A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RENAP- : objectivos Epidemiologia Critérios de diagnóstico Classificação clínica e respectiva fundamentação Estratificação de risco e prognóstico Caracterização.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RENAP- : objectivos Epidemiologia Critérios de diagnóstico Classificação clínica e respectiva fundamentação Estratificação de risco e prognóstico Caracterização."— Transcrição da apresentação:

1

2 RENAP- : objectivos Epidemiologia Critérios de diagnóstico Classificação clínica e respectiva fundamentação Estratificação de risco e prognóstico Caracterização clínica Co-morbilidades Meios complementares de diagnóstico Microbiologia: exames microbiológicos efectuados agentes etiológicos isolados

3 Complicações Antibioterapia Alteração de ATB; causas Door to Needle: admissão – diagnóstico -início ATB Tempo de internamento Mortalidade RENAP- : objectivos -2

4 Direcção SPMI Núcleo de Coordenação nacional Centro de investigação Investigador Principal Centro de investigação Investigador Principal Centro de investigação Investigador Principal Centro de investigação Investigador Principal Centro de investigação Investigador Principal Núcleo de peritos Acessorias Técnicas Coordenador Nacional RENAP- : organigrama

5 Coordenador Nacional - funções 1.Assegurar a qualidade científica do RENAP-SMI; 2.Colaborar com o Presidente da SPMI; 3.Indigitar dois Investigadores Principais para constituir ao Núcleo de Coordenação Nacional do RENAP-SMI 4.Constituir o Núcleo de Peritos

6 Investigador Principal -funções 1.Certificar-se do cumprimento do regulamento do Registo; 2.Disponibilizar o acesso à base de dados aos seus colaboradores 3.Dinamizar a utilização da informação produzido no respectivo Centro de Investigação 4.Solicitar e obter autorização escrita de cada doente para inclusão dos seus dados no RENAP-SMI

7 Núcleo de Coordenação Nacional – funções (1) 1.Diligenciar o registo da RENAP-SMI na CNPD; 2.Disponibilizar modelo de consentimento informado; 3.Obter os pareceres solicitadas pela Direcção da SPMI; 4.Acompanhar regularmente a evolução do registo; 5.Solicitar pareceres científicos ao Núcleo de Peritos; 6.Resolver os problemas e dificuldades na utilização da base de dados; 7.Analisar a informação recolhida na sua globalidade; 8.Promover a investigação clínica com base nos dados recolhidos

8 Núcleo de Coordenação Nacional – funções (2) 9.Promover a colaboração com outras Sociedades Científicas ou Grupos de Estudo de Pneumonias 10.Divulgar dados nacionais de acordo com a Direcção da SPMI; 11.Dar resposta às solicitações formuladas à Direcção da SPMI; 12.Decidir da autoria dos trabalhos de investigação clínica de âmbito nacional a apresentar ou a publicar

9 Núcleo de Peritos Três elementos Indicados pelo Coordenador Nacional Parecer favorável da Direcção da SPMI Médicos, que poderão não ser Internistas com reconhecida experiência e trabalho no âmbito das pneumonias Funções de consultadoria sempre que solicitadas pelo Núcleo de Coordenação Nacional.

10 Acesso à informação - I A SPMI : deterá a propriedade da globalidade dos dados nacionais reunidos a partir dos Centros de Investigação e de todos os resultados que vierem a ser obtidos a partir da sua análise global. em caso algum poderão utilizar individualmente a informação gerada em cada Centro.

11 Acesso à informação - II Os Centros de Investigação: serão detentores da propriedade garante da qualidade dos dados dos registos da informação que da sua análise resultar da informação produzida darão o tratamento que definir devem comunicar previamente ao Núcleo de Coordenação Nacional os trabalhos de investigação que pretendem desenvolver, já que não poderá ser sobreponível a qualquer outro de âmbito nacional já publicitado ou em vias de publicitação com base nos dados nacionais

12 Acesso à informação - II Os Centros de Investigação: agradecimento explícito do apoio prestado pela SPMI em todas as apresentações e ou publicações qualquer Centro de Investigação poderá propor linhas de investigação em subgrupos que poderá ser estendido à escala nacional sempre que acordado entre todas as partes todos os intervenientes no todo ou em parte do RENAP- SMI ficam obrigados ao dever do segredo médico e científico.

13 Acesso à informação - III Às Entidades financiadoras do RENAP-SMI: não é reconhecido o direito de propriedade sobre os dados registados ou produzidos nem acesso a qualquer informação produzida a partir dos registos acumulados Outros projectos relacionados com os registos do RENAP-SMI por um grupo de Centros é possível desde que previamente aprovado pelo Núcleo de Coordenação Nacional e conhecimento da Direcção da SPMI.

14 Confidencialidade e segurança Dos dados locais - de cada Centro de Investigação; Dos dados nacionais - do Núcleo Coordenador Nacional; Da SPMI - da segurança dos sistemas informáticos; O acesso aos dados nacionais - Coordenador Nacional. Os dados armazenados não podem conter informação que permita a identificação dos doentes.

15 Apoios Técnicos - I Tratamento Informático: Garantir a manutenção, aperfeiçoamento e desenvolvimento da aplicação informática Assegurar a sua segurança e invulnerabilidade

16 Apoios Técnicos -II Análise Estatística: Centro de Investigação - acesso apenas aos seus dados; Núcleo de Coordenação Nacional - análise dos resultados globais nacionais Análises parcelares dos dados nacionais - por iniciativa do Núcleo de Coordenação Nacional com o acordo prévio da Direcção da SPMI - por proposta de qualquer Centro de Investigação mediante o reconhecimento pelo Núcleo de Coordenação Nacional do interesse e pertinência da referida proposta.

17 Apoios Técnicos -III RELAÇÕES PÚBLICAS E DE COMUNICAÇÃO Depende do Coordenador Nacional e da Direcção da SPMI. A comunicação: uma das mais importantes ferramentas da vida em sociedade. Em saúde a comunicação ocupa um papel determinante É a base da relação entre utentes e profissionais de saúde, condiciona o sucesso ou insucesso do processo a comunicação apresenta mais valias significativas para as instituições e para os projectos que aplicam.

18 Apoios Técnicos -III RELAÇÕES PÚBLICAS E DE COMUNICAÇÃO-2 A comunicação não é um fim em si mesmo. poderosa ferramenta de trabalho e apoio aos projectos ou instituições. Permite ganhos em da credibilidade e confiança; O que não é comunicado tende a não existir; O sucesso de um projecto ou instituição é proporcional ao (re)conhecimento e impacto que é capaz de causar. Decisivo para credibilizar um projecto Alertar a sociedade e seus representantes para a sua relevância.

19 UTILIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DOS DADOS Utilização de Resultados De todos os trabalhos deve ser fornecida uma cópia a fim de ser divulgado no site da SPMI. O primeiro autor deverá ser aquele cujo contributo foi mais relevante; A autoria de todos os trabalhos deve incluir obrigatoriamente a referência em nome de todos os Investigadores do RENAP- SMI, da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Validação e Auditoria de Registos Utilização dos Dados por outras Entidades Pede Deferimento


Carregar ppt "RENAP- : objectivos Epidemiologia Critérios de diagnóstico Classificação clínica e respectiva fundamentação Estratificação de risco e prognóstico Caracterização."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google