A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

4. Fundamentos das WANs Camada 1 OSI para WANs Ponto-a-Ponto Explica o cabeamento físico e os dispositivos usados para se criar as partes do cliente em.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "4. Fundamentos das WANs Camada 1 OSI para WANs Ponto-a-Ponto Explica o cabeamento físico e os dispositivos usados para se criar as partes do cliente em."— Transcrição da apresentação:

1 4. Fundamentos das WANs Camada 1 OSI para WANs Ponto-a-Ponto Explica o cabeamento físico e os dispositivos usados para se criar as partes do cliente em um circuito alugado. Camada 1 OSI para WANs Ponto-a-Ponto Introduz os protocolos da camada data link em linhas alugadas ponto- a-ponto, isto é, o HDLC e o PP. Serviços de Frame Relay e de Comutação de Pacotes Explica o conceito de serviço de comutação de pacotes WAN dando-se uma atenção especial ao Frame Relay. 1

2 1.Fundamentos das WANs Os protocolos WANs mais populares da camada de enlace, camada de data link são: o Controle de Data Link de Alto-Nível (High-Level Data Link Control, ou HDLC), O protocolo Ponto-a-Ponto (Point-to-Point Protocol, ou PPP) e o Frame Relay. Diferentemente das LANs, que foram padrões e protocolos projetados para constituir uma rede entre dispositivos que estejam perto um dos outros, as WANs são justamente o contrário, utilizam padrões e protocolos que possibilitam constituir uma rede entre dispositivos remotos (distantes) uns dos outros. 2

3 Camada OSI 1 para WANs Ponto-a-Ponto (parte1) Os Modelos de Rede TCP/IP e OSI, que a camada OSI 1 trata do envio dos bits e as camadas superiores encapsulam seus dados para que este sejam enviados. Um link WAN ponto-a-ponto tem o objetivo de estabelece uma conexão em redes que estejam significativamente distantes (remotas). A grande distinção entre LANs e WANs refere-se a que distâncias os dispositivos podem estar entre si e ainda serem capazes de receber e transmitir dados. Ou seja, uma LAN deixa de existir quando não é mais possível atingir um determinado ponto. Se você precisar atingir distâncias maiores será necessário mudar para outro conjunto de padrões. 3

4 Camada OSI 1 para WANs Ponto-a-Ponto (parte1) Importante Quando se expande a rede para fora do prédio, você não tem mais o direito de utilizar o solo, ou postes para passar cabos. Esses recursos são explorados pelas concessionárias. O meio de transmissão, o cabo ou a linha, não pertencem à empresa que utiliza o serviço, por isso dizem que é uma linha alugada (leased line). Para estabelecer conectividade entre dois sites remotos é necessário que o provedor de serviço forneça um par de transmissão e um par de recepção em cada extremidade. Mas não pense que é cabo um único que vai de uma extremidade a outra. Veremos adiante a terminologia utilizada pelos provedores de serviços e como basicamente são fornecidos esses serviços. 4

5 Conexões de WAN na Perspectiva do Cliente Um link WAN serve para interligar redes LANs, afinal de contas, os serviços que utilizamos sempre estarão em uma LAN em algum lugar. Logo uma rede WAN é o tronco de uma rede LAN. No caso da figura abaixo, um tronco Ethernet. 5

6 Demarc: É a limitação entre a responsabilidade do cliente e da empresa. 6

7 Padrões de Cabeamento WAN A Cisco possui muitos tipos de conectores devido ao grande número de placas de interface WAN para seus roteadores, incluído as síncronas e *assíncronas. Muitos deles são conectores proprietários tais como o D-shell. * Em telecomunicações, a comunicação assíncrona é a transmissão de dados sem recorrer à utilização de um sinal de síncrona, chamado de relógio). Desta forma, a informação necessária para recuperar os dados enviados na comunicação está codificada dentro dos próprios dados. Um dos aspectos mais significativos das comunicações assíncronas é a sua taxa de transferência (ou bit rate) ser variável e o fato do transmissor e receptor não terem que estar sincronizados. 7

8 Taxas de Clock, Sincronizaão, DCE e DTE A taxa de clock: velocidade da linha alugada.Outro nome utilizado é largura de banda ou ainda velocidade do link. Mas por que isso é importante? Porque tem termos que são utilizados de acordo com o conceito de quem fornece e de quem recebe o clock. O CSU/DSU é considerado como Equipamento de Comunicações de Dados (Data Commnications Equipment,ou DCE). E o dispositivo que recebe o clocking, geralmente o roteador, é chamado de Equipamento de Terminal de Dados (Data Terminal Equipment,ou DTE). 8

9 Velocidades de Link Oferecidas pelas Telefônicas Nome(s) da LinhaTaxa de bits DS064kbps DS1 ou T11,544Mbps ou 24 DS0s mais 8kbps de overhead DS3 OU T344,736Mbps ou 28 DS1s + overhead de gerenciamento E12,048Mbps ou 32 DS0s E334,064 ou 16 E1 + overhead de gerenciamento J1 ou Y12,048Mbps ou 32 DS0s:padrão japonês 9

10 Protocolos de Camada 2 – OSI para WANs Ponto-a-Ponto 10 HDLC Determina se os dados passaram pelo link sem erros, o HDLC descarta o frame caso tenha ocorrido erros. O cabeçalho HDLC inclui um campo Endereço e um campo Tipo do Protocolo, com o rodapé contendo um campo de sequência de verificação de frame (FCS).

11 Resumo das Wans Ponto-a-Ponto Síncrono: ordenação temporal em fluxo de bits. Um dispositivo tenta usar a mesma velocidade que um outro dispositivo do outro lado. Clock source: O dispositivo em relação ao qual os outros dispositivos do link ajustam suas velocidades quando se usa links síncronos. CSU/DSU: Unidade de Serviço de Canal ou Unidade de Serviço de Dados. Geralmente os roteadores usam um cabo curto de uma interface serial até um CSU/DSU, que é conectado à linha da telefônica com uma configuração semelhante no roteador do outro lado do link. 11

12 Serviços de Frame Relay e de Comutação de Pacotes São serviços utilizados pelas operadoras diferente das linhas alugadas, neste existe uma conectividade WAN física, semelhante a uma linha alugada. Entretanto, a companhia pode conectar um grande número de roteadores ao serviço de comutação de pacotes. Os benefícios de Escalabilidade da Comutação de Pacotes: Quando utilizado WANs ponto-a-ponto para se conectar um par de roteadores em múltiplas localidades remotas. 12

13 Fundamentos de Frame Relay São redes multiacesso Instala-se uma linha alugada entre cada roteador e um switch Frame Relay próximo Esses links são chamados de link de acesso Os links de acesso rodam á mesma velocidade e usam os mesmos padrões de sinalização que as linhas alugadas. 13

14 Definições de Termos-Chave Link de acesso, link back-to-back, clocking, DTE (de Camada 1), CSU/DSU, DCE ( de Camada 1), DS0, DS1, Frame Relay, HDLC, linha alugada, comutação de pacotes, PPP, cabo serial, síncrono, T1, circuito virtual. 14


Carregar ppt "4. Fundamentos das WANs Camada 1 OSI para WANs Ponto-a-Ponto Explica o cabeamento físico e os dispositivos usados para se criar as partes do cliente em."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google