A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROGRAMA DE ESTUDO SISTEMATIZADO DO CEFAK SUBPROGRAMA DE ESTUDOS SEQUENCIAIS - PES 11ª REUNIÃO DE ESTUDO TEMA : CLARIVIDÊNCIA E CLARIAUDIÊNCIA 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROGRAMA DE ESTUDO SISTEMATIZADO DO CEFAK SUBPROGRAMA DE ESTUDOS SEQUENCIAIS - PES 11ª REUNIÃO DE ESTUDO TEMA : CLARIVIDÊNCIA E CLARIAUDIÊNCIA 1."— Transcrição da apresentação:

1 PROGRAMA DE ESTUDO SISTEMATIZADO DO CEFAK SUBPROGRAMA DE ESTUDOS SEQUENCIAIS - PES 11ª REUNIÃO DE ESTUDO TEMA : CLARIVIDÊNCIA E CLARIAUDIÊNCIA 1

2

3 LOCAL: Centro Espírita dirigido por Raul Silva. DIRIGENTE ESPIRITUAL: Clementino MÉDIUNS: Celina, Eugênia e Castro INSTRUTOR: Áulus ESPÍRITOS EM OBSERVAÇÃO: André Luiz e Hilário Silva. OBJETIVO: Estudar a fluidificação da água, a vidência/clarividência e audiência/clariaudiência e as diferenças existentes entre cada uma dessas mediunidades.

4

5 Ao ver o jarro trazido à mesa, Hil á rio pergunta: vamos assistir alguma cerimônia especial? Não, explicou Áulus, afável: A água potável destina- se a ser fluidificada. JARRA DE VIDRO COM ÁGUA PURA (Nos Domínios da Mediunidade -cap. 12)

6 (http://espiritananet.blogspot.com/2008/01/agua-fluidificada.html A água fluidificada é a água normal, acrescida de fluidos curadores. Em termos de espiritismo, entende-se por água fluidificada aquela em que fluidos medicamentosos são adicionados à água. É a água magnetizada por fluidos.

7 FLUIDIFICAÇÃO DA ÁGUA POR CALEMENTINO Clementino se abeirou do vaso e, de pensamento em prece, aos poucos se nos revelou coroado de luz. De sua destra espalmada sobre o jarro, partículas radiosas eram projetadas sobre o líquido cristalino que as absorvia de maneira total. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12)

8 Na maioria dos Centros Espíritas essa magnetização é realizada de forma mista com a participação da equipe de médiuns. Se a pessoa desejar, em sua casa, poderá fluidificar a água, bastando direcionar suas mãos para o vasilhame com água, fazer uma prece pedindo o auxílio espiritual, e projetar os próprios fluidos sobre a água. Não é necessário abrir os recipientes com água para fluidificação. Para as energias radiantes, a matéria não representa obstáculo porque os espíritos, podem fluidificar a água com ou sem tampa sem nenhum constrangimento. (http://espiritananet.blogspot.com/2008/01/agua-fluidificada.html) PROCEDIMENTOS PARA A FLUIDIFICAÇÃO DA ÁGUA DA ÁGUA

9 Fluidificação Magnética: É aquela em que fluidos medicamentosos são adicionados na água por ação magnética da pessoa encarnada, que coloca suas mãos sobre o recipiente com água e projeta seus próprios fluidos. Fluidificação Espiritual: É aquela em que os Espíritos aplicam fluidos diretamente sobre os frascos com água. Na Fluidificação Espiritual a água não recebe fluidos magnéticos do indivíduo encarnado, mas somente os trazidos pelos Espíritos. Fluidificação Mista: É uma modalidade de fluidificação onde se misturam os fluidos do indivíduo encarnado com os fluidos trazidos pelos Espíritos. (http://espiritananet.blogspot.com/2008/01/agua-fluidificada.html

10 A água fluidificada expande os átomos físicos, ocasionando a entrada de átomos espirituais que vão ajudar a cura. Só devem utilizá-la quem estiver necessitando dela. Tudo em excesso faz mal. (http://espiritananet.blogspot.com/2008/01/agua-fluidificada.html) O USO DA ÁGUA FLUIDIFICADA

