A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Índice Introdução1 Conceito Poka Yoke 5 Erros e Defeitos 8 Conceito de Zero Defeito 15 Qualidade na Fonte 22 Qualidade Total 27 Funções do Poka Yoke 30.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Índice Introdução1 Conceito Poka Yoke 5 Erros e Defeitos 8 Conceito de Zero Defeito 15 Qualidade na Fonte 22 Qualidade Total 27 Funções do Poka Yoke 30."— Transcrição da apresentação:

1 Índice Introdução1 Conceito Poka Yoke 5 Erros e Defeitos 8 Conceito de Zero Defeito 15 Qualidade na Fonte 22 Qualidade Total 27 Funções do Poka Yoke 30 Causa - Efeito 31 Níveis de Poka Yoke 33 Tipos de Poka Yoke 36 Exemplos37

2 Introdução

3 Preço de Venda Preço de Mercado Vender a um preço que os clientes estão dispostos a pagar. Custo Menor custo possível Produzir no custo mais baixo possível, satisfazendo as necessidades do cliente. Flexibilidade Vários tipos de Produtos em Pequenas Quantidades Produzir apenas na quantidade que os clientes querem. Entrega Sempre no prazo combinado Sempre atender programa de entrega. Entregar apenas quando os clientes necessitam. Quanlidade Melhor Qualidade Possível Fabricar produtos que satisfaçam os clientes. Introdução Fatores de sobrevivência para o século XXI

4 É muito comum ouvirmos: Agora não tenho tempo para corrigir isso;mais tarde eu vejo Não temos tempo hoje para corrigir porque não tivemos tempo ontem para evitar o erro, pois, se o tivéssemos feito, não haveria o que corrigir agora. Introdução Falta de tempo

5 Variação do desempenho efetivo em emergências com o passar do tempo TEMPO AS SETAS VERTICAIS INDICAM. AS OCASIÕES DOS EXERCÍCIOS Habilidade em lidar com emergências Ausência de exercícios ALTA Fim do treinamento para aquisição de prática em lidar com emergências. Com exercício de emergências Simuladas BAIXA - Em simuladores - Exercícios de campo Introdução

6 Baixa Alta (1)(2)(3)(4)(5) 1 / / / / 10 Eficiência de desempenho Nível de Tensão Taxa de erros graves por número de atuações Parada de emergência Parada repentina Parada de rotina Muito baixa Tensão ótima Moderadamente alta Operação normal Operação anormal Extremamente alta 1 / 1 (4) (5) (4) Atividades perigosas ocorrendo rapidamente. (5) Um minuto após um incidente sério (1) (2) (3) (1) Controle manual do processo. (2) Erro comum de omissão ou da missão. (3) Resposta incorreta ao alarme. O desempenho humano em função da tensão psicológica Introdução

7 Tempo (Horas) 01/211-1/22 Eficácia da Vigilância 0% 100% Efeito da vigilância para tarefas passivas Introdução

8 = Voz do Processo Dados Informações Mudança Medir Resultado Melhoria Aprendizado Introdução

9 USE DADOS PARA ANALISAR Não use a intuição Sem dados, você é apenas mais uma pessoa com uma opinião Prove que você encontrou a causa do problema. Faça o acompanhamento da ação corretiva, meça os resultados e padronize A única forma de corrigir um problema é através da ação Os problemas não desaparecem simplesmente, como num passe de mágica Aprenda a ouvir a Voz do processo. Introdução

10 Conceito Poka Yoke

11 Entende-se por Poka Yoke, uma ferramenta de trabalho com objetivo de eliminar a possibilidade do erro humano em diversas operações. Vale lembrar que o ser humano ao realizar operações repetitivas, pode vir a esquecer facilmente de executar uma destas operações. A ferramenta Poka Yoke, tem como objetivo, facilitar o colaborador a lembrar de executar a sequência lógica exigida pelo processo, utilizando dispositivos mecânicos ou eletrônicos, bem como a conscientização. Conceito Poka Yoke

12 Assegurar o cumprimento de Procedimentos e processos Sinalizar ou para um processo se um erro ou um defeito é gerado. Elimina as opções para ações incorretas Previne danos ao produto, equipamentos e prejuízos pessoais Capacitar os funcionários para melhorar continuamente os processos. Benefícos do POKA YOKE Conceito Poka Yoke

13 Preparar as coisas para que seja fácil fazer certo o trabalho e difícil faze-lo errado. Infelizmente, várias coisas são projetadas da forma oposta - é fácil fazer errado o trabalho e difícil faze-lo certo, e então,inevitavelmente, ocorrem erros. Se um erro é cometido, é impossível continuar, até que seja tomada uma ação corretiva específica. Poka-Yoke é a geração de meios para afastar a falta de qualidade por falhas humanas Conceito Poka Yoke (a prova de erros) Conceito Poka Yoke (a prova de erros)

14 O Poka- Yoke nos ajuda a ter um processo com qualidade, pois: Torna mais fácil aos seres humanos prestar atenção; Reduz as extensões da dependência humana. O método Poka- Yoke é um meio de se evitar o erro com o uso de mecanismo de controle, na fonte. O Poka- Yoke é uma técnica que previne ou evita a reincidência de simples erros humanos. Conceito Poka Yoke (elimina erros !)

