A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Oportunidades e Desafios na Indústria de O&G no Brasil Eloi Fernández y Fernández PUC.RioONIP Junho 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Oportunidades e Desafios na Indústria de O&G no Brasil Eloi Fernández y Fernández PUC.RioONIP Junho 2004."— Transcrição da apresentação:

1 Oportunidades e Desafios na Indústria de O&G no Brasil Eloi Fernández y Fernández PUC.RioONIP Junho 2004

2 Conteúdo Contexto Nacional –Estatísticas –Tributos e Participações Governamentais –Diagnóstico ( Dimensão de Mercado ) Desafios Globais Competitividade e Capacitação Recursos Humanos Desenvolvimento Tecnológico Investimentos Meio Ambiente

3 Contexto Nacional

4 Estatísticas

5 MATRIZ ENERGÉTICA NACIONAL Coeficiente de Conversão da Hidreletricidade e Eletricidade - 0,08 tEP/MWh (equivalência física) Fonte: MME

6 RESERVAS PROVADAS E RESERVAS TOTAIS MM de barris Fonte: ANP

7 Lobato Candeias A.Grande. Primeiras descobertas (BA) Aratu D. João Carmópolis Fase Terra Ubarana Garoupa Albacora Fase Águas Rasas ( Guaricema) Barracuda Roncador Fase Águas Profundas (Marlim) PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO BRASIL 64 ANOS Monopólio Petrobras Flexibilização MBOPD Fonte: ANP

8 PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL NO BRASIL m 3 Fonte: ANP

9 CONCESSÕES EFETUADAS Petrobras Parcerias Petrobras Outras Empresas Total Round 0 - Blocos Exploratórios Áreas em Desenvolvimento Campos em Produção Total Round 1 - Blocos Exploratórios14712 Round 2 - Blocos Exploratórios Round 3 - Blocos Exploratórios Round 4 - Blocos Exploratórios Round 5 - Blocos Exploratórios Rounds 0, 1, 2, 3, 4 e 5 - Blocos Exploratórios Áreas em Desenvolvimento Campos em Produção TOTAL Fonte: ANP Atualmente, existem 38 empresas atuando como concessionárias e 24 como operadoras

10 Bacias Sedimentares terra Estados Outline Campos de Produção Blocos Arrematados na 4º Licitação Blocos Arrematados na 3º Licitação Blocos Arrematados na 2º Licitação Blocos Arrematados na 1º Licitação Blocos Concedidos à Petrobras BLOCOS EXPLORATORIOS Blocos Exploratórios e Campos de Produção Fonte: ANP

11 EMPRESAS DE E&P NO BRASIL Dover Nexen TDC W. Washington Fonte: ANP

12 E&P CONCESSIONÁRIAS Fonte: ANP

13 COMPROMISSO DE COMPRAS MÍNIMAS NAS LICITAÇÕES DE BLOCOS Round 1 Round 2 Round 3 Round 4 Round Fase Exploratória 25%41%28%39%54% Fase de Desenvolvimento27%47%40%54%81% Fonte: ANP

14 O ESTADO COMO REGULADOR DESCOBERTAS REALIZADAS (Indícios de óleo e gás sujeitos à avaliação) Fonte: ANP

15 DESCOBERTAS DE HIDROCARBONETOS ( ) Fonte: ANP

16 PERFURAÇÕES EXPLORATÓRIAS Fonte: ANP

17 INSTALAÇÕES DE PRODUÇÃO OFFSHORE BACIA DE CAMPOS OUTRAS ÁREAS PresentePrevisões Tipo Plataforma15 16 Semi- Sub FPSO / FSO TLP / SPAR Total Fonte: ANP

