A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula 5: Doenças do Sistema Linfático Membro: Edlângela Araújo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula 5: Doenças do Sistema Linfático Membro: Edlângela Araújo."— Transcrição da apresentação:

1 Aula 5: Doenças do Sistema Linfático Membro: Edlângela Araújo

2 Sistema de circulação secundário composto por pequenos vasos (3mm) que tem como objetivo transportar a linfa pelos até os gânglios e assim manter o equilíbrio de líquido e proteínas no organismo; É a primeira linha de defesa contra microorganismos invasores que prejudicam o bom funcionamento do organismo; Órgão secundários: baço, nodos linfáticos e acessórios do tecido linfático.

3 Sistema Circulatório Fechado Possui uma bomba propulsora de líquido Sistema LinfáticoVasos e gângliosPescoço,axilas,virilha Grandes vasos do abdome e do peito Aberto Recanaliza para o circulatório

4 Primária ou secundária; Primárias: congênitas, precoce (puberdade) e tardio (>35 anos); Causas secundárias: linfangite recorrente, Filariose, Tuberculose, Neoplasia, Cirurgia, Radioterapia.

5 dor local, deformidades, dificuldades de movimentação, infecções de pele (erisipela), até fibrose. Linfa parada extravasamentolinfedema

6 Grau O: sem linfedemas, mas com problemas do sistema linfático; Grau I: tem linfedema que desaparece com o repouso; Grau II: tem linfedema que não diminui com repouso, mas podem diminuir com drenagem linfática e procedimentos médicos; Grau III: os linfedemas são mais graves, não melhoram com tratamento.

7 Trombose Venosa Profunda: desconforto à palpação na parte inferior da panturrilha, edema grave na coxa e sensibilidade acentuada na área inguinal e da veia femoral comum; Insuficiência Venosa Crônica: dor vaga, edema mole, dermatite de estase e varizes superficiais.

8 LINFEDEMA: insuficiência linfática acúmulo de fluido linfático no tecido intersticial infecção dolorosa; -primário: dificuldade de drenar ou ausência de vasos linfáticos; - secundário: adquirida (trauma, infecção, cirurgia).

9 FILARIOSE -Infecção parasitária por nematóides que habitam o subcutâneo e os vasos linfáticos; -8 tipos de vermes que infectam o humano e 4 são responsáveis pela maioria das infecções graves; - Pernas, testículos e mamas femininas.

10 Filariose Linfática: 1.W. bancrofti, Brugia malayi, B. timori; 2. Culex hábitos noturno, áreas cosmopolitas de países tropicais e subtropicais, tecido linfático (adulto), sangue (microfilárias).

11 PATOLOGIA 1. É caracterizada por lesão inflamatória dos vasos linfaticos pelos vermes adultos ; 2.Dilatação linfática e espessamento das paredes vasculares; 3.Infiltração de plasmócitos, eósinófilos e macrófagos dentro e ao redor dos vasos linfáticos + tecido endoelial e tecido conjuntivo tortuosidade dos vasos + lesão ou incompetência das valvas linfáticas.

12 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS - hematúria microscópica e/ou proteinúria, vasos dilatados e tortuosos e, nos homens, linfangiectasias escrotal - apresentações mais comuns: hidrocele, adenolinfangite e doença linfática crônica. DIAGNÓSTICO - USG, TC pélvicas e abdominais, RM (linfonodos e canais linfáticos obstruídos) - bolsa escrotal e mama;áfico - ELISA e teste em cartão imunocromatográfico de formato rápido.

13 TRATAMENTO -Dietilcarbamazina – 6mg/kg/dia por 12 dias; -Albendazol – 400mg – 2x/dia por 21 dias; - Doxicilina – mesma atividade que o DEC/albendazol por 7 dias. -Ivermectina – em dose única ou associado ao DEC para microfilárias persistentes.

14

15 ERISIPELA - Infecção de pele – S. pyogenes – início abrupto – margens bem definidas e endurecidas; - Atinge mais comumente membros inferiores; - Porta de entrada: cortes, ferimentos, rachaduras, micoses,

16 QUADRO CLÍNICO - astenia, febre alta, náusea, vômito, gânglios palpáveis, edema, rubor e dor local; PREVENÇAO - higiene TRATAMENTO - penicilina e meias elásticas após episódios.

17

18 LINFDENOPATIAS AMIGDALITES; LINFOMAS – Hodgkin e não- Hodgkin; ESPLENOMEGALIAS; DOENÇAS IMUNOSSUPRESSORAS E DOENÇAS INFLAMATÓRIAS.

19

20 -Depender de cada caso -Geralmente uso de medicamentos (linfocinéticos), fisioterapia (massagem/drenagem linfática) ou cirurgia (poucos casos).

21 Fisiológicas (remediar a falta de drenagem) e excisonais (ressecção do tecido patológico); NIELUBOWICZ e OLSZEWSKI criaram a anastomose entre um linfonodo e uma veia; Reseecação do tecido fibrosado com enxerto de pele do mesmo membro na mesma sessão operatória.

22

23

24 1.HARRISON. MEDICINA INTERNA. RIO DE JANEIRO : MC GRAW HILL, Figueiredo M. Doença venosa e exercícios físicos. In: Pitta, G. B. B.; Castro, A. A., Burihan E.; editores.Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; Disponível em:URL:http://www.lava.med.br/livro


Carregar ppt "Aula 5: Doenças do Sistema Linfático Membro: Edlângela Araújo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google