A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROTOZOÁRIOS e DOENÇAS Prof. Ueliton Santos Prof: Ueliton Santos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROTOZOÁRIOS e DOENÇAS Prof. Ueliton Santos Prof: Ueliton Santos."— Transcrição da apresentação:

1 PROTOZOÁRIOS e DOENÇAS Prof. Ueliton Santos Prof: Ueliton Santos

2 PARASITISMO - Termos Agente Etiológico: Parasita causador da doença. Hospedeiro Definitivo: Apresenta o parasita na fase adulta – Reprodução Assexuada. Hospedeiro Intermediário: Abriga a fase larvária do parasita. Parasita Monoxeno: efetua o ciclo em um hospedeiro. Parasita Heteroxeno: efetua o ciclo obrigatoriamente em dois hospedeiros. Vetor: organismo que transmite o parasita. Profilaxia: prevenção. Prof: Ueliton Santos

3 Endemia x Epidemia Endemia: Doença que existe constantemente em determinado lugar. Epidemia: Doença que surge rapidamente num lugar e acomete, a um tempo, grande número de pessoas. Pandemia: epidemia mundial Prof: Ueliton Santos

4 Protozoários 1. Protozoários são protoctistas microscópicos, unicelulares e heterótrofos, cujas funções vitais são realizadas pela única célula. 2. Vivem em quase todos os ambientes; há os de vida livre (maioria) e os parasitas. 3. São classificados de acordo com os organóides de locomoção em: Rizópodes (emitem pseudópodes). Ex.: Amebas Flagelados (possuem flagelo(s). Ex.: Tripanossomos Ciliados (possuem cílios). Ex.: Paramécio Esporozoários (sem estrutura de locomoção; multiplicam-se assexuadamente formando esporos). Ex.: Plasmódio. Prof: Ueliton Santos

5 Protozoários Unicelulares, eucariontes e heterótrofos Vida livre Parasitas Mutualistas Comensais Digestão intracelular Protozoários de água doce estruturas para a osmorregulação. Prof: Ueliton Santos

6 FiloCaracterísticas Rhizopoda Locomoção e captura de alimento por pseudópodes. Há espécies de vida livre (Amoeba proteus) e parasitas (Entamoeba histolytca). Actinopoda (heliozoários e radiolários) Possuem pseudópodes afilados. Os radiolários possuem uma cápsula central de sustentação (quitinosa) e são exclusivamente marinhos. Os heliozoários não possuem cápsula central e a maioria vive em água doce. Foraminífera Apresentam esqueleto externo perfurado (quitinoso ou de carbonato de cálcio); pseudópodes se projetam pelos furos do esqueleto. Marinhos. Apicomplexa (esporozoários ) Não possuem estrutura locomotora. Todas as espécies são parasitas (Ex. Plasmodium vivax) Zoomastigophora Apresentam flagelos que permitem a locomoção ou a captura de alimento. Há formas parasitas (Ex. Trypanossoma cruzi) e de vida livre (Ex. Codosiga sp) Ciliophora Apresentam cílios que permitem a locomoção em espécies livre-natantes ou a captura de alimento em espécies sésseis. Possuem dois núcleos Prof: Ueliton Santos

7 Reprodução Assexuada por divisão binária por divisão múltipla Sexuada Dois indivíduos de sexos diferentes se fundem e formam um zigoto, que sofre meiose originando novos indivíduos geneticamente recombinados Conjugação (não ocorre aumento do número de indivíduos, só a troca de micronúcleos) – Paramécios. Prof: Ueliton Santos

8 Formas de Transmissão Direta ou Indireta Prof: Ueliton Santos

9

10 PRINCIPAIS PARASITOSES Doença →Disenteria amebiana ou amebíase Causador →Entamoeba histolytica Sintomas →Diarréias com sangue e muco Transmissão →DIRETA. Ingestão de alimentos contaminados por cistos do protozoário 1 - AMEBÍASE Prof: Ueliton Santos

11

12 Malária Protozoários causador: Plasmodium sp; Infestação:picada da fêmea do mosquito Anopheles, popularmente conhecido como mosquito-prego; Sintomas: febre, anemia, lesões no baço fígado e medula óssea; Os parasitas ficam nas glândulas salivares do mosquito; Após a picada os parasitas nas células do fígado e baço (reprodução assexuada); Prof: Ueliton Santos

13 2 - Malária Doença →Malária Causador →Plasmodium sp Sintomas →Febre e mal-estar cíclico Transmissão → INDIRETA – Picadas do mosquito prego ♀ (Anopheles) Prof: Ueliton Santos

14

15 Ciclo de vida do Plasmodium Vivax Prof: Ueliton Santos

16 Os picos febris, no gráfico à esquerda, ocorrem por ocasião da ruptura de hemácias parasitadas. Na malária do tipo terçã, os acessos febris ocorrem, geralmente, a cada 48 horas (1º- dia, 3º- dia, e assim por diante).

