A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESCOLA PAULISTA DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DE FAMÍLIA E DAS SUCESSÓES. Flávio Tartuce Doutorando e Graduado pela Faculdade de Direito da USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESCOLA PAULISTA DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DE FAMÍLIA E DAS SUCESSÓES. Flávio Tartuce Doutorando e Graduado pela Faculdade de Direito da USP."— Transcrição da apresentação:

1 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DE FAMÍLIA E DAS SUCESSÓES. Flávio Tartuce Doutorando e Graduado pela Faculdade de Direito da USP. Especialista e Mestre em Direito Civil pela PUC/SP. Coordenador dos cursos de Direito Civil, Direito Contratual e Direito de Família e das Sucessões da Escola Paulista de Direito. Professor da ESA/OAB/SP e em Escolas da Magistratura. Advogado, parecerista e árbitro.

2 2 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITO DE TESTAMENTO. O Código Civil de 2002 não conceituou o testamento. O conceito constava do Código Civil de 1916: CONCEITO DE TESTAMENTO. O Código Civil de 2002 não conceituou o testamento. O conceito constava do Código Civil de 1916: Art Considera-se testamento o ato revogável pelo qual alguém, de conformidade com a lei, dispõe, no todo ou em parte, do seu patrimônio, para depois da sua morte. O conceito recebia críticas da doutrina. A principal crítica se referia ao fato da menção apenas ao conteúdo patrimonial. O Código Civil de 2002 admite que o testamento tenha conteúdo não patrimonial – Art , § 2º. Ex. Instituição de Bem de Família Voluntário (art do CC).

3 3 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Conceitos doutrinários de testamento: Conceitos doutrinários de testamento: Pontes de Miranda: testamento (diz-se) é o ato pelo qual a vontade de um morto cria, transmite ou extingue direitos. Pontes de Miranda: testamento (diz-se) é o ato pelo qual a vontade de um morto cria, transmite ou extingue direitos. Zeno Veloso: o testamento é um negócio jurídico principalmente patrimonial; tipicamente, no sentido tradicional e específico, é um ato de última vontade em que o testador faz disposições de bens, dá um destino ao seu patrimônio, nomeia herdeiros, institui legatários, e isso acontece, realmente, na grande maioria dos casos. Zeno Veloso: o testamento é um negócio jurídico principalmente patrimonial; tipicamente, no sentido tradicional e específico, é um ato de última vontade em que o testador faz disposições de bens, dá um destino ao seu patrimônio, nomeia herdeiros, institui legatários, e isso acontece, realmente, na grande maioria dos casos. Tartuce e Simão: o testamento é um negócio jurídico unilateral, personalíssimo e revogável pelo qual o testador faz disposições de caráter patrimonial ou não, para depois de sua morte. Tartuce e Simão: o testamento é um negócio jurídico unilateral, personalíssimo e revogável pelo qual o testador faz disposições de caráter patrimonial ou não, para depois de sua morte.

4 4 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Características do testamento: Características do testamento: a) Negócio jurídico Unilateral. b) Negócio Jurídico Gratuito. Não admite interpretação extensiva (art. 114 do CC). c) Negócio Jurídico Mortis Causa. Efeitos após a morte. d) Negócio Jurídico Revogável (Art do CC). REVOGABILIDADE ESSENCIAL (Pontes de Miranda). Se houver reconhecimento de filho, esse é irrevogável (art do CC). e) Ato personalíssimo, sendo vedado o testamento conjuntivo (art do CC). f) Negócio Jurídico Formal e Especial (sui generis).

5 5 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Formas de testamento no Código Civil de 2002: Formas de testamento no Código Civil de 2002: Formas ordinárias ou comuns, nos termos do art do CC: a) o testamento público; b) o testamento cerrado; c) o testamento particular. Formas ordinárias ou comuns, nos termos do art do CC: a) o testamento público; b) o testamento cerrado; c) o testamento particular. Formas especiais, nos termos do art do CC: a) o testamento marítimo, b) o testamento aeronáutico e c) testamento militar. Formas especiais, nos termos do art do CC: a) o testamento marítimo, b) o testamento aeronáutico e c) testamento militar. Dessas três modalidades, apenas o testamento aeronáutico não estava previsto na codificação anterior. A aplicação prática dessas modalidades especiais é por demais reduzida, pois os testamentos acabam regulamentando situações bem específicas e até raras. Dessas três modalidades, apenas o testamento aeronáutico não estava previsto na codificação anterior. A aplicação prática dessas modalidades especiais é por demais reduzida, pois os testamentos acabam regulamentando situações bem específicas e até raras.

