A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bureau Brasileiro para Ampliação da Cooperação Internacional com a União Européia – Projeto B-BICE Academia Brasileira de Ciências - ABC Centro de Gestão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bureau Brasileiro para Ampliação da Cooperação Internacional com a União Européia – Projeto B-BICE Academia Brasileira de Ciências - ABC Centro de Gestão."— Transcrição da apresentação:

1 Bureau Brasileiro para Ampliação da Cooperação Internacional com a União Européia – Projeto B-BICE Academia Brasileira de Ciências - ABC Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE Apresentação UFRJ: dezembro de 2007

2 Os Programas Quadro de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da União Européia (Framework Programs)

3 Possibilidades de Cooperação Internacional com a UE Programas Bilaterais: Coop. Técnica – por intermédio da Agência Brasileira de Cooperação - ABC. Coop. Em C&T – MRE e MCT (assinado em 01/2004 e ratificado em 11/2006) Programas Regionais (AL e ALCUE) – por editais. Programas Sub-Regionais (Mercosul) – por convênios. Programas Quadro de P&D – por editais. Programas Descentralizados – editais (ONGs) Outros mecanismos – PPG 7 (Florestas Tropicais)

4 Os Programas Quadro de P&D Constituem o principal instrumento para financiamento da P&D na União Européia. São propostos pela Comissão Européia e aprovados pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho de Ministros da União Européia. Tiveram início em 1984 e operaram por períodos de cinco anos com sobreposição entre o último ano do programa anterior e o primeiro ano do sucessor.

5 Balanço Final do 6º Programa Quadro no que diz respeito à Cooperação Internacional Dos 295 M previstos para financiar a participação (sem a necessidade de contra-partida) de países terceiros com acordos de cooperação em C&T com a Comunidade em projetos de P&D, não foram utilizados em torno de 225 M. Não participação ou participação tímida de instituições brasileiras em determinadas categorias de projetos: NoEs, IPs e PMEs.

6 Preparando o 7º Programa Quadro Estratégia de Lisboa: em dez anos a União Européia - UE será a economia mais competitiva do mundo. Avaliação de meio termo (2005) indicou que esta meta não será alcançada se medidas inovadoras não forem adotadas de imediato: maiores investimentos em CT&I

7 Política de P&D da União Européia: Orçamentos dos Programas Quadro

8 Programas Específicos do 7º PQ Cooperação – Pesquisa colaborativa; Idéias – Pesquisa de fronteira; Gente – Recursos humanos; e Competências – Infra-estrutura de pesquisa e atividades de planejamento e coordenação (e.g. priority definition, foresight). + JRC (Joint Research Centres) – não nuclear JRC – nuclear Euratom

9 Prioridades temáticas do 7º PQ 1.Saúde 2.Alimentos, Agricultura e Biotecnologia 3.Tecnologias de Informação e Comunicação 4.Nanosciências, Nanotecnologias, Materiais e Novas Tecnologias de Produção 5.Energia 6.Ambiente (incluindo mudanças climáticas) 7.Transportes (incluindo Aeronáutica) 8.Ciências Sócio Econômicas e Humanidades 9.Espaço e Segurança

