A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO 1 Professora Daysi Farias

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO 1 Professora Daysi Farias"— Transcrição da apresentação:

1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO 1 Professora Daysi Farias

2 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 - Aplicação da Técnica de Aprendizagem Aprender a Aprender à Disciplina 2. Cenários 3. Perfil 4. Papéis gerenciais 5. Níveis hierárquicos 6. Comportamento Gerencial 7. Enfoque comportamental 8. Eficiência /Eficácia/ Efetividade 9. Enfoque da qualidade 10. Processo Decisório 11. Processo de Planejamento 12. Fundamentos de Marketing 13. Finanças 14. Fundamentos do Processo de Organização 15. Controle 16. Administração de Projetos 2

3 I GREJA C ATÓLICA Igreja Católica Romana Organização formal mais velha do mundo Necessidade de definir os objetivos, a doutrina e a conduta das atividades cristãs Resultado: grande organização religiosa e uma fonte centralizada de autoridade no Papa. Racha originando a Igreja Ocidental e a Igreja Ortodoxa e mais tarde a Reforma Protestante Necessidade de um líder, divisão do trabalho, amplitude administrativa e avaliação de desempenho. Princípio da assessoria (staff) 3

4 A ADMINISTRAÇÃO MEDIEVAL O sistema feudal Idade média: o rei possuía toda terra, dividindo partes dela com os nobres, em troca de apoio militar e financeiro As classes inferiores trabalhavam na terras, em troca de uma parte das colheitas ou impostos Servos: recebiam proteção e sustento, nasciam em seus empregos Fim do feudalismo: surgimento de diferentes métodos de gerenciamento agrícola e de novos sistemas para a manufatura de bens. 4

5 O SURGIMENTO DO SISTEMA FABRIL Crescimento das cidades Crescente demanda de bens Desenvolvimento de ofícios e artesãos A agricultura foi aprimorada Os servos aprenderam novas habilidades Sistema de ofícios: organização estruturada pelos artesãos 5

6 O SISTEMA DA INDÚSTRIA CASEIRA Entrega de matéria-prima nas casas ou cabanas de trabalhadores, usavam ferramentas manuais. Várias empresas financiavam as operações, entregavam a matéria-prima recolhia, os produtos acabados e os vendiam. O Sistema Fabril Séc. XVII Demanda de produtos, especialmente têxteis Oferta de mão-de-obra criada pelo declínio do feudalismo e libertação dos servos dos castelos As pessoas saiam dos campos e iam para as cidades A Revolução Industrial (1700) e o progresso tecnológico forneceu o meio para uma escala maior de produção. 6

7 AS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO 7 Perspectiva clássica Perspectiva quantitativa Perspectiva humanística Perspectiva moderna Perspectivas contemporâneas

8 ORGANIZAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO Sociedade de Organizações 8

9 O que são organizações? Unidades sociais (ou agrupamentos humanos) Intencionalmente construídas e reconstruídas Atingir objetivos específicos Nunca constitui uma unidade pronta e acabada É um organismo vivo Sujeita a mudanças 9

10 Organizações Sistema de recursos que procura realizar algum tipo de objetivo (ou conjunto de objetivos). Componentes: objetivos, recursos, processos de transformação e divisão do trabalho. Estão por toda parte. 10 Introdução à Administração Albertina Sousa

11 PRINCIPAIS COMPONENTES DAS ORGANIZAÇÕES Recursos Humanos Materiais Financeiros Informação Espaço Tempo Espaço Processo de transformação Divisão do trabalho Objetivos Produtos Serviços Sucesso Crescimento 11

12 O que são objetivos? Pretensões ou propósitos da empresa Definem a razão de ser ou de existir das empresas Objetivos empresariais > objetivos departamentais > operacionais Servem: para aumentar a participação no mercado, aumentar a produção, diminuir custos, elevar a liquidez da empresa 12

13 R ECURSOS Recursos Humanos: pessoas Recursos materiais: instrumentos de trabalho (máquinas, ferramentas, matéria-prima) Recursos financeiros: capital Informação: dados (recursos intangíveis, conhecimento) Espaço: local Tempo: recurso intangível Espaço: rede, virtual, home office, redes sociais 13