15 Podemos encarar de duas formas : Podemos encarar de duas formas : 1 – Erros são inevitáveis 2 – ERROS podem ser minimizados e os DEFEITOS podem ser evitados Ou Então : ERROS Conceito Poka Yoke

16 Erros e Defeitos

17 Errar é humano? Os erros são inevitáveis? É possível prevenir sem eliminar erros Erros e Defeitos

18 Errar é humano É aceitar o erro como parte do negócio. É claro que errar é humano, mas acertar também é; ninguém paga salário para que se erre, e aceitar erros é compactuar (ser conivente) com fracasso. Erros e Defeitos

19 Aqui temos dois enfoques quanto aos erros. Erros são inevitáveis! As pessoas sempre cometem erros. Embora a tendência seja aceitar os erros naturalmente, culpamos as pessoas que os cometem. Com este tipo de atitude, provavelmente desprezamos os defeitos quando ocorrem na produção. Eles apenas podem ser detectados na inspeção final ou, pior ainda, pelo consumidor. Erros podem ser eliminados! Qualquer tipo de erro cometido pelas pessoas pode ser reduzido ou eliminado. As pessoas cometem menos erros se tiverem treinamento adequado e através de um sistema de produção baseado no princípio de que os erros sempre podem ser evitados. Erros e Defeitos Os erros são inevitáveis?

20 ERROERRO ERROERRO ERROERRO ERROERRO A prevenção começa por nós ! Erros e Defeitos

21 Por que as pessoas erram ? Falta de Atenção Falta de Conhecimento Falta de vontade Erros e Defeitos

22 FALTA DE CONHECIMENTO FALTA DE ATENÇÃO FALTA DE VONTADE Não sabemos exatamente o que queremos fazerNão sabemos exatamente o que queremos fazer Não sabemos o suficiente sobre o que estamos fazendoNão sabemos o suficiente sobre o que estamos fazendo Não sabemos como fazerNão sabemos como fazer Não estamos levando a sério o nosso trabalhoNão estamos levando a sério o nosso trabalho Não estamos preocupados com o resultado do nosso trabalhoNão estamos preocupados com o resultado do nosso trabalho Não estamos nos concentrando naquilo que estamos fazendoNão estamos nos concentrando naquilo que estamos fazendo Não temos interesse naquilo que fazemosNão temos interesse naquilo que fazemos Desconhecemos o valor do nosso trabalhoDesconhecemos o valor do nosso trabalho Acomodação no trabalho diárioAcomodação no trabalho diário

23 Erros do homem Esquecimento Distração Proposital Premeditado Erros na máquina/sistema Desgastes Quebras Desregulagens Materiais Erros e Defeitos Os erros

24 Errar é humanoErrar é humano Não se pode acertar sempreNão se pode acertar sempre Todo mundo comete errosTodo mundo comete erros Ninguém lembra dos nossos errosNinguém lembra dos nossos erros Já estamos habituados a aceitar os erros como parte de nossa vida Erros e Defeitos Reação de quem comete o erro

25 Por que eliminar os defeitos ???? Produzir Defeitos Qualidade Custos Desnecessários Necessidade de Inspeção = $ $ OU Erros e Defeitos

26 Acreditar que ninguém pode fazer melhor. Ninguém, mas ninguém mesmo tem o monopólio do saber e da perfeição; um pouco de humildade nunca fez mal a ninguém. Os cemitérios estão repletos de perfeitos e insubstituíveis que foram todos substituídos e alguns até com vantagem. Erros e Defeitos Razão da luta contra os erros

27 Erros e Defeitos Tabela causas/erros

28 CATEGORIA GERAL CATEGORIA ESPECÍFICA a.mal interpretado b.incorreto c.incompleto d.inadequado a.inconsistente com as observações b.consistente mas muito improvável c.consistente mas de custo muito alto d.funcionalmente irrelevante a.incompleta b.aceitação falsa de hipótese incorreta c.rejeição falsa de hipótese correta a.incompleta b.incorreta c.desnecessária a.incompleta b.incorreta c.desnecessária d.outra a.passo omitido b.passo repetido c.passo acrescentando d.passos fora da seqüência e.sincronização inadequada f.posição incorreta discreta g.escopo contínuo incorreto h.incompleta 1. Observação do Estado do Sistema 2. Escolha de Hipótese 3. Teste da Hipótese 4. Escolha da Meta 5. Escolha do procedimento 6. Execução do procedimento Erros e Defeitos Check-List do erro/defeito