10 Diretoria-Geral de Pesquisa

11 Diretorias-Gerais

12 Plataformas Tecnológicas Advanced Engineering Materials and Technologies - EuMaTAdvanced Engineering Materials and Technologies Advisory Council for Aeronautics Research in Europe - ACAREAdvisory Council for Aeronautics Research in Europe Embedded Computing Systems - ARTEMISEmbedded Computing Systems European Construction Technology Platform - ECTPEuropean Construction Technology Platform European Nanoelectronics Initiative Advisory Council - ENIACEuropean Nanoelectronics Initiative Advisory Council European Rail Research Advisory Council - ERRACEuropean Rail Research Advisory Council European Road Transport Research Advisory Council - ERTRACEuropean Road Transport Research Advisory Council European Space Technology Platform - ESTPEuropean Space Technology Platform European Steel Technology Platform - ESTEPEuropean Steel Technology Platform European Technology Platform on Smart Systems Integration - EPoSSEuropean Technology Platform on Smart Systems Integration Food for Life - FoodFood for Life Forest based sector Technology Platform - ForestryForest based sector Technology Platform Future Manufacturing Technologies - MANUFUTUREFuture Manufacturing Technologies Future Textiles and Clothing - FTCFuture Textiles and Clothing Global Animal Health - GAHGlobal Animal Health Hydrogen and Fuel Cell Platform - HFPHydrogen and Fuel Cell Platform Industrial Safety ETP - IndustrialSafetyIndustrial Safety ETP Innovative Medicines for Europe - IMEInnovative Medicines for Europe Integral Satcom Initiative - ISIIntegral Satcom Initiative Mobile and Wireless Communications - eMobilityMobile and Wireless Communications Nanotechnologies for Medical Applications - NanoMedicineNanotechnologies for Medical Applications Networked and Electronic Media - NEMNetworked and Electronic Media Networked European Software and Services Initiative - NESSINetworked European Software and Services Initiative Photonics21 - PhotonicsPhotonics21 Photovoltaics - PhotovoltaicsPhotovoltaics Plants for the Future - PlantsPlants for the Future Robotics - EUROPRobotics Sustainable Chemistry - SusChemSustainable Chemistry Water Supply and Sanitation Technology Platform - WSSTPWater Supply and Sanitation Technology Platform Waterborne ETP - WaterborneWaterborne ETP Zero Emission Fossil Fuel Power Plants - ZEPZero Emission Fossil Fuel Power Plants platforms/home_en.html

13 Joint Technology Innitiatives (JTIs) Iniciativas Tecnológicas Conjuntas (JTIs) são entidades legais propostas como uma nova forma de parceria público- privado em campos relevantes da pesquisa e do desenvolvimento industrial no âmbito da Europa. As JTIs surgem dos trabalhos das Plataformas Tecnológicas (PTs). Para um número restrito de casos dessas PTs (6) a implementação de suas Agendas Estratégicas de Pesquisa irá requerer a mobilização expressiva de investimentos público e privados assim como substanciais ações de P&D. As JTIs representam uma proposta efetiva para o alcance das necessidades dessas PTs. Esse instrumento ainda está em fase de implantação.

14 Orçamento do 7º Programa Quadro por Programa Específico e por Tema

15 Orçamento do 7º Programa Quadro

16 Cooperação Internacional no contexto do 7º Programa Quadro – Objetivos Apoio e promoção da competitividade européia mediante parcerias em pesquisas estratégicas com países terceiros, em campos selecionados da ciência, tecnologia e inovação; Contribuição para o avanço do conhecimento na Europa; e Solução de problemas específicos com que os países terceiros venham a se defrontar, ou que tenham uma natureza global, tendo por referência o interesse e o benefício mútuo.

17 País Terceiro – um país que não é um Estado Membro ou Associado. País Parceiro em Cooperação Internacional (ICPC) – é um país terceiro parceiro para cooperação internacional e que a União Européia classifica em distintas categorias. Exemplos: Países Regiões (e.g. China, India, Brasil e Russia); e Países em desenvolvimento (e.g. Peru, Angola, Vietnã, Equador, Panamá, Cuba).

18 Cooperação Internacional no contexto do 7º Programa Quadro – Implementação A cooperação internacional será implementada no Programa de Cooperação em cada área temática e no contexto dos temas mediante: 1.A abertura de todas as atividades desenvolvidas nas áreas temáticas para os ICPCs. 2.Ações Específicas de Cooperação Internacional (Specific International Cooperation Actions – SICA) em cada área temática e dedicadas aos ICPCs no caso de interesses mútuos de cooperação, em tópicos específicos. 3.Editais Coordenados (Coordinated Calls) em temas a serem definidos mediante diálogos bilaterais com países que possuem acordos de cooperação em C&T com a Comunidade Européia.

19 Cooperação Internacional no contexto do 7º Programa Quadro – Regras de Participação A abertura de todas as atividades O número mínimo de participantes deverá ser de 3 entidades independentes estabelecidas em três diferentes Estados Membros ou Países Associados. País Terceiro participa como parceiro ADICIONAL.

20 Ações Específicas de Cooperação Internacional - SICA O número mínimo de participantes deve ser de 4 entidades legais independentes, das quais: Pelo menos 2 sejam estabelecidas em dois diferentes Estados Membros ou Países Associados, e Pelo menos 2 sejam estabelecidas em dois País Parceiro em Cooperação Internacional - ICPC Países Terceiros como parceiros COMPULSÓRIOS. Nessa modalidade o Brasil tem a vantagem de ser considerado País Região. Isso significa que não precisa se associar a outro País Terceiro, bastando a presença de duas instituições de dois Estados distintos da Federação.