6 6 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Testamento e Direitos da Personalidade. Testamento e Direitos da Personalidade. Rubens Limongi França, os direitos da personalidade são as faculdades jurídicas cujo objeto são os diversos aspectos da própria pessoa do sujeito, bem assim da sua proteção essencial no mundo exterior. Rubens Limongi França, os direitos da personalidade são as faculdades jurídicas cujo objeto são os diversos aspectos da própria pessoa do sujeito, bem assim da sua proteção essencial no mundo exterior. Meu conceito: São os direitos inerentes à pessoa humana e à sua dignidade. São os seus ícones principais: a vida, a integridade físico-psíquica, o nome, a imagem, a honra e a intimidade (arts. 11 a 21 do CC). Meu conceito: São os direitos inerentes à pessoa humana e à sua dignidade. São os seus ícones principais: a vida, a integridade físico-psíquica, o nome, a imagem, a honra e a intimidade (arts. 11 a 21 do CC). Os direitos da personalidade estão para o Código Civil assim como os direitos fundamentais estão para a Constituição Federal de Rol exemplificativo, conforme o Enunciado n. 274 CJF (IV Jornada de Direito Civil). Os direitos da personalidade estão para o Código Civil assim como os direitos fundamentais estão para a Constituição Federal de Rol exemplificativo, conforme o Enunciado n. 274 CJF (IV Jornada de Direito Civil).

7 7 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Testamento e Direitos da Personalidade. Testamento e Direitos da Personalidade. De início, vale lembrar a aplicação do art. 11 do Código Civil, pelo qual, salvo as devidas exceções previstas em lei, os direitos da personalidade são irrenunciáveis e intransmissíveis, não podendo o seu exercício sofrer limitação voluntária. De início, vale lembrar a aplicação do art. 11 do Código Civil, pelo qual, salvo as devidas exceções previstas em lei, os direitos da personalidade são irrenunciáveis e intransmissíveis, não podendo o seu exercício sofrer limitação voluntária. Diante dessa clara limitação à autonomia privada, o testamento, em regra, não pode trazer transmissão de direitos dessa natureza. Diante dessa clara limitação à autonomia privada, o testamento, em regra, não pode trazer transmissão de direitos dessa natureza. A título de exemplo, pode-se dizer que é nula uma disposição testamentária que transmita direitos morais do autor a outra pessoa que não seja seu sucessor legítimo (ver art. 24 da Lei n /1998). Quanto aos direitos patrimoniais de autor, não há problemas de sua disposição pela via testamentária A título de exemplo, pode-se dizer que é nula uma disposição testamentária que transmita direitos morais do autor a outra pessoa que não seja seu sucessor legítimo (ver art. 24 da Lei n /1998). Quanto aos direitos patrimoniais de autor, não há problemas de sua disposição pela via testamentária

8 8 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Testamento e Direitos da Personalidade. Personalidade do Morto. Testamento e Direitos da Personalidade. Personalidade do Morto. CC. Art. 12. Pode-se exigir que cesse a ameaça, ou a lesão, a direito da personalidade, e reclamar perdas e danos, sem prejuízo de outras sanções previstas em lei. Parágrafo único. Em se tratando de morto, terá legitimação para requerer a medida prevista neste artigo o cônjuge sobrevivente, ou qualquer parente em linha reta, ou colateral até o quarto grau. CC. Art. 12. Pode-se exigir que cesse a ameaça, ou a lesão, a direito da personalidade, e reclamar perdas e danos, sem prejuízo de outras sanções previstas em lei. Parágrafo único. Em se tratando de morto, terá legitimação para requerer a medida prevista neste artigo o cônjuge sobrevivente, ou qualquer parente em linha reta, ou colateral até o quarto grau. CC. Art. 20. Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais. Parágrafo único. Em se tratando de morto ou de ausente, são partes legítimas para requerer essa proteção o cônjuge, os ascendentes ou os descendentes. CC. Art. 20. Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais. Parágrafo único. Em se tratando de morto ou de ausente, são partes legítimas para requerer essa proteção o cônjuge, os ascendentes ou os descendentes.

