A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EXERCÍCIOS – BRASIL COLONIAL – prof. Emerson Ciclo do Açúcar 1 - O setor dominante da sociedade que se organizou no Nordeste açucareiro, durante o período.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EXERCÍCIOS – BRASIL COLONIAL – prof. Emerson Ciclo do Açúcar 1 - O setor dominante da sociedade que se organizou no Nordeste açucareiro, durante o período."— Transcrição da apresentação:

1 EXERCÍCIOS – BRASIL COLONIAL – prof. Emerson Ciclo do Açúcar 1 - O setor dominante da sociedade que se organizou no Nordeste açucareiro, durante o período colonial, caracterizou-se: a) pelo desenvolvimento da pequena propriedade familiar, utilização da força de trabalho escrava e regime patriarcal. b) pela organização de grandes propriedades, desenvolvimento do trabalho livre e assalariado e regime patriarcal. c) pelo desenvolvimento da pequena propriedade familiar, utilização da mão-de- obra livre e assalariada do imigrante europeu e relações familiares liberais. d) pela organização da grande propriedade territorial, utilização da força de trabalho escrava e regime patriarcal. e) pelo desenvolvimento e posse da propriedade territorial média, utilização da mão-de-obra servil à semelhança do sistema feudal e regime matriarcal.

2 2 - A produção de açúcar, no Brasil colonial: a) possibilitou o povoamento e a ocupação de todo o território nacional, enriquecendo grande parte da população. b) praticada por grandes, médios e pequenos lavradores, permitiu a formação de uma sólida classe média rural. c) consolidou no nordeste uma economia baseada no latifúndio monocultor e escravocrata que atendia aos interesses do sistema colonial português. d) desde o início garantiu o enriquecimento da região sul do país e foi a base econômica de sua hegemonia política na República. e) não exigindo muitos braços, desencorajou a importação de escravos, liberando capitais para atividades mais lucrativas.

3 3 - À medida que a empresa açucareira se expandia no Brasil, fez-se opção pela mão- de-obra escrava de origem africana, em substituição ao trabalho indígena. Esta opção pode ser explicada, porque: a) O uso de escravos africanos alimenta o tráfico negreiro, tornando-o um dos mais lucrativos setores do comércio colonial. b) Os indígenas eram selvagens e lutavam contra a escravidão, enquanto os negros eram dóceis e submissos. c) Os indígenas eram frágeis fisicamente e adoeciam com facilidade, já os negros tinham uma constituição física forte, propícia ao trabalho braçal. d) Os negros dominavam as técnicas do cultivo da cana, enquanto os indígenas não conheciam a agricultura, portanto, seu trabalho não era produtivo. e) Os africanos resistiram ao escravismo através dos quilombos e das revoltas, mas foram mantidos na agricultura, porque os índios desconheciam essa atividade.

4 4 - As leis portuguesas do século XVI são dúbias com relação aos indígenas, proíbem a escravização do indígena, mas ao mesmo tempo abrem essa possibilidade em caso de guerra justa. Para os portugueses guerra justa significava: a) A utilização da força para que esses povos pudessem participar do reino dos céus. b) Aquela no qual o indígena tomava a iniciativa de agressão contra o branco. c) O aprisionamento devido à necessidade vital de mão-de-obra. d) A ação missionária do jesuíta para ensinar os valores da sociedade branca. e) O uso da violência na formação dos aldeamentos, evitando a ação dos jesuítas.

5 1 - A Inconfidência Mineira, no plano das idéias, foi inspirada: a) nas reivindicações das camadas menos favorecidas da colônia. b) no pensamento liberal dos filósofos europeus iluministas. c) nos princípios do socialismo utópico de Saint-Simon. d) nas idéias absolutistas defendidas pelos pensadores iluministas. e) nas idéias políticas desenvolvidas pelos comerciantes do Rio de Janeiro. Revoltas do Período Colonial 2 - Quando se analisa a Inconfidência Mineira é correto afirmar que: a) recebeu influências do positivismo, introduzido em Minas Gerais por uma burguesia intelectual e alimentado por uma crise econômica. b) revelou nuances de rebeldia contra os rigores da política fiscal metropolitana sobre a Capitania das Minas executada pela Casa de Contratação. c)apresentou caráter nativista, ideologicamente alimentado pelos princípios mercantilistas, difundidos pela maçonaria. d) visava a independência de Minas Gerais e do Rio de Janeiro e pretendia concretizar-se quando da cobrança dos impostos atrasados (Derrama). e) apresentou caráter separatista, visava a independência da Colônia, mantendo a monarquia e a capital no Rio de Janeiro.