21 Editais Coordenados Essa modalidade ainda está em fase de implementação no âmbito do 7º Programa Quadro. Nos editais lançados em 30 de novembro de 2007 essa modalidade está sendo implementada com a Rússia na temática de Agricultura, Alimentos, Pesca e Biotecnologia. Existem duas possibilidades em discussão: 1. Joint Projects; e 2. Twin Projects. O Brasil está negociando o lançamento de um edital coordenado para o ano de 2008, muito provavelmente na área de Biocombustíveis.

22 Instrumentos de financiamento Projetos ColaborativosProjetos Colaborativos – desenvolvimento de novos conhecimentos, novas tecnologias, produtos, atividades de demonstração, recursos comuns para pesquisa; Redes de ExcelênciaRedes de Excelência – apoio a um programa conjunto de atividades para integrar atividades em determinado campo; Ações de Coordenação e SuporteAções de Coordenação e Suporte – apoio a atividades visando a coordenação e suporte a atividades e políticas de pesquisa;

23 Instrumentos de financiamento Apoio à Pesquisa de PontaApoio à Pesquisa de Ponta – apoio a projetos direcionados à pesquisa básica, financiados pelo Conselho de Pesquisa Europeu; Apoio ao treinamento e desenvolvimento da carreira de pesquisadoresApoio ao treinamento e desenvolvimento da carreira de pesquisadores – apoio à implementação das ações do Programa Marie Curie; e Pesquisa em benefício de grupos específicosPesquisa em benefício de grupos específicos – apoio a projetos de pesquisa em benefício de grupos específicos, em particular PMEs.

24 Os passos para participação Conhecimento das possibilidades Possível interesse (Programa específico, Work Programme, editais) Busca por parceiros de pesquisa (Min. 3 de 3 diferentes Estados-Membros, ACC ou AS da UE – total de 34 países) Preparação da proposta de projeto de pesquisa Submissão da proposta (totalmente por via eletrônica)(Avaliação) Se bem-sucedida: negociação, financiamento, implementação

25 Percentuais de contribuição financeira da CE Atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico:Atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico: até 50% dos custos totais elegíveis, exceto para: –Organismos públicos, instituições de ensino secundário e superior, organizações de pesquisa e PMEs: até 75% dos custos totais elegíveis; Atividades de demonstração:Atividades de demonstração: até 50% dos custos totais elegíveis; pesquisa de pontacoordenação e apoio formaçãoAções de pesquisa de ponta, de coordenação e apoio, de formação e progressão na carreira dos pesquisadores: até 100% dos custos totais elegíveis;

26 Percentuais de contribuição financeira da CE Gestão e certificados de auditoriaGestão e certificados de auditoria, e outras atividades não incluídas anteriormente: até 100% dos custos totais elegíveis; Redes de Excelência:Redes de Excelência: é estabelecido um montante fixo anual por pesquisador.

27 Direitos de Propriedade Intelectual Propriedade:Propriedade: –Cada participante detém propriedade sobre o conhecimento por ele gerado Co-Propriedade :Co-Propriedade (na ausência de um acordo específico se aplica um regime padrão de co-propriedade): –Cada co-proprietário pode conceder licenças não exclusivas a terceiros, sem direito a sub-licenças, sujeito à notificação prévia e ao pagamento de uma compensação justa e razoável aos demais co-proprietários.

28 Direitos de Propriedade Intelectual Cessão de Propriedade:Cessão de Propriedade: –Notificação prévia apenas aos demais participantes (não à Comissão), os quais podem renunciar ao seu direito de receber uma notificação prévia relativa a cessões concretas a terceiros. A CE pode se opor a uma cessão de direitos de acesso com base na manutenção da competitividade européia e princípios éticos.

