A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DO 1º ANO DO PNL António Firmino da Costa, Elsa Pegado, Patrícia Ávila com a colaboração.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DO 1º ANO DO PNL António Firmino da Costa, Elsa Pegado, Patrícia Ávila com a colaboração."— Transcrição da apresentação:

1 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DO 1º ANO DO PNL António Firmino da Costa, Elsa Pegado, Patrícia Ávila com a colaboração de: Ana Caetano, Ana Rita Coelho, Eduardo Alexandre Rodrigues, João Melo CIES-ISCTE Centro de Investigação e Estudos de Sociologia 23 de Outubro de 2007

2 Avaliação de Políticas Públicas planos, programas, projectos, acções Finalidades da avaliação: Monitorização e Regulação Eficácia e Eficiência Aprendizagem e Qualidade Participação dos actores sociais Responsabilização pública Avaliação Externa: Avaliação de: Concepção Operacionalização e Organização Realização / Execução Resultados e Impactes Rigor analítico Independência Complementaridade

3 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de Avaliação do PNL: a) Execução dos programas b) Atitudes dos diferentes segmentos do público abrangido c) Impacte dos programas no desenvolvimento da leitura

4 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura objectivos do 1º ano CONCEPÇÃO de um SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PNL Através de operações experimentais, visando testar em concreto um conjunto de instrumentos e procedimentos Resultados preliminares de avaliação do 1º ano do Plano

5 Concepção de um Sistema de Avaliação do PNL Metodologia Elaboração, selecção e teste de: Fontes de informação (directas e indirectas) Indicadores (quantitativos e qualitativos) Instrumentos e procedimentos (de recolha, tratamento, análise, difusão)

6 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Principais Componentes: 1.Execução do PNL (análise documental) 2.Inquérito às Escolas (questionário on-line) 3.Estudos de Caso (Escolas, BEs, BPs, CMs) 4.Barómetro de Opinião Pública (inquérito nacional) 5.Entrevistas a Dirigentes de Associações (ligadas à leitura) + Outros Estudos

7 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura 1.Execução do PNL

8 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Execução do PNL no 1º ano – principais resultados: Construção do sítio electrónico do PNL, disponível desde o início do Plano Construção de 23 listas de livros recomendados para os JI, 1º e 2º ciclos, num total de 643 títulos, organizadas por ano escolar e grau de dificuldade Disponibilização de orientações para a promoção da leitura Construção de um outro sítio electrónico Clube de Leituras

9 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura O envolvimento das escolas e das bibliotecas escolares: Escolas (JI, 1º ciclo, 2º ciclo) que se registaram no PNL para leitura orientada em sala de aula : mais de 7500 Escolas que registaram projectos próprios: mais de 3500 Escolas inscritas na Semana da Leitura: mais de 1300 Participações de escolas dos vários níveis de ensino em concursos e passatempos de leitura lançados pelo PNL em parceria com outras instituições: cerca de 1100 A Rede de Bibliotecas Escolares como infra-estrutura de base em que se apoiou a implementação do PNL nas escolas

10 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Reforço do orçamento das escolas para aquisição de livros: Escolas apoiadas para a aquisição de livros para leitura orientada na sala de aula: perto de 700 Verba total atribuída: quase um milhão e meio de euros, proveniente na sua grande maioria do Ministério da Educação (1300 mil ), e também da Fundação Calouste Gulbenkian (150 mil ) Protocolos do PNL com Câmaras Municipais para apoio financeiro destinado à aquisição de livros para as escolas dos respectivos concelhos: mais de 150 Verba comprometida pelas Câmaras Municipais: quase um milhão e meio de euros Oferta de 9500 livros a 19 escolas através de concurso à escala nacional promovido por uma cadeia de hipermercados (Sonae- Modelo-Continente) Alguns outros patrocínios de entidades privadas

