A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2011-08-28 - CICLO II C - Cida Glavin e Antonia Vidal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2011-08-28 - CICLO II C - Cida Glavin e Antonia Vidal."— Transcrição da apresentação:

1 CICLO II C - Cida Glavin e Antonia Vidal

2

3 O sentimento de justiça é natural ou é resultado de idéias adquiridas ? É natural no homem, colocado nos nossos corações por Deus. É comum se encontrar senso de justiça mais apurado em homens primitivos e simples do que nos que tem muito conhecimento

4 Se é uma lei natural, por que os homens a entendem de maneiras diferentes e que um ache justo o que parece injusto ao outro? É que, em geral, ao julgamento, misturam-se paixões que alteram esse sentimento, como na maioria dos outros sentimentos naturais, fazendo ver as coisas sob um ponto de vista falso (Le874)

5 Qual é o primeiro de todos os direitos naturais do homem? O de viver. É por isso que ninguém tem o direito de atentar contra a vida do semelhante ou fazer qualquer coisa que possa comprometer a sua existência corpórea. O homem tem o direito de juntar para quando não puder mais trabalhar? Desde que seja com trabalho que não prejudique outro. Aquilo que consegue com trabalho honesto é propriedade legitima. Assim sendo o homem tem o direito de defende-la

6 A justiça consiste no respeito aos direitos de cada um. São determinados pelas leis humanas e naturais (Le 873) Como se pode definir justiça?

7 A justiça humana não é permanente e muda de acordo com os tempos e com o progresso de conhecimentos Muitas vezes não é justa pois cria leis para beneficiar alguns, criando previlegios Não faça aos outros aquilo que não quer que te façam (Confucio 2500 aC)

8

9 Qual o tipo mais perfeito que Deus oferece ao homem para servir de guia e modelo? Le 625 JESUS é o modelo da perfeição moral que a humanidade pode pretender na Terra. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade como a entendia Jesus? LE 886 Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições alheias, perdão das ofensas Amor e caridade são complemento da lei de justiça, pois amar o próximo é fazer-lhe todo o bem possível

10 A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola Abrange todas as relações com os nossos semelhantes sejam eles inferiores, iguais ou superiores A ostentação, aos olhos de Deus, tira o mérito da boa ação. Jesus disse Não deixe a mão esquerda ver o que a direita está fazendo

11 Jesus dizia: Ame os seus inimigos Sem dúvida que não podemos ter por nossos inimigos um amor terno e apaixonado. Amar os inimigos é perdoar-lhe e pagar-lhes o mal com o bem. Assim nos tornamos superiores a eles; pela vingança colocamo- nos abaixo deles Le 887

12 Fora da caridade não há salvação Somente a prática da caridade é capaz de nos salvar de nossas imperfeições pois liberta-nos do egoísmo, sentimento incompatível com a justiça, amor e caridade

13 Egoismo Dele se deriva todo o mal. Estude todos os vícios e verá que no fundo de todos existe o egoísmo. Por mais que lute contra eles, não chegará a extirpá-los enquanto não os atacar pela raiz, enquanto houver destruído a causa. Que todos os seus esforços tendam para esse fim, porque nele se encontra a verdadeira chaga da sociedade. Quem nesta vida quiser se aproximar da perfeição moral deve extirpar do seu coração todo sentimento de egoísmo, porque o ele é incompatível com a justiça, o amor e a caridade: ele neutraliza todas as outras qualidades.