17 MALÁRIA Impaludismo, maleita ou sezão Países tropicais e África, principalmente Brasil  Região Amazônica Causada pelo esporozoário Plasmodium sp e transmitida pela picada das fêmeas do mosquito- prego (Anopheles sp) Dois hospedeiros: HOMEM (hospedeiro intermediário) e MOSQUITO (hospedeiro definitivo) Anopheles sp Prof: Ueliton Santos

18 MALÁRIA – CICLO DA DOENÇA 1. Pela picada, penetram no sangue os ESPOROZOÍTOS, a forma infectante do Plasmodium 2. Fígado e baço  reprodução assexuada do parasita (esquizogonia)  Formação de MEROZOÍTOS 3. Invasão das hemáceas  reprodução acentuada do parasita: Rompimento da célula  FEBRE ALTA, TREMORES e SUDORESE. 4. Algumas hemáceas não se rompem  aparecimento dos GAMETÓCITOS no interior delas  ingeridos pelo mosquito, originam gametas no tubo digestivo (reprodução sexuada) 5. Fecundação, produção de novos ESPOROZOÍTOS, que migram para as glândulas salivares do mosquito e podem ser novamente inoculados no ser humano, retomando o ciclo. Prof: Ueliton Santos

19 MALÁRIA – CICLO DA DOENÇA Prof: Ueliton Santos

20 ÁREAS DE RISCO DE MALÁRIA NO BRASIL Prof: Ueliton Santos

21 MALÁRIA – GRAVIDADE Depende da espécie do Plasmodium: P. vivax: Febre a cada 48 horas (terçã benigna) P. malarie: Febre a cada 72 horas (quartã benigna) P. falciparum: Varia a cada 36 a 48 horas SINTOMAS: Danos no fígado, ANEMIA, cansaço, desânimo, falta de ar e diminuição da capacidade de trabalho. Prof: Ueliton Santos

22 MALÁRIA – TRATAMENTO e PROFILAXIA Medicamentos que matam o parasita no fígado e no sangue Prevenção: Combate aos mosquitos adultos com INSETICIDAS, combate às larvas com LARVICIDAS ou peixes que se alimentem delas ou ainda drenagem de terrenos alagados. Uso de telas e cortineiros Cuidados com sangue contaminado: transfusões, seringas, agulhas e no parto. Prof: Ueliton Santos

23 Malária Profilaxia e Tratamento: Drenando-se valas e banhados; A criação de peixes larvófagos; O uso de repelentes e a utilização de tela nas janelas; Tratamento com medicamentoso específicos; Prof: Ueliton Santos

24 3 – Doença de Chagas Causador →Trypanosoma cruzi Sintomas →Insuficiência cardíaca devida a lesões no coração Transmissão → INDIRETA – Defecação do barbeiro no local da picada; gênero Triatoma Prof: Ueliton Santos

25 Ciclo da doença O tripanosoma cai na corrente circulatória e se aloja no coração ou no intestino, onde irá se reproduzir. O coração e o intestino aumentam bastante de tamanho (megacólon e megacoração), provocando insuficiência cardíaca e alterações na digestão. Prof: Ueliton Santos

26 3 - Doença de Chagas Protozoários causador: Trypanosoma cruzi (flagelado); Infestação: fezes do inseto hematófago conhecido como barbeiro ou chupança (Triatoma infestans); Também pode ocorrer transmissão: durante a gravidez e amamentação em transplantes de órgãos e transfusões de sangue Sintomas: chagoma, miocardite que leva a pessoa a morte por insuficiência cardíaca; O barbeiro é encontrado em buracos no chão, nas paredes, na palha da cobertura de casas pau-a-pique; Atingindo o sangue o protozoário se instala no tecido muscular/ coração; Animais silvestres, cães, gatos e roedores são reservatórios naturais dos tripanossomos Prof: Ueliton Santos

27

28

29

30

31

32 4 - Leishmaniose Leishmania chagasi – leishmaniose visceral (calazar) – transmitida pelo mosquito-palha (Lutzomya longipalpis) – baço e fígado Leishmania brasiliensis – leishmaniose tegumentar (úlcera-de-bauru) – transmitida pelo mosquito-palha – pele e mucosas Prof: Ueliton Santos

33

34

35

36 Doenças causadas por Flagelados GIARDÍASE Giardia lamblia Infecções no intestino delgado e diarréias  Desidratação Doença muito comum em crianças de creches públicas Transmissão pela ingestão de água e alimentos contaminados com os cistos da Giardia Prof: Ueliton Santos

37 Doenças causadas por Flagelados TRICOMONÍASE Trichomonas vaginalis Mulher: inflamação na uretra e na vagina, corrimento branco-amarelado ASSINTOMÁTICA no homem, porém ainda é transmitida à mulher durante o ato sexual  AMBOS devem ser medicados PROFILAXIA: Preservativo e cuidado na utilização de objetos ou sanitários públicos  sobrevivência do parasita por até 6 horas em ambientes úmidos Prof: Ueliton Santos

38

39 TOXOPLASMOSE Toxoplasma gondii Transmitido pela ingestão de cistos presentes nas fezes de gatos (solo, areia ou pelo do animal) Poucos ou nenhum sintoma: febre e aumento dos linfonodos  desaparecem sem deixar seqüelas Mulheres grávidas: transmissão ao feto  Lesões cerebrais e em outros órgãos PREVENÇÃO: Não beijar animais nem deixá-los lamber o rosto Lavar as mãos após o contato com eles Mulheres que pretendem engravidar: exame específico Prof: Ueliton Santos


Carregar ppt "PROTOZOÁRIOS e DOENÇAS Prof. Ueliton Santos Prof: Ueliton Santos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google