29 Conceitos Zero Defeito

30 o DEFEITO você pode imaginar Foi só um cigarrinho !! Foi um ERRO fumar aqui

31 Os Erros mais comuns Omissão de Processo Erro de Processo Erro de preparação das Peças (Set UP) Omissão de Montagem Inclusão / montagem de item errado Peça errada Erro de Operação Erros de ajuste, Medida e dimensionamento Erras na Manutenção e reparo de equipamentos Erros na preparação de dispositivos, jigs de teste e ferramentas Conceitos Zero Defeito Erros e Defeitos Comuns

32 As mais comuns categorias de DEFEITOS Peças ou produtos danificados Peças / produtos errados Presença de objetos estranhos Peças equivocadas Não pode ser montado Falha de teste / resultados inconsistentes de teste Matéria – prima ruim Peça / Matéria – prima errada Dimensões erradas ou inconsistentes Conceitos Zero Defeito Erros e Defeitos Comuns

33 Conceitos Zero Defeito Quais são as fontes de defeitos? Materiais fora de especificação Desvios de processos Falta de peças Inadequação dos meios Erro de ajuste Operação errada Peças erradas Ferramentas Inadequadas Montagem errada Preparação incorreta da máquina Defeitos Primários Defeitos Secundários As causas Resultado ou Defeito Defeito de Execução Isto Não? Esquecimento Não há ponteiros Produto Defeituoso ? !

34 Poka Yoke no dia-a-dia Piiii i Conceitos Zero Defeito

35 2° Defeito 4° Corretiva 3° Retro- Informa -ção 1° Erro Conceitos Zero Defeito Conceitos Zero Defeito Ciclo convencional de controle de defeitos

36 PEÇAS JÁ EXISTENTES Defeitos Ponto de honra Atividades de pequenos grupos APGs Instalação de dispositivos POKA - YOKES PEÇAS NÃO EXISTENTES Projetos Processos Ferramentaria Instalação de dispositivos POKA - YOKES Empregar o DFM/A Design for Manufaturing/ Assembly Projeto para Manufatura/Montagem OU Dispositivos a prova de falhas POKA-YOKE Defeitos Tempo N Conceitos Zero Defeito Como Implantar o Poka - Yoke

37 Considera de que modo as peças são fabricadas durante a fase de projeto Redução do tempo de desenvolvimento. Simplificar a estrutura do produto. Redução de erros de montagem. Redução do número de peças. Redução do tempo de montagem. Redução do custo de manufatura. Melhorar a qualidade do produto. Redução do leadtime para introduzir novos produtos. Conceitos Zero Defeito DFMA - Design for Manufaturing / Assembly

38 A fonte da Qualidade não é: - Inspetor A fonte da qualidade é: - Operador - Máquina - Processo O defeito é uma conseqüência, ou efeito, geralmente causado por um simples engano Com o controle na fonte, o erro pode ser corrigido antes que se torne um defeito. Consegue-se: DEFEITO = ZERO Conceitos Zero Defeito Auto controle

39 Quando houver anormalidades Parar o equipamento e/ou operação Causas desses problemas aparecem Corrigir DE FATO essas causas VOLTAR A PRODUZIR COM FLUIDEZ E PRODUTIVIDADE Conceitos Zero Defeito Procedimento do Autocontrole

40 Zero Defeito é uma técnica que implementa o conceito Poka Yoke visando eliminar, prevenir ou detectar defeitos. Definição de Zero Defeito Premissas do Zero Defeito O zero Defeito deve ser simples e Barato O objetivo é prevenir e eliminar os defeitos Conceitos Zero Defeito

41 Parar de fazer errado e comece a fazer certo. Vamos eliminar totalmente os mas nas declarações como: A idéia é boa mas... Não arrume desculpas, pense em como fazer certo. Em vez de pensar em desculpas, vamos pensar como as coisas podem ser feitas corretamente Os erros e defeitos podem ser reduzidos a zero quando todos trabalharem em conjunto para elimina-los. Duas cabeças pensam melhor que uma! Conceitos Zero Defeito Princípios de melhoramentos com Poka-Yoke

42 Como seria uma cidade como São Paulo com qualidade 99,9%: Uma hora por mês de água encanada suja Três aterrissagens inseguras por dia 200 cirurgias erradas por ano Extravio de 800 correspondências por dia 1500 cheques descontados de contas erradas por dia Faz sentido perguntar por que Qualidade 100%? Conceitos Zero Defeito Por quê Qualidade 100% ?