14

15 Adoração Prestar culto a. Reverenciar. Amar muito. Venerar. (dicionárioweb) Elevação do pensamento a Deus, Deste, pela adoração, aproxima o homem de sua alma (Le 649) Ela está na lei natural pois é resultado de um sentimento inato no homen. Por isto a encontra em todos os povos, posto que sob formas diferentes. le.652

16 Houve tempos em que cada família, cada tribo, cada cidade e cada raça tinha os seus deuses particulares.. O processo de adoração acompanha a evolução da criatura humana, mudando o conceito de Deus e a sua forma de adorá-lo. Deus era qualificação genérica que se dava a todo ser existente fora das condições da Humanidade

17 Adoração: Cronologia Tem-se indícios da concepções de adoração à divindida no período Paleolítico (3.2milhoes aC a aC) e Neolítico (10.000aC a 3.000) aC com sentimentos ligados a Terra e Natureza e ciclo da fertilidade. Os escritos mais antigos até hoje encontrados referem-se às concepções vindas das religiões suméria, védica e egípcia,as quais surgiram por volta de 3600 a.C.religiõessumériavédicaegípcia 3600 a.C Encontrados ossos de 32 corpos enterrados em uma caverna. Cerimônia, questionada, de enterro dos mortos. Atapúerca, Espanha O neanderthals enterravam os mortos Kaprina, Croacia Ceromia de enterro onde os ossos eram manchados com ocre.Qafzel, Israel a aumenta o uso de ocre traços de culto a cobras Botswana os corpos aparecem respingados por grande quantidade de ocre. Lago Mungo, Australia

18 Adoração: Cronologia Início do Peleonlítico superior. Registro da Venus Paleolítica e arte rupestre em Chauvet e Lascaux. Complexo de cavernas na França com pinturas de animais que Se parecem com santuário

19 Adoração: Cronologia Vestigios do enterro de um shaman (pagé ou sacerdote Início da Revolução Neolítica. Sedimentação do homem sapiens com o aparecimento das primeiras vilas, agricultura e domesticação de animais

20 Adoração: Cronologia Com o cristianismo há uma bifurcação entre os povos dos Hemisférios ocidental e do oriental A partir dos século VII aC., no extremo oriente (Japão, China e Índia foram desenvolvidos conceitos mesclados com religiões primitivas politeístas que estavam enraizadas no povo que ali viva e chegam aos nossos dias com milhares de adeptos. Xintoísmo, Japão. Adoração dos Kamis. Deuses ou deusas da natureza Taoísmo, China. Tudo que existe é o Tao ou Caminho, a essência do Universo Budismo, Índia.Acredita na reencarnação e conquista do Nirvana Confucionismo. Trabalha o interior das pessoas para a transformação No ano 0 nasce Jesus

21

22 Deus tem preferência pelos que o adoram desta ou daquela maneira? Deus prefere os que o adoram do fundo do coração, sinceramente, fazendo o bem e evitando o mal, aos que acreditam honrá-lo com cerimônias que não os tornam melhores para os seus semelhantes

23 Aquele que faz profissão de adorar o Cristo e que é orgulhoso, invejoso e ciumento, que é duro e implacável para com os outros ou que ambiciona os bens deste mundo, tem a religião nos lábios e não no coração. Deus, que tudo ve, dirá que aquele que conhece a verdade é cem vezes mais culpado do mal que faz que o ignorante selvagem do deserto.

24

25 PRECE Conceito de Prece Pedir Agradecer Louvar 25 KSSF - Kardecian Study Society of FL

26 PAI NOSSO O Pai Nosso representa o mais perfeito modelo de concisão, verdadeira obra-prima de sublimidade e simplicidade. Jesus (Mateus 6:9-13) 26 KSSF - Kardecian Study Society of FL

27 CONCEITO DE PRECE (CONT.) (…) a prece deve ser uma expansão íntima da alma para com Deus, um colóquio solitário,uma meditação sempre útil, muitas vezes fecunda. É por excelência o refúgio dos aflitos, dos corações magoados … (Léon Denis – Depois da Morte – 5a. Parte cap. LI (A prece) 27 KSSF - Kardecian Study Society of FL

