A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Avaliação em Saúde Bucal Coletiva VI Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletiva Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Avaliação em Saúde Bucal Coletiva VI Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletiva Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde."— Transcrição da apresentação:

1

2 Avaliação em Saúde Bucal Coletiva VI Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletiva Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia Prof. Carlo Henrique Goretti Zanetti Profa. Marina Abadia Umbelina Lima 16/Dez/1998

3 Avaliação em Saúde Bucal Coletiva Proposta de Planejamento e Programação para Saúde Bucal em Planaltina-DF Bucal em Planaltina-DF

4 Planaltina - DF

5 PROPOSTAS para ações do tipo Preventivo-promocional em Planaltina - DF l Planaltina - DF População Censo 1996: habitantes Fonte:

6 l 1 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde Bucal nas UPSC/Centros de Saúde l 2 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde Bucal no Ambulatório do Hospital Regional de Planaltina l 3 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde bucal na Internação do Hospital Regional de Planaltina l 4 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde Bucal nas Escolas Públicas e Privadas l 5 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde Bucal nas Creches e Mães Crecheiras l 6 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde Bucal nas Igrejas e Associações l 7 - Subprograma de Atenção Preventivo-Promocional em Saúde Bucal de Vigilância Comunitária da Fluoretação e Potabilidade das Águas de Abastecimento Público.

7 1 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal nas UPSC/Centros de Saúde UPSC/Centros de Saúde

8 A justificativa para se tentar estruturar as atividades preventivo-promocionais de um programa como o Saúde em Casa está na possibilidade em se obter resultados realmente efetivos no que se refere à diminuição da necessidade curativa na população. Isto significa poder organizar seus serviços de forma a oferecer à população informações capazes de conscientizá-la à cerca da precisão do auto-cuidado, conjugando-as com atividades preventivas. Assim pode-se garantir a manutenção da saúde e/ou o controle da atividade de doenças que atingem a cavidade bucal. JUSTIFICATIVAJUSTIFICATIVA Saúde em Casa

9 Estruturar as atividades preventivo-promocionais do Programa Saúde em Casa de forma que este ofereça à população orientações sobre saúde bucal, além de garantir a medicalização desta população contra enfermidades orais tais como a cárie dental. Objetiva-se também estruturar programações em educação e promoção em saúde com a capacidade de integrar saúde bucal a outras atividades propostas por outras equipes (Médicos, Enfermeiros e Auxiliares de Enfermagem). OBJETIVO GERAL

10 OBJETIVO ESPECÍFICO Oferecer à toda a população cadastrada pelo Programa Saúde em Casa, nos domicílios ou nas próprias Unidades do PSC, orientações quanto à dieta, freqüência de alimentação, além de orientações de higiene oral, realização de evidenciação de placa, escovação supervisionada, aplicações de produtos fluoretados – tudo no intuito de obter, futuramente, uma menor incidência de doenças da cavidade bucal na população – cáries principalmente. Meta: Atender Toda a População Cadastrada pelo PSC

11 População-Alvo Programática Toda a População Cadastrada nos domicílios pelos Agentes Comunitários. Mecanismos de Acesso Cadastro Domiciliar. Espaço de Realização das Práticas As atividades preventivo-promocionais serão realizadas no domicílio pelos Agentes Comunitários e nas 12 unidades do PSC, por profissionais de odontologia, enfermagem e auxiliares de enfermagem.

12 Natureza das práticas

13 Mecanismos de Referência e Contra-Referência Não haverá referências para atividades preventivo- promocionais, partindo do PSC. Quanto à Contra-Referência, podemos considerar que toda a população cadastrada pelo programa que for tratada nos espaços da rede, estará (ao final do tratamento) sendo contra-referenciada, num último grau, para o domicílio, onde estará sob a responsabilidade do Saúde em Casa - o qual deverá garantir a manutenção do estado de saúde existente. Considera-se, inclusive, as tratadas pelo próprio PSC. Não haverá referências para atividades preventivo- promocionais, partindo do PSC. Quanto à Contra-Referência, podemos considerar que toda a população cadastrada pelo programa que for tratada nos espaços da rede, estará (ao final do tratamento) sendo contra-referenciada, num último grau, para o domicílio, onde estará sob a responsabilidade do Saúde em Casa - o qual deverá garantir a manutenção do estado de saúde existente. Considera-se, inclusive, as tratadas pelo próprio PSC. Natureza das práticas A natureza das práticas é preventivo-promocional. Outros Espaços PSC Domicílio

14 Rotina de Atenção Unidades PSC Será realizada evidenciação de placa e escovação supervisionada para todos os pacientes em tratamento. Deverão ser criados programas de caráter preventivo- promocional para determinados grupos de indivíduos: Hipertensos, Diabéticos, Mães (P. Especiais) - atendidos pelas Enfermeiras e/ou THDs. Unidades PSC Será realizada evidenciação de placa e escovação supervisionada para todos os pacientes em tratamento. Deverão ser criados programas de caráter preventivo- promocional para determinados grupos de indivíduos: Hipertensos, Diabéticos, Mães (P. Especiais) - atendidos pelas Enfermeiras e/ou THDs.