9 9 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Testamento e Direitos da Personalidade. Testamento e Direitos da Personalidade. CASO PRÁTICO : Como a atual codificação possibilitou que o testamento tenha conteúdo não patrimonial, podem surgir situações práticas de aplicação dessa proteção. CASO PRÁTICO : Como a atual codificação possibilitou que o testamento tenha conteúdo não patrimonial, podem surgir situações práticas de aplicação dessa proteção. Como a atual codificação possibilitou que o testamento tenha conteúdo não patrimonial, podem surgir situações práticas de aplicação dessa proteção. Como a atual codificação possibilitou que o testamento tenha conteúdo não patrimonial, podem surgir situações práticas de aplicação dessa proteção. Imagine-se a hipótese em que um testador detalhou fatos da vida de outras pessoas, pois elaborou uma autobiografia. Como disposição aos herdeiros, consta do testamento um pedido do de cujus para que essa biografia seja publicada, o que é atendido pelos sucessores. O relato é, então, lançado na forma de livro. Fica a dúvida: cabem as tutelas inibitóra e ressarcitória por parte de terceiros eventualmente prejudicados em seus valores existenciais? Quem responde pela publicação em casos de lesão a direitos da personalidade praticada pelo morto em suas declarações? Imagine-se a hipótese em que um testador detalhou fatos da vida de outras pessoas, pois elaborou uma autobiografia. Como disposição aos herdeiros, consta do testamento um pedido do de cujus para que essa biografia seja publicada, o que é atendido pelos sucessores. O relato é, então, lançado na forma de livro. Fica a dúvida: cabem as tutelas inibitóra e ressarcitória por parte de terceiros eventualmente prejudicados em seus valores existenciais? Quem responde pela publicação em casos de lesão a direitos da personalidade praticada pelo morto em suas declarações? Imagine-se a hipótese em que um testador detalhou fatos da vida de outras pessoas, pois elaborou uma autobiografia. Como disposição aos herdeiros, consta do testamento um pedido do de cujus para que essa biografia seja publicada, o que é atendido pelos sucessores. O relato é, então, lançado na forma de livro. Fica a dúvida: cabem as tutelas inibitóra e ressarcitória por parte de terceiros eventualmente prejudicados em seus valores existenciais? Quem responde pela publicação em casos de lesão a direitos da personalidade praticada pelo morto em suas declarações? Imagine-se a hipótese em que um testador detalhou fatos da vida de outras pessoas, pois elaborou uma autobiografia. Como disposição aos herdeiros, consta do testamento um pedido do de cujus para que essa biografia seja publicada, o que é atendido pelos sucessores. O relato é, então, lançado na forma de livro. Fica a dúvida: cabem as tutelas inibitóra e ressarcitória por parte de terceiros eventualmente prejudicados em seus valores existenciais? Quem responde pela publicação em casos de lesão a direitos da personalidade praticada pelo morto em suas declarações?

10 10 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Testamento e Direitos da Personalidade (direitos extrapatrimoniais). Testamento e Direitos da Personalidade (direitos extrapatrimoniais). Outras disposições testamentárias relativas aos direitos da personalidade: a) Disposição para que o nome do morto seja utilizado em uma fundação. b) Disposição de doação de partes do corpo (nos termos do art. 14 e da Lei n /1997). Polêmica: qual vontade deve prevalecer a respeito da disposição? Ver Enunciado 277 CJF/STJ. c) Questões relativas ao enterro e sufrágio da alma, o que pode ser objeto de codicilo, nos termos do art do CC. Sobre o tema, recomendo: NEVARES, Ana Luiza Maia. A função promocional do testamento. Renovar. Doutorado UERJ.