18 INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS Fonte: ANP UPGNs Terminais Fluviais Capitais Refinarias Terminais Marítimos Terminais Terrestres Terminais Lacustres Armazenadoras Dutos de derivados Dutos de petróleo Terminais cadastrados: marítimos 16 terrestres 7 fluviais 1 lacustre 7 centros coletores de álcool Oleodutos (7.861 km) Oleodutos de Transferência (3.063 km) : Derivados: 743 km Petróleo: km Outros: 14 km Oleodutos de Transporte (4.798 km) : Derivados: km Outros: 16 km

19 REFINARIAS E UNIDADES DE PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL - UPGNS URUCU (2) REMAN RLAM RPI (Ipiranga) REFAP REPAR RPBC RPDM (Manguinhos) RECAP SIX LUBNOR REDUC REGAP REVAP REPLAN LUBNOR GUAMARÉ (2) PILAR CATU CANDEIAS LAGOA PARDA CABIÚNAS (3) RPBC ATALAIA CARMÓPOLIS 16 em operação : 1 em ampliação : 28,4 2,8 M m 3 /dia18 UPGNs UPGNs (em operação) UPGNs (em construção) Outras unidades de refino Capitais Refinarias Fonte: ANP 1) REMAN (AM) 2) LUBNOR (CE) 3) RLAM (BA) 4) REGAP (MG) 5) REDUC (RJ) 6) RPDM (RJ) 7) REVAP (SP) 8) RECAP (SP) 9) REPLAN (SP) 10) RPBC (SP) 11) REPAR (PR) 13) REFAP (RS) 14) RPI (RS) Total Refinomil barris/dia Capacidade de Processamento 45,9 6,3 314,8 151,0 242,2 31,9 251,6 53,5 364,8 169,8 188,7 17,0

20 INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DE GÁS - NATURAL Uruguaiana-Porto Alegre: 615 km Trecho 1: 25 km Trecho 2 (em construção): 565 km Trecho 3: 25 km Gasodutos: km Transferência: km Transporte: km Transpetro: km Bolívia-Brasil (no Brasil): km Trecho Norte: km Trecho Sul: km Lateral Cuiabá (no Brasil): 267 km Trecho: 267 km Fonte: ANP

21 IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE PETRÓLEO, SEUS DERIVADOS E GÁS NATURAL Desde 1998 liberada a importação de petróleo, seus derivados (exceto gasolina e diesel) e gás natural mediante anuência prévia da ANP. liberada a exportação de petróleo e gasolina A partir de 1 de janeiro de 2002 liberação total das importações e exportações.

22 IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO BRASIL Fonte: ANP

23 EXPORTAÇÃO DE DERIVADOS NO BRASIL Fonte: ANP

24 IMPORTAÇÃO DE DERIVADOS NO BRASIL Fonte: ANP

25 CONSUMO DE DERIVADOS m 3 /dia

26 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE PETRÓLEO E DERIVADOS POSTOS REVENDEDORES 80 AGENTES DO SETOR DE SOLVENTES 565 TRANSPORTADORES- REVENDEDORES-RETALHISTAS (TRR) 19 DISTRIBUIDORAS DE GLP POSTOS DE REVENDA DE GLP 314 DISTRIBUIDORAS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E ASFALTO com 488 bases de distribuição AGENTES DO ABASTECIMENTO 128 IMPORTADORES DE PETRÓLEO EDERIVADOS Fonte: ANP

27 IMPORTAÇÃO DE GÁS NATURAL EM MIL M 3 /DIA Autorização de importação de gás natural: 72,5 milhões m 3 /d até 2003) Fonte: ANP

28 DESTINO DO GÁS NATURAL DE PRODUÇÃO NACIONAL Fonte: ANP

29 CONSUMO NACIONAL TOTAL DE GÁS NATURAL 21% 11% Fonte: ANP

30 VENDAS ÀS CONCESSIONÁRIAS ESTADUAIS DE GÁS CANALIZADO (2003) Fonte: ANP

31 PROGRAMA DE MASSIFICAÇÃO DO USO DO GÁS NATURAL Demanda potencial de gás natural (em mil m 3 /dia) Setores2003Potencial Industrial Residencial e Comercial Veicular Frota Urbana Co-geração GNC/GNL Demanda Petrobras (Abst + Fafens) Total não-térmico Termelétricas2003Potencial Despacho de 70% Despacho mínimo Demanda total2003Potencial Total com despacho da térmicas de 70% Total com despacho mínimo das térmicas Fonte: Revista Brasil Energia – Abril 2004