15 Capacidade Instalada Recursos Humanos e Competências 12 Unidades do PSC, Escovódromo em todas as unidades do PSC, Espelhos, 12 equipos CDs, 12 THDs E 12 ACDs Recursos Materiais Flúor Acidulado, Flúor 0,2 ppm, Verniz Fluoretado, Cariostático,, Fucsina, Escovas, Fio Dental, Creme Dental e Material Educativo, Modelos de Estudo, Folderes, Cartazes.

16 Manutenção dos Equipamentos Aumento do efetivo destinado a essa área específica. Existem atividades que dependem do bom funcionamento do equipamento odontologócico. Gerência de Informação, controle e avaliação Realizada em três momentos: Pelas próprias equipes do PSC (dando autonomia aos coordenadores das equipes - não apenas representativo) Pela Regional (estando integrada a todas as equipes) Todas as decisões tomadas pela Coordenadoria Regional que se referirem a alterações da programação das atividades curativas, preventivas e promocionais deverão ser submetidas a apreciação dos coordenadores das equipes. Pelo NNO Realizada em três momentos: Pelas próprias equipes do PSC (dando autonomia aos coordenadores das equipes - não apenas representativo) Pela Regional (estando integrada a todas as equipes) Todas as decisões tomadas pela Coordenadoria Regional que se referirem a alterações da programação das atividades curativas, preventivas e promocionais deverão ser submetidas a apreciação dos coordenadores das equipes. Pelo NNO

17 Capacitação e Treinamento de Recursos Humanos Durante nossos primeiros contatos com os Agentes Comunitários de Planaltina ficou clara carência do treinamento oferecido por seus capacitadores. Mas deve-se ressaltar a situação atípica na qual os agentes se encontravam (desamparados em função da ausência dos CDs). Atualmente, em Planaltina, este treinamento vem sendo feito através de oficinas realizadas pela UnB garantindo uma maior capacitação destes agentes.

18 Considerando que, em geral, a população que será atendida nos postos de saúde será aquela que escapou ao esquema preventivo e promocional do PSC e que por este motivo tem necessidade da realização de procedimentos curativos, é preciso garantir (paralelamente ao programa curativo) uma retaguarda preventivo-promocional buscando conscientização e motivação do paciente para a importância da manutenção da saúde bucal. JUSTIFICATIVA Centros de Saúde

19 Estruturar as atividades preventivo-promocionais no ambiente do Centro de Saúde para todos os pacientes que lá estiverem sendo atendidos. OBJETIVO GERAL

20 OBJETIVO ESPECÍFICO Oferecer à toda a população referenciada para os Centros de Saúde (via PSC) - durante o período do tratamento - orientações quanto à dieta, freqüência de alimentação, além de orientações de higiene oral, realização de evidenciação de placa, escovação supervisionada, aplicações de produtos fluoretados – tudo no intuito de obter, futuramente, uma menor incidência de doenças da cavidade bucal na população.

21 População-Alvo Programática Toda a População referenciada pelo PSC Mecanismos de Acesso Encaminhamento via PSC e Centros de Ensino. Espaço de Realização das Práticas As atividades preventivo-promocionais serão realizadas nos escovódromos, sala da criança e na própria cadeira do Cirurgião Dentista.