11 A água é uma molécula polar composta e é facilmente absorvida no nosso organismo. Por isso é usada como agente do tratamento de fluidoterapia. É indicada para desequilíbrio emocional, enfermidades orgânicas, reequilíbrio fluídico, dor em geral e por ser um medicamento não se deve abusar de sua utilização. A ciência denomina a água de Líquido Vital. (http://espiritananet.blogspot.com/2008/01/agua-fluidificada.html )

12 Por intermédio da água fluidificada precioso esforço de medicação pode ser levado a efeito. Há lesões e deficiências no veículo espiritual a se estamparem no corpo físico, que somente a intervenção magnética consegue aliviar, até que os interessados se disponham à própria cura. (Nos Domínios da Mediunidade- cap. 12)

13 Silva recomendou aos médiuns que observassem, através da vidência e da audiência, os ensinamentos que fossem trazidos, ao Grupo, pelos Amigos Espirituais. Celina, Eugênia e Castro aguçaram as suas atenções recebendo, de Clementino, passes na região frontal favorecendo-lhes o campo sensório. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12) APÓS A FLUIDIFICAÇÃO DA ÁGUA

14 DIFERENTE PERCEPÇÃO DOS MÉDIUNS HILÁRIO PERGUNTA: OS TRABALHOS MEDIÚNICOS DE CELINA, EUGÊNIA E CASTRO SÃO IGUAIS? ÁULUS RESPONDE : ISSO NÃO. Há diferentes gêneros de mediunidade; O esforço mediúnico difere de indivíduo para indivíduo; As faculdades medianímicas podem ser idênticas em pessoas diversas, mas cada pessoa tem a sua maneira particular de empregá-las. Mediunidade é sintonia e filtragem. Cada Espírito vive entre as forças com as quais se combina, transmitindo-as segundo as sua concepções. O círculo de percepção varia em cada um de nós; (Nos Domínios da Mediunidade -cap. 12)

15 MÉDIUNS VIDENTES: são dotados da faculdade de ver os Espíritos. Pode-se dar no estado normal ou sonambúlico. "o médium vidente julga ver como os que são dotados de dupla vista; mas, na realidade, é a alma quem vê e por isso é que eles tanto veem com os olhos fechados, como com os olhos abertos". (LE perg.447 e LM- Cap.XIV p. 167 ) MÉDIUNS AUDITIVOS: ouvem a voz dos Espíritos, algumas vezes uma voz íntima que se faz ouvir na consciência, de outras vezes é uma voz exterior, clara e distinta como a de uma pessoa viva. (O Livro dos Médiuns, cap. XIV, itens 165) VIDÊNCIA E AUDIÊNCIA

16 CLARIVIDÊNCIA - vista psíquica, vista espiritual ou dupla vista, é a visão com os olhos da alma.(...) As pessoas dotadas dessa faculdade veem à distância, pois a visão não se opera com os olhos do corpo físico. O clarividente desloca-se no espaço e no tempo, vendo o mundo material em outro local ou em outra época, passada ou futura. É a alma a atuar fora do corpo. CLARIAUDIÊNCIA - A clariaudiência é faculdade idêntica à clarividência, ambas pertencendo à categoria dos fenômenos anímicos e decorrentes do sentido espiritual da pessoa. O clariaudiente ouve com os ouvidos da alma, tanto o que se diz no ambiente, quanto à distância, inclusive com relação a fatos passados ou futuros. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12- A Gênese cap. XIV – nºs 24 a 27).

17 Hilário Silva questiona: A clarividência e a clariaudiência estão localizadas nos olhos e nos ouvidos da criatura reencarnada? Áulus responde: Hilário, os olhos e os ouvidos materiais estão para a vidência e para a audição como os óculos estão para os olhos e o ampliador de sons para os ouvidos simples aparelhos de complementação. Toda percepção é mental. Surdos e cegos na experiência física, convenientemente educada, podem ouvir e ver, através de recursos diferentes daqueles que são vulgarmente utilizados. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12)

18 Com a permissão do Instrutor, André Luiz descreve, a conduta dos médiuns em relação às orientações de Clementino: Quanto à vidência: a) D. Celina o vê perfeitamente até os mínimos movimentos. b) D.Eugênia o vê como se estivesse envolvido num lençol. c) Castro o vê com nitidez, mas parecia completamente alheio. Quanto à audição: a) Dona Celina ouve-o e registra as palavras com precisão. b) Dona Eugênia ouve-o em forma de ordem intuitiva. c) Castro nada ouve. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12) CONDUTA DOS MÉDIUNS EM RELAÇÃO ÀS ORIENTAÇÕES DO INSTRUTOR CLEMENTINO