43 Qualidade na Fonte

44 Aquele que tem como fim Aquele que tem como fim e Separar as peças defeituosas após a fabricação do lote, e Daquele que tem como finalidade Evitar o aparecimento de peças defeituosas ou aquele que detecta os defeitos durante a fabricação. INSPEÇÃO QUALIDADE NA FONTE Qualidade na Fonte Existem dois tipos de controle da qualidade:

45 ERRO Auto Controle Ação Defeito Identificação Correção Qualidade na Fonte Ciclo Gerencial da Qualidade na Fonte

46 Defeito Ação Controle e retro- Informa- ção Auto- Controle e retro- Informa- ção Erro Ação Qualidade na Fonte Ciclo gerencial da qualidade na fonte

47 Distingue erro e defeito (causa e efeito) Os erros não chegam a gerar defeitos se a informação e ação acontecerem no estágio do erro. Os defeitos podem ser eliminados quando se distingue, claramente, erros e defeitos – em outras palavras, causas e efeitos. Esta é a principal característica da Qualidade na Fonte. Qualidade na Fonte

48 Os defeitos são resultados de erros não corrigidos. Os erros (anormalmente) aparecem porque as pessoas negligenciam ou esquecem de fazer as coisas que deveriam ser feitas. Deixando de corrigir os erros apenas aumentamos a negligência. O objetivo fundamental da produção é tornar os defeitos igual a zero – executar a produção de tal forma que nenhum item apresente defeitos. Contudo, se percebe que a noção de Zero Defeitos pertence ao domínio de idéias e é possível no mundo real. Mas realmente acontece isto? Para reduzir os defeitos a zero, é necessário qualidade na fonte e um sistema de Zero Controle da Qualidade que procure detectar a ocorrência de erros, que poderiam causar defeitos,e forneça retorno imediato de ações para evitar que os erros se transformem em defeitos. Qualidade na Fonte Objetivo

49 3. Uma vez produzido, use-o imediatamente ! Se o produto não puder resistir a qualquer prova, certifique-se de que seja usado o mias breve possível através da produção de fluxo contínuo, em lotes unitários. 2. Faça isso para resistir a qualquer prova ! O usuário é especialista em descobrir defeitos. Portanto, é importante prever proteções no processo de produção para garantir que o produto resista a qualquer prova. A qualidade pode ser desenvolvida nos produtos implantados o poka-Yoke. 1. Não faça em excesso ! Não produza produtos que você não precisa. Quanto mais excesso de produtos, maior a chance de ocorrerem defeitos. Portanto, siga o princípio do Just-in-Time e produza apenas o necessário, quando necessário e na quantidade necessária. Os riscos e encalhes diminuirão drasticamente. Preciso disto Aqui está Como é que está OK ! Está pronto Use-o imediata- mente Qualidade na Fonte As três estratégias

50 Qualidade na Fonte Os 5 níveis na busca da qualidade Defeitos saem da empresa OPERAÇÕES ERROSERROS DEFEITOS Muitos defeitos Devoluções Prejuízos Nenhuma Inspeção Nenhuma Inspeção Administrar Reclamações Administrar Reclamações OPERAÇÕES ERROSERROS DEFEITOS INSPEÇÕES ITENS NÃO DEFEITUOSOS SITUAÇÃO EFEITOS ESTRATÉGIAS TÉCNICAS DE INSPEÇÃO DEFEITOSDEFEITOS OPERAÇÕES ERROSERROS DEFEITOS INSPEÇÕES APERFEIÇOAR ITENS NÃO DEFEITUOSOS Defeitos não saem da empresa ESTÁGIO2 Procurar evitar as reclamações Inspeção por Julgamento Mais Inspetores Não deixe que os defeitos reocorram Inspeção informativa Inspeção informativa Intensificar aperfeiçoamento controle da qualidade ReduzirDefeitosReduzirDefeitos ESTÁGIO3 OPERAÇÕES ERROSERROS DEFEITOS INSPEÇÕES APERFEIÇOAR ITENS NÃO DEFEITUOSOS Defeitos não saem do processo ESTÁGIO4 OPERAÇÕES ERROSERROS INSPEÇÃO AUTO CONTROLE ITENS NÃO DEFEITUOSOS PROCESSOS Não passe defeitos adiante Inspeção no processo Controle estatístico do processo ZeroDefeitoZeroDefeito ESTÁGIO5 Evitar que os erros se transformem em defeito Qualidade na fonte Poka - Yoke no processo PROCESSOS ESTÁGIO1

51 1.Inspeção por julgamento 2.Inspeção 100% 3.Inspeção por Amostragem 4.Inspeção Informativa (CEQ) 5.Cartas de Controle no Processo 6.Inspeção Sucessiva 7.Qualidade na fonte: Método Poka-Yoke Qualidade na Fonte Sistemas básicos de controle da qualidade