22 Natureza das práticas Mecanismos de Referência e Contra-Referência Não haverá referências para atividades preventivo- promocionais, partindo do Centro de Saúde e indo para outros ambientes da rede, a não ser de um Centro de Saúde para Outro. Quanto à Contra-Referência, podemos considerar que toda a população tratada nos Centros de Saúde, estará (ao final do tratamento) sendo contra- referenciada, para o PSC e posteriormente, para o domicílio, onde ainda estará sob a responsabilidade do Saúde em Casa - o qual deverá garantir a manutenção do estado de saúde conseguido. A natureza das práticas é preventivo-promocional

23 Rotina de Atenção Centro de Saúde 1, 2 e 3: Gestantes (com e sem necessidades curativas). Durante o período de gestação a paciente, recebe orientações relativas à alimentação, higienização, cuidados com o bebê, noções básicas de saúde, necessidade do aleitamento materno. A escovação será feita inicialmente sem pasta dental seguido de escovação com flúor gel acidulado por 2 minutos. Pacientes de 0 a 5 anos (com e sem necessidades curativas)/Mães: As mães participarão de palestras além de atividades relacionadas com orientação de higiene bucal e prevenção. CS 2 e 3. Oferecerão atenção preventiva às crianças (será feito evidenciação de placa (a fim de avaliar o risco do paciente e orientar a responsável), aplicação de flúor gel acidulado ou verniz fluoretado (dependendo da necessidade percebida pelo profissional responsável por essa atividade). As enfermeiras estarão alertas para orientar qualquer paciente localizado no CS, quanto aos cuidados com a higiene oral. Centro de Saúde 1, 2 e 3: Gestantes (com e sem necessidades curativas). Durante o período de gestação a paciente, recebe orientações relativas à alimentação, higienização, cuidados com o bebê, noções básicas de saúde, necessidade do aleitamento materno. A escovação será feita inicialmente sem pasta dental seguido de escovação com flúor gel acidulado por 2 minutos. Pacientes de 0 a 5 anos (com e sem necessidades curativas)/Mães: As mães participarão de palestras além de atividades relacionadas com orientação de higiene bucal e prevenção. CS 2 e 3. Oferecerão atenção preventiva às crianças (será feito evidenciação de placa (a fim de avaliar o risco do paciente e orientar a responsável), aplicação de flúor gel acidulado ou verniz fluoretado (dependendo da necessidade percebida pelo profissional responsável por essa atividade). As enfermeiras estarão alertas para orientar qualquer paciente localizado no CS, quanto aos cuidados com a higiene oral.

24 Rotina de Atenção Pacientes Especiais: A prevenção é realizada com verniz Fluoretado, aplicado na cadeira da dentista trimestralmente. Além da prevenção, os responsáveis recebem instrução de como proceder de forma a otimizar a higienização. Apresentação de vídeos educativos para toda o público existente no CS. Verificação, pelas enfermeiras, da presença de cáries nas crianças presentes no posto. Estas crianças serão levadas para o escovódromo, onde será feita evidenciação de placa, escovação supervisionada e aplicação de flúor. Pacientes Especiais: A prevenção é realizada com verniz Fluoretado, aplicado na cadeira da dentista trimestralmente. Além da prevenção, os responsáveis recebem instrução de como proceder de forma a otimizar a higienização. Apresentação de vídeos educativos para toda o público existente no CS. Verificação, pelas enfermeiras, da presença de cáries nas crianças presentes no posto. Estas crianças serão levadas para o escovódromo, onde será feita evidenciação de placa, escovação supervisionada e aplicação de flúor.

25 Capacidade Instalada Recursos Humanos e Competências Centro de Saúde 1: 04 equipos, vídeo, 3 pias e 3 espelhos Centro de Saúde 2: 02 equipos, escovódroo adaptado, vídeo, espelhos. Centro de Saúde 3:02 equipos, escovódromo com 6 torneiras, sala para palestra, espelhos, vídeo. Centro de Saúde 1: 04 equipos, vídeo, 3 pias e 3 espelhos Centro de Saúde 2: 02 equipos, escovódroo adaptado, vídeo, espelhos. Centro de Saúde 3:02 equipos, escovódromo com 6 torneiras, sala para palestra, espelhos, vídeo. Centro de Saúde 1: 3 CDs, 1 atendendo nos centros 1 e 2, 1 CD na coordenação, 05 THDs. Mais 1 CD. Centro de Saúde 2: 02 CDs, 01 THD, e 1 ACD. Centro de Saúde 3: 02 CDs, 01 THD. Centro de Saúde 1: 3 CDs, 1 atendendo nos centros 1 e 2, 1 CD na coordenação, 05 THDs. Mais 1 CD. Centro de Saúde 2: 02 CDs, 01 THD, e 1 ACD. Centro de Saúde 3: 02 CDs, 01 THD.

26 Escovódromo em todas as Unidades do PSC, Espelho, Flúor Acidulado, Flúor 0,2 ppm, Verniz Fluoretado, Cariostáticos,, Fucsina, Escovas, Fio Dental, Creme Dental, Modelos de Estudo, Folderes, Cartazes e Material Educativo. Recursos Materiais Manutenção de Equipamentos Aumento do efetivo destinado a essa área específica. Existem atividades que dependem do bom funcionamento do equipamento odontologócico.