6 3 - A respeito da Inconfidência Mineira, é correto concluir que: a) constituiu-se em uma conspiração que foi interrompida antes de começar. b) visava, entre outras medidas, ao estabelecimento de um governo monárquico independente, criação de indústrias e supressão da escravidão. c) participaram do movimento, principalmente, elementos dos segmentos médios e baixos da população. d) chegou à fase da revolta armada envolvendo pessoas de diferentes segmentos sociais, em torno da figura de Tiradentes. e) foi um movimento revolucionário genuinamente autóctone. 4 - A crise do sistema colonial gerou uma série de rebeliões, que refletiam as contradições internas e a ruptura de interesses entre metrópole e colônia. Neste quadro está inserida a célebre Revolta dos Alfaiates ou Inconfidência Baiana, cujo traço marcante foi: a) a ausência de ligações com o movimento maçônico, responsável por quase todas as revoltas do período. b) o combate às ideias da Revolução Francesa, defendidas nos meios intelectuais da colônia. c) o caráter eminentemente popular do movimento e suas reivindicações, desencadeando uma violenta repressão da metrópole contra os líderes populares. d) ter apenas combatido a política mercantilista da metrópole, sem contudo pensar em separação política. e) a apurada organização do movimento, que justificou sua vitória sobre as tropas coloniais.

7 5 - Durante quase 2 séculos havia considerável identidade de interesses entre o desempenho da elite colonial e a política da metrópole. Cabia aos senhores rurais desbravar o território brasileiro e desenvolver a economia da Colônia. Com o tempo, entretanto, os conflitos entre Metrópole e Colônia foram crescendo, alimentados por uma contradição inevitável. O resultado foi a explosão de revoltas, algumas sem objetivo separatista, outras com objetivo separatista: Constitui revolta separatista: a) Guerra dos Emboabas. b) Guerra dos Mascates. c) Revolta de Vila Rica. d) Conjuração Baiana. e) Revolta de Beckman. 6 - A Guerra dos Mascates opôs, como inimigos, em Olinda e Recife, respectivamente: a) comerciantes e senhores-de-engenho. b) pecuaristas e senhores de engenho. c) comerciantes e senhores-de-engenho. d) senhores-de-engenho e comerciantes. e) senhores-de-engenho e pecuaristas.

8 7 - A Guerra dos Mascates (1710) exprime: a) um movimento coordenado em busca de independência. b) um sentimento de animosidade contra os holandeses invasores. c) a insatisfação com a política do Marquês do pombal. d) o interesse da burguesia agrária em alcançar os cargos dos Conselheiros Municipais. e) o declínio das lavouras canavieiras.

9 9- Responder à questão relacionando o nome dos movimentos sociais apresentados na coluna A com suas respectivas características, na coluna B. Coluna A (1) Revolta de Beckman (2) Guerra dos Emboabas (3) Guerra dos Mascates (4) Rebelião de Felipe dos santos Coluna B ( ) Luta dos comerciantes para elevar Recife à categoria de vila, em oposição aos produtores de açúcar de Olinda. ( ) Movimento em oposição às casas de Fundição, que haviam aumentado a exploração da Coroa sobre os mineiros. ( ) Combate ao monopólio e aos altos preços praticados pela Companhia do Comércio do Maranhão, e também aos jesuítas, que queriam impedir os grandes proprietários de escravizar indígenas. ( ) Luta entre paulistas e forasteiros pelo domínio da região das Minas Gerais. A numeração correta dos parênteses, de cima para baixo, é: a) 1 – 3 – 4 – 2 b) 1 – 2 – 4 – 3 c) 2 – 4 – 3 – 1 d) 3 – 4 – 1 – 2 e) 4 – 1 – 3 – 2

10 1 - O movimento das Bandeiras e a criação extensiva de gado, no período colonial, contribuíram para: a) declínio da exploração de metais preciosos. b) desenvolvimento da cana-de-açúcar. c) ampliação territorial do Brasil. d) manutenção do Tratado de Tordesilhas. e) fixação do homem no litoral brasileiro. Expansão territorial brasileira – Tratados – Entradas e Bandeiras 2- As expedições chamadas de Entradas e Bandeiras tinham como objetivo a procura de riquezas minerais e/ou a caça ao índio, para escraviza-lo e vende-lo no litoral. O papel das Entradas e Bandeiras pode ser assim resumido: a) Determinam a ocupação efetiva do interior do Brasil e deram ao nosso país sua atual configuração geográfica. b) Contribuíram para a implantação de uma nova política colonizadora, aproximando índios e colonos. c) Iniciaram aproveitamento verdadeiro das terras agrícolas do oeste mudando a situação econômica da Colônia. d) Por razões políticas e econômicas, contribuíram para a mudança da capital do Vice-Reino, do Rio de Janeiro para a Bahia. e) Respeitaram o Meridiano de Tordesilhas, evitando, assim, conflitos armados entre portugueses e espanhóis.