52 Uma forma de conscientizar sobre a não produção de defeitos é expor as peças defeituosas numa mesa, à vista de todos. Seu propósito mais comum é expô-las para fins de orientação, treinamento de novos colaboradores etc. É um recurso para as reuniões de melhorias do processo. A questão a perguntar é: O que fazer para que isto não mais aconteça? Quanto mais vazio o local ou mesa, melhor a qualidade. Daí o nome de Honra ou Orgulho. Qualidade na Fonte Ponto de honra ou orgulho (Museu dos defeitos)

53 Qualidade Total

54 1. ArtesanatoO Artesão era responsável pela qualidade. 2. Revolução Industrial (Taylor)O supervisor se responsabilizava pela qualidade. 3. 1° Guerra MundialControle da qualidade após o produto acabado. 4. 2° Guerra MundialControle estatístico da qualidade. 5. SherwartGráficos de controle e planos de amostragem. 6. DemingControle estatístico do processo como instrumento gerencial. 7. JuranQualidade assegurada. 8. IshikawaControle da qualidade amplo empresarial. 9. Shigeo Shingo*POKA-YOKE* Dispositivo a prova de falhas, zero defeito na fonte. 10. TaguchiA prova de defeitos na fase de projeto. Qualidade Total Evolução tecnológica

55 BOM BONITO BEM FEITO BAIXO CUSTO Qualidade InspeçãoAprovar/Reprovar ControleAtuar na Detecção/Prevenção GarantiaDurante o Ciclo da Vida AsseguradaAtender Especificações do Cliente TotalSatisfação Total do Cliente Qualidade Total Os 4 Bs da qualidade

56 Esta é uma estória sobre quatro pessoas, chamadas: TODO MUNDO, ALGUÉM, QUALQUER UM e NINGUÉM. A QUALIDADE era um serviço importante a ser feito e TODO MUNDO estava certo de que ALGUÉM faria. QUALQUER UM poderia ter feito. ALGUÉM ficou zangado sobre isso, porque era serviço de TODO MUNDO. TODO MUNDO pensou que QUALQUER UM podia faze-lo, mas NINGUÉM percebeu que TODO MUNDO não faria. No fim, TODO MUNDO culpou ALGUÉM quando NINGUÉM fez o que QUALQUER UM poderia ter feito. Qualidade Total Quem é o responsável pela qualidade

57 Envolvimento de todosEnvolvimento de todos O tempo todoO tempo todo Em todos os aspectosEm todos os aspectos Qualidade Total

58 Atender o cliente através de produtos e serviços de excelente QUALIDADE, produzido com baixo CUSTO dentro do menor PRAZO QUAL É A PERNA MAIS IMPORTANTE DO TRIPÉ ? Satisfação Total do Consumidor QUALIDADE CUSTOS PRAZOS ENVOL VIMENTO EMPREGADOS TOTAL DOS Qualidade Total visa =

59 Uma conceituação adequada Técnicas apropriadas Liderança gerencial Entusiasmo e cooperação do operáriosPara Alcançar o impossível! ZERO DEFEITO Qualidade Total POKA-YOKE É

60 Funções do Poka Yoke

61 Ferramenta de RESTRIÇÃO (interrompe) 2 Aparelho SINALIZADOR (alerta) 3 Soa um alarme ou acende uma lâmpada para Chamar atenção do operador Para a linha Acusa anormalidades ou desvios na peça ou processo Dispositivo de DETECÇÃO (controle) 1 As Funções do sistema Poka-Yoke Funções do Poka Yoke

62 É necessário fazer uma clara distinção entre erros e defeitos. Os defeitos aparecem porque são cometidos erros. Os dois pertencem à relação causa e efeito. O defeito ocorre em conseqüência de alguma condição ou ação. Portanto, é possível eliminar totalmente os defeitos perseguindo suas causas, em vez de tratar as conseqüências. Erro Descoberta do erro Retroinformação e ação Zero defeitos Erro Aparece o defeito Funções do Poka Yoke Causa - Efeito

63 ATACA: A causa (Raiz do problema) Sob o Poka-Yoke está a convicção de que não é aceitável produzir nem mesmo um pequeno número de produtos defeituosos. É: um meio efetivo de regular as variações na qualidade; uma função de manutenção da qualidade; um método de aperfeiçoamento da qualidade. Os métodos Poka-Yoke são técnicas, e não objetivos. EVITA: peças defeituosas montagem com peças erradas falta de peças desgastes de ferramentas quebra de máquina/ferramentas etc. Funções do Poka Yoke