11 11 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Conceito (testamento em vida ou living will) – o documento em que a pessoa determina, de forma escrita, que tipo de tratamento ou não-tratamento deseja para a ocasião em que se encontrar doente, em estado incurável ou terminal, e incapaz de manifestar sua vontade (Roxana Cardoso Brasileiro Borges, professora da UFBA). Conceito (testamento em vida ou living will) – o documento em que a pessoa determina, de forma escrita, que tipo de tratamento ou não-tratamento deseja para a ocasião em que se encontrar doente, em estado incurável ou terminal, e incapaz de manifestar sua vontade (Roxana Cardoso Brasileiro Borges, professora da UFBA). Para a mesma doutrinadora, o declarante, por meio do testamento vital, visa a influir sobre os profissionais da área de saúde, no sentido do não-tratamento, como vontade do paciente, que pode vir a estar impedido de manifestar sua vontade, em razão da doença. Para a mesma doutrinadora, o declarante, por meio do testamento vital, visa a influir sobre os profissionais da área de saúde, no sentido do não-tratamento, como vontade do paciente, que pode vir a estar impedido de manifestar sua vontade, em razão da doença.

12 12 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITOS CORRELATOS: O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITOS CORRELATOS: Eutanásia – na tradução etimológica literal boa morte –, significa a facilitação da morte, engendrada pelos profissionais da área da saúde. A eutanásia se dá por meio de utilização de técnicas que permitam a ocorrência da morte, de modo a ser menos dolorosa quanto possível ao paciente. Para tal prática, há a utilização de condutas ativas, como a conhecida máquina de suicídio, criada pelo médico norte-americano Jack Kevorkian, conhecido como Doutor Morte. Eutanásia – na tradução etimológica literal boa morte –, significa a facilitação da morte, engendrada pelos profissionais da área da saúde. A eutanásia se dá por meio de utilização de técnicas que permitam a ocorrência da morte, de modo a ser menos dolorosa quanto possível ao paciente. Para tal prática, há a utilização de condutas ativas, como a conhecida máquina de suicídio, criada pelo médico norte-americano Jack Kevorkian, conhecido como Doutor Morte. Trata-se de HOMICÍDIO, ato ilícito não admitido pelo Direito. Trata-se de HOMICÍDIO, ato ilícito não admitido pelo Direito.

13 13 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITOS CORRELATOS: O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITOS CORRELATOS: Distanásia significa o prolongamento do processo de morte, por meio artificial, o que traz sofrimento ao paciente. Há, portanto, um prolongamento exagerado, uma obstinação terapêutica, que se mostra, na maioria das vezes, totalmente inútil. Trata-se de medida que deve ser evitada, tanto pelos profissionais da área da saúde quanto pelos componentes do meio social, pois distorce objetivos da medicina. Distanásia significa o prolongamento do processo de morte, por meio artificial, o que traz sofrimento ao paciente. Há, portanto, um prolongamento exagerado, uma obstinação terapêutica, que se mostra, na maioria das vezes, totalmente inútil. Trata-se de medida que deve ser evitada, tanto pelos profissionais da área da saúde quanto pelos componentes do meio social, pois distorce objetivos da medicina. Leo Pessini, teólogo da Igreja Católica e estudioso do tema, é quem entende que a distanásia distorce os objetivos da medicina, afastando o direito de morrer com dignidade. Leo Pessini, teólogo da Igreja Católica e estudioso do tema, é quem entende que a distanásia distorce os objetivos da medicina, afastando o direito de morrer com dignidade.

14 14 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITOS CORRELATOS: O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. CONCEITOS CORRELATOS: Ortotanásia – na etimologia morte correta – é justamente a situação oposta à distanásia, ou seja, representa o não prolongamento, de forma artificial, do processo de morte. Ortotanásia – na etimologia morte correta – é justamente a situação oposta à distanásia, ou seja, representa o não prolongamento, de forma artificial, do processo de morte. A ortotanásia é prática utilizada para não gerar ao paciente um sofrimento físico, psicológico e espiritual, presente, por exemplo, pelo não emprego de técnicas terapêuticas inúteis de prolongamento da vida. A ortotanásia é prática utilizada para não gerar ao paciente um sofrimento físico, psicológico e espiritual, presente, por exemplo, pelo não emprego de técnicas terapêuticas inúteis de prolongamento da vida. O nosso estudo concentra-se na discussão da validade da disposição somente nos casos de ortotanásia. A questão está relacionada à amplitude do art. 15 do CC, que consagra os direitos do paciente (princípios da beneficência e da não maleficência). O nosso estudo concentra-se na discussão da validade da disposição somente nos casos de ortotanásia. A questão está relacionada à amplitude do art. 15 do CC, que consagra os direitos do paciente (princípios da beneficência e da não maleficência).

