A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Dr. Wilson Flavio Feltrim Roseghini Departamento de Geografia – UFPR Laboratório de Climatologia – Laboclima Síntese dos Relatórios IPCC e PBMC.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Dr. Wilson Flavio Feltrim Roseghini Departamento de Geografia – UFPR Laboratório de Climatologia – Laboclima Síntese dos Relatórios IPCC e PBMC."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Dr. Wilson Flavio Feltrim Roseghini Departamento de Geografia – UFPR Laboratório de Climatologia – Laboclima Síntese dos Relatórios IPCC e PBMC

2 Principais destaques: 1Temperaturas 2Chuvas 3 Balanço de Radiação IPCC 2,6°C e 4,8°C IPCC Aumento de secas Desertificação Aumento de furacões PBMC Diminuição no N, NE e CO Aumento no S e SE IPCC 2,6 W/m2 (otimista) IPCC 8,5 W/m2 (pessimista) PBMC 1°C e 6°C

3 Pontos relevantes no IPCC: A primeira década do século 21 foi a mais quente de todo período instrumental ( ); Período entre 1983 e 2012 foi muito provavelmente (90% de probabilidade) o mais quente dos últimos 800 anos; Há ainda cerca de 60% de probabilidade de que tenha sido o mais quente dos últimos anos; Porém, reconhece a existência de um hiato climático entre 1998 e 2012.

4 Pontos relevantes no IPCC: Queda na taxa de aquecimento do planeta nos últimos 15 anos – passando de 0,12°C por década (quando considerado o período entre 1951 e 2012) para 0,05°C (quando considerado apenas o período entre 1998 e 2012); Explicações possíveis: aumento de La Niñas e fase fria da ODP.

5 Pontos relevantes no IPCC: 90% de certeza de que o número de dias e noites frios diminuíram, enquanto os dias e noites quentes aumentaram na escala global, além de 60% de certeza de que as ondas de calor também aumentaram. Fortes evidências de degelo global, principalmente na região do Ártico, e 90% de certeza de que a taxa de redução da camada de gelo tenha sido entre 3,5% e 4,1% por década entre 1979 e 2012; Antártica, porém, necessita maior aprofundamento!

6 Pontos relevantes no IPCC: 90% de certeza de que as taxas médias de CO2, metano e óxido nitroso do último século sejam as mais altas dos últimos 22 mil anos; Mudanças na irradiação solar e a atividade vulcânica contribuíram com uma pequena fração da alteração climática; 95% de certeza de que a influência humana sobre o clima causou mais da metade do aumento da temperatura observado entre 1951 e 2010.

7 Pontos relevantes no PBMC: A temperatura na Amazônia deverá aumentar progressivamente de 1°C a 1,5°C até 2040 – com diminuição de 25% a 30% no volume de chuvas; Entre 3°C e 3,5°C no período de 2041 a 2070 – com redução de 40% a 45% na ocorrência de chuvas; E entre 5°C a 6°C entre 2071 a 2100.

8 Pontos relevantes no PBMC: Na Caatinga, aumento entre 0,5°C e 1°C e diminuição das chuvas entre 10% e 20% até 2040; Entre 2041 e 2070 aumento de 1,5°C a 2,5°C e diminuição das chuvas entre 25% e 35%. Até o final do século, aumento entre 3,5°C e 4,5°C e diminuição da chuva entre 40% e 50%. Tais mudanças podem desencadear o processo de desertificação do bioma!

9 Pontos relevantes no PBMC: No Cerrado, a temperatura deverá aumentar entre 5°C e 5,5°C e as chuvas diminuirão entre 35% e 45% no bioma até 2100; No Pantanal, aumento da temperatura deverá ser de 3,5°C a 4,5°C até o final do século, com diminuição acentuada dos padrões de chuva no bioma – queda de 35% a 45%; Diminuição significativa na produtividade agrícola!

10 Pontos relevantes no PBMC: No Sul e Sudeste, as projeções indicam aumento de temperatura entre 0,5°C e 1°C até 2040, com aumento de 5% a 10% na precipitação; Entre 2041 e 2070 deverão ser mantidas as tendências de aumento gradual de 1,5°C a 2°C na temperatura e de 15% a 20% de chuvas; Tais tendências devem se acentuar ainda mais no final do século, com aumento entre 2,5°C e 3°C mais quente e entre 25% e 30% mais chuvoso.

11 Pontos relevantes no PBMC: Destaque: As taxas de vazão dos rios também sofrerão variação. No leste da Amazônia e no Nordeste, as perdas podem chegar a 20%, sendo que na bacia do Tocantins o valor é de 30%. Já na Bacia do Paraná-Prata, a expectativa é de aumento de 10% a 40%.

12 Concluindo... Avanços na modelagem climática; Necessidade maior na compreensão do Sol e conexões oceânicas.

13 Obrigado!

14


Carregar ppt "Prof. Dr. Wilson Flavio Feltrim Roseghini Departamento de Geografia – UFPR Laboratório de Climatologia – Laboclima Síntese dos Relatórios IPCC e PBMC."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google