32 Tributos e Participações Governamentais

33 TRIBUTOS E PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS Participações Governamentais - Lei 9.478/97 Bônus de Assinatura Royalties %; Participação Especial: alíquotas progressivas Pagamento pela Ocupação ou Retenção de Área. Tributos CIDE - Lei /2001 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre importação e comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados e, álcool etílico combustível ICMS

34 ROYALTIES EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO – Em R$_Milhões Fonte: ANP Decreto (03/08/98)

35 ROYALTIES VALORES ARRECADADOS: 2003, R$_ milhões Fonte: ANP

36 PARTICIPAÇÃO ESPECIAL EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO – Em R$_Milhões Fonte: ANP

37 PARTICIPAÇÃO ESPECIAL VALORES ARRECADADOS EM 2003, R$ MILHÕES Fonte: ANP

38 PERCENTUAL DE ROYALTIES + PE POR ESTADO (2003) Fonte: ANP

39 ARRECADAÇÃO DE ROYALTIES E PARTICIPAÇÃO ESPECIAL (EM MIL R$) Fonte: ANP

40 PAGAMENTO PELA OCUPAÇÃO OU RETENÇÃO DE ÁREA EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO – Em R$_Milhões Fonte: ANP

41 BÔNUS DE ASSINATURA EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO – Em R$_Milhões Fonte: ANP

42 PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO – Em R$_Milhões Fonte: ANP

43 ARRECADAÇÃO DE ROYALTIES E PARTICIPAÇÃO ESPECIAL (EM MIL R$) BENEFICIÁRIOSRoyatiesRoyaltiesParticipação Especial ESTADOS76.101, , ,8 ALAGOAS1.083, ,6- AMAZONAS3.743, , ,9 BAHIA9.182, ,9- CEARÁ1.298, ,7- ESPIRITO SANTO1.489, ,58.379,9 PARANÁ965,63.016,8- RIO DE JANEIRO38.617, , ,0 RIO GRANDE DO NORTE , ,17.532,1 SERGIPE4.935, ,8- SÃO PAULO859,54.000,1- MUNICÍPIOS70.566, , ,5 FUNDO ESPECIAL14.596, ,7- COMANDO DA MARINHA29.193, ,1- MCT ,6- MME ,8 MMA ,5 TOTAL , , ,6 Fonte: ANP

44 ARRECADAÇÃO MÉDIA (2003) Fonte: ANP

45 Diagnóstico

46 O MERCADO BRASILEIRO DE PETRÓLEO FOI DOS QUE MAIS CRESCEU EM TODO MUNDO

47 AS PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO DO CONSUMO BRASILEIRO DE PETRÓLEO SÃO PROMISSORAS

48 MERCADOS EMERGENTES IRÃO PROPORCIONAR OS MAIORES CRESCIMENTOS NA DEMANDA DE ÓLEO ATÉ 2020 Demanda mundial espera crescer em torno de 2% a.a. 70% do crescimento da demanda da produção de óleo será nos mercados emergentes 50% do crescimento será em sete grandes países (China, India, Brasil,Indonésia, México, Russia e Coreia) As taxas de crescimento das demandas de eletricidade e gás natural são mais altas 25% dos países em desenvolvimento o fornecimento de energia é ainda não-comercial

49 O CENÁRIO INTERNACIONAL Reposicionamento dos países da OPEP Instabilidade no Oriente Médio Revisão das reservas Majors e países da OPEP Crescimento da China Cenários (IEA, DOE) de demanda crescente para petróleo e gás natural Preços de petróleo e gás firmes e elevados Acima de US$ 30 /barril