15 15 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. DOUTRINADOR A FAVOR DA DISPOSIÇÃO: O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. DOUTRINADOR A FAVOR DA DISPOSIÇÃO: DIAULAS COSTA RIBEIRO: A suspensão de esforço terapêutico necessita de uma manifestação de vontade do paciente, a qual deve ser feita antes da perda de sua capacidade civil, no contexto das diretivas antecipadas. Para que isso seja possível, quatro alternativas se apresentam: uma escritura pública feita em cartório, na qual o paciente declara não aceitar a obstinação terapêutica, nem ser mantido vivo por aparelhos, especificando, ainda, que tipo de tratamento tolerará; uma declaração escrita em documento partilhar, uma simples folha de papel assinada, de preferência com firma reconhecida; uma declaração feita a seu médico assistente – registrada em seu prontuário, com sua assinatura. A quarta alternativa refere-se àquele paciente que não teve oportunidade de elaborar diretivas antecipadas mas, que declarou a amigos, familiares, etc., sua rejeição ao esforço terapêutico nos casos de estado vegetativo permanente ou de doença mental: a justificação testemunhal da vontade (ANAIS DO V CONGRESSO BRASILEIRO DO IBDFAM). DIAULAS COSTA RIBEIRO: A suspensão de esforço terapêutico necessita de uma manifestação de vontade do paciente, a qual deve ser feita antes da perda de sua capacidade civil, no contexto das diretivas antecipadas. Para que isso seja possível, quatro alternativas se apresentam: uma escritura pública feita em cartório, na qual o paciente declara não aceitar a obstinação terapêutica, nem ser mantido vivo por aparelhos, especificando, ainda, que tipo de tratamento tolerará; uma declaração escrita em documento partilhar, uma simples folha de papel assinada, de preferência com firma reconhecida; uma declaração feita a seu médico assistente – registrada em seu prontuário, com sua assinatura. A quarta alternativa refere-se àquele paciente que não teve oportunidade de elaborar diretivas antecipadas mas, que declarou a amigos, familiares, etc., sua rejeição ao esforço terapêutico nos casos de estado vegetativo permanente ou de doença mental: a justificação testemunhal da vontade (ANAIS DO V CONGRESSO BRASILEIRO DO IBDFAM).

16 16 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. A ANTERIOR RESOLUÇÃO 1.805/2006 DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, DE NOVEMBRO DE 2006: A ANTERIOR RESOLUÇÃO 1.805/2006 DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, DE NOVEMBRO DE 2006: Art. 1º É permitido ao médico limitar ou suspender procedimentos e tratamentos que prolonguem a vida do doente em fase terminal, de enfermidade grave e incurável, respeitada a vontade da pessoa ou de seu representante legal. § 1º O médico tem a obrigação de esclarecer ao doente ou a seu representante legal as modalidades terapêuticas adequadas para cada situação. § 2º A decisão referida no caput deve ser fundamentada e registrada no prontuário. § 3º É assegurado ao doente ou a seu representante legal o direito de solicitar uma segunda opinião médica. Art. 2º O doente continuará a receber todos os cuidados necessários para aliviar os sintomas que levam ao sofrimento, assegurada a assistência integral, o conforto físico, psíquico, social e espiritual, inclusive assegurando-lhe o direito da alta hospitalar. CASO PRÁTICO: DEPUTADO ENÉAS (5 DE MAIO DE 2007).

