A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Varizes. Um dos componentes principais Da Insuficiência venosa crônica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Varizes. Um dos componentes principais Da Insuficiência venosa crônica."— Transcrição da apresentação:

1 varizes

2 Um dos componentes principais Da Insuficiência venosa crônica

3 Conceito Varizes são dilatações e tortuosidades das veias produzidos por anormalidades da parede venosa e/ou por aumento prolongado da pressão intraluminal.

4 Onde me Classifico?

5 Spider veins Úlcera Ativa Alterações cutâneas Úlcera cicatrizada Pigmentação Eczema venoso Lipodermatosclerose Edema Na Perna Varizes tronculares INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA

6 Lipodermatosclerose Teleangiectasias Úlcera venosa Varizes tronculares (paniculite) Eczema venoso

7 Dados epidemiológicos Prevalência - Idade No estudo de Edinburgo (Evans, 1999), a prevalência de varizes tronculares na população se elevou de 11.5 % em pessoas com idade entre 18 a 24 anos para 55.7 % em pessoas com idade entre 55 e 64 anos.

8 Resultados de alguns estudos que avaliaram homens e mulheres de mesma faixa etária (50 a 60 anos). AutorAnoPaísPrevalência (%) HomemMulher Canonico 1998 Italy Capitao 1995 Portugal Laurikka 1995Finland Komsuoglu1994 Turkey FONTE: Dados epidemiológicos Sexo

9 Estrutura e função das veias Camadas da parede das veias Suporte da parede Tônus normal O retorno do sangue venoso (RV) Efeitos da pressão venosa sobre o RV

10 Camadas da parede das veias Íntima – Endotélio – Membrana basal – Tecido conjuntivo subendotelial Média – Camada de músculo liso circular Adventícia – Tecido conjuntivo propriamente dito – Músculo longitudinal nas veias dos mmii.

11

12 Suporte da parede Tecidos perivenosos Tecido conjuntivo propriamente dito Tecido muscular Tecido adiposo Parede propriamente dita.

13 Tônus normal A tonicidade (grau de tensão) da parede depende basicamente da idade. Quanto mais jovem o indivíduo maior a tonicidade.

14 O retorno venoso está na dependência das seguintes forças atuando em conjunto com a ação das válvulas venosas: 1.Forças Propulsoras a.Remanescente da pressão arterial; b.Bomba muscular dependente da ação dos músculos esqueléticos sobre as veias (plantar, panturrilha); c.Bomba venosa decorrente da ação de fibras nervosas sobre a parede venosa determinando a sua contração; 2.Forças aspirativas a.Bomba respiratória: na inspiração a pressão intratorácica cai e a abdominal aumenta (propulsora) favorecendo o acesso do sangue venoso aos átrios; b.Força aspirativa cardíaca produzida pela expansão diastólica. Essas forças se alteram de acordo com as atividades (parado, deambulando) ou com as diferentes posições assumidas por uma pessoa. O retorno do sangue venoso

15 Representa a transmissão da pressão arterial para o segmento venoso após passar por uma atenuação através das resistências pré-capilares a.Força, remanescente da pressão arterial (driving pressure * ); * Driving - dirigir; viajar; levar; conduzir; guiar; compelir;

16 A gravidade altera a pressão venosa 20mmHg 0mmHg -10mmHg 0mmHg 90mmHg

17 Efeitos da Pressão hidrostática sobre a pressão venosa no corpo. Pressão Veias Art Difer P= P= P=100 Nível do coração PVC = 0 mmHg (Porque o coração expulsa todo o sangue que chega nele).