14 PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO Recursos Resultados Processo: estrutura de ação de um sistema. 14

15 DIVISÃO DO TRABALHO Realização de tarefas específicas Realização dos objetivos 15

16 FUNÇÕES ORGANIZACIONAIS Administração geral Operações (produção) Marketing Finanças Recursos Humanos Pesquisa e desenvolvimento 16

17 OPERAÇÕES (PRODUÇÃO) Fornecer o produto ou serviço Utilização e transformação de recursos Produção em massa Produção por processo contínuo Produção unitária 17

18 18

19 M ARKETING Estabelecer e manter relação entre cliente e organização Pesquisa Desenvolvimento de produtos Distribuição Preço Promoção Vendas 19

20 20

21 P ESQUISA E D ESENVOLVIMENTO (P&D) Transformar informações de marketing em produtos e serviços Identificação e introdução de novas tecnologias Melhoramentos nos processos produtivos Redução de custos Especialistas 21

22 22

23 F INANÇAS Cuida do dinheiro da organização Proteção e utilização eficaz dos recursos financeiros Maximização do retorno do investimento Manter o grau de liquidez Responsável por decisões como: investimentos, financiamento, controle, destinação dos resultados. 23

24 R ECURSOS H UMANOS Encontrar, atrair e manter as pessoas Função estratégica (envolve o todo) Planejamento da quantidade e competências de pessoas para ingressarem na organização Recrutamento e seleção Treinamento e desenvolvimento Avaliação de desempenho Remuneração Higiene, saúde e segurança no trabalho Gestão de pessoas 24

25 25

26 EFICIÊNCIA X EFICÁCIA Eficácia: realização de objetivos. Eficiência: melhor utilização dos recursos. EficiênciaEficácia Ausência de desperdíciosCapacidade de realizar resultados Uso econômico de recursosGrau de realização dos objetivos Menor quantidade de recursos para produzir mais resultados Capacidade de resolver problemas 26

27 ADMINISTRAÇ ÃO Tomar decisões sobre objetivos e recursos. Recursos Pessoas Informação e conhecimento Espaço Tempo Dinheiro Instalações Objetivos Resultados esperados do sistema Decisões Planejamento Organização Execução e direção Controle

28 PRINCIPAIS FUNÇÕES DO PROCESSO DE GESTÃO Planejar Organizar Controlar Executar 28 Liderar

29 Processos e significados PlanejamentoDefinir objetivos, atividades e recursos. OrganizaçãoDefinir e dividir o trabalho e recursos. Atribuição de responsabilidade e autoridade. LiderançaInfluência, estímulo. ExecuçãoRealizar atividades e consumir recursos. ControleAssegurar a realização dos objetivos e identificar a necessidade de modificá-los. 29

30 ADMINISTRAÇÃO: ARTE Habilidades Conhecimento Experiência Talento 30

31 A DMINISTRADORES 31

32 A DMINISTRADORES Autoridade Responsabilidade Utilização de recursos para obtenção de resultados Tomadores de decisão 32

33 H ENRY M INTZBERG : PAPÉIS GERENCIAIS Papel gerencial: posição ou função Papéis interpessoais Papéis de processamento de informação Papéis de decisão 33

34 P APÉIS I NTERPESSOAIS Líder: persuasão, negociação, motivação, relações humanas Figura de proa (imagem do chefe): representante ou relações públicas Ligação: teia, relação com os pares 34

35 PAPÉIS DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES Monitor: troca de informações (dentro e fora) Disseminador: circulação da informação (de fora para dentro) Porta-voz: fala oficial (de dentro para fora) 35

36 PAPÉIS DE DECISÃO Empreendedor: planejador de mudanças Controlador de distúrbios: amenizar conflitos, crises entre grupos, promover a harmonia, equilíbrio Psicólogo Organizacional Administrador de recursos: Tempo, programar ao trabalho alheio e autorizar decisões tomadas por terceiros Negociador: sindicatos, clientes, credores ou empregados 36