28 FINALIDADES DA PRECE Pedido: por nós ou por outra pessoa é necessário saber o que pedir, o que se deve e o que não se deve pedir; é necessário saber o que pedir, o que se deve e o que não se deve pedir; é muito importante perceber a resposta, que muitas vezes não é a que nós queremos, mas é a que nós necessitamos. é muito importante perceber a resposta, que muitas vezes não é a que nós queremos, mas é a que nós necessitamos. Reconhecimento ou agradecimento agradecer àquilo que temos, que recebemos, as oportunidades, os talentos, as bênçãos. agradecer àquilo que temos, que recebemos, as oportunidades, os talentos, as bênçãos. Louvor, Contemplação ou Glorificação prece de louvor a Deus pela beleza, pela natureza, pela perfeição, por puro amor ao pai, é uma mensagem de carinho, de afeto e de ternura, por entender o que é amar a Deus sobre todas as coisas prece de louvor a Deus pela beleza, pela natureza, pela perfeição, por puro amor ao pai, é uma mensagem de carinho, de afeto e de ternura, por entender o que é amar a Deus sobre todas as coisas 28 KSSF - Kardecian Study Society of FL

29 IMPORTÂNCIA DA PRECE (CONT.) A prece se reveste de importância capital em qualquer situação. Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar- lhe idéias sãs. 29 KSSF - Kardecian Study Society of FL

30 Energias Elevadas Estado de Prece METABOLIZAÇÃO 30 KSSF - Kardecian Study Society of FL

31 IMPORTÂNCIA DA PRECE - DISTINÇÃO ENTRE ORAR & REZAR REZAR ORAR Rezar é repetir palavras segundo fórmulas determinadas. É produzir eco que a brisa dissipa, como sucede à voz do sino que no espaço se espraia e morre. Orar é sentir. O sentimento é intraduzível. Não há palavra que o defina com absoluta precisão. O mais rico vocabulário do mundo é pobre para traduzir a grandeza de um sentimento. 31 KSSF - Kardecian Study Society of FL

32 EFICÁCIA & AÇÃO DA PRECE O (…) trabalho da prece é mais importante do que se pode imaginar no círculo dos encarnados. Não há prece sem reposta. É a oração, filha do amor, não é apenas súplica. É comunhão entre o criador e criatura, constituindo, assim, o mais poderoso influxo magnético que conhecemos. ( Os Mensageiros de André Luiz – Cap. 25) 32 KSSF - Kardecian Study Society of FL

33

34 EVANGELHO NO LAR Conceito: o É uma reunião da família em dia e hora certos, para estudo do Evangelho e oração em conjunto. o É uma reunião familiar de estudo e reflexão dos ensinamentos de Jesus, interpretadas à luz da Doutrina Espírita, na qual se utiliza a prece como instrumento de ligação com o Senhor da Vida. (Missionários da Luz – André Luiz, Cap. 6) 34 KSSF - Kardecian Study Society of FL

35 EVANGELHO NO LAR - LAR NA VISÃO ESPÍRITA Não é somente a moradia dos corpos, mas, acima de tudo, a residência das almas. O santuário doméstico que encontre criaturas amantes da oração e dos sentimento elevados, converte-se em campo sublime das mais belas florações e colheitas espirituais (Missionários da Luz – André Luiz, Cap. 6) 35 KSSF - Kardecian Study Society of FL

36 EVANGELHO NO LAR - LAR NA VISÃO ESPÍRITA O culto familiar do Evangelho não é somente um curso de iluminação interior, mas também processo avançado de defesa exterior, pelas claridades espirituais que acende em torno. O homem que ora traz consigo inalienável couraça. O lar que cultiva a prece transforma-se em fortaleza Os Mensageiros– André Luiz, Cap. 37) 36 KSSF - Kardecian Study Society of FL

37 EVANGELHO NO LAR Evangelho é ato de adoração a Deus porque não há serviço da fé viva, sem aquiescência e concurso do coração. (Luz No Lar – Espírito Scheilla – Cap.9) 37 KSSF - Kardecian Study Society of FL Amar a Deus acima de todas as coisas e o próximo como a si mesmo…Aí estão todas as leis e os profetas O Evangelho Segundo O Espiritismo – Allan Kardec Cap. I – ítem 3