11 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura O envolvimento das bibliotecas públicas: Bibliotecas que registaram na DGLB projectos continuados de promoção da leitura: 35 Número de projectos registados: perto de 120 Bibliotecas que participaram na Semana da Leitura: perto de 20 Acções realizadas nas bibliotecas no quadro do Programa de Acções de Promoção da Leitura (Itinerâncias Culturais) da DGLB : perto de 650 Verba total atribuída desse Programa: cerca de 250 mil euros Outras acções da DGLB de promoção da leitura, em prisões e hospitais pediátricos (neste último caso, com a Fundação do Gil) Os serviços das bibliotecas públicas de apoio às bibliotecas escolares

12 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura O envolvimento de outros actores: Protocolo com a RTP, para a divulgação do PNL e campanhas de promoção da leitura Protocolos estabelecidos ou em vias de concretização com mais de 150 Câmaras Municipais Protocolos e acordos de cooperação com fundações, associações e instituições do ensino superior Empresas do sector livreiro: identificação de obras recomendadas com o símbolo Ler+ Alguns patrocínios de outras empresas, nomeadamente a Sonae (concurso em hipermercados, oferta de livros a escolas), a PT (blogues SapoChallenge/Ler+; sítio Clube de Leituras), e os CTT (concurso Onde te Leva a Imaginação?; edição de selos)

13 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura 2. Inquérito às Escolas

14 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Avaliação do 1º ano do PNL nas escolas Inquérito por questionário Aplicado on-line em Junho de 2007 Enviado a 7567 escolas Responderam 2699 escolas (35,7%)

15 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Actividades realizadas pelas escolas: Leitura em sala de aula Escolas que desenvolveram a actividade (%): Jardins de Infância96,0 1º ciclo97,6 2º ciclo95,7

16 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Leitura em sala de aula % coluna Jardins de Infância 1º ciclo2º ciclo Nº de turmas abrangidas: Todas as turmas99,195,991,8 Mais de metade0,83,47,0 Menos de metade0,10,71,2 Frequência da leitura: Diária65,036,010,0 Bissemanal11,415,39,1 Semanal16,336,962,4 Quinzenal3,05,410,6 Esporádica4,36,47,9

17 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Actividades realizadas pelas escolas Participação das escolas em iniciativas promovidas pelo PNL (%) Semana da Leitura58,7 Celebração do Dia Mundial do Livro51,7 Concurso Nacional de Leitura37,1

18 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Agentes envolvidos nas actividades do PNL Professores e educadores (%) Todos ou a maioria85,7 Uma parte considerável9,9 Apenas uma minoria4,3 Professores96,1 Responsável da Biblioteca Escolar40,8 Conselho Executivo / Directivo27,1 Outros funcionários da escola29,8 Pais28,0 Agentes responsáveis pela dinamização das actividades (% Sim)

19 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Papel das Bibliotecas Escolares Muito importante67,0 Importante30,6 Pouco importante2,1 Nada importante0,3 Avaliação da importância da BE para o desenvolvimento das actividades do PNL nas escolas (%)

20 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Adesão dos alunos às actividades (% coluna) Jardins de Infância 1º ciclo2º ciclo Muito forte42,2 34,924,3 Forte48,0 51,158,4 Razoável9,1 12,416,8 Fraca0,6 1,60,6

21 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Resultados e impactes (% de muito significativo + bastante significativo) Intensificação das práticas de leitura Jardins de Infância 1º ciclo2º ciclo Em sala de aula93,395,094,6 Na escola, no âmbito de outras actividades 83,684,670,4 Fora da escola, relacionadas com o estudo50,064,751,7 Não relacionadas com a escola52,258,441,6

22 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Resultados e impactes Percepção de progressos no domínio da leitura (%) Totalmente5,1 Em grande parte65,1 Apenas numa pequena parte27,8 Nada2,0

23 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Opinião sobre o PNL Importância do lançamento do PNL (%) Muito importante 54,8 Importante43,9 Pouco importante1,3 Nada importante0,0 Claras83,9 Estimulantes75,4 Suficientes71,2 Atempadas53,5 Apreciação das informações e orientações que a escola recebeu do PNL (% muito + bastante)