37 COMPETÊNCIAS Perspectiva Visão das coisas, maneira prática de aplicar o conhecimento na solução de problemas e situações Conhecimento Informação, atualização profissional, reciclagem constante 37 Atitude Comportamento ativo e proativo, ênfase na ação e no fazer acontecer, espírito empreendedor e de equipe, liderança e comunicação Atitude Comportamento ativo e proativo, ênfase na ação e no fazer acontecer, espírito empreendedor e de equipe, liderança e comunicação

38 COMPETÊNCIAS GERENCIAIS Competências intelectuais: obtenção e análise concreta sobre a realidade e intuição, imaginação e criatividade (habilidade conceitual) Competências Interpessoais: Liderança, relação humana, comunicação, motivação (habilidade humana) Competência Técnica: atividade específica Competência Intrapessoal: introspecção;auto- análise, automotivação, autoconhecimento, organização e administração do próprio tempo 38

39 M AESTRO 39 Introdução à Administração Albertina Sousa

40 CIRURGIÃO 40 Introdução à Administração Albertina Sousa

41 I DÉIAS F UNDAMENTAIS O que é uma teoria? Não há nada mais prático que uma boa teoria. Einstein 41

42 42

43 O QUE É T EORIA ? Conjunto de proposições que procuram explicar os fatos da realidade prática, princípios e doutrinas que orientam ações dos administradores e técnicas para resolver problemas práticos. 43

44 44

45 P RINCIPAIS DESENVOLVIMENTOS TEÓRICOS NA PRIMEIRA PARTE DO SÉCULO XX Taylor lidera o movimento da administração científica Henry Ford cria a linha de montagem móvel Henri Fayol propõe o conceito de administração geral Max Weber cria o tipo ideal de burocracia Desenvolvem- se as técnicas de controle da qualidade Bertalanffy propõe a teoria geral dos sistemas Nasce a escola das relações humanas 45

46 IDÉIAS PRECURSORAS E PIONEIROS DA ADMINISTRAÇÃO Grécia Século V a.C. Produção de idéias Democracia Ética (O político): Platão – responsabilidade dos políticos em promover a felicidade dos cidadãos Qualidade (aretê – excelência) 46

47 IDÉIAS PRECURSORAS E PIONEIROS DA ADMINISTRAÇÃO Roma e a Igreja Católica Princípios e técnicas Monarquia, República e Império Habilidades administrativas Má administração destruiu Roma Contribuições para o Direito, Administração e Igreja Católica Grandes empresa s 47

48 IDÉIAS PRECURSORAS E PIONEIROS DA ADMINISTRAÇÃO Organizações Militares Mais de anos Operações complexas e arriscadas Estratégia/planejamento/logística e hierarquia Exército Assírio Exército Romano Sun Tzu e a arte da guerra: estratégia militar = evitar a batalha, intimidar psicologicamente o inimigo e usar o tempo (escrito século IV a.C.) 48

49 IDÉIAS PRECURSORAS E PIONEIROS DA ADMINISTRAÇÃO Renascimento O Príncipe Comportamento de um governante Analista do poder Trabalho em equipe (qualidade dos homens que nos cercam) Apoio das massas Inspiração, referência 49

50 TAYLOR E A ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA 1903 Eficiência do processo de produção Racionalização do trabalho / divisão do trabalho Tempos e movimentos The best way Evitar o desperdício Prêmios por produção Padronização / Especialização Seleção científica e treinamento 50

51 H ENRY F ORD E A L INHA DE M ONTAGEM Produção em massa Peças padronizadas Trabalhador especializado / divisão do trabalho Expansão da atividade industrial em todo o mundo Controle de qualidade Popularizou um produto (Ford T – bigodão) 51

52 F AYOL E O P ROCESSO A DMINISTRATIVO A administração é uma atividade comum a todos os empreendimentos humanos Planejar Organizar Comandar Coordenar Controlar 52