29 Editais: Identificação de atividades de cooperação em ciência, tecnologia e inovação entre a AL e a UE, tendo em consideração as áreas temáticas do 7º Programa Quadro. (Workshop de Meio Ambiente realizado na cidade de Brasilia em junho de 2006) Identificação de Ações Específicas de Cooperação Internacional (área SICA), em cada uma das áreas temáticas, tendo em consideração temas de interesse mútuo ou temas de natureza global. (Primeira reunião da Comissão Mista do Acordo de Cooperação em CT&I a acontecer em 09/2007 em Brasília)

30 Configuração de um Call (Energy)

31

32 Projeto B-BICE

33 Diagnóstico Brasil e Europa têm longa tradição na cooperação científica e tecnológica internacional. Contudo, quatro problemas podem ser identificados: 1.A natureza da cooperação é mais científica do que tecnológica; 2.A sistemática de funcionamento da cooperação é mais pessoal do que institucional; 3.Ausência de estratégia e/ou planejamento; e 4.O fluxo de informações sobre oportunidades de cooperação é precário.

34 SPONTANEOUS ORGANISED DISTRIBUTEDCENTRALISED Megascience Dynamic Cooperation Scientist-Initiated Research Resource-dependent Research RAND, 2002 Tipologias de cooperação internacional

35 Proposta brasileira Objetivo do B-BICE: –ampliar a cooperação em ciência, tecnologia e inovação entre o Brasil e a União Européia. Atuação do Bureau: –organização e disseminação de informações relativas às prioridades de pesquisa para cooperação; –identificação dos mecanismos financeiros de apoio a essa cooperação; –busca de parceiros brasileiros e europeus para a proposição de projetos de pesquisa; –auxílio às instituições de pesquisa brasileiras no processo de preparação e negociação de projetos de pesquisa.

36 Função adicional: –manter um permanente contato e fluxo de informações com os outros três países latino-americanos que mantêm acordos de cooperação bilateral com a UE – Argentina, Chile, e México – de forma a estabelecer uma coordenação e uma integração entre esses países, quando da preparação e apresentação de propostas de projetos de pesquisa em resposta aos editais do 7º Programa Quadro.

37 Ações Criação de uma Web Page ( bbice.cgee.org.br); Estabelecimento de um banco de dados com informações institucionais, nas prioridades do 7º Programa Quadro (Desenvolvimento do Portal de Inovação); Disseminação de informações – reuniões, vídeos conferências, seminários e encontros; Criação de um sistema para auxiliar na identificação de parceiros e preparação de propostas; e Interlocução com a América Latina e a Comissão Européia.

38

39 RESULTADOS Estabelecimento, para o 7º PQ, de uma sistemática mais organizada para as atividades de cooperação internacional em CT&I; Estabelecimento, para o 7º PQ, de uma maior coordenação das atividades de cooperação internacional em CT&I desenvolvidas pelas instituições brasileiras de pesquisa e desenvolvimento; e Tornar mais transparente para a comunidade científica, tecnológica e empresarial brasileira os mecanismos e as oportunidades existentes para cooperação internacional em CT&I no contexto do 7º Programa Quadro de P&D.

40 Nova Proposta: BB.Bice Prazo de duração: 3 anos com início em 2008 A Comunidade Européia anunciou que a continuidade do B.Bice, o BB.Bice foi aprovado para um novo período de três anos. No contexto desse novo projeto a proposta é reforçar atividades ainda não adequadamente exploradas pelo Brasil nos FPs: Participação no Programa Marie Curie; Projetos em e-infraestrutura e infra-estrutura de pesquisa; Constituição da Rede de National Contact Points – NCPs; Mecanismos de apoio às empresas brasileiras; Mecanismos para auxiliar na busca de parceiros; Treinamentos; e Outros mecanismos de apoio à Cooperação em CT&I como: Interlocução com outros Escritórios de informação, como os Escritórios da China, India, África do Sul, dentre outros; Produção e distribuição de material de divulgação da competência nacional em CT&I; e Desenvolvimento de estudos prospectivos.

41 National Contact Points – NCP

42 Europe INNOVA

43 IMProve https://www.improve- innovation.eu/opencms/opencms/en/index.html https://www.improve- innovation.eu/opencms/opencms/en/index.html

44 IPR Helpdesk

45 Financiamento de projetos no tema de Segurança e Qualidade de Alimentos por país

46 MUITO OBRIGADO! Paulo Egler


Carregar ppt "Bureau Brasileiro para Ampliação da Cooperação Internacional com a União Européia – Projeto B-BICE Academia Brasileira de Ciências - ABC Centro de Gestão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google