A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIREITO EMPRESARIAL. Parte Geral Por muito tempo entendeu-se o direito Comercial como aquele que regula a profissão dos comerciantes e os atos comerciais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIREITO EMPRESARIAL. Parte Geral Por muito tempo entendeu-se o direito Comercial como aquele que regula a profissão dos comerciantes e os atos comerciais."— Transcrição da apresentação:

1 DIREITO EMPRESARIAL

2 Parte Geral Por muito tempo entendeu-se o direito Comercial como aquele que regula a profissão dos comerciantes e os atos comerciais. Atualmente centra-se na idéia de empresa, que significa a organização dos fatores de produção.

3 O Código Civil de 2002 adotou a teoria de empresa. Teoria de Empresa – centra-se na atividade profissional organizada para produção, circulação de serviços ou bens. Seu objeto é, portanto, a empresa. O Código Civil 2002 não definiu empresa, definiu empresário ( Art. 966) É o profissional, que exerce atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Empresa é o resultado da atividade do empresário ( OAB/DF 2005)

4 Capacidade das partes, para exercer atividades empresariais. De acordo com o Art. 3º do Código Civil são: Absolutamente incapazes os menores de 16 anos Relativamente incapazes maiores de 16 e menores de 18 anos, neste caso, precisam de assistência para exercer atividades comerciais.

5 Portanto a capacidade é pressuposto da atividade empresária. OBS: maiores de 16 e menores de 18 anos terão capacidade plena, nos caso s do Art. 5º do CC/2002. § 1º do Art do Código Civil, nos traz um rol de pessoas que se encontram impedidas de comerciar.

6 O empresário casado mesmo sob o regime de comunhão total, poderá : - Sem necessidade de outorga conjugal. - Alienar bens imóveis que integram o patrimônio, uma vez que esses entes não integram o patrimônio pessoal, mas sim o da empresa.

7 Livros comerciais Todos os empresários estão sujeitos as obrigações de: a) Registrar-se no órgão de comércio ( Art. 967 CC) b) Escriturar livros comerciais c) Levantar balanço patrimonial anualmente (Art CC)

8 Segundo os Arts. 178 e 179 do CPC os livros comerciais tem eficácia probatória, sendo que para fins penais. - Os livros comerciais públicos se equiparam a documentos públicos, conforme disciplina o § 2º do Art. 297 CP

9 Conseqüências da escrituração irregular: - Não poderá promover ação de verificação de contas para instrumentar pedido de falência. - Presumir-se – ão como verdadeiros os fatos alegados pela parte ( art. 378 do CPC) - Configuração de crime falimentar OBS. Apontamentos dos livros comerciais são sigilosos, não podendo se oposto em face a decisões judiciais ou atividades fiscais.

10 Em princípio o empresário: Pessoa física ou jurídica independentemente do ramo de atividade e da forma societária, está obrigado a escriturar os livros obrigatórios. OBS: microempresários e empresários de pequeno porte não optantes pelo SIMPLES estão dispensados de escriturar livros ( Art. 970 e CC)

11 Os optantes pelo Simples manterão a escrituração regular de 02 livros: o caixa e o registro de inventário ( Art. 7º da lei 9.317/96). Para as empresas individuais não optantes não existe obrigação legal de escrituras.

12 Espécies de livros Existe diferenças entre livros empresariais( D.Comercial) e livros do empresário ( D. Tributário). Os livros empresariais podem ser: facultativos ou obrigatórios.

13 Obrigatórios – escrituração imposta. Facultativos – empresário usa para o melhor controle do seu negócio. obrigatórios se divide em: - Comuns – obrigatórios a todos os empresários. - Especiais – escrituração imposta apenas a uma categoria de empresários. - No direito brasileiro, existe apenas 01 livro comum – o Diário ( art CC).

14 Livros obrigatórios especiais - Livro de registro duplicatas – para empresários que duplicatas.art. 19 da Lei 5.474/68 Livro de entrada e saída de mercadorias - empresário que explora armazém geral.

15 Livros especiais para sociedades por ações : - Registro de ações nominativas - Transferência de ações nominativas - Atas de Assembléia Geral - Presença de acionistas etc. OBS: lista longa Ex: leiloeiros, corretores navais etc.

16 Nome Comercial - identifica o empresário. Tradicionalmente entende a doutrina que a proteção ao nome tem a ver com a proteção ao crédito (Art ) As juntas comerciais não registrarão nomes semelhantes dentro de sua área de competência. Para as limitadas o nome comercial deve designar o objeto da sociedade ( §º do Art ).

17 Nome comercial apresenta 2 modalidades: 1- firma ou razão social: - Só pode ter por base o nome civil do empresário - Privativa dos empresários individuais e sociedades de pessoas. OBS: as limitadas também podem usar.

18 Denominação Social: - Pode ter por base tanto o nome civil do empresário como um elemento fantasia. - Privativa da sociedade de capitais OBS: As limitadas também podem usar. O nome empresarial não pode ser objeto de alienação (Art do CC)

19 Registro de comércio - Remonta as corporações de ofício da idade média - Base fundamental, o requisito da publicidade com o fim de determinar quem exercia a atividade comercial. Compete a União legislar sobre os registros públicos e junta comercial. Lei 8.934/94 que regulamenta a matéria. O registro público de empresas mercantis encontra-se a cargo do DNRC ( Departamento Nacional de Registro do Comércio) e das Juntas Comerciais, que possuem competência Estadual. DNRC – integrante do Ministério do desenvolvimento - Indústria e comércio O DNRC é o órgão máximo do sistema.

20 Órgão sem função executiva ( não realiza registro) Compete-lhe : - Fixar diretrizes gerais para a prática doa atos registrários praticados pelas juntas comerciais, acompanhando a aplicação e corrigindo distorções.

21 Junta Comercial – órgão da administração estadual Cabe: - Execução do registro de empresas - Averbações - Assentamento de práticas mercantis - Habilitação e nomeação de tradutores públicos e interpretes - Expedição de carteira de exercício profissional de empresário.

22 Junta Comercial – Trata-se de um órgão de subordinação híbrida: Ao DNRC subordina-se as matérias técnicas de registro de empresas. Ao governo do estado submete-se a subordinação administrativa. OBS: O governador não pode expedir decreto referente a registro de sociedade. O DNRC não pode interferir no funcionalismo ou dotação orçamentária.

23 Em suma – em se tratando de questões do direito comercial a subordinação hierárquica ao DNRC. Já em termos de direito administrativo e financeiro, diz respeito ao Poder Executivo Estadual de que faça parte.


Carregar ppt "DIREITO EMPRESARIAL. Parte Geral Por muito tempo entendeu-se o direito Comercial como aquele que regula a profissão dos comerciantes e os atos comerciais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google