24 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Inquérito on-line às escolas Principais dificuldades /obstáculos à concretização das actividades (%) Escassez de recursos77,0 Falta de tempo49,3 Dificuldades na articulação com os currículos11,6 Falta de informação / apoio por parte da sede de agrupamento 2,7 Falhas na organização das mesmas por parte de alguns professores e/ou outros responsáveis da escola 2,6 Outra/os14,9

25 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura 3. Estudos de Caso

26 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso 17 Escolas 14 Bibliotecas Escolares 7 Bibliotecas Públicas 8 Câmaras Municipais 46 casos -Visitas aos locais -Entrevistas com responsáveis -Entrevistas com professores -Entrevistas com bibliotecários -Conversas com alunos -Conversas com utilizadores das bibliotecas -Recolha de documentação -Observação de espaços e actividades

27 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas Escolas e BEs Avaliação geral: Nas Escolas e Bibliotecas Escolares a opinião geral acerca do PNL é, no conjunto, bastante positiva É muito sublinhada a importância de um Plano como este num país com reconhecidas carências de leitura e literacia

28 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas Escolas e BEs Aspectos mais referidos: Proporcionou a aquisição de mais livros e possibilitou a presença alargada de livros na sala de aula, o contacto físico dos alunos com eles, a leitura orientada Incentivou uma maior organização e formalização das práticas de leitura na escola (antes, menos intensas e mais dispersas) Consolidou e difundiu boas práticas Implicou maior responsabilização e criatividade dos professores e suscitou dinamismo nas escolas

29 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas Escolas e BEs Aspectos mais referidos: O papel fundamental das Bibliotecas Escolares e da Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) no desenvolvimento do PNL nas escolas Referências também positivas às Bibliotecas Públicas e aos seus serviços de apoio às escolas e bibliotecas escolares

30 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas Escolas e BEs Aspectos mais referidos: Proporcionou maior visibilidade e atenção pública à leitura e maior legitimidade à sua promoção A marca Ler + O sítio electrónico do PNL A Semana da Leitura e os concursos

31 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas Escolas e BEs Outros aspectos: As listas de livros foram, de um modo geral, consideradas úteis para professores e pais Foi referido o estímulo à colaboração entre professores, em alguns casos mesmo de áreas disciplinares diversas Foi referido também as repercussões positivas em actividades como o estudo acompanhado, as áreas de projecto e as aulas de substituição

32 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas Escolas e BEs Aspectos referidos como menos positivos: Menções a atrasos na comunicação de iniciativas Algumas críticas às listas de livros Casos de dificuldades na gestão dos tempos de leitura Não inclusão de algumas escolas nos apoios financeiros Utilização restrita do sítio electrónico (muitas vezes só pelo professor de contacto com o PNL) Articulação limitada entre escolas a nível dos agrupamentos Casos de instabilidade ou insuficiência de RH nas BEs

33 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso, nas BPs e CMs Concordância acentuada com os objectivos do PNL, atendendo aos baixos níveis de leitura e literacia do país Concordância com a prioridade atribuída às crianças e jovens, e às escolas do ensino básico BPs e CMs declaram-se empenhadas na promoção da leitura Chamam a atenção para que já antes desenvolviam actividades relevantes neste domínio As BPs sentem que poderiam ter sido mais directamente associadas ao PNL Em alguns casos, a relação entre as BPs e as CMs é muito positiva; noutros as BPs receiam dificuldades de apoio sustentado pelas CMs

34 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Estudos de caso Recomendações: A que mais se destacou foi a da continuidade e sustentabilidade, considerada fundamental para se atingirem resultados efectivos neste domínio Convergência acentuada a este respeito entre Escolas, BEs, BPs e CMs

35 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura 4. Barómetro de Opinião Pública

36 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Barómetro de opinião pública Inquérito a uma amostra representativa da população com 15 e mais anos (n=1037) Aplicado em Junho de 2007 ALGUNS RESULTADOS: Já viu referências ou ouviu falar no Plano Nacional de Leitura? Sim:30,7 %

37 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Barómetro de opinião pública Conhecimento da existência do PNL, segundo a escolaridade (%)

38 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Barómetro de opinião pública Conhecimento da existência do PNL, segundo o grupo etário (%)