50 O SETOR DE PETRÓLEO E GÁS VEM SENDO UM DOS PRINCIPAIS PROPULSORES DO CRESCIMENTO DO PIB Fonte: ANP %

51 A PRODUÇÃO NACIONAL CRESCEU MAIS RAPIDAMENTE QUE A DEMANDA DEPENDÊNCIA EXTERNA Fonte: ANP

52 A INDÚSTRIA PETROLÍFERA E A ECONOMIA BRASILEIRA (I) 1997 PIBpb Petróleo: R$ 21,4 bilhões PIBpb Prod./Dist. GN: R$ 0,1 bilhões PIBpb Petróleo/PIBpb Brasil: 2,7% 1999 PIBpb Petróleo: R$ 36,7 bilhões PIBpb Prod./Dist. GN: R$ 0,1 bilhões PIBpb Petróleo/PIBpb Brasil: 4,3% 2001 PIBpb Petróleo: R$ 62,4 bilhões PIBpb Prod./Dist. GN: R$ 0,2 bilhões PIBpb Petróleo/PIBpb Brasil: 5,9% PIBpb Petróleo: R$ 25,1 bilhões PIBpb Prod./Dist. GN: R$ 0,1 bilhões PIBpb Petróleo/PIBpb Brasil: 3,1% 2000 PIBpb Petróleo: R$ 51,5 bilhões PIBpb Prod./Dist. GN: R$ 0,2 bilhões PIBpb Petróleo/PIBpb Brasil: 5,3% Nota: *preços básicos (excluem-se impostas e subsídios sobre produtos) Fonte: ANP Participação dos diversos segmentos no PIBpb do Setor Petróleo

53 A INDÚSTRIA PETROLÍFERA E A ECONOMIA BRASILEIRA (II) Participação dos diversos segmentos no PIBpb do Setor Petróleo Extração de petróleo e gás natural Comércio de combustíveis Refino Nota: *preços básicos (excluem-se impostas e subsídios sobre produtos) Fonte: ANP

54 O AUMENTO NA PRODUÇÃO DOMÉSTICA DE PETRÓLEO PERMITE UMA ECONOMIA DE DIVISAS DE US$ 10 BILHÕES EM 2003 IMPORTAÇÃO POTENCIAL IMPORTAÇÃO EFETIVA ECONOMIA DE DIVISAS US$ Fonte: ANP

55 A PRODUÇÃO INTERNA DEVERÁ CONTINUAR CRESCENDO MAIS RÁPIDO QUE A DEMANDA Milhões b/d Fonte: ANP

56 ATINGIR E MANTER A AUTO SUFICIÊNCIA Produção Desenvol- vimento Avaliação Exploração Reservas Provadas PRod1-5 PNRod produção Tempo Produção demanda Reservas Provadas TEMPO

57 INTENSIFICAR A ATIVIDADE EXPLORATÓRIA Atividade Explor PassadoFuturo Bacias MadurasNovas Fronteiras Elevado Potencial Atividade Exploratória Bacias Maduras Elevado Potencial TEMPO Novas Fronteiras

58 PRODUÇÃO x CONSUMO DE PETRÓLEO Fonte: ONIP b/dia

59 Desafios Globais

60 Crescimento da Demanda de Petróleo e Gás Fonte: IEA, Landmark BOE Em Milhares Diários Crescimento Anual Previsto de 3%

61 Crescentes Desafios enfrentados na Área de Exploração e Produção Fonte: IEA, Landmark Índices de Esgotamento Lâmina de Água Profundidade dos Poços Produtividade dos Poços Tamanho dos Campos Profissionais na Área de Exploração e Produção

62 Crescentes Desafios enfrentados na Área de Exploração e Produção Fonte: IEA, Landmark Índices de Esgotamento Lâmina de Água Profundidade dos Poços Produtividade dos Poços Tamanho dos Campos Profissionais na Área de Exploração e Produção