27 Gerência de Informação, controle e avaliação Realizada em três momentos: Pela Coordenação de Odontologia dos CS Pela Regional Pelo NNO Realizada em três momentos: Pela Coordenação de Odontologia dos CS Pela Regional Pelo NNO

28 2 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal no Ambulatório do Hospital Regional de Planaltina Hospital Regional de Planaltina

29 l Justificativa: A criação deste subprograma justifica-se pela necessidade que se verifica da população em relação a um melhor cuidado no sentido preventivo-promocional em Saúde Bucal. l Objetivo Geral: Garantir Saúde Bucal para os pacientes que frequentam o HRP através de ações preventivo-promocionais

30 l Caracterização: Se utilizar de um espaço de auto-atendimento para adultos, próximo às filas de espera e marcação de consultas. Neste espaço, que vamos chamar de Sala de Ações Preventivo-promocionais, haverá um escovódromo, televisão e vídeo-cassete com fitas de educação em higiene bucal e dieta, cartazes educativos e a presença de um auxiliar para a colocação de flúor nas escovas, as quais são trazidas pelos próprios pacientes sempre que forem ao HRP. Se utilizar do ambulatório, em um horário, preferencialmente as sextas-feiras das 13 as 19h para atendimento preventivo-promocional dos pacientes.

31 l Objetivos Específicos: - Ensinar técnica de escovação, uso do fio dental e controle de dieta. - Realizar APTF e revelação de placa bacteriana l Metas: - Garantir que todos os pacientes cheguem aos diversos ambulatórios do HRP já com devidas noções de higiene bucal e dieta e controle da placa bacteriana.

32 l População Alvo-programática: Toda aquela assistida pelo HRP nas diversas clínicas l Mecanismos de Acesso: Livre demanda l Espaço de realização das práticas: Sala de Ações Preventivo-promocionais e Ambulatório l Natureza das práticas: Ações preventivo-promocionais antecedendo curativas

33 l Mecanismo de Referência e Contra-Refêrencia: A referência se dá da Sala de Ações Preventivo- promocionais para o Ambulatório e da Sala para as demais clínicas. l Rotina de Atenção: A SAPP funcionará das 7:00 as 19:00h de segunda a sexta- feira com a presença em todos os horários de um auxiliar para controlar a quantidade de flúor que é gasto em uma escovação. A primeira ação será assistir aos vídeos educativos sobre higiene bucal e dieta. Após isto, a escovação com flúor. Quinzenalmente deverá haver palestras com os pacientes e espaço aberto para perguntas sobre o que foi assistido no vídeo (realizada pelo auxiliar e coordenada pelo CD do ambulatório, responsável pelo atendimento às sextas-feiras).

34 l Rotina de Atenção: No Ambulatório, uma vez por semana haverá atenção preventivo-promocional com revelação de placa e escovação com creme dental, APTF e uso do fio dental nos pacientes agendados para exodontia, na semana posterior. l Capacidade Instalada: Ambulatório: 2 equipos, 2 espelhos e 2 pias (já é o suficiente para o atendimento). SAPP: 1 escovódromo, TV, vídeo-cassete, cartazes e espelhos.

35 l Recursos Humanos e Competências: Auxiliares em todos os horários (7:00 as 19:00h), na SAPP, 1 CD (sexta-feira a tarde) do HRP realizando atividades preventivo-promocionais e coordenando palestras quinzenais. l Recursos Materiais: Flúor, fucsina, creme dental, fio dental l Manutenção de Equipamentos: Técnico da FHDF para os equipos do ambulatório. l Gerência de Informação Controle e Avaliação: NNO

36 l Capacitação e Treinamento dos Recursos Humanos: CEDRHUS, NNO e CDs da FHDF l Instrumentos de Programação: Na SAPP é feito o auto-atendimento com o cuidado de controlar a quantidade de flúor gasto na escova. Todos os pacientes devem realizar os procedimentos. No Ambulatório haverá somente um CD atendendo todos os pacientes agendados para Exodontias na semana posterior e realizando 4 procedimentos em cada um (revelação de placa, escovação, uso do fio dental e APTF)

37 l Instrumentos de Avaliação e Controle: Ambulatório: Ser realizado em relatórios mensais pelo coordenador de Odt baseados na produtividade do CD em relação ao número de pacientes atendidos e ao número de procedimentos realizados. Verificar se há materiais de consumo faltando. Se todos os horários de funcionamento da SAPP contam com a presença do auxiliar e se o controle de flúor está realmente sendo feito. Se os vídeos e cartazes estão sendo de fácil entendimento e aceitação pelos pacientes. Se eles realmente não esquecem de levar suas escovas de dentes quando vão ao HRP e se há aqueles que não as possuem.

