A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ana Neves1 A Educação e o Género A educação não tem necessariamente que seguir esta via: a educação pode constituir-se como prática de liberdade, um meio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ana Neves1 A Educação e o Género A educação não tem necessariamente que seguir esta via: a educação pode constituir-se como prática de liberdade, um meio."— Transcrição da apresentação:

1 Ana Neves1 A Educação e o Género A educação não tem necessariamente que seguir esta via: a educação pode constituir-se como prática de liberdade, um meio pelo qual os homens e as mulheres se relacionam crítica e criativamente com a realidade e descobrem como participar na transformação do mundo que é de todos e de todas Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido

2 Ana Neves2 As escolas portuguesas continuam a reproduzir estereótipos sexistas relativamente às profissões. Conclusão da tese de Ana Ferreira, Desigualdades de Género no Actual Sistema Educativo Português. Sua influência no Mercado de Emprego, (1999), Universidade Aberta de Lisboa. A autora analisou cerca de uma dezena de manuais escolares de Inglês do 7º e 8º anos de escolaridade.

3 Ana Neves3 Nenhuma mulher é: bombeiro, política, jogadora de futebol, piloto, juíza, gestora, técnica de informática, mecânica, oficial das Forças Armadas ou jornalista. Os manuais escolares, quer nas imagens, quer nos textos, continuam a formar para uma visão estereotipada da sociedade, transmitindo modelos de atribuição social e de papéis de género hierarquizados.

4 Ana Neves4 Duas em cada três referências a uma qualquer profissão são feitas no masculino; As mulheres não só continuam sub-representadas como são remetidas para profissões subalternas e tradicionalmente atribuídas ao sexo feminino; Tratar, cuidar e educar são ainda as tarefas mais associadas ao papel da mulher;

5 Ana Neves5 Num inquérito a 150 alunos do 9º e 10º ano da Escola Secundária Sá da Bandeira, em Santarém, concluiu-se que: As raparigas continuam a ter preferência por carreiras que funcionam como extensão das suas tarefas familiares e privadas, como medicina, enfermagem e psicologia; Os rapazes escolhem ser engenheiros, técnicos de informática ou pilotos.

6 Ana Neves6 Quando questionados pelo porquê das suas preferências: As raparigas referem que é por vocação; Eles (84,2%) dizem pura e simplesmente que desejam fazer aquilo que gostam. A maioria das raparigas, fundamenta ainda, segundo este estudo, que as mulheres estão naturalmente vocacionadas para profissões como doméstica, professora ou secretária.

7 Ana Neves7 Pedimos a uma professora do 1º ciclo do ensino básico, de uma escola de Setúbal, que perguntasse aos seus alunos o que gostariam de ser quando forem grandes. Num universo de 20 meninos e 15 meninas, que frequentam o 1º e o 2º ano, as respostas encontradas foram: Trabalho de Campo

8 Ana Neves8 RAPAZES

9 Ana Neves9 MENINAS

10 Ana Neves10 Foi ainda consultado um manual de Estudo do Meio, adoptado no presente ano lectivo para o 4º ano, por uma escola do 1º ciclo do ensino básico, na Venda Nova, Amadora. Após uma breve análise da linguagem e das figuras / imagens representadas no manual e direccionando a nossa atenção apenas para a temática Actividades Económicas, encontramos os seguintes frequências relativas a situações profissionais: Quem mora nos livros de Estudo do Meio?

11 Ana Neves11 LinguagemFrequênciaFrequência por GéneroImagensFrequênciasFrequência por Género FMNeutroFM Professor11Agricultor44 Pastor11Bombeiro44 Enfermeiro11Operário da construção civil 11 Músico11Pastor11 Médico11Pedreiro11 Advogado11Secretária11 Polícia11Farmacêutico11 Atleta11Farmacêutica11 Jornalista11Operárias fabris22 Gestor11Serralheiro11 Operário11Médico Oftalmolog ista 11 Secretária11O Polícia11 TOTAIS

12 Ana Neves12 Recomendações para a Mudança Um estudo desenvolvido em 1982 intulado Analyse des stéréotypes masculins et féminins dans les manuels scolaires du Québeq, recomenda que os manuais escolares tenham algumas preocupações de equilíbrio: Participação equilibrada de figuras masculinas e femininas na repartição de papéis, no trabalho (manual e intelectual); No meio (urbano e rural), Na vida familiar (evitando partir do pressuposto de que todas as crianças vivem com os dois progenitores, na partilha de tarefas domésticas e nos espaços reservados às actividades físicas e de lazer).

13 Ana Neves13 Nas ilustrações e textos escolhidos para os manuais escolares, dever-se-á: Dar visibilidade às mulheres que trabalham fora de casa; Destacar a importância do trabalho no lar tanto para as mulheres como para os homens; Apresentar a mulher e o homem em todos os tipos de trabalho e funções profissionais; Observar que as mulheres desempenham papéis sociais e políticos em todos os níveis, com igual competência, autoridade e espírito de iniciativa que os seus colegas homens.

14 Ana Neves14 Uma outra actividade possível é o trabalho que os agentes educativos podem desenvolver tendo por base os materiais e manuais que dispõem… Sugere-se por exemplo, que perante um texto ou imagem estereotipada as crianças sejam convidadas a fazer uma reconstrução da história. Por exemplo: A mãe foi às compras e, antes de sair, deu um beijo ao Filipe e disse à Filipa para arrumar os quartos. A Filipa fez a cama dela e arrumou os carrinhos do irmão. Reconstruindo: A mãe e o pai foram às compras, e antes de saírem, disseram aos filhos para arrumarem o quarto. A Filipa e o Filipe arrumaram os brinquedos… um de cada lado, fizeram a cama.

15 Ana Neves15 Neste contexto, seria também desejável que existisse nas disciplinas de Desenvolvimento Pessoal e Social e Área de Integração ou nas áreas de projecto a desenvolver por cada escola / turma, um capítulo sobre igualdade de oportunidades entre homens e mulheres.

16 Ana Neves16 Recomendações da UNESCO Em 1999 a UNESCO publicou uma série de recomendações com vista à utilização de linguagem não sexista - Pour la égalité des sexes dans le language e Guidelines on Gender-Neutral Language. Expressões ComunsProposta da UNESCO O HomemA Humanidade O homem primitivoOs povos primitivos A procura dos homens por conhecimento levou-os ao desenvolvimento científico A procura pelo conhecimento levou-nos ao desenvolvimento científico Camera – manOperador ou operadora de câmera Língua maternaLíngua de origem A mulher do sr. JoséA D. Dulce AfeminadoDelicado, suave, meigo Cada aluno deverá ler um textoDeverá ser lido um texto Reunião de paisReunião de pais e mães Os avósO avô e a avó Os tiosOs tios e as tias Os professoresA classe docente Maria - rapazCriança traquina, irrequieta Corajosa como um homemCorajosa, muito corajosa Conversa de mulheresConversa fiada, conversa oca, conversa sem objectivo Sexo fracoSexo feminino


Carregar ppt "Ana Neves1 A Educação e o Género A educação não tem necessariamente que seguir esta via: a educação pode constituir-se como prática de liberdade, um meio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google