A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques."— Transcrição da apresentação:

1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques dos Anjos Aula 18 Fresadoras e Fresagens - Introdução Slides gentilmente cedidos pelo prof. Vitor, com adaptações minhas.

2 Fresagem (ou Fresamento) Processo de fabricação destinado a obtenção de superfícies quaisquer com o auxílio de ferramentas multicortantes A ferramenta gira e a peça ou a ferramenta se desloca Processo tridimensional

3 Nomenclaturas Fresamento ou fresagem: é o processo de usinagem Fresa: é a ferramenta de corte Fresadora: é a máquina ferramenta

4 Fresagem – processo básico Dois movimentos simultâneos compõem o processo de fresamento: 1.Movimento da mesa (avanço) 2.Movimento da ferramenta (corte)

5 Tipos de Fresagem

6

7

8 Movimentos Fresa x Mesa Discordante Concordante

9 Movimento Discordante Vantagens: Menor trepidação. Maior vida da ferramenta: – menor quebra Melhor acabamento Os itens acima são consequência da eliminação de folga entre o parafuso de movimento e sua porca com o movimento discordante.

10 Movimento Discordante Desvantagens: Tendência de deslocamento da peça para cima Cavacos caem na frente da fresa Necessária maior potência de corte

11 Movimento Concordante Vantagens: Melhor fixação da peça – Elementos de fixação mais simples Cavacos removidos para a parte de trás da peça Menos desgaste da ferramenta (+/- 50%) Menor potencia de corte

12 Movimento Concordante Desvantagens: Elevadas forças de impactos na peça, devido à trepidação provocada pelas folgas parafuso-porca Risco de quebra da ferramenta

13 Fresadoras Podem ser do tipo: 1.Horizontal: eixo árvore paralelo à mesa 2.Vertical: eixo árvore perpendicular à mesa 3.Universal: possui os dois tipos de eixos 4.Copiadora: possui dois cabeçotes 5.Pantográfica: possui um pantógrafo

14 Fresadoras 1. Horizontal: eixo árvore paralelo à mesa

15 Fresadoras 2. Vertical: eixo árvore perpendicular à mesa

16 Fresadoras 3. Universal: 02 eixos árvore perpendicular e paralelo à mesa

17 Fresadoras 4. Copiadoras: 02 cabeçotes (um para o sensor apalpador e outro para a ferramenta) com a função de repetir perfis idênticos

18 Fresadoras 5. Pantográfica: possui um pantógrafo também com a função de copiar (manual)

19 Fresas São ferramentas multicortantes com vários formatos e ângulos

20 Fresas Ângulo de fresas γ (s) = Ângulo de saída β (c) = Ângulo de cunha (ou de corte) α (f) = Ângulo de folga

21 Fresas Ângulos de fresas cilíndricas Tipo W β =57º Dentes menos resistente. Adequadas para: –Materiais não ferrosos –Metais de baixa dureza –Grande remoção de cavaco por dente

22 Fresas Ângulos de fresas cilíndricas Tipo N β =73º Média resistência à quebra do dente. –Materiais dureza média –Até 700 N/mm²

23 Fresas Ângulos de fresas cilíndricas Tipo H β=81º Alta resistência no dente –Materiais duros e quebradiços –Acima de 700 N/mm²


Carregar ppt "Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google