53 PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PARA FAYOL Divisão do trabalhoCentralização Autoridade e responsabilidade Cadeia de comando DisciplinaOrdem Unidade de comandoEquidade Unidade de direçãoEstabilidade do pessoal Subordinação do interesse individual ao geral Iniciativa RemuneraçãoEspírito de equipe 53

54 M AX W EBER E A B UROCRACIA A burocracia é baseada em:Consequências previstas Objetivo Caráter legal das normas Previsibilidade do comportamento humano. Padronização do desempenho dos participantes. Máxima eficiência da organização Caráter formal das comunicações Divisão do trabalho Impessoalidade no relacionamento Hierarquização da autoridade Rotinas e procedimentos Competência técnica e mérito Especialização da administração Profissionalização Previsibilidade do funcionamento 54

55 Disfunções da burocracia 1.Internalização das normas 2.Excesso de formalismo e papelório 3.Resistência a mudanças 4.Despersonalização do relacionamento 5.Categorização do relacionamento 6.Superconformidade 7.Exibição de sinais de autoridade 8.Dificuldades com clientes Imprevisibilidade do funcionamento 55

56 E NFOQUE COMPORTAMENTAL Estudo das pessoas como indivíduos Estudo das pessoas como membros de grupos Competências: conhecimentos, habilidades e atitudes Traços de personalidade Motivação Liderança Dinâmica de grupo Comunicação Cultura Motivação Liderança Dinâmica de grupo Comunicação Cultura 56

57 EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE Estados Unidos – 1927 a 1933 Pesquisadores de Harvard – Western Eletric Iluminação x Desempenho Psicologia Experimental Escola das Relações Humanas Comportamento Nível de produção resulta da integração Grupos Informais Liderança Estilo de trabalho 57

58 58

59 PENSAMENTO SISTÊMICO Ludwig von Bertalanffy – final dos anos 30 Teoria Geral dos Sistemas Insumos Ambiente Resultados 59 Ambiente Transformação Retroalimentação

60 TEORIA DA CONTINGÊNCIA Nada é absoluto! Tudo é relativo! 60

61 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS Capítulo 3 Metade do século XX: conhecimento sólido sobre a administração das organizações Após a 2ª Guerra Mundial: técnicas retomadas e modificadas no Japão – produção enxuta just in time Administração da qualidade total e modelo japonês de administração Final do século XX: aprendizagem organizacional. Administração do conhecimento e empreendedorismo 61

62 L INHA DO TEMPO Invenção da Grande Corporação Evolução do processo administrativo Controle de qualidade Modelo Japonês Administração por objetivos Administração de projetos ISO 9000, qualidade assegurada e sistema da qualidade Qualidade de vida no trabalho Reengenharia Era da informação 62

63 CONTRIBUIÇÕES POSTERIORES À ESCOLA CLÁSSICA Modelo da grande corporação Foco na estratégia, administração por objetivos, avaliação do desempenho organizacional Processo administrativo Apresentação de idéias Escola da qualidadeUniformidade de produtos e serviços, qualidade total, satisfação do cliente Modelo JaponêsEficiência e combate ao desperdício, qualidade total e participação Qualidade de vida no trabalho Saúde biológica, psíquica e social 63

64 CONTRIBUIÇÕES POSTERIORES À ESCOLA CLÁSSICA Gestão por processosIntegração das unidades Administração de projetos Aplicação de Princípios administrativos Aprendizagem organizacional Desenvolvimento de competências, habilidades e atitudes Administração empreendedora Desenvolvimento de empreendedores Administração virtualLigação entre organização e stakeholders Administração do conhecimento Tecnologia da informação como ferramenta para melhoria contínua 64

65 INVENÇÃO DA GRANDE CORPORAÇÃO Du Pont e General Motors Estrutura organizacional Administração da totalidade das fábricas Atividades de engenharia Sistemas de marketing Criadores das bases para administração das grandes corporações a partir do século XX 65

66 P IERRE D U P ONT Estrutura organizacional Planejamento financeiro Análise de retorno sobre investimento Políticas organizacionais Práticas de desenvolvimento de executivos 66