39 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Barómetro de opinião pública Meios através dos quais ouviu falar do PNL (%) Televisão26,9 Jornais e revistas7,9 Rádio5,2 Escolas2,9 Cartazes ou outdoors2,6 Livros para jovens ou crianças2,0 Internet1,9 Bibliotecas1,9 Livrarias1,7 Centros comerciais ou supermercados1,3

40 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Barómetro de opinião pública Opinião sobre a importância do PNL para ajudar a desenvolver os hábitos e as capacidades de leitura dos portugueses: 96 (%) consideram-no importante, ou muito importante Principais meios para o desenvolvimento da leitura no país (% de respostas a muito importante) Actividades de leitura nas escolas70,7 Melhorar a preparação escolar dos mais jovens68,4 Bibliotecas das escolas67,3 Proporcionar novas oportunidades de formação aos adultos 63,8 Jornais e revistas de distribuição gratuita61,7

41 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Barómetro de opinião pública Opinião sobre a importância da leitura nas sociedades actuais: 95,4 (%) consideram-na importante, ou muito importante Percepção da evolução da leitura (em geral), nos últimos 10 anos, em Portugal Percepção do hábito de leitura da população portuguesa, em comparação com outros países da União Europeia: 67,7 (%) consideram que se lê menos, ou muito menos 54,4% consideram que a leitura aumentou

42 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura 5. Entrevistas a Dirigentes de Associações

43 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Entrevistas a dirigentes de associações Entrevistas a actores sociais ligados à promoção da leitura, representantes de: editores e livreiros (APEL; UEP) bibliotecários (BAD) profissionais da educação de infância (APEI) professores de português (APP) associações de pais (CONFAP)

44 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura Entrevistas a dirigentes de associações O que dizem as associações Reconhecimento da pertinência e da necessidade da criação de um Plano Nacional de Leitura Bom acolhimento das iniciativas desenvolvidas pelo PNL Adequação da prioridade à promoção da leitura da população escolar mais jovem e correspondente centramento nas escolas e bibliotecas escolares

45 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura O que dizem as associações Necessidade de o PNL alargar a intervenção aos alunos de 3º ciclo e ensino secundário Necessidade de o PNL desenvolver acções de promoção da leitura para a população adulta Necessidade de o PNL envolver de forma mais efectiva as Bibliotecas Públicas

46 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DO 1º ANO DO PNL Um Balanço Analítico

47 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura EM SÍNTESE: No conjunto, o 1º ano do PNL revelou-se bastante bem sucedido Com adesão muito significativa dos seus principais destinatários nesta fase: escolas, bibliotecas escolares, professores e alunos dos JI, 1º e 2º ciclos Com envolvimento alargado de outros actores sociais relevantes neste domínio: bibliotecas públicas, câmaras municipais, associações, fundações, algumas empresas Com boa receptividade pública

48 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura EXPLICAÇÕES a) do ponto de vista das acções: Concepção do Plano informada pela experiência de boas práticas nacionais e internacionais Proposta às escolas de actividades concretas, simples e focadas, com sugestão de procedimentos e canalização de recursos Um dispositivo de estímulo e acolhimento de iniciativas, de candidaturas a projectos e participações (mais iniciativa enquadrada do que determinação normativa) Utilização como estrutura de suporte das redes pré- existentes com implantação efectiva, em especial a RBE (e também a RBP)

49 Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura EXPLICAÇÕES b) do ponto de vista das condições: A existência de uma base social de apoio latente (professores, educadores, bibliotecários, animadores, investigadores, associações, meios de comunicação, etc., além de um certo acréscimo geral de sensibilidade pública à importância actual da educação e do conhecimento) Uma assunção política efectiva do Plano, com apoio simbólico, organizativo e financeiro por parte do governo; e um acolhimento em geral favorável, ou pelo menos não controverso, pelas oposições Uma liderança de elevada qualidade, aos níveis conceptual, estratégico e operacional, por parte da Comissão do Plano


Carregar ppt "Avaliação Externa do Plano Nacional de Leitura RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DO 1º ANO DO PNL António Firmino da Costa, Elsa Pegado, Patrícia Ávila com a colaboração."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google