A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Teorias da imitação Guillaume – A criança aprende a imitar, o que é evidente no domínio dos movimentos não visíveis do seu corpo. Ex.; Bocejo por reflexo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Teorias da imitação Guillaume – A criança aprende a imitar, o que é evidente no domínio dos movimentos não visíveis do seu corpo. Ex.; Bocejo por reflexo."— Transcrição da apresentação:

1 Teorias da imitação Guillaume – A criança aprende a imitar, o que é evidente no domínio dos movimentos não visíveis do seu corpo. Ex.; Bocejo por reflexo que seja só se torna contagioso no seg. ano por falta de correspondência compreendida entre o modelo visual e os movimentos da própria criança.

2 Tendência para imitar Instinto de imitação – técnica, montagem hereditária - nutrição e reprodução Claparede – instinto de conformidade impele a copiar o que o cerca. O mecanismo de assimilação é instintivo Tendência para reproduzir o semelhante. A teoria do instinto não se sustenta perante a imitação do novo.

3 Condutas perceptivas Reações condicionadas Associacionismo clássico Imitação seria devido a associações entre a percepão do modelo e as recordações: imagens visuais, auditivas e motoras. Percepção Condicionamento Percepções iniciais se desenvolvem X Imitação apreendida, desenvolvida por assimilação e acomodação.

4 Behaviorismo – estímulo, resposta, reforço. –todas as representações derivam da imagem (p. 13) –continuação direta da sensação - percepção Wallon – os fatores sociais (ritos, mitos, linguagem) explicam as formas superiores da imitação e como tal a representam. - A realidade externa ensina.

5 Vínculo com o passado Só se compreende um objeto relativamente a outros ou relativamente as ações precedentes que envolvem o mesmo. (p. 105)

6 É a possibilidade de reprodução que interessa ao sujeito, isto é o interesse não é exterior mas imanente ao funcionamento e identifica-se com a assimilação recognitiva e reprodutiva. (p. 108)

7 IMITAÇÃO Enquanto a noção de objeto não é constituída, a imitação assenta numa espécie de indiferenciação entre o modelo e o corpo do sujeito e faz-se acompanhar de uma causalidade por imitação, a qual nada mais é do que um processo de fazer durar os espetáculos interessantes. (p.113) Noção de objeto: o corpo de outro torna-se uma realidade comparável, sem ser idêntica, ao próprio corpo, resulta no esforço de correspondência dos órgãos percebidos no modelo e em si próprio, culminando numa representação dos mesmos no próprio rosto. Imitar é compreender. Noção de espaço

8 Relações possíveis entre assimilação e acomodação: adaptação inteligente, imitação ou jogo. A adaptação inteligente é constituída como um equilíbrio entre a acomodação e a assimilação. Assimilação pura – deforma o objeto em função do sujeito. Acomodação pura – não fornece possibilidade de compreensão e nem de coordenação. A imitação insere-se no quadro geral das adaptações sensório-motoras, que caracterizam a construção da própria inteligência. A inteligência sensório motora é acomodação do esquema antigo ao novo objeto e, ao mesmo tempo, assimilação deste àquele.

9 Em todos os níveis a imitação constitui o prolongamento da acomodação dos esquemas da inteligência sensório-motora, da percepção e do hábito às coordenações interiorizadas. Correlativo aos esquemas do objeto e da causalidade.

10 Imitação e inteligência A imitação embora dependa a todo instante da inteligência não se confunde com ela. A inteligência tende para um equilíbrio permanente entre a assimilação e a acomodação. A imitação prolonga a acomodação, dela constituindo o positivoe subordinando-lhe, por conseguinte a assimilação. Ela pode reproduzir um gesto que queria ter para atingir um objeto com uma vara sem o fazê-lo, acomodando-se ao objetivo e ao objeto.Já a assimilação pela assimilação, sobrepuja a acomodação. Ex.: a vara ao não atingir o objetivo pode ser usada para bater, fazer barulho, deslocar outro objeto, sem acomodar-se as condições espaciais e de causalidade – a criança estará jogando, em uma assimilação deformante por falta de assimilação.

11 Fases da imitação Fase IFase IIFase IIIFase IV Fase VFase VI Reflexos RC - Interesse para os seus movimentos visíveis Esboço de imitação a partir dos primeiros esquemas adquiridos RC - Interesse com o objeto exterior Coordenação da preensão e da visão. Assimilação mútua das duas espécies de esquemas., constituindo uma nova totalidade, que dão origem a imitação motora desta fase. RC - Interesse entre os objetos Coordenação dos esquemas assimiladores. Aplicação de meios conhecidos a novas situações. Diferenciação ativa da fase IV destaca o prolongamento da acomodação dos esquemas assimiladores Sistematização da imitação do novo por progressos da acomodação no sentido de experimentação ativa. Imitação diferida por interiorização das acomodações


Carregar ppt "Teorias da imitação Guillaume – A criança aprende a imitar, o que é evidente no domínio dos movimentos não visíveis do seu corpo. Ex.; Bocejo por reflexo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google