17 17 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. ENTRETANTO, OS EFEITOS DA RESOLUÇÃO FORAM AFASTADOS POR DECISÃO DA 14ª VARA FEDERAL DO DISTRITO FEDERAL, de 26 de outubro de 2007: ENTRETANTO, OS EFEITOS DA RESOLUÇÃO FORAM AFASTADOS POR DECISÃO DA 14ª VARA FEDERAL DO DISTRITO FEDERAL, de 26 de outubro de 2007: TRECHOS PRINCIPAIS DA DECISÃO: Na verdade, trata-se de questão imensamente debatida no mundo inteiro. Lembre-se, por exemplo, da repercussão do filme espanhol Mar Adentro e do filme americano Menina de Ouro. E o debate não vem de hoje, nem se limita a alguns campos do conhecimento humano, como o Direito ou a Medicina, pois sobre tal questão há inclusive manifestação da Igreja, conforme a Declaração sobre a Eutanásia da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, aprovada em 05 de maio de 1980, no sentido de que na iminência de uma morte inevitável, apesar dos meios usados, é lícito em consciência tomar a decisão de renunciar a tratamentos que dariam somente um prolongamento precário e penoso da vida, sem, contudo, interromper os cuidados normais devidos ao doente em casos semelhantes. Por isso, o médico não tem motivos para se angustiar, como se não tivesse prestado assistência a uma pessoa em perigo. TRECHOS PRINCIPAIS DA DECISÃO: Na verdade, trata-se de questão imensamente debatida no mundo inteiro. Lembre-se, por exemplo, da repercussão do filme espanhol Mar Adentro e do filme americano Menina de Ouro. E o debate não vem de hoje, nem se limita a alguns campos do conhecimento humano, como o Direito ou a Medicina, pois sobre tal questão há inclusive manifestação da Igreja, conforme a Declaração sobre a Eutanásia da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, aprovada em 05 de maio de 1980, no sentido de que na iminência de uma morte inevitável, apesar dos meios usados, é lícito em consciência tomar a decisão de renunciar a tratamentos que dariam somente um prolongamento precário e penoso da vida, sem, contudo, interromper os cuidados normais devidos ao doente em casos semelhantes. Por isso, o médico não tem motivos para se angustiar, como se não tivesse prestado assistência a uma pessoa em perigo.

18 18 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. TRECHOS PRINCIPAIS DA DECISÃO: Entretanto, analisada a questão superficialmente, como convém em sede de tutela de urgência, e sob a perspectiva do Direito, tenho para mim que a tese trazida pelo Conselho Federal de Farmácia nas suas informações preliminares, no sentido de que a ortotanásia não antecipa o momento da morte, mas permite tão- somente a morte em seu tempo natural e sem utilização de recursos extraordinários postos à disposição pelo atual estado da tecnologia, os quais apenas adiam a morte com sofrimento e angústia para o doente e sua família, não elide a circunstância segundo a qual tal conduta parece caracterizar crime de homicídio no Brasil, nos termos do art. 121, do Código Penal. E parece caracterizar crime porque o tipo penal previsto no sobredito art. 121, sempre abrangeu e parece abranger ainda tanto a eutanásia como a ortotanásia, a despeito da opinião de alguns juristas consagrados em sentido contrário. Tanto assim que, como bem asseverou o representante do Ministério Público Federal, em sua bem-elaborada petição inicial, tramita no Congresso Nacional o anteprojeto de reforma da parte especial do Código Penal, colocando a eutanásia como privilégio ao homicídio e descriminando a ortotanásia (fl. 29). TRECHOS PRINCIPAIS DA DECISÃO: Entretanto, analisada a questão superficialmente, como convém em sede de tutela de urgência, e sob a perspectiva do Direito, tenho para mim que a tese trazida pelo Conselho Federal de Farmácia nas suas informações preliminares, no sentido de que a ortotanásia não antecipa o momento da morte, mas permite tão- somente a morte em seu tempo natural e sem utilização de recursos extraordinários postos à disposição pelo atual estado da tecnologia, os quais apenas adiam a morte com sofrimento e angústia para o doente e sua família, não elide a circunstância segundo a qual tal conduta parece caracterizar crime de homicídio no Brasil, nos termos do art. 121, do Código Penal. E parece caracterizar crime porque o tipo penal previsto no sobredito art. 121, sempre abrangeu e parece abranger ainda tanto a eutanásia como a ortotanásia, a despeito da opinião de alguns juristas consagrados em sentido contrário. Tanto assim que, como bem asseverou o representante do Ministério Público Federal, em sua bem-elaborada petição inicial, tramita no Congresso Nacional o anteprojeto de reforma da parte especial do Código Penal, colocando a eutanásia como privilégio ao homicídio e descriminando a ortotanásia (fl. 29).

