A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fundação de Apoio à Tecnologia - FAT Curso Básico de Programação de Linha de Ônibus -- A DISTÂNCIA -- Prof. Alberto Lima.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fundação de Apoio à Tecnologia - FAT Curso Básico de Programação de Linha de Ônibus -- A DISTÂNCIA -- Prof. Alberto Lima."— Transcrição da apresentação:

1

2 Fundação de Apoio à Tecnologia - FAT Curso Básico de Programação de Linha de Ônibus -- A DISTÂNCIA -- Prof. Alberto Lima

3 PARTE 1 Representação de uma linha de ônibus

4 Introdução: O surgimento de uma linha de ônibus nem sempre ocorre de forma técnica, bem estudada e integrada a rede de transportes que atende determinada região. Geralmente acontece por meio da solicitação da população que convive com a carência de transportes coletivos e pressiona o poder concedente, a Prefeitura ou o Estado, para a criação de uma linha. Este tipo de política de atendimento naturalmente não gera uma linha de transporte coletivo totalmente planejada e integrada ao sistema existente, necessitando portanto adequações frequentes na sua operação e na rede de linhas existente, principalmente porque a cidade e as viagens que as pessoas fazem estão em constante transformação. Para a criação ou adequação operacional de uma linha de ônibus deve-se inicialmente coletar o maior número de informações do percurso e da região que vai atender, como também levantar todas as modalidades de transportes existentes que atende à população e os dados operacionais disponíveis, tais como: Linhas de ônibus atuais. Linhas de Transporte alternativo. Linhas de Trem e Metrô. Demanda de Passageiros. Características viárias locais. Previsão de Custos e Receitas envolvidas.

5 Programação de Linha: Programar uma linha é determinar o número adequado de viagens para atender o desejo dos usuários, com quantidade de veículos e operadores dimensionados. A programação de uma linha define as viagens necessárias por faixa horária, determina a frota de ônibus, horas de normais e extras de trabalho dos operadores, quilometragem, possibilitando calcular o Custo Direto de Operação. Existem diversos métodos de realizar a Programação de uma Linha. O método que vamos estudar é o que utiliza o Diagrama de Marcha, muitos anos atrás popularmente chamado de Linguição. O Diagrama de Marcha permite visualizar a simulação da operação de uma linha de ônibus. Para fazer o Diagrama de Marcha que vamos aprender neste Curso, usava-se papel milimetrado, régua, lápis e calculadora, mas atualmente prefere-se uma planilha Excel. O conceito de programar para ganhar produtividade continua o mesmo. Para elaborar o diagrama, devemos obter primeiramente alguns dados estatísticos por faixa horária, como os abaixo que vamos estudar: 1- Tempos médios de viagem e desvio padrão por sentido: Ida e Volta 2- Demanda de passageiros. 3- Intervalo entre viagens. 4- Quantidade de Veículos. 5- Fator de Renovação. Com os conceitos que você aprender é possível programar uma linha e usar com conhecimento os Softwares de Programação que existem no mercado.

6 Suponha um itinerário, que tenha: 1. ponto inicial – A 2. paradas intermediárias - B, C e D 3. ponto final - E Como Estudar e Representar a Demanda de uma Linha ? Esquematicamente, ele pode ser assim representado:

7 No sentido Ida: pessoas querem embarcar em A, sendo que : - 5 descerão em B - 10 descerão em C - 10 descerão em D - 25 descerão em E Admitamos que, entre as 07:00 horas e as 08:00 horas, existam os seguintes passageiros dispostos a usar esta linha:

8 2. 40 pessoas querem embarcar em B, sendo que : descerão em C - 15 descerão em D - 20 descerão em E pessoas querem embarcar em C, sendo que : - 10 descerão em D - 20 descerão em E pessoas embarcarão em D e descerão em E

9

10

11 - Assim, a linha, embora atenda, na ida, a 140 passageiros por hora, só registra 100 pass/h como fluxo crítico. - Se um veículo tem capacidade de 35 lugares e faz 3 viagens entre 07:00 e 08:00 horas, a linha atende a demanda dos usuários, mas se fizer 2 viagens, 30 passageiros não embarcarão, ou ficarão espremidos dentro do veículo com muito desconforto. - A relação entre o total de passageiros (140 pass) e a lotação no trecho crítico - Fluxo Crítico ( 100 pass ) é denominada de: Fator de Renovação 140/ 100= 1,40

12 Considerações sobre Pesquisa para Programação : A pesquisa de Sobe/Desce: Um pesquisador com uma planilha contendo todos os pontos de parada, no momento em que iniciar a viagem, anota nos respectivos campos, a quantidade de passageiros que embarcou e desembarcou, após este procedimento, pode-se obter o dados necessários para calcular o Fator de renovação. A pesquisa de Sobe/Desce com Senha: A pesquisa Sobe/ Desce com Senha, é realizada da seguinte maneira: Para cada ponto de embarque tem um cartão-senha indicando-o, a medida em que o passageiro embarca, um pesquisador entrega a senha correspondente ao ponto, e quando ele desembarcar, entrega a outro pesquisador que irá separá-las para fazer a contagem. Desta forma além de obter o fator de renovação, está pesquisa fornecerá a quantidade de passageiros Ponto a ponto.