11 1 - Acerca das atividades econômicas desenvolvidas no Brasil durante o período colonial, assinale a alternativa correta. A - A atividade açucareira estava restrita à região nordeste da Colônia. B - A descoberta de ouro na região das Minas Gerais dinamizou o mercado com sua demanda por produtos manufaturados. C - O tabaco, produzido principalmente na região sul da colônia, era utilizado na troca por escravos africanos. D - Apesar das restrições régias, a colônia exportou produtos manufaturados para a Europa. E - A pecuária tornou-se, já nos séculos XVI e XVII, a atividade econômica mais rentável na colônia. Ciclo do ouro

12 2 - No final do século XVII, confirmaram-se os rumores da existência de ouro no interior do país, nas chamadas Minas Gerais, no sertão do rio das Velhas, onde surgiu Vila Rica, hoje Ouro Preto. Uma das consequências da exploração aurífera durante a colonização foi: A - o Rio de Janeiro tornar-se um importante centro comercial, sendo seu porto o mais próximo da região e abastecedor de gêneros alimentícios. B - o êxodo de milhares de brasileiros que foram expulsos da região aurífera, sendo obrigados a migrar para o norte do país. C - uma ruralização da região, que foi obrigada a cultivar seus próprios gêneros alimentícios para abastecer a população crescente. D - um aumento da riqueza entre os habitantes nascidos no Brasil, pois parte considerável do ouro ficava entre os brasileiros. E - a passagem de Salvador à capital da colônia, pois a cidade se tornou o centro político e comercial devido à descoberta do ouro mineiro.

13 3 - No Brasil, a economia da mineração, durante o Período Colonial, apresentou potencialidades bem maiores do que a açucareira, embora sua área de abrangência tenha sido menor. Acerca desse tema, todas as alternativas estão corretas, exceto: A - Ao longo das rotas das tropas de gado destinadas às áreas de mineração, surgiram inúmeras vilas, que propiciaram o povoamento do interior do Brasil. B - A mineração desenvolveu um mercado interno de bens e serviços devido as distâncias entre a área mineradora e os portos litorâneos. C - Uma incipiente urbanização, a abertura de inúmeros caminhos no interior do Brasil, a vinda de artesãos com conhecimentos técnicos, são fatores que promoveram, também, o desenvolvimento da área mineradora. D - A mineração promoveu um grupo quase aristocrático, uma elite formada pelas ideias do iluminismo europeu que tentou buscar a ruptura do Pacto Colonial e a independência do Brasil. E - Em decorrência dos capitais gerados pela mineração, logo se desenvolveram inúmeras manufaturas, principalmente de tecidos de algodão, em áreas periféricas de São Paulo e Minas Gerais.

14 4 - Sobre a mineração no Brasil colonial, assinale a alternativa incorreta: A - Coube principalmente aos habitantes do planalto paulista e moradores da Vila de São Paulo a descoberta dos veios auríferos existentes na região das Minas Gerais em fins do século XVII. B - A Coroa portuguesa procurou controlar o contrabando de ouro e criou uma série de impostos como o quinto e a capitação. C - O instrumento fundamental da política de administração da região das Minas foi a criação de vilas: Vila do Ribeirão do Carmo, Vila Rica do Ouro Preto, Vila de Nossa Senhora da Conceição do Sabará, Vila de São João Del Rei e Vila Nova da Rainha de Caeté, entre outras. D - A mineração propiciou a artesãos e artistas um amplo mercado de trabalho. Ourives, douradores, entalhadores e escultores eram procurados para embelezar os exteriores e interiores de igrejas mineiras. Ao mesmo tempo, compositores, cantores e instrumentistas eram requisitados para os trabalhos religiosos das irmandades. E - Uma vez que a autoridade da Coroa logo se impôs no território das Minas, não houve conflitos ou confrontos armados na região, na qual imperou até o fim do ciclo da mineração a paz entre os exploradores dos veios auríferos.

15 5 - Foram conseqüências da mineração,exceto: a) o surgimento de um mercado interno; b) a urbanização; c) a melhoria do nível cultural; d) a decadência da atividade açucareira; e) a maior fiscalização da Coroa sobre a colônia. 6 - No século XVII, contribuíram para a penetração do interior brasileiro: a) o apresamento de indígenas e a procura de riquezas minerais; b) o desenvolvimento da cultura de cana-de-açúcar e a cultura de algodão; c) a necessidade de defesa e o combate aos franceses; d) o fim do domínio espanhol e a restauração da monarquia portuguesa; e) a Guerra dos Emboabas e a transferência da capital da colônia para o Rio de Janeiro.


Carregar ppt "EXERCÍCIOS – BRASIL COLONIAL – prof. Emerson Ciclo do Açúcar 1 - O setor dominante da sociedade que se organizou no Nordeste açucareiro, durante o período."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google