A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Desenvolvimentos do empirismo e do racionalismo no séc. XVIII Psicologia das faculdades Empirismo britânico (F. Bacon, Hobbes, Locke) Associacionismo (Hume,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Desenvolvimentos do empirismo e do racionalismo no séc. XVIII Psicologia das faculdades Empirismo britânico (F. Bacon, Hobbes, Locke) Associacionismo (Hume,"— Transcrição da apresentação:

1 Desenvolvimentos do empirismo e do racionalismo no séc. XVIII Psicologia das faculdades Empirismo britânico (F. Bacon, Hobbes, Locke) Associacionismo (Hume, Hartley) Materialismo francês (la Mettrie, Condillac)

2 Psicologia das faculdades Filosofia racionalista européia no século XVIII –Ch. Wolff potências para ação – conhecer, lembrar, querer, sentir divisão básica em cognição (percepção, memória, entendimento e razão) e sentimento/desejo –Th. Reid: 43 faculdades (linguagem, cor, cautela, idealismo, esperança) –J. Tetens: faculdades cognitivas, afetivas e conativas –I. Kant: conhecimento, sentimento e desejo

3 Christian von Wolff ( ) Retomada de Leibnitz, substituindo mônadas por átomos Psychologia Rationalis –Escolástica, harmonia preestabelecida corpo/alma Psychologia Empirica –Faculdades mentais –Propriedades inferiores e superiores (voluntárias) –Cada experiência (Erlebnis) tem uma parte física (ação do organismo, produção de uma idéia no cérebro) e uma psíquica (atividade da alma)

4 Wolff Método psicológico específico, nem mecânico, nem fisiológico Fundamento do introspeccionismo no início da psicologia experimental 1.Reconhecer modificações da alma 2.Observar repetidamente variando condições 3.Identificar forças que ocasionam modificações 4.Comparar e decompor às capacidades mais elementares

5 David Hume ( ) Filosofia Experimental Projeto: a associação como o equivalente psicológico da gravitação –Leis da associação: semelhança e contigüidade no tempo e espaço

6 Hume Ontologia O mundo não é intrinsecamente racional –Eventos não obedecem a leis auto-evidentes ou pré-estabelecidas –Objetos não têm qualidades primárias (Locke) O eu que aparentemente permanece como ponto de referência no decorrer das experiências é uma ilusão, consistindo em seqüências e conexões de conteúdos –Psicologia sem psique: associação substitui atividade sintética da mente

7 Hume Epistemologia Impressões (sensação de objetos presentes) => Idéias (cópias menos vívidas das impressões) Conhecimento resulta do hábito e da ordenação das impressões sensoriais

8 Hume Lógica Leis da associação: limites para a mente combinar materiais da experiência –Semelhança –Contigüdade no tempo / espaço É impossível afirmar que haja relações causais entre os objetos do mundo (causalidade não é auto-evidente) Causalidade é crença resultante de perceber a repetição de certas seqüências de eventos

9 Hume Ética ~ moralidade Física das paixões –Paixões diretas, simples (impressões – emoções) –Paixões indiretas, complexas (idéias – sentimentos) –Juízo moral: agrado ou desagrado que a ação (do indivíduo) suscita no (outro indivíduo) observador da ação

10 Descartes filosofia mecânica Mundo mecânico – causalidade necessária Ordem lógica = ordem psicológica: –Razão –(matemática) Idéias inatas válidas Eu é verdade auto- evidente Hume filosofia experimental Mundo irracional – causalidade ilusória Ordem lógica ~ ordem psicológica: –Associações –(estatística) Idéias vêm de impressões Eu é ilusão de continuidade

11 David Hartley ( ) Aplicação do associacionismo de Hume à relação mente-corpo Procura de uma base fisiológica para os princípios da associação Vibrações nervosas paralelas às associações entre impressões e idéias Ações voluntárias – cérebro; involuntárias - medula

12 Materialismo Não existe outra substância além da matéria. Característica comum – conjunto de objetos individuais, representáveis, figurados, móveis, representáveis, ocupando cada um uma região determinada do espaço Fatos e estados de consciência são epifenômenos, que só podem ser explicados e tornar-se objeto de ciência se nos referirmos aos fenômenos fisiológicos correspondentes La Mettrie ( ): Homem-máquina Cabanis ( ): cérebro secreta pensamento Posteriormente: Pavlov, Skinner, etc.

13 Julien de la Mettrie ( ) Homem-máquina Única realidade é matéria em movimento Não há motivo para separar corpo e alma em substâncias diferentes Corpo é objeto regido por movimentos regulares –Músculos que se contraem separados do corpo –Corpo de galo que se mantém em pé retirada a cabeça –Pólipos marinhos que se regeneram

14 Pe. Étienne de Condillac ( ) Espírito é diferente da matéria, mas... Senso-percepção é a base de todo o conhecimento humano Se dermos a uma estátua o sentido do olfato, ela conseguirá produzir idéias

15 Pierre Cabanis ( ) Vida é mera organização de forças físicas Reduz todas os fenômenos mentais humanos a meros reflexos –Alguns reflexos têm maior complexidade O cérebro secreta pensamento assim como o fígado secreta bile –Conceito de função Observação de sujeitos guilhotinados –Eu central substitui a noção de alma –Sensações chegam ao cérebro isoladas e incoerentes, e lá são transformadas em idéias e manifestam-se por linguagem e gestos


Carregar ppt "Desenvolvimentos do empirismo e do racionalismo no séc. XVIII Psicologia das faculdades Empirismo britânico (F. Bacon, Hobbes, Locke) Associacionismo (Hume,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google