13 PARTE 2 Demanda de Passageiros e Oferta de Viagens

14 Conceito Básico : Demanda de Passageiros É a quantidade de usuários que utilizam uma linha. Deve ser levantada através da tabulação de relatórios operacionais (RDB – Relatório Diário de Bordo, Dados de Bilhetagem Eletrônica ou de pesquisas de campo.

15 Capacidade de um Veículo É a quantidade de lugares ofertados em um ônibus. Exemplo: Em um ônibus Convencional a capacidade de transportar passageiros é de 35 sentados e 45 em pé, totalizando 80 lugares de capacidade. Conceito Básico :

16

17

18

19

20 Fator de Renovação É o quociente entre o total de passageiros transportados na meia viagem e a ocupação máxima durante esta meia viagem, é obtido através de pesquisa sobe/desce de passageiros ou de pesquisa visual. Sua finalidade é demonstrar o percentual de renovação de passageiros, sendo este número sempre maior ou igual a um.

21 Fórmula: FR = passageiros transportados na meia viagem / ocupação máxima na meia viagem Exemplo: total de passageiros transportados = 115 lotação máxima = 99 FR = 115/99 = 1,16 ( Faça os exercícios da Parte 2 )

22 PARTE 3 Dimensionamento

23 Exemplo: Para o ônibus percorrer um trecho de 16 km, no tempo de 80 minutos, qual é a velocidade? Fórmula: Velocidade = Distância / (tempo de viagem / 60) ----> resposta em km/hora Exemplo: Velocidade = 16 / (80 / 60 ) = 12 km/hora Velocidade É o quociente entre a distância percorrida pelo veículo e o tempo necessário para percorrê-la.

24 Tempo de Viagem Adotado. É o quociente entre a distância percorrida pelo veículo em um determinado sentido, e a velocidade média constatada no trecho. Geralmente o tempo de viagem é encontrado através de pesquisas operacionais dos dias típicos, onde a operação da linha teve maior regularidade, utilizando o critério de médias por faixa horária.

25 Fórmula: Tempo = (Distância (Km) / Velocidade (km/h) ) x > para obter respostaem minutos Exemplo : Para um ônibus percorrer um trecho de 16 km, com uma velocidade média de 20 km/hora, necessita-se de quanto tempo? Tempo = (16/20) * 60 = 48 minutos

26 TC = tAB + tBA + tA + tB onde : tc = tempo de ciclo; tAB = tempo de viagem ponta A até ponto B tBA = tempo de viagem ponto B até ponto A; tA = tempo de parada no ponto A tB = tempo de parada no ponto B

27 É o tempo em minutos entre as partidas dos veículos em cada ponto, tanto no terminal principal como no secundário. O intervalo I pode ser determinado das seguintes formas: a) com o tempo de ciclo conhecido e uma frota já determinada. Fórmula: I = Tempo de Ciclo / Frota Tempo de Ciclo = (tempo de viagem + tempo de ponto) Intervalo médio entre as Viagens:

28 Exemplo : Em uma linha com três ônibus, onde o tempo de ciclo na faixa horária das 06:00 às 07:00 h, é igual a 70 minutos ( ), qual o intervalo entre as viagens nesta faixa horária? Intervalo = 70 minutos/3 veículos = 23 minutos

29 b) com a demanda de passageiros da faixa horária, a capacidade do ônibus e o fator de renovação determinados. Fórmula para obter a Frequência ou número de viagens por hora: Freq = demanda de passag / (capacidade do ônibus x F.R.) Por outro lado, intervalo é igual a: I = 60/Freq onde: 60 = minutos em 1 hora I = intervalo entre partidas Freq = Veic / h = viagens/hora

30 Exemplo: Qual é a freqüência para intervalo de 18 minutos ? 1 viagem a cada 18 minutos => (60min/18min)= 3,33 carros/hora. Para calcular a quantidade de meias viagens na faixa horária, é necessário saber: a) O número de passageiros por sentido (A/B e B/A); b) A capacidade de carregamento do ônibus; c) O fator de renovação.

31 É a quantidade de ônibus a ser ofertada nos picos em uma determinada linha para ser operada conforme o nível de serviço estabelecido. Fórmula Frota = tempo de ciclo / intervalo Exemplo: Em uma linha onde na faixa horária de pico, o tempo de ciclo é igual a 70 minutos e o intervalo entre as viagens é 23 minutos, pergunta-se: Qual é a frota necessária ? Frota = 70 / 23 = 3 ônibus Cálculo Preliminar de Frota para programação:


Carregar ppt "Fundação de Apoio à Tecnologia - FAT Curso Básico de Programação de Linha de Ônibus -- A DISTÂNCIA -- Prof. Alberto Lima."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google