19 INDIFERENÇA MENTAL DE CASTRO Hilário pergunta: - Se o trio foi colocado sob a ordenação magnética do supervisor, por que motivo nossas amigas lhe acataram o convite, enquanto Castro se mantém visivelmente impermeável a ele? Áulus explica: o mentor exerce branda influência. A mente de Castro passou de súbito a alimentar propósitos diferentes. Não concentra no trabalho que nos compete levar a efeito, se revela interessado em provocar um reencontro com a progenitora desencarnada. Enxerga o orientador do conjunto, como quem é constrangido a ver alguém de passagem, sem qualquer preocupação de escutá-lo ou servi-lo. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12)

20 Castro é como uma antena que se insensibilizou, de improviso, recusando sintonizar- se com a onda que a procura. Ele desdobra de novo, auxiliado pelo forte desejo de ausentar- se do círculo e, revestido das emanações que lhe desfiguravam o perispírito, caminhou, hesitante, ao encontro de uma entidade amiga que o aguardava a pequena distância. Áulus explicou: Castro, menos habituado à disciplina edificante, julga que já fez o possível, em favor dos trabalhos programados para esta noite, e põe-se no encalço da mãezinha, que vem sendo beneficiada em nossa organização. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12) NOVO DESDOBRAMENTO DE CASTRO

21 Clementino, à cabeceira da assembleia, estendeu os braços e colocou-se em prece. Cintilações de safirino esplendor revestiam-lhe agora o busto, dando-nos a impressão de que o abnegado benfeitor se converte num anjo sem asas. Verdadeiro jorro solar desceu do Alto, coroando-lhe a fronte e, de suas mãos, passou a irradiar - se prodigiosa fonte de luz, que nos alcançava a todos, encarnados e desencarnados dando- nos a sensação de indescritível bem-estar. Aqueles minutos de vibração sem palavras representavam precioso manancial de energias restauradoras para quantos lhe abrissem as portas do espírito. ( Nos Domínios da Mediunidade cap. 12) VIBRAÇÕES SEM PALAVRAS

22 Dona Celina - notificou que vira surgir no recinto um ribeiro cristalino, em cuja corrente muitos enfermos se banhavam; Dona Eugênia – disse que chegara a contemplar um edifício repleto de crianças, entoando hinos de louvor a Deus. André descreve: Registramos semelhantes comunicados com surpresa. Nada víramos ali. Hilário, intrigado, parecia perguntar se as duas médiuns não estariam sob o influxo de alguma perturbação momentânea. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12)

23 Assinalando-nos a estranheza, o Assistente considerou prestimoso: Importa não esquecer que ambas se encontram reunidas na faixa magnética de Clementino, fixando as imagens que a mente dele lhes sugere. Viram-lhe os pensamentos, relativos à obra de amparo aos doentes e à formação de uma escola... Ideias, elaboradas geram formas, tocadas de movimento, som e cor perceptíveis por aqueles que se encontrem sintonizados naquela onda. Há fenômenos de clarividência e clariaudiência que partem da observação ativa dos instrumentos mediúnicos. Existem fenômenos de clarividência e clariaudiência que decorrem da sugestão trazida pelo pensamento criador dos amigos desencarnados ou encarnados que o médium traduz. Oh! - exclamou Hilário, entusiasmado: temos aí a técnica dos obsessores quando improvisam para as suas vítimas variadas impressões alucinatórias. Sim, sim... confirmou o Assistente. É isso mesmo. (Nos Domínios da Mediunidade - cap. 12) EXPLICAÇÃO DE ÁULUS SOBRE O QUADRO DE VIDÊNCIA

24


Carregar ppt "PROGRAMA DE ESTUDO SISTEMATIZADO DO CEFAK SUBPROGRAMA DE ESTUDOS SEQUENCIAIS - PES 11ª REUNIÃO DE ESTUDO TEMA : CLARIVIDÊNCIA E CLARIAUDIÊNCIA 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google