A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profª Daniela Scarpa Beneli Segundo semestre de 2012 ASPECTOS CONCEITUAIS – CASO 2.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profª Daniela Scarpa Beneli Segundo semestre de 2012 ASPECTOS CONCEITUAIS – CASO 2."— Transcrição da apresentação:

1 Profª Daniela Scarpa Beneli Segundo semestre de 2012 ASPECTOS CONCEITUAIS – CASO 2

2 Moeda: aceito pela coletividade para intermediar as transações econômicas. Essa aceitação é garantida por Lei (curso forçado). Moeda = Dinheiro Moeda metálica Papel – moeda Moeda escritural ou bancária

3 Meio ou instrumento de troca Unidade de medida ou de conta Reserva de valor Moeda fiduciária (valor intrínseco) x moeda lastreada (ouro, prata)

4 O sistema financeiro do Brasil é formado por um conjunto de instituições financeiras voltadas para a gestão da política monetária do governo federal Introdução do SFN no Brasil: 1808 – Família Real – criação do Banco do Brasil/ RJ Fase mais moderna: 1964 – Reformas do Período Militar

5 Organograma do Sistema Financeiro Nacional

6 Conselho Monetário Nacional: O Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão deliberativo máximo do Sistema Financeiro Nacional Ao CMN compete: diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e creditícia regular as instituições financeiras

7 Ao BACEN (Banco Central) cabe: Execução da política monetária Banco emissor Banco dos bancos Banco do Governo Controle e regulamentação da oferta de moeda Execução da política cambial e administração do câmbio Fiscalização das instituições financeiras

8 A oferta de moeda = estoque de moeda = meios de pagamento Esta oferta pode ser feita pelas Autoridades Monetárias e pelos Bancos Comerciais M1 = papel moeda em poder do público + depósitos a vista nos bancos.

9 Engloba papel-moeda emitido e reservas bancárias. Assim: do que foi emitido, uma parte está nas mãos do público e nos cofres das empresas e a outra está em poder dos Bancos comerciais

10 As decisões de retração ou expansão da base monetária do Brasil são tomadas pelo CMN/BACEN e se constitui na Política Monetária dos Governo, que é uma Política de caráter Macroeconômico

11 Para análise mais ampla de oferta monetária no Brasil, além do conceito M1, pode-se usar outros três: M2, M3 e M4, uma vez que nossos ativos financeiros possuem, na prática, liquidez semelhante ao dinheiro CONCEITOS ESTATÍSTICOS DOS MEIOS DE PAGAMENTO M1 = papel moeda em pode do público + depósitos a vista no sistema bancário M2 = M1 + depósitos em poupança M3 = M2 + quotas de fundos de renda fixa M4 = M3 + títulos federais em poder do público/selic + títulos municipais e estaduais em poder do público

12 M1M2M3M4M1M2M3M4 (R$ bilhões)(% de M4) Tabela I. Haveres financeiros (saldo em dezembro de cada ano),

13 M1> B M1 = mB Base Monetária e Meios de Pagamento no Brasil em Fev – Em milhões de R$ M1 = m.B ,501, ,93

14 Multiplicador Monetário A tabela abaixo mostra o efeito de criação múltipla do depósito a vista, após emissão primária de $ pelo BACEN e entregue ao público através dos Bancos comerciais Note que a oferta inicial de moeda manual de $ se transformou em oferta total de moeda escritural (depósitos a vista) de $ ,00 M = 1/r BancoDepósito à vista ($) Reserva dos Bancos comerciais (40% dos depósitos a vista) - compulsório Empréstimos ($) BB Bradesco Itaú Real Santander DEMAIS BANCOS SOMADOS TOTAL

15 Quantidade de riqueza que os agentes decidem manter na forma de moeda A demanda por moeda é determinada basicamente : pela taxa de juros; pelo nível de preços pelo custo real das transações; e pela renda.

16 Para transações Por precaução Para especulação

17 Juro é o preço (remuneração) de um crédito ou capital emprestado O crédito ou capital emprestado tem dois destinos: o consumo de bens de consumo ou; o investimento para aquisição de bens de produção Taxa de Juros Nominal Taxa de Juros Real

18 A taxa de juros tem influência direta no funcionamento da economia e ela reflete o nível de atividade econômica Afeta a demanda agregada via C, I e G

19 Liquidez (MOEDA) Taxa de juros (TÍTULOS) Eficiência marginal do capital (INVESTIMENTOS) O empresário decide pelo investimento de acordo com a eficiência Mg do Capital

20 Juros baixos: significam crescimento econômico (investimentos) e mais emprego para os trabalhadores Juros altos: significam redução no crescimento econômico e menor emprego para a população Os Bancos Centrais de todos os países, através das políticas monetárias definem se aumentam ou diminuem suas taxas de juros. Com a política, procuram resolver ou manter sob controle certas situações econômico-sociais.

21 Vemos então que a administração ótima da taxa de juros de um país constitui-se em grande desafio para Economistas e Autoridades Monetárias

22 No Brasil a determinação da taxa básica de juros é competência do Banco Central por intermédio do COPOM SELIC = Sistema Especial de Liquidação e Custódia

23 criado em 1979 pelo Banco Central e pela Andima (Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto) com o objetivo de tornar mais transparente e segura a negociação de títulos públicos. É definida pelo Banco Central. O SELIC é um sistema eletrônico que permite a atualização diária das posições das instituições financeiras, assegurando maior controle sobre as reservas bancárias. SELIC - também é um Instrumento utilizado pelo Banco Central para atingir as metas de inflação

24 Evolução da Taxa de Juros Selic (acumulado ao ano), Fonte: Acesso em: 24 set http://www.bcb.gov.br/Pec/Copom/Port/taxaSelic.asp

25 O valor da moeda/dinheiro é inversamente proporcional ao nível geral de preços.

26 Política monetária é a atuação de autoridades monetárias sobre a quantidade de moeda em circulação, de crédito e das taxas de juros, controlando a liquidez global do sistema econômico A política monetária, juntamente com as políticas fiscal e cambial, constituem-se em políticas econômicas do Governo.

27 Emissão de papel moeda; Depósito compulsório Compra e venda de títulos da dívida pública Redescontos Regulamentação sobre crédito e taxas de juros (Selic)

28 Aumentar as emissões de moeda, na exata medida da necessidade dos agentes econômicos (com cuidado para não gerar inflação); Diminuir a taxa de compulsório (encaixe) dos Bancos Comerciais para com o BACEN, com o objetivo de aumentar o volume do crédito a ser oferecido ao público; Recomprar títulos públicos no mercado. Trocar papel por moeda, elevando a quantidade de moeda disponível no mercado; Diminuir a regulamentação no mercado de crédito: relacionados a limites de prazos ou montante de empréstimos a consumidores.

29 VASCONCELLOS, M.A.S. - Economia Micro e Macro. Parte III – item 11 – o lado monetário da economia e Item 13 – inflação. GREMAUD, A.P. - Ec. Bras. Contemporânea Parte I Cap. 5 e Parte II Cap. 9 Sites: Textos disponibilizados no FTP (daniela.scarpa) Profª Cleide de Marco Pereira


Carregar ppt "Profª Daniela Scarpa Beneli Segundo semestre de 2012 ASPECTOS CONCEITUAIS – CASO 2."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google