64 Parada Controle Alerta DEFEITOS Prestes a ocorrer (predição) Parada Controle Alerta Ocorrido (predição) As funções são interrompidas quando se prevê um defeito Mesmo intencionais erros são detectados Sinaliza anormalidades/erros prestes a ocorrer As funções são interrompidas quando um defeito é detectado Itens defeituosos não podem ser transferidos no processo Sinaliza que ocorreram defeitos Parada Controle Alerta Poka - Yoke Pare ! EstadoFunção Pisca- pisca Funções do Poka Yoke

65 Os sistemas Poka-Yoke regulam de duas formas. Podem tanto CONTROLAR quanto ALERTAR. Método de controle São métodos que, quando ocorrem anormalidades, - Param as máquinas ou - Interrompem operações, evitando a ocorrência (reincidência) de defeitos. Métodos de alerta São métodos que, quando ocorrem anormalidades, chamam a atenção do operador, ativando uma lâmpada e/ou campainha. Porém os defeitos continuarão a ocorrer se os operadores não tomarem providências. Uma lâmpada acessa constantemente chama a atenção. Mas, uma lâmpada piscando chama muito mais. Tanto o som quanto a luz podem ser usados; contudo, o som geralmente chama mais atenção dos operadores, pois os defeitos podem continuar se o operário não notar a lâmpada acesa. PORTANTO, OS MÉTODOS DE CONTROLE SÃO MAIS EFICAZES DO QUE OS MÉTODOS DE ALERTA. Funções do Poka Yoke

66 1. Identificação Visual / Display 2. Alarme Visual / Sonoro 3. Detecção de Erros 4. À Prova de Erros Funções do Poka Yoke Níveis de Poka Yoke

67 Nível 1 : Identificação Visual / Display Problema: Motorista esquece o farol do carro ligado quando sai do veículo, como resolver? Funções do Poka Yoke Níveis de Poka Yoke Colocar uma mensagem no painel do carro avisando para desligar o farol antes de sair.

68 Nível 2 : Alarme Visuais / Sonoros Biiiiiiiiiiii !!! Colocar uma buzina ou alarme alertando para desligar o farol antes de sair. Funções do Poka Yoke Níveis de Poka Yoke

69 Nível 3 : Detecção de erros Chave só sai do contato após o farol desligar, ou a porta trava se o farol estiver desligado. Funções do Poka Yoke Níveis de Poka Yoke

70 Nível 4 : À prova de erros Ao desligar o carro toda a parte elétrica é desligada. Funções do Poka Yoke Níveis de Poka Yoke

71 Projeto Projeto Processo Processo Segurança Segurança Funções do Poka Yoke Tipos de Poka Yoke

72 Método de controle Método de alerta Método de posicionamento Método de comparação Método de contato Método de contagem Função Reguladora (Propósito) Mecanismos de detecção (dispositivos) Dispositivos POKA-YOKE Funções do Poka Yoke

73 Exemplos

74 Aqui estão exemplos de Poka-Yoke para detectar e evitar defeitos causados por erros 1 1 Posicionamento Placa Superior Pinos de Guia Placa Inferior 2 2 Contato 3 3 Comparação Peça Prensa Interruptor detecta o posicionamento correto 4 4 Contagem Zerador Contador digital BOM !! 5 5 Check-List Exemplos

75 Forma Dimensão Peso Identificar os itens pôr suas características Exemplos Técnicas Poka Yoke

76 Detectar desvios de valores fixados Peças que sobram Exemplos Técnicas Poka Yoke

77 PELA DIMENSÃO Estabelecer padrões de comprimento, largura, diâmetro etc. Identificar divergências dos padrões usando stoppers em dispositivos, micro- switches etc. PELA FORMA Estabelecer padrões quando à forma, tais como ângulos de inclinação, projeções, curvatura ou posição de furos, identificar divergências dos padrões com micro-switches, pinos de locação em dispositivos, partes de interferência em transportes etc. 1. Detectar itens por suas características PELO PESO Estabelecer padrões de peso. Usar uma balança ou escala para identificar itens defeituosos Aprovado Exemplos O que controlar?

78 2. Detectar desvios dos procedimentos ou omissão de processos DESVIOS DE PROCESSOS A tarefa subseqüente não pode ser executada se os operários ou operações não seguirem os procedimentos de trabalho padronizados OMISSÃO DE PROCESSOS As operações não podem ser executadas se uma série de processos foi omitida e os procedimentos normais não foram seguidos. As operações não podem ser executadas se uma série de processos foi omitida e os procedimentos normais não foram seguidos. Esquecemos alguma peça Exemplos Exemplos O que controlar? Não pode ser furado após a dobra Processo Incorreto CorteDobra Processo correto FuraçãoDobraCorte

79 3. Detectar desvios por comparação com valores fixos DETECÇÃO DA OPERAÇÃO COM VALORES PADRÃO Um número fixo, como o número de operações ou peças, é usado como referência. Se o número real difere do número de referência, existe um erro Aprovado 0008 Reprovad o DETECÇÃO DA CONDIÇÃO CRÍTICA Uma condição crítica de manufatura, como pressão, corrente, temperatura ou tempo, é medida e a operação não pode prosseguir se o valor não estiver dentro da tolerância especificada. DETECÇÃO DA PEÇA EXCEDENTE Quando algumas peças são montadas como um lote, o número exato de peças é preparado. Quando o lote está concluído, peças excedentes demonstram a ocorrência de erros. Exemplos O que controlar?