38 3 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal na Internação do Hospital Regional de Planaltina Hospital Regional de Planaltina

39 l Justificativa: A criação deste subprograma se justifica pela necessidade que se verifica pelos pacientes que procuram o PS e também dos internos do HRP em relação a um melhor cuidado no sentido preventivo-promocional em saúde bucal. l Objetivo Geral: Garantir saúde bucal para os pacientes do PS e internos através de ações preventivo-promocionais.

40 l Caracterização: A proposta para que na sala de PS (que deve funcionar diariamente em esquema de plantão), além de urgências e emergências também se realiza tratamento adequador e nas enfermarias (internos) o tratamento adequador seja realizado pelo CD do PS quando em horário ocioso. Além disto colocamos o atendimento destes internos no leito, realizando PC1 (escovação diária e APTF) por auxiliares, alunos de graduação e até mesmo voluntários de Igrejas, coordenados por 1 CD do HRP (PS)

41 l Objetivos Específicos: Adequação do meio bucal nos pacientes do PS que já devem ter recebido noções de higiene e escovação com flúor na SAPP e adequação do meio bucal nos internos e, a parte de noção e higiene e flúor feita nos leitos pelos auxiliares. l Metas: Garantir a 100% dos pacientes do PS e internos ações preventivo-promocionais.

42 l População Alvo-Programática: Toda a que vai ao PS e os internos l Mecanismos de acesso: Livre demanda l Espaço de realização das práticas: Sala do PS e leitos l Natureza das práticas: Ações preventivo-promocionais e adequadoras.

43 l Mecanismos de Referência e Contra-referência: Da SAPP para o PS e das enfermarias (internos) para o PS realizar tratamento adequador. l Rotina de Atenção: Após a passagem pela SAPP o paciente irá ao PS realizar procedimentos de urgência e emergência e tratamento adequador. Quando houver tempo, o CD do PS atenderá os pacientes internos para realizar o tratamento adequador nestes também. Os internos ainda contarão com auxiliares, alunos e voluntários (todos coordenados pelo CD do PS) para realizar PC1 (escovação diária, APTF e distribuição de escovas).

44 l Capacidade instalada: PS - equipo, espelho e pias que já existem é o suficiente para o atendimento. Internos - leitos l Recursos humanos e competência: Auxiliares, voluntários, alunos e CDs do PS l Recursos Materiais: creme dental, flúor, escovas para internos, instrumentais e materiais para tratamento adequador.

45 l Manutenção de equipamentos: Técnico da FHDF para o equipo do PS l Gerência de Informação, controle e avaliação: NNO l Capacitação e treinamento de recursos humanos: CEDRHUS, NNO (CD), CDs da FHDF (Alunos, auxiliares e voluntários)

46 l Instrumentos de programação: PS - 7 dentistas plantonistas (1 por dia da semana) atendendo a demanda livre de urgência e emergência e adequação do meio bucal

47 4 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal nas Escolas Públicas e Privadas Escolas Públicas e Privadas Planaltina - DF

48 l Justificativa: Tratando-se de realização de uma proposta para a Regional de Planaltina onde procura-se cobrir toda a população, as escolas apresentam um espaço importante para realização das práticas preventivas-promocionais. O ambiente escolar propicia ações, já inseridas no cotidiano, de aprendizagem e informação, onde a Saúde Bucal passa a ser mais um ítem para o desenvolvimento de conceitos e criação e manutenção de hábitos. Reforçando assim as práticas realizadas em outros espaços da Regional, como o domicílio.

49 l Objetivo Geral: Realização das atividades do tipo preventivo-promocionais em 100% das escolas da Regional de Planaltina. l Objetivos Específicos: 1 - Cobertura de 100% dos escolares matriculados nas escolas de Planaltina; 2 - Realização de PC1 em 100% das escolas; 3 - Garantir a regularidade (quadrimenstral) da realização dos PC1 em 100% das escolas; 4 - Garantir a distribuição de escovas e pastas a 100% das escolas públicas.

50 l Metas: Realizar PC1 nas escolas da Regional de Planaltina com regularidade quadrimestral com distribuição de pasta e escova de dentes nas escolas públicas.

