A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PRÁTICAS INTEGRATIVAS COMPLEMENTARESNO SUS. Contexto -A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS foi publicada na forma das.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PRÁTICAS INTEGRATIVAS COMPLEMENTARESNO SUS. Contexto -A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS foi publicada na forma das."— Transcrição da apresentação:

1 PRÁTICAS INTEGRATIVAS COMPLEMENTARESNO SUS

2 Contexto -A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS foi publicada na forma das Portarias Ministeriais nº 971 em 03 de maio de 2006, e nº 1.600, de 17 de julho de O campo da PNPIC contempla sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos, os quais são também denominados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de medicina tradicional e complementar/alternativa (MT/MCA).

3 A PNIPIC contribui para o fortalecimento dos princípios fundamentais do SUS: -Atua nos campos da prevenção de agravos e da promoção, manutenção e recuperação; -Baseia-se no modelo de atenção humanizada e centrada na integralidade do indivíduo. A PNPIC no SUS = abertura de possibilidades de acesso a serviços antes restritos a prática de cunho privado. Contexto

4 Propósito das Práticas Integrativas Complementares a Saúde no SUS Estímulo aos mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde; Ênfase na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade; Visão ampliada do processo saúde-doença e promoção global do cuidado humano, especialmente do autocuidado.

5 Objetivos da Política de Práticas Integrativas Complementares no SUS Estimular as ações referentes ao controle/participação social, promovendo o envolvimento responsável e continuado dos usuários, gestores e trabalhadores da saúde. Promover a racionalização das ações de saúde, estimulando alternativas inovadoras e socialmente contributivas ao desenvolvimento sustentável. Contribuir ao aumento da resolubilidade do Sistema e ampliação do acesso à PNPIC. Contribuir ao aumento da resolubilidade do Sistema e ampliação do acesso à PNPIC Objetivos

6 Medicina Tradicional Chinesa Acupuntura Homeopatia Fitoterapia Medicina Antroposófica Termalismo-Crenoterapia

7 S istema médico integral, originado há milhares de anos na China. Linguagem que retrata as leis da natureza e que valoriza a inter relação harmônica entre as partes visando a integridade. Fundamentos: 1. teoria do Yin-Yang: divisão do mundo em duas forças ou princípios fundamentais; fenômenos em opostos complementares. - Objetivo : obter meios de equilibrar essa dualidade. 2. Teoria dos cinco movimentos que atribui a todas as coisas e fenômenos, uma das cinco energias (madeira, fogo, terra, metal, água). Medicina Tradicional Chinesa – Acupuntura

8 Elementos utilizados: - anamnese, palpação do pulso, observação da face e língua em suas várias modalidades de tratamento (Acupuntura, plantas medicinais, dietoterapia, práticas corporais e mentais). A acupuntura compreende: - procedimentos que permitem o estímulo preciso de locais anatômicos definidos por meio da inserção de agulhas filiformes metálicas. Medicina Tradicional Chinesa – Acupuntura

9 Inclui também: 1) PRÁTICAS CORPORAIS 2) PRÁTICAS MENTAIS (MEDITAÇÃO); 3) ORIENTAÇÃO ALIMENTAR; 4) USO DE PLANTAS MEDICINAIS (FITOTERAPIA TRADICIONAL CHINESA) Inclui também: 1) PRÁTICAS CORPORAIS 2) PRÁTICAS MENTAIS (MEDITAÇÃO); 3) ORIENTAÇÃO ALIMENTAR; 4) USO DE PLANTAS MEDICINAIS (FITOTERAPIA TRADICIONAL CHINESA) Medicina Tradicional Chinesa

10 lian gong chi gongtuina tai-chi- chuan Medicina Tradicional Chinesa Práticas Corporais

11 Definição: -sistema médico complexo de caráter holístico -baseada no princípio vitalista -Baseado no uso da lei dos semelhantes enunciada por Hipócrates no século IV a.C. Para homeopatia o adoecimento é a expressão da ruptura da harmonia das dimensões do ser humano que são as dimensões física, psicológica, social e cultural. Homeopatia

12 Homeopatia – modelo de atenção centrado na saúde estratégia para a construção de um modelo de atenção centrado na saúde Recoloca o sujeito, em todas as suas dimensões, no centro do paradigma da atenção Fortalece a relação médico-paciente, promove a humanização na atenção, estimula o autocuidado e a autonomia do indivíduo. Atua em diversas situações do adoecimento reduzindo a demanda por intervenções e emergências, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida. Contribui para o uso racional de medicamentos, podendo reduzir a fármaco- dependência.

13 Definição: -"terapêutica caracterizada pelo uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda que de origem vegetal". O uso de plantas medicinais na arte de curar é uma forma de tratamento de origem muito antiga, relacionada aos primórdios da medicina e fundamentada no acúmulo de informações por sucessivas gerações. Plantas Medicinais e Fitoterapia

14 Definição - compreende as diferentes maneiras de utilização da água mineral e sua aplicação em tratamentos de saúde. - Finalidade terapêutica de atuar de modo complementar aos demais tratamentos de saúde. O uso das Águas Minerais para tratamento de saúde é um procedimento dos mais antigos, utilizado desde a época do Império Grego. Termalismo – Crenoterapia

15 Definição -Abordagem médico-terapêutica complementar, de base vitalista; -modelo de atenção organizado de maneira transdisciplinar, buscando a integralidade do cuidado em saúde. -recursos da MA como instrumentos para ampliação da clínica Recursos: -Medicamentos baseados na homeopatia, fitoterapia e outros específicos da MA. -Trabalho médico integrado a atuação de outros profissionais, de acordo com as especificidades de cada categoria. Medicina Antroposófica

16 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília : Ministério da Saúde, p. Disponível em: Politica_Nacional_de_Praticas_Integrativas_e_Complementares_ SUS.pdf Politica_Nacional_de_Praticas_Integrativas_e_Complementares_ SUS.pdf Referência

17 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, disponível em: _CAP_31.pdf Leitura Recomendada


Carregar ppt "PRÁTICAS INTEGRATIVAS COMPLEMENTARESNO SUS. Contexto -A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS foi publicada na forma das."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google