38 IMPORTÂNCIA DO EVANGELHO NO LAR A família é o núcleo básico da sociedade e onde reencarnam os espíritos a fim de continuar seu processo de evolução. É nela onde se processam os encontros de antigos afetos e desafetos para o necessário crescimento espiritual. (Adenáuer Novaes – Conhecendo o Espiritismo – Cap. 18) SOCIEDADE FAMÍLIA 38 KSSF - Kardecian Study Society of FL

39 IMPORTÂNCIA DO EVANGELHO NO LAR O Lar que realiza o Evangelho no Lar: – A observação impensada é ouvida sem revolta; – A calúnia é isolada no algodão do silêncio; – A enfermidade é recebida com calma; – O erro alheio encontra compaixão; – A maldade não encontra brechas para insinuar-se. (Luz no Lar – Diversos Espíritos Cap. 1- Mensagem de Emmanuel) 39 KSSF - Kardecian Study Society of FL

40 COMO SE FAZ EVANGELHO NO LAR Finalidade: reunir a família em torno dos ensinamentos evangélicos à luz da Doutrina Espírita, e sob a assistência de benfeitores espirituais; Participantes: todos os integrantes do lar inclusive as crianças. 40 KSSF - Kardecian Study Society of FL

41 COMO SE FAZ EVANGELHO NO LAR (CONT.) Desenvolvimento: Prece inicial; Leitura e comentário de página evangélica com participação de todos os presentes. A reunião pode ser enriquecida, conforme o caso, com poesia, história ou narrativa de fatos reais; Prece de encerramento (ocasião em que se pode orar pelos que não puderam estar presentes: parentes, amigos, vizinhos, etc.. 41 KSSF - Kardecian Study Society of FL

42 COMO SE FAZ EVANGELHO NO LAR (CONT.) Recomendações: Não ultrapasse uma hora de duração; Ler Evangelho Segundo o Espiritismo, Evangelho em Casa e outras páginas evangélicas; Abster-se de manifestações de Espíritos; Pode-se colocar águar para que seja magnetizada pelos Benfeitores Espirituais; Realizar a reunião semanalmente em dia e horário certo; Deve-se evitar comentários ou comparações que desmereçam pessoas ou religiões; Presença de visita não é motivo para a não realização do Evangelho no Lar. Convide os participantes. 42 KSSF - Kardecian Study Society of FL

43 JESUS EM CASA – LEITURA O culto do Mestre, em casa, É novo sol que irradia A música da alegria Em santa e bela canção. É a glória de Deus que vaza O dom da Graça Divina, Que regenera e ilumina O templo do coração. 43 KSSF - Kardecian Study Society of FL

44 JESUS EM CASA – LEITURA Ouvida a bênção da prece, Na sala doce e tranqüila, A lição do bem cintila Como um poema a brilhar. O verbo humano enaltece A caridade e a esperança, Tudo é bendita mudança No plano familiar. 44 KSSF - Kardecian Study Society of FL

45 JESUS EM CASA – LEITURA Anula-se a malquerença, a frase é contente e boa. Quem guarda ofensas, perdoa Quem sofre, agradece à cruz. A maldade escuta e pensa E o vício da rebeldia Perde a máscara sombria... Toda névoa faz-se luz! 45 KSSF - Kardecian Study Society of FL

46 JESUS EM CASA – LEITURA Na casa fortalecida Por semelhante alimento, Tudo vibra entendimento Sublime e renovador. O dever governa a vida Vozes brandas falam calmas.... É Jesus chamando as almas. Ao reino do Eterno Amor ! (Do livro Luz no Lar. Psicografia de Francisco Cândido Xavier) 46 KSSF - Kardecian Study Society of FL


Carregar ppt "2011-08-28 - CICLO II C - Cida Glavin e Antonia Vidal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google