80 BAKA - YOKE POKA - YOKE contra bobeira,burrice, tolices, antibobo pega- burros A prova de erros/falhas HOMEMSISTEMA São dispositivos a prova de: Falhas Descuidos Desatenção Enganos Confusão Burrice Bobeiras Exemplos

81 Simplificação Reduzindo erros humanos pela simplificação no uso de memória, percepção, julgamento e movimento que o trabalho requer. Detecção Detectando erros através do monitoramento, nos processos seguintes, para a verificação de possíveis desvios em relação aos padrões estabelecidos. Atenuação Organizando tarefas em paralelo, ou introduzindo dispositivos protetores ou observadores de choque, para minimizar ou absorver os efeitos de erros que ocorrem. Exemplos Os princípios do mecanismo à prova de bobeira

82 Exemplos Os princípios do mecanismo à prova de bobeira Extraindo e analisando as características essenciais de diversos mecanismos à prova de bobeira, podemos identificar os cinco princípios seguintes: Eliminação Elimina as atividades necessárias a um trabalho que tornam propenso a erros (ou que geram uma restrição), tornando desnecessárias certas funções de memória, percepção, julgamento e movimento. Substituição Substituindo os métodos de utilização de memória, percepção, julgamento e movimento por outros mais confiáveis, fazendo com que o próprio processo alerte o operador.

83 SIMPLIFICAÇÃO (somente exemplos de bloqueios) 1.Faça símbolos grande e fáceis de ver. 2.Divida as peças grandes e pesadas tornando-as fáceis de transportar. 3.Mantenha separadas as peças com especificações similares. 4.Em vez de usar cinco vezes um recipiente de um litro para encher algo, utilize um recipiente de cinco litros de uma vez. 5.Utilize os mesmos símbolos (padronizados) nas ordens de serviço e nas caixas de peças. 6.Armazene as peças com a mesma especificação no mesmo lugar. 7.Utilize, o máximo possível, peças padronizadas. 8.Separe de forma clara as tarefas com especificações diferentes. 9.Confirme as ações oralmente ou por sinais manuais. 10.Utilize códigos de cores para as peças. 11.Não coloque peças de aparência semelhante próximas umas às outras 12.Marque ou pinte uma cor nas escalas de aparelhos de medição para mostrar a faixa de trabalho 13.Faça peças assimétricas Exemplos Exemplos de mecanismos a prova de bobeira

84 DETECÇÃO (somente exemplos de bloqueios) 1.Utilize sensores para detectar a presença (ou ausência) de peças e a normalidade (ou anormalidade) de movimentos. 2.Arrume as ferramentas em conjunto, separe-as à medida que forem utilizadas, e verifique, no fim, se algumas delas continua no conjunto. 3.Dê forma às peças de forma que seja impossível monta-las errado. Exemplos Exemplos de mecanismos a prova de bobeira

85 ATENUAÇÃO (somente exemplos de bloqueios) 1.Delegue aos operadores a responsabilidade de operar suas próprias chaves elétricas e, além disso mantenha um supervisor operando a chave principal. 2.Instale fusíveis para cortar a energia elétrica se houver sobrecarga nas máquinas. 3.Envolva os produtos com material que absorva choques para que não ocorram danos sérios em caso de pancadas. Exemplos Exemplos de mecanismos a prova de bobeira

86 A seguir são dados alguns exemplos de métodos à prova de bobeira que são úteis na solução de problemas ELIMINAÇÃO (Problema – solução) 1° Problema:Produto danificado por cabos de aço durante o içamento devido ao esquecimento da colocação de calços de madeira entre os cabos e o produto. Solução:Uso de correias de náilon no lugar dos cabos de aço, tornando desnessária a colocação de calços. 2°Problema:Queimadura devida ao toque distraído em tubo quente. Solução:Isolação do tubo tornando desnecessária a lembrança de não tocá-lo Exemplos Exemplos de mecanismos à prova de bobeira