51 l População-alvo programática: Escolares de 6 a 12 anos, matriculados nas escolas. l Mecanismo de acesso: Estar matriculado nas escolas da Regional. l Espaço de realização das práticas: Na própria escola - Sala de aula, pátio, escovódromo (em algumas escolas), banheiros e em locais onde são realizadas atividades extra-muros. l Natureza das práticas: Preventivo-promocional

52 l Mecanismo de referência e contra-referência: Atividades do tipo Preventivo-Promocionais: UPSC - Escola Atividades Curativas: - Em caso de crianças de 0 a 5 anos : Escola - UPSC - CS nº 3 - Nos demais casos, a criança será atendida de acordo com a programação agendada na UPSC do segmento correspondente. Atividades Emergenciais: Escola - Domicílio - HRP

53 l Rotina de atenção: 1 -Escovação supervisionada diária com a professora ou monitor. 2 - Realização de PC1 (Escovação supervisionada, educação em saúde, distribuição decreme dental e escova e APTF 3 vezes ao ano, quadrimestral) = Escolas Públicas 3 - Realização de PC1 (Escovação supervisionada, educação em saúde e APTF 3 vezes ao ano, qadrimenstral) = Escolas Privadas. 4 - Realização de teatro, estórias infantis, fantoches, filmes. 5 - Reunião com os multiplicadores para discutir cronograma de programação dos PC1s.

54 l Capacidade instalada: Pias, espelhos e escovódromos (algumas) l Recursos Humanos e Competência: Profissionais do PSC, Multiplicadores e profissionais (agentes de saúde) da FHDF/FEDF. Obs: São considerados Multiplicadores: os Professores, Monitores, Diretores, Alunos e Merendeiras.

55 l Recursos Materiais: Material didático disponível para a realização de palestras, aulas (cartazes, folders, exercícios e etc.), construído nas próprias escolas junto a atividades programadas, teatros, realizados pelos alunos, escovas, pasta de dente, fucsina. l Manutenção de equipamentos: FHDF, FEDF l Gerência de informação, controle e avaliação: Secretaria de Educação e de Saúde (CDs e THDs) l Capacitação e treinamento de recursos humanos: Realizado pelos profissionais da UPSC a qual a escola está sob cuidados.

56 l Instrumentos de programação: - Número de escolas presentes em cada segmento das UPSC; - Número de crianças matriculadas em cada escola presente nos seguimentos; - Números de profissionais disponíveis para a realização das atividades e dos PC1s nas escolas; - Número de potenciais multiplicadores presentes nas escolas. l Instrumentos de avaliação e controle: - Número de escolas que realizaram PC1 e sua regularidade; - Nível de envolvimento dos participantes do subprograma; - Número de escolares atendidos nos PC1s;

57 5 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal nas Creches e Mães Crecheiras:

58 6 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal nas Igrejas e Associações:

59 1 - Objetivos: Geral: Propor ações preventivo-promocionais nos coletivos restritos representados pelas igrejas e associações de modo a impactar positivamente na saúde bucal das famílias dos associados e frequentadores destes coletivos.

60 1.2-Específicos: Estimular na população alvo o auto cuidado e a consciência de sua importância na manutenção da saúde bucal Estimular a formação de grupos de voluntários (multiplicadores) para a realização de atividades preventivo-promocionais nestes coletivos Capacitar os grupos de voluntários para as práticas preventivo-promocionais.

61 1.2.4-Realização de PC1 quadrimestral em todos os coletivos restritos Incorporação de uma agenda preventivo- promocional nas rotinas destes coletivos: quermesses, feiras, eventos, etc Segmentação dos grupos de multiplicadores (grupos de jovens, de mães, de idosos), visando uma maior receptividade e comunicabilidade com os diversos segmentos da população alvo Estímulo à formação de grupos para realização de atividades teatrais e lúdicas(brincadeiras, gincanas), com temas de saúde bucal, para maior envolvimento das crianças e adolescentes.

62 Famílias dos associados e frequentadores das igrejas e associações. : 2-População-alvo: 3-Metas: Cobertura de 100% da população-alvo.