67 A LFRED S LOAN – G ENERAL M OTORS Um produto para cada tipo de cliente Unidade de negócios Planejamento e controle centralizados Administração por Objetivos 67

68 C ONCEITOS ANTIGOS, PRÁTICAS NOVAS Medida de desempenho Estrutura hierárquica e centralizada Políticas uniformes – padronização Profissionalizar a administração Produto mais popular qualquer bolso e propósito Executivos – concentração nos resultados Descentralização Centros de lucro 68

69 EVOLUÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO Henri Fayol Planejamento Organização Comando Coordenação Controle 69

70 EVOLUÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO Luther Gulick Planejamento Organização Staffing Direção Coordenação Informação e controle Orçamentação 70

71 EVOLUÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO Autores Americanos – década de 60 em diante Planejamento Organização Liderança Controle 71

72 DÉCADA DE 80, ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS (ATIVIDADES TEMPORÁRIAS) Identificação e esclarecimento de necessidades Planejamento do projeto Execução do projeto Controle do projeto Conclusão do projeto 72

73 ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS Peter Drucker – 1955 A prática da administração Aplicação prática do processo de planejar, organizar, executar e controlar Alfred Sloan – década de 20 Processo participativo Estabelecimento de objetivos Avaliação do desempenho das pessoas 73

74 PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS Objetivos específicos Metas quantitativas devem ser definidas para as principais áreas de resultados (p.e.vendas) PrazoAs metas devem ser cumpridas dentro de um prazo definido FeedbackO desempenho da equipe é avaliado ao final do prazo 74

75 E SCOLA DA QUALIDADE 1920: linha de montagem, controle estatístico da qualidade 1940: segunda guerra, controle estatístico da qualidade 1950: controle da qualidade chega ao Japão por meio de Deming 1960: qualidade total de Feigenbaum e Ishikawa 1980: normas ISSO, garantia de qualidade Século XXI: Qualidade como estratégia de negócios 75

76 I NÍCIO DO SÉCULO XX Qualidade = uniformidade Grandes quantidades: amostragem Administrar a qualidade: encontrar produtos ou serviços defeituosos Controle da qualidade: estatística Carta de Controle – Walter A Shewhart (1924) O controle estatístico: encontrava os defeitos e não garantia o produto ou serviço 76

77 S EGUNDA G UERRA Controle estatístico da qualidade Forças Armadas: procedimentos científicos de inspeção (Taylor) Programa da treinamento Proliferação de professores de controle de qualidade William Edwards Deming – guru da qualidade anos 80 – cultura de qualidade no Japão 77

78 A Q UALIDADE T OTAL DE F EIGENBAUM TQC (Total Quality Control, Controle de Qualidade Total) – década de 60 Qualidade: satisfação do cliente Qualidade: embutida desde do início do processo Todos são responsáveis pela qualidade Enfoque sistêmico, integrando ações, máquinas, informações e todos os outros recursos envolvidos na administração da qualidade 78

79 A Q UALIDADE T OTAL DE I SHIKAWA Kaoru Ishikawa: círculos da qualidade Grupos de voluntários : comunidades de prática Qualidade: responsabilidade de todos Administração da qualidade total (TQM, Total Quality Management) 79

80 Introdução à Administração Albertina Sousa 80

81 Q UALIDADE A SSEGURADA Garantia de qualidade Qualidade dos fornecedores Departamento de qualidade Produtos Sistemas e métodos de medição Procedimentos explícitos Sistema de qualidade: garantia da qualidade dos produtos e serviços 81

82 A UDITORIA DO SISTEMA DE QUALIDADE Visitas Critérios (manual de avaliação) Tomada de decisão: escolha do fornecedor Exigência: os fornecedores teriam que se enquadrar nos critérios estabelecidos pelas compradoras 82

83 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO Cultura japonesa orientada para o trabalho de grupo e a economia de recursos Sistema Toyota Modelo japonês de administração Anos 50 Economia debilitada 83