87 SUBSTITUIÇÃO (Problema – solução) 3° Problema:Falha na execução de todos os passos de um procedimento, ou na quantidade correta de repetições de uma tarefa, devida a lapsos de memória. Solução:Preparar uma norma operacional para não ser necessário o uso da memória. 4°Problema:Expedição de quantidade errada de peças de depósitos devida a erros na seleção. Solução:Uso de bandejas com compartimentos para as peças de depósitos devida a erros na seleção. 5°Problema:Instalação de peças erradas durante a montagem devida a erros de percepção. Solução:Verificação das peças por dispositivos sensores, tais como gabaritos ou sensores eletrônicos substituído as funções de percepção e julgamento. Exemplos Exemplos de mecanismos à prova de bobeira

88 Projetadas para identificar um problema e evitar que os defeitos sejam passados à frente. 1.Há dois meios de parar o processo quando ocorrem anormalidades. A. Julgamento Humano Pré-automação = detecção física de´problemas, mas são as pessoas que tomam providências e corrigem. B. Mecanismos Automáticos Automação Total = próprio mecanismo tem a capacidade de detectar o problema e tomar as medidas necessárias. Exemplos Método com parada automática

89 Um dispositivo sensor que detecta anormalidades na forma e dimensão da peça, baseando em se o contato é feito ou não entre o objeto e o dispositivo. Interruptores (micro-switches e limit-switches) são os dispositivos de detecção mais freqüentemente usados no Poka-Yoke. Podem detectar a presença de itens como peças, ou ser usados para interromper o processo caso a peça tenha a forma errada. Exemplo: AntesDepois FlangeDispositivo Chave Flange Parafuso (3 pontos) Corrente Exemplos Método de Contato Exemplos Método de Contato

90 Um dispositivo detecta anormalidades no posicionamento da peça com relação ao previsto Exemplo AntesDepois Suporte de limite (Poka-Yoke Peça (fixada na direção) contrária Peça (fixada na direção certa) (DETECÇÂO NA FONTE) Eixo Mandril Exemplos Método de Posicionamento

91 Um dispositivo detecta anormalidades contando o número de movimentos que devem ser repetidos um certo número de vezes numa operação. Exemplo: para assegurar que o operador coloque todas as peças necessárias e uma folha de instrução numa caixa de embarque foi construído um Poka-Yoke onde foram instaladas células fotoelétricas na frente de cada caixa de peça, de modo que a mão do operador interrompe o facho de luz quando ele remove a peça ou a folha de instrução de sua caixa. Sem a interrupção de todos os fachos, a trava não libera a caixa de estação de trabalho do operador. Exemplos Método de Contagem

92 Um dispositivo sensor detecta anormalidades por comparação com uma situação pré-determinada. 1. Uma chave limitadora está montada no eletrodo superior e, quando a eletricidade passa seis vezes pelo circuito, a lâmpada acende para indicar que foram soldadas 6 porcas. Interruptor Luz acende depois de seis batidas Pedal Movimenta-se para cima e para baixo Exemplos Método por Comparação

93 Os erros humanos são na maioria das vezes causados por inadvertência. Os mecanismos de Poka Yoke ajudam a evitar os defeitos. Exemplos Técnicas Poka Yoke Detecção e correção de erros Guias de encaixe

94 Faixa de Trabalho Check List / Kit Limitadores Exemplos Técnicas Poka Yoke

95 Detectar desvios de procedimentos Método de seqüência de processos Seqüência Correta (Corte/Furação/Dobra) Seqüência Incorreta (Corte/Dobra/Furação) Exemplos Técnicas Poka Yoke Não pode ser furado após a dobra CorteDobra FuraçãoDobraCorte

96 Detectar desvios de procedimentos Método de seqüência de processos - solução Exemplos Técnicas Poka Yoke Não se encaixa na matriz Encaixa na matriz Matriz de dobra

97 Placas de circuito impressos ocasionalmente passam para o próximo processo Repetição Rápida Detectar componentes defeituosos Estação de inspeção rádio - antes Exemplos Técnicas Poka Yoke Placas de circuito não testados da operação anterior operador Esteira para a próxima operação de Montagem/peças aprovadas Caixa de peças rejeitadas- falhas Mesa giratória Dispositivo de teste automatizado Lâmpadas indicadoras PASSA/ FALHA

98 Estação de inspeção de rádio - Depois Exemplos Técnicas Poka Yoke Placas de circuito não testados da operação anterior operador Esteira para a próxima operação de Montagem/peças aprovadas Caixa de peças rejeitadas- falhas Alavanca desvio Dispositivo de teste automatizado Peças rejeitadas Mesa Giratória


Carregar ppt "Índice Introdução1 Conceito Poka Yoke 5 Erros e Defeitos 8 Conceito de Zero Defeito 15 Qualidade na Fonte 22 Qualidade Total 27 Funções do Poka Yoke 30."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google