63 O acesso se dará pelo comparecimento às igrejas e associações para reuniões,missas,cultos,quermesses,feiras e eventos destes coletivos. : 4-Mecanismos e rotinas de acesso : 5-Natureza das práticas: preventivo-promocional

64 Pátios das igrejas e associações Salas para palestras e reuniões Escovódromos adaptados 6-Espaço de realização das práticas: 7-Mecanismo de referência e contra referência: Não tem

65 : 8-Rotina de atenção : 8.1-Realização semanal de palestras,apresentações de vídeos educativos,teatros e brincadeiras educativas vídeos educativos,teatros e brincadeiras educativas para as crianças com temas preventivo-promocionais. 8.2-nestas atividades deverão ser feitas revelação de placa, escovação supervisionada,auto aplicação de flúor gel na escova para maiores de 6 anos, aplicação de flúor gel com cotonete para menores de 6 anos. 8.3-Controle das pessoas que receberam o flúor para que seja aplicado uma vez ao mês.

66 8.4-Distribuição de creme dental (mensal) e escova dental (trimestral) para as famílias carentes. 8.5-Atividades específicas com cada grupo segmentado (jovens,mães,idosos) 8.6-Os multiplicadores deverão ser distribuidos em grupos para aumentar a adesão, envolvimento e intercâmbio de informações. 8.7-A equipe odontológica do PSC deverá realizar nas instituições mensalmente uma verificação de índice de placa na população- alvo para verificar o impacto do programa no auto cuidado desta população.

67 9-Capacidade instalada: Cada instituição deverá contar com: l 1 Vídeo cassete l 1 Televisão l Sala para palestra l Escovódromo adaptado

68 l Equipe de odontologia do PSC: Fará o treinamento e reciclagem dos multiplicadores. l Multiplicadores: Farão as atividades preventivo- promocionais. 10-Recursos humanos e competências: 11-Recursos materiais: l Flúor l Fucsina l Escovas l Creme dental l Fitas de vídeo educativas

69 l Número de grupos de multiplicadores. l Nível de envolvimento da população-alvo e dos multiplicadores. l Número de palestras e outras atividades preventivo- promocionais realizadas.Parâmetro:Uma vez por semana para cada grupo,sendo desejável o aumento gradativo do número de atividades de acordo com a disponibilidade e envolvimento do grupo. l Regularidade de entrega de creme dental. Parâmetro: mensal. l Regularidade de entrega de escova às famílias carentes. Parâmetro:trimestral. : 12- Instrumentos de programação :

70 l Número de reuniões de capacitação por mês. Parâmetro: Uma por mês. 13- Sistema e instrumentos de controle e avaliação: O controle e avaliação será feito pelo cd da equipe do PSC da região onde se encontrar a instituição.Os instrumentos de controle serão a análise dos dados coletados em cada instituição, visitas para checar o andamento do programa e verificação do impacto do programa sobre as condições de auto cuidado em saúde bucal da população, aferidas pelo exame de índice de placa a ser realizado nesta população.

71 l Em cada instituição deverá ficar a cargo de um dos multiplicadores a coleta dos dados e repasse dos mesmos para a unidade do PSC. l Deverá ser preenchido mensalmente um formulário que deve conter: Número de palestras e atividades preventivo- promocionais realizadas,número de participantes destas atividades, número de grupos de multiplicadores, número de escovas e tubos de pasta dental entregues. : 14-Sistema e instrumentos de informação :

72 Deverá ser confeccionada uma cartilha do multiplicador para consulta na realização de suas atividades.

73 . A manutenção das tvs e vídeos deve ficar a cargo de cada instituição. 15-Manutenção de equipamentos 16-Capacitação e treinamento de recursos humanos: A A capacitação e treinamento dos multiplicadores deverá ser feita pela equipe de odontologia do PSC, podendo ser potencializada pela cooperação técnica da UnB, através do curso de especialização em Odontologia em saúde coletiva e dos alunos de graduação em Odontologia.

74 7 - Subprograma de Atenção Preventivo- Promocional em Saúde Bucal de Vigilância Comunitária da Fluoretação e Potabilidade das Águas de Abastecimento Público: Planaltina - DF

75 l Justificativa: Em Planaltina 96% dos domicílios possuem água encanada. Frente a este quadro, e sabendo da importância da questão da potabilidade e fluoretação das águas de abastecimento público, torna-se fundamental o controle de tais ações para que não haja interrupção no processo. Estando o DF de uma forma geral, com qualidade e regularidade nestas ações, a proposta a seguir procura manter a situação atual e estruturar garantias para a perpetuação deste estado.

76 l Objetivo Geral: Gerar um movimento de comunicação social que atinja e envolva o cidadão usuário, conferindo às questões da fluoretação e potabilidade das águas, o status de objeto de politização na Esfera Pública. l Objetivos Específicos: - Aumento do conhecimento e envolvimento da questão, gerando aumento na importânci e prioridade públicas na mesma; - Mobilização de esforços para manutenção dos acertos da CAESB.