84 84

85 T OYOTA Anos 50 Empresa de pequeno porte Produção de 1000 carros por mês Anos carros em minutos 3ª maior fabricante mundial Sistema Toyota de Produção: eliminação de desperdícios (material, espaço, tempo e excesso de pessoal), produção de veículos com qualidade 85

86 S ISTEMA T OYOTA Ocidentais: just-in-case (por via das dúvidas) acúmulo de recursos Orientais: eliminação de desperdício Kaisen: aprimoramento contínuo Taylor: analise de uma tarefa, modo mais eficiente de realizá-la e implantação de tarefa modificada 86

87 PRODUÇÃO COM QUALIDADE Problemas do processo produtivo Parar a linha de produção Análise sistemática de cada erro Encontrar a causa Cinco por quês Inconveniente: muitas paralisações da produção Resultados: problemas virtualmente eliminados 87

88 PRODUÇÃO ENXUTA Economia de recursos Eliminação de desperdícios Novos paradigmas da administração Organização enxuta: parte integrante dos anos 90 do vocabulário da administração 88

89 A PRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL Processo coletivo de adquirir competências para enfrentar novas situações e resolver problemas Processo decisório: produz aprendizagem Peter Senge: aprender a lidar com a mudança contínua (learning organizations) 89

90 C INCO DISCIPLINAS DE S ENGE Domínio PessoalO nível mais alto de autocontrole Modelos MentaisMudança de costume e procedimentos Visão Compartilhada Entendimento comum sobre o futuro da organização Aprendizagem em equipe Inteligência se potencializa com o trabalho Pensamento sistêmico Arte de enxergar simultaneamente a floresta e as árvores 90

91 ADMINISTRAÇ ÃO EMPREENDED ORA Década de 80: renovação ou morte Inovação/risco/criatividade: tríade do empreendedor intra-empreendedor: empreendedor interno, realizações dentro das organizações Valorização da iniciativa, responsabilidade e decisão Flexibilidade Tolerância a fracassos e erros Equipes multifuncionais 91

92 ADMINISTRAÇÃO VIRTUAL Evolução da tecnologia da informação Organização virtual: produtos ou serviços produzidos instantaneamente e atendendo a demanda Administração virtual: integrar o trabalho e facilitar o acesso a informações Cadeia digital: organizar uma rede de empresas, levando solução para os clientes 92

93 ADMINISTRAÇÃO DO CONHECIMENTO Ativo intangível: fator mais importante da vida econômica Principal vantagem competitiva no ambiente XXI Capital intelectual: conjunto dos conhecimentos existentes em uma empresa (capital humano, capital estrutural) 93

94 PROCESSO DECISÓRIO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Decisões Principais tipos de decisões Processo de resolução de problemas Racionalidade e intuição no processo de tomar decisões Quem deve tomar decisões Características das decisões de grupos Problemas no processo de resolver problemas 94

95 DECISÃO Escolha para enfrentar um problema Processo decisório: sequência de etapas que vai da identificação de uma situação, até a escolha e colocação em prática de uma ação ou solução. Colocada em prática, o ciclo se fecha e cria outra situação Problema/no va situação DecisãoExecuçãoNova situação 95 A presidência mudou......

96 PRINCIPAIS TIPOS DE DECISÕES Decisões programadas: resolução de problemas conhecidos. Ex. limite de crédito bancário Decisões não-programadas: resolver problemas que as decisões programadas não conseguem resolver. Ex.: fusão de empresas. 96

97 PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO X TÉCNICAS Identificação do problema DiagnósticoDiagrama de Ishikawa e Princípio de Pareto Geração de alternativas Brainstorming, brainwriting e MDPO ou Paradigma de Rubinstein Escolha de uma alternativa Árvore de vantagens e desvantagens Árvore de decisões Análise do campo de forças Ponderação de critérios Análise do ponto de equilíbrio Avaliação da decisão 97

98 D IAGRAMA DE I SHIKAWA – ESPINHA DE PEIXE Identificar as causas de um problema. Por quê? Ex. problemas de fábricas: 4M (mão-de-obra; