXII – Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, Fortaleza-CE Exemplo 4 – Malha (Côncava)

35 Exemplo 4 - Semivariograma Escalonado C o em ordem crescente: Nir-PC2 < SM < Vic-PC2 < Vis-PC1 < Nir-PC1 Resultados da parceria UNESP-UCO (FAPESP Proc. 07/08457-9)

36 Levantamentos detalhados e ultra-detalhados no Brasil Resultados de pesquisa 95,6 ha (citrus) 530 ha (cana-de-açúcar) 31,7 ha (café) 200 ha (cana-de-açúcar) Considerações finais Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série

37 Compartimento II (- homogêneo) Compartimento I (+ homogêneo) Escala 1:50.000Escala 1:5.000 Escala 1:1.000 Número de amostras por unidade de área Dentro de um mesmo compartimento o padrão de variabilidade dos atributos do solo e da planta é o mesmo independente da escala Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série

38 Complexo sistema de relações de causa-efeito Ao longo da paisagem Modelos de paisagem para identificação dos limites no campo e otimização amostral Amostragem (SM, Espectroscopia) e classificação númerica para validação dos limites de campo Identificação de áreas de manejo específico ~ subsídios aos levantamentos para o nível de série

39 Literatura consultada *texto com hiperlink, clique sobre o nome para acessar

40 Créditos Coordenador: Prof. Dr. José Marques Júnior Coordenador: Prof. Dr. José Marques Júnior Diagramação: Diego Silva Siqueira Diagramação: Diego Silva Siqueira Apoio: Equipe CSME Apoio: Equipe CSME *texto com hiperlink, clique sobre o nome para acessar

41 OBRIGADO! www.csme.com.br atendimento@csme.com.br 16-3209.2601


Carregar ppt "Subsídios para levantamentos detalhados para nível de série da classificação brasileira de solos: Relações solo-paisagem e sua utilização em levantamentos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google