77 l Metas: - Aperfeiçoar e manter o processo de qualificação da fluoretação e da potabilidade das águas; - Trazer esta questão para a esfera do Sistema Único de Saúde e não só como questão do Sistema de Abastecimento; - Trazer a problemática da potabilidade das águas e da fluoretação para o dia a dia dos serviços possíveis de serem estruturados na rede e dos cidadãos-usuários.

78 l População-alvo programática: - Toda a população de Planaltina com água encanada l Mecanismo de acesso: - Ser residente ou trabalhador na Regional de Planaltina l Espaço de realização das práticas: - Domicílio que possua água encanada; - Escolas, Creches, Igrejas, Associações - UPSC, CS, HRP l Natureza das práticas: Preventivo-promocional

79 l Mecanismo de referência e contra-referência: Conselho UPSC CS Coordenação Regional NNO CAESB usuário

80 l Rotina de atenção: Ao nível LOCAL: Os trabalhadores em saúde bucal presentes na Regional (CD, auxiliares e outros), devem ser os responsáveis pela articulação e desenvolvimento de tais ações pois a participação dos mesmos, aumenta a legitimidade do reconhecimento técnico sobre a conduta do processo. Para isto, ao nível local deve ser observado e estruturado os seguintes pontos:

81 l Rotina de atenção (conti): 1 - Cabe aos trabalhadores em Saúde Bucal, organizar a operação regular dos processos de coleta de água para exames laboratoriais que mensurem os teores de flúor e a potabilidade das águas; 2 - Definição dos pontos de coleta, através da identificação de cidadãos-usários ou não, com características de comprometimento e envolvimento social: líderes comunitários, representantes de associações, diretoras de escolas, alunos das escolas (junto ao trabalho em sáude bucal realizado nas escolas), grupos de terceira idade, etc. 3 - Capacitar e treinar estes indivíduos para a coleta da água;

82 l Rotina de atenção (conti): 4 - Definir a rotina para as coletas: regularidade, número de pontos de coleta e frequência de recolhimento das amostras; 5 - Enviar as amostras para avaliação junto à Vigilância Sanitária do DF; 6 - Elaborar formas de divulgação dos resultados junto à população organizada e a população usuária dos serviços; 7 - Possibilitar a estes últimos que divulguem os resultados dentro da própria comunidade.

83 l Rotina de atenção: Ao nível CENTRAL: Cabe ao NNO por sua vez, divulgar os resultados junto ao: Setor de Comunicação Social da Secretaria de Saúde e Regionais; Conselho de Saúde do DF; Conselhos Gestores; Coordenadores das Regionais; Trabalhadores de Saúde; UNB; Sociedade Civil. Cabe ao Setor de Comunicação Social da Secretaria, divulgar os resultados juntos aos mídias(TV, rádio, imprensa escrita e falada de uma forma geral).

84 l Capacidade instalada: Diversos pontos de coleta de água de abastecimento público l Recursos Humanos e Competência: Profissionais do PSC, CS e HRP - coordenar as ações a serem desenvolvidas e entrar em contato com o nível central para a divulgação dos resultados. Cidadãos-usuários, líderes comunitários e demais moradores da regional - realizar a coleta da água e divulgar os resultados ao nível local.

85 l Recursos Materiais: Frascos de plástico para coleta l Manutenção de equipamentos: FHDF l Gerência de informação, controle e avaliação: Secretaria de Saúde do DF e NNO. l Capacitação e treinamento de recursos humanos: Profissionais da UPSC, CS e HRP

86 l Instrumentos de programação: Número de pontos de coleta de água; número de indivíduos participantes na coleta; locais e vias para a divulgação dos resultados analisados. l Instrumentos de avaliação e controle: Aumento da participação dos usuários nas discussões referentes a fluoretação e potabilidade das águas.

87 FÉRIAAAAAAAAASSSSSSS!! Praia de Porto de Galinhas Praia de Boa Viagem

88 FÉRIAAAAAAAAASSSSSSS!! Cabo de Sto Agostinho - PE Cesars Park Resort

89 FÉRIAAAAAAAAASSSSSSS!! Praia de Toquinho - PE

90 Alunos : l Benjamin B. Costa Neto l Cristiano Oliveira de Melo l Giselle Silva Calado l Jane Cristina Trade Santos de Barros l Luiz Guilherme Loivos de Azevedo Fim... Universidade de Brasília


Carregar ppt "Avaliação em Saúde Bucal Coletiva VI Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletiva Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google