18 Pressão e fluxo de artérias para veias Os capilares têm a maior área de secção transversal. A velocidade é inversamente proporcional à área de secção total do segmento considerado. Veias e vênulas = vasos de capacitância Pressão Velocidade Area

19 Fatores que aumentam a Pressão Venosa Central Fatores considerados Primariamente uma alteração da complacência (C) ou volume (V) Diminuição do débito cardíacoV Aumento do volume sangüíneoV Constrição venosaC Mudança da posição de ortostática para a posiçao supino V Vasodilatação arterialV Expiração forçada (ex.., Valsalva)C Contração muscular (abdominal e de membro) V, C

20 b.Bomba muscular dependente da ação dos músculos esqueléticos sobre as veias; A bomba muscular Músculo relaxado Músculo contraído

21 Bomba venosa c.Depende do tônus da parede venosa, de sua capacidade de responder às ações de fibras nervosas sobre a sua musculatura o que deterrmina a sua contração.

22 a.Bomba respiratória está constituída de um componente propulsivo (o aumento da pressão intra-abdominal) e de um componente aspirativo representado pela redução da pressão intra-torácica durante a inspiração. Bomba respiratória (tóraco-abdominal)

23 Aumenta a pressão torácica e diminui a pressão intra- abdominal Diminui a pressão torácica e aumenta a pressão intra- abdominal

24 Aumenta a pressão torácica e diminui a pressão intra- abdominal Diminui a pressão torácica e aumenta a pressão intra- abdominal

25 b.Força aspirativa cardíaca produzida pela expansão diastólica após a expulsão sistólica de todo o conteúdo ventricular. Força aspirativa cardíaca

26 Etiopatogênese Em sua gênese são importantes os fatores ambientais, climáticos e sobretudo alimentares (dietas obstipantes) e de hábitos sociais (profissão, roupa, calçado, tabaco). Sua ocorrência na gravidez (fatores hormonais e compressivos) comprovada em mais de 50% das mulheres, aumentando a probabilidade nas mulheres aumentando a probabilidade nas múltiparas. Em sua evolução causa insuficiência venosa em 30-40% dos pacientes.

27 Fatores Adquiridos Hereditariedade Etiopatogênese A história familiar de varizes duplica a probabilidade de ser acometido por ela.

28 1.Gravidez; 2.Cirrose, esquistossomose; 3.Posição ortostática de preferência imóvel; 4.Posição sentado; Fatores que aumentam a Pressão Venosa

29 Dogan Gravidez As mulheres são particularmente susceptíveis às varizes porque a parede venosa e as válvulas periodicamente se tornam mais distensíveis sob influência cíclica da progesterona. A gravidez aumenta esta susceptibilidade porque aos hormônios circulantes se associam outros fatores como a expansão do volume sangüíneo e, tardiamente, pelo efeito compressivo exercido pelo útero sobre a veia cava inferior.

30 Sedentarismo

31 Cirrose

32 Posição ortostática Guarda do palácio real gamla-stan em Estocolmo.

33 Exemplos de varizes Dos membros inferiores – De grandes troncos venosos – Teleangiectasias (spider veins) Esofágicas Varicocele Hemorroidárias

34 Varizes tronculares: vias varicosas com mais de 3 mm de diâmetro.

35 Spider veins (ou teleangiectasias): vasos sangüíneos finos e vermelhos com cerca de 1mm de diâmetro. Venulectasia: vasos às vezes ligeiramente elevados com 1-2mm. Veias reticulares: vasos não elevados com 2-3mm.

36 A varicocele afeta cerca de 10% dos homens, tendendo a comprometer jovens usualmente durante a segunda ou terceira década. Usualmente tende a não produzir sintomas e ser inofensiva. No entanto algumas vezes provoca dor, atrofia ou alteração na fertilidade. Geralmente não requer tratamento. Este pode ser necessário se há desconforto ou problemas ou dor importante. Geralmente está relacionada com defeito em válvulas de veias da região. VARICOCELE

37 Veias esofágicas Veia gástrica esq Veia mesentérica inferior Veia mesentérica superior Varizes esofágicas

38 HEMORRÓIDAS


Carregar ppt "Varizes. Um dos componentes principais Da Insuficiência venosa crônica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google