19 19 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. TRECHOS PRINCIPAIS DA DECISÃO: Desse modo, a glosa da ortotanásia do mencionado tipo penal não pode ser feita mediante resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina, ainda que essa resolução venha de encontro aos anseios de parcela significativa da classe médica e até mesmo de outros setores da sociedade. Essa glosa há de ser feita, como foi feita em outros países, mediante lei aprovada pelo Parlamento, havendo inclusive projeto de lei nesse sentido tramitando no Congresso Nacional. TRECHOS PRINCIPAIS DA DECISÃO: Desse modo, a glosa da ortotanásia do mencionado tipo penal não pode ser feita mediante resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina, ainda que essa resolução venha de encontro aos anseios de parcela significativa da classe médica e até mesmo de outros setores da sociedade. Essa glosa há de ser feita, como foi feita em outros países, mediante lei aprovada pelo Parlamento, havendo inclusive projeto de lei nesse sentido tramitando no Congresso Nacional. Em última análise, para suprir a ausência de lei específica, a glosa pode ser judicializada mediante provocação ao Supremo Tribunal Federal, como ocorreu, por exemplo, na Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54, ajuizada em 17 de junho de 2004 pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde e na qual se discute se ocorre crime de aborto no caso de anencéfalo. (...). Dizer se existe ou não conflito entre a resolução e o Código Penal é questão a ser enfrentada na sentença. Mas a mera aparência desse conflito já é bastante para impor a suspensão da Resolução CFM nº 1.805/2006, mormente quando se considera que sua vigência, iniciada com a publicação no DOU do dia 28 de novembro de 2006, traduz o placet do Conselho Federal de Medicina com a prática da ortotanásia, ou seja, traduz o placet do Conselho Federal de Medicina com a morte ou o fim da vida de pessoas doentes, fim da vida essa que é irreversível e não pode destarte aguardar a solução final do processo para ser tutelada judicialmente. Do exposto, DEFIRO A ANTECIPAÇÃO DE TUTELA para suspender os efeitos da Resolução CFM n /2006). Intimem-se. Cite-se. Brasília, 23 de outubro de ROBERTO LUIS LUCHI DEMO. Juiz Federal Substituto da 14ª Vara/DF Em última análise, para suprir a ausência de lei específica, a glosa pode ser judicializada mediante provocação ao Supremo Tribunal Federal, como ocorreu, por exemplo, na Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54, ajuizada em 17 de junho de 2004 pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde e na qual se discute se ocorre crime de aborto no caso de anencéfalo. (...). Dizer se existe ou não conflito entre a resolução e o Código Penal é questão a ser enfrentada na sentença. Mas a mera aparência desse conflito já é bastante para impor a suspensão da Resolução CFM nº 1.805/2006, mormente quando se considera que sua vigência, iniciada com a publicação no DOU do dia 28 de novembro de 2006, traduz o placet do Conselho Federal de Medicina com a prática da ortotanásia, ou seja, traduz o placet do Conselho Federal de Medicina com a morte ou o fim da vida de pessoas doentes, fim da vida essa que é irreversível e não pode destarte aguardar a solução final do processo para ser tutelada judicialmente. Do exposto, DEFIRO A ANTECIPAÇÃO DE TUTELA para suspender os efeitos da Resolução CFM n /2006). Intimem-se. Cite-se. Brasília, 23 de outubro de ROBERTO LUIS LUCHI DEMO. Juiz Federal Substituto da 14ª Vara/DF

20 20 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. O NOVO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA (Resolução 1931/2009 do CFM) TAMBÉM TRATA DO ASSUNTO (CAPA DA REVISTA VEJA DE 28 DE ABRIL DE 2010). O NOVO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA (Resolução 1931/2009 do CFM) TAMBÉM TRATA DO ASSUNTO (CAPA DA REVISTA VEJA DE 28 DE ABRIL DE 2010). Art. 24 da Resolução. DIREITOS HUMANOS DO PACIENTE. É VEDADO AO MÉDICO: Deixar de garantir ao paciente o exercício do direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar, bem como exercer sua autoridade para limitá-lo. Art. 24 da Resolução. DIREITOS HUMANOS DO PACIENTE. É VEDADO AO MÉDICO: Deixar de garantir ao paciente o exercício do direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar, bem como exercer sua autoridade para limitá-lo. Art. 31 da Resolução. RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES. É VEDADO AO MÉDICO: Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte. Art. 31 da Resolução. RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES. É VEDADO AO MÉDICO: Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte.

21 21 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. Art. 34 da Resolução. RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES. É VEDADO AO MÉDICO: Deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal – CONSENTIMENTO INFORMADO OU ESCLARECIDO. Art. 34 da Resolução. RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES. É VEDADO AO MÉDICO: Deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal – CONSENTIMENTO INFORMADO OU ESCLARECIDO. RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES. É VEDADO AO MÉDICO. Art. 41. Abreviar a vida do paciente, ainda que a pedido deste ou de seu representante legal. Parágrafo único. Nos casos de doença incurável e terminal, deve o médico oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapêuticas inúteis ou obstinadas, levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente ou, na sua impossibilidade, a de seu representante legal. RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES. É VEDADO AO MÉDICO. Art. 41. Abreviar a vida do paciente, ainda que a pedido deste ou de seu representante legal. Parágrafo único. Nos casos de doença incurável e terminal, deve o médico oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapêuticas inúteis ou obstinadas, levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente ou, na sua impossibilidade, a de seu representante legal. COMO SE PODE PERCEBER, A EUTANÁSIA É VEDADA, A ORTOTANÁSIA É PERMITIDA... A DISTANÁSIA É VEDADA... COMO SE PODE PERCEBER, A EUTANÁSIA É VEDADA, A ORTOTANÁSIA É PERMITIDA... A DISTANÁSIA É VEDADA...

22 22 A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL OU BIOLÓGICO. A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL EM OUTROS PAÍSES. A QUESTÃO DO TESTAMENTO VITAL EM OUTROS PAÍSES. ITÁLIA. CASO WELBY. Há modelos de testamentos vitais em sites italianos. Ver o site da Associação para os Direitos dos Usuários e Consumidores da Itália (ADUC). Disponível em:. Acesso em: 29 nov ITÁLIA. CASO WELBY. Há modelos de testamentos vitais em sites italianos. Ver o site da Associação para os Direitos dos Usuários e Consumidores da Itália (ADUC). Disponível em:. Acesso em: 29 nov EUA. São possíveis juridicamente os testamentos vitais (living will), havendo um crescimento na prática. Em 1991, foi aprovada lei sobre a autodeterminação do paciente (The Patient Self-Determination Act – PSDA. EUA. São possíveis juridicamente os testamentos vitais (living will), havendo um crescimento na prática. Em 1991, foi aprovada lei sobre a autodeterminação do paciente (The Patient Self-Determination Act – PSDA.

23 23 MODELO ITALIANO. CLÁUSULAS PREVISTAS: - Cláusulas pelas quais o paciente concorda com a interrupção do tratamento em casos terminais, particularmente naqueles em que ele não tem mais condições de expressar a vontade. - Cláusula pela qual o paciente concorda com a não utilização de medidas como a reanimação cardiopulmonar, a ventilação assistida, a diálise, a cirurgia de urgência, a transfusão de sangue, a alimentação artificial e a terapia antibiótica. - Cláusula pela qual o paciente diz que não quer o prolongamento da vida, a manutenção de um estado de inconsciência permanente, a manutenção de um estado de demência ou a total paralisia com incapacidade de se comunicar. - Cláusula pela qual o paciente declara que tem consciência do valor da vida e de sua dignidade; mas que, se for acometido por uma doença incurável e irreversível, a lhe trazer o sofrimento, concorda que o melhor é o abreviamento da vida. - Menção a outras disposições particulares, tais como as relativas à assistência religiosa; à doação de partes do corpo para transplante, para fins didáticos ou científicos; o desejo de ser cremado ou enterrado; a pretensão à assistência religiosa, para si e para os parentes, entre outros.

24 24 ENCERRANDO. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS (AVALIAÇÃO). O QUE SE DENOMINA COMO TESTAMENTO VITAL É VÁLIDO JURIDICAMENTE NO BRASIL? FUNDAMENTAR EM DISPOSITIVOS LEGAIS. O QUE SE DENOMINA COMO TESTAMENTO VITAL É VÁLIDO JURIDICAMENTE NO BRASIL? FUNDAMENTAR EM DISPOSITIVOS LEGAIS. O TESTAMENTO VITAL É MESMO UM TESTAMENTO OU UMA SIMPLES DECLARAÇÃO DE VONTADE ?


Carregar ppt "ESCOLA PAULISTA DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DE FAMÍLIA E DAS SUCESSÓES. Flávio Tartuce Doutorando e Graduado pela Faculdade de Direito da USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google