63 Crescentes Desafios enfrentados na Área de Exploração e Produção Fonte: IEA, Landmark Índices de Esgotamento Lâmina de Água Profundidade dos Poços Produtividade dos Poços Tamanho dos Campos Profissionais na Área de Exploração e Produção

64 Crescentes Desafios enfrentados na Área de Exploração e Produção Fonte: IEA, Landmark Índices de Esgotamento Lâmina de Água Profundidade dos Poços Produtividade dos Poços Tamanho dos Campos Profissionais na Área de Exploração e Produção

65 Fonte: IEA, Landmark Crescentes Desafios enfrentados na Área de Exploração e Produção Índices de Esgotamento Lâmina de Água Profundidade dos Poços Produtividade dos Poços Tamanho dos Campos Profissionais na Área de Exploração e Produção

66 Índices de Esgotamento Lâmina de Água Profundidade dos Poços Produtividade dos Poços Tamanho dos Campos Profissionais na Área de Exploração e Produção Crescentes Desafios enfrentados na Área de Exploração e Produção Fonte: IEA, Landmark

67 Competitividade e Capacitação

68 Capital Humano

69 DEMANDA POTENCIAL FUTURA Investimentos previstos de US$ 6,6 bilhões/ano no país relacionados a exploração, produção, abastecimento e gás e energia ( > 80% do total) geram aproximadamente 1 emprego direto, 1 indireto e 1 de renda adicionada a cada US$ 100 mil de investimento

70 CARACTERÍSTICAS DA DEMANDA FUTURA De 90 a 100 perfis profissionais específicos do setor 55% nível Superior e 45% de nível médio ou fundamental Alguns Exemplos –CAD/CAM –Engenharia Processos Tubulações Industriais Automação e instrumentação Segurança Gerência

71 REQUISITOS DO NOVO CENÁRIO A COMPETITIVIDADE REQUER MUDANÇA DO PERFIL PROFISSIONAL multifuncionalidade especialização continuada mobilidade adequabilidade

72 Desenvolvimento Tecnológico

73 DESAFIOS TECNOLÓGICOS Upstream –Tecnologia de poços –Equipamentos submarinos –Unidades de produção –Sistemas de acoragem –Risers e linhas de fluxo –Garantia de fluidez –Bombeamento multifásico –Elevação artificial –Sistemas submarinos

74 DESAFIOS TECNOLÓGICOS Refino –Óleos Pesados Renováveis –Solar / Eólica / Biomassa Geração de Potência –Micro-turbinas –Células combustíveis –Ciclo combinado –Co-geração Transformação do GN –GTL –LNG – pequena escala Tecnologia de uso final –Veículos híbridos –Células combustíveis

75 Investimentos

76 PLANO DE INVESTIMENTOS: US$ 34,3 BILHÕES ENTRE Distribuição por área de negócio US$ 34,3 bilhões no período , representando um investimento médio anual de US$ 6,9 bilhões. Fonte: ONIP

77 A CARTEIRA DE INVESTIMENTOS PREVISTA PELA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO(EXCETO PETROBRAS) É DA ORDEM DE US$ 6,4 BILHÕES NO PERÍODO DE 2003 A 2007 Fonte: ONIP

78 PLANO ESTRATÉGICO 2015 DESEMBOLSO DA ESTATAL POR ÁREA DE NEGÓCIOS Fonte: PETROBRAS US$11,2 bilhões US$ 32,1 bilhões US$1,1 bilhão US$1,4 bilhões US$1,7 bilhões US$6,1 bilhões

79 INVESTIMENTOS EM ALTA Em US$ bilhões* Fonte: PETROBRAS * Total em exploração, produção, refino, transporte e comercialização, petroquímica, gás e energia, distribuição e outros ** Média anual, do valor total de US$ 53,6 bilhões no período

80 GASTOS POR ÁREAS DE NEGÓCIOS Em US$bilhões Fonte: PETROBRAS

81 PREVISÃO DE INVESTIMENTOS NA ÁREA DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL – R$ MIL São Paulo GNatural/GBrasiliano 350 Comgas 800 Rio de JaneiroCEG e CEG.Rio1.350 Minas GeraisGASMIG 520 Esp. Santo BR Distribuidora 50 Parana Compagas 60 Santa CatarinaScgas 115 Rio G. NortePotigas 50 Paraíba Pbgas 55 Alagoas Algas 50 Sergipe Emsergas 12 » Fonte: ONIP

82 QUADRO DE PLATAFORMAS Nome da Plataforma Tipo de PlataformaLocalizaçãoProjeto Capacidade de produção (barris/dia) Capacidade de compressão de gás (m3/dia) Peroá-Cangoá Fixa Peroá-Cangoá (ES)3,6 MM m3/d de gás PRA-1 Fixa PDET de rebombeio A definirMarlim Sul (Módulo4) A definir Cachalote A definir FPSO Frade A definir FPSO Jubarte (Fase 2) UEP RO-4Roncador (Módulo 4) P-56 FPSO Marlin Sul (Módulo 3) P-55 FPU Roncador (Módulo 3) ,3 milhões P-54 FPSO Roncador (Módulo 2) milhões P-53 FPU Marlim Leste milhões P-52 Semisub Roncador (Módulo 1A- Fase2) Aker/UTC ,3 milhões P-51 Semisub Marlim Sul (Módulo 2)Aker/UTC ,2 milhões P-50 FPSO Albacora LesteProjemar/JP milhões FPSO Marlim Sul FPSO Marlim Sul (Módulo 1 Complementar) SBM ,3 milhões FPSO Fluminense FPSO Bijupirá/SalemaModec milhões P-48 FPSO CaratingaProjemar/IESA/UTC milhões P-47 FSO MarlimProjemar milhões P-43 FPSO BarracudaProjemar/IESA/UTC milhões P-34 FPSO Jubarte (Fase 1) milhão

83 PRINCIPAIS INVESTIMENTOS EM TRANSPORTE E ABASTECIMENTO Cerca de US$ 2 bilhões serão empregados na expansão e adaptação das refinarias existentes No segmento de transporte, US$ 1,2 bilhão serão destinados à renovação da frota, num total de 53 embarcações Cerca de US$ 1 bilhão será empregado na expansão e melhoria das condições de operações e segurança dos dutos e terminais Principais Projetos –PEGASO – melhorias de infra-estrutura e monitoramento da rede de dutos e terminais –Terminal de S.Sebastião – melhoria e expansão –Plano Diretor de Dutos na região metropolitana de S.Paulo –Construção de 17 navios petroleiros –Construção de 19 navios para derivados líquidos –Construção de 10 embarcações de apoio –Construção de 6 navios de GLP –Construção de 1 FSO

84 PRINCIPAIS PROJETOS DE GASODUTOS EM ESTUDOS/DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento da Produção de Gás Natural Ampliação das Malhas Sudeste e Nordeste Gasoduto de Integração Sudeste-Nordeste Gasoduto Uruguaiana-Porto Alegre Gasoduto Lorena(SP)-Poços de Caldas(MG) Gasoduto Coari-Manaus Gasoduto Urucu(AM)-Porto Velho(RO) Gasoduto Cacimbas-Vitória (ES) Gasoduto Pecém-Terezina-S.Luiz(CE

85 ESTIMATIVA DOS INVESTIMENTOS EM GASODUTOS Diâm.(pol)KmMM US$ Urucu-Porto Velho Coari-Manaus Nordeste-Sudeste Cacimbas-Vitória Malha Nordeste Pecém-Terezina-S. Luiz Malha Sudeste Total

86 Meio Ambiente

87

88 Obrigado Maiores Informações


Carregar ppt "Oportunidades e Desafios na Indústria de O&G no Brasil Eloi Fernández y Fernández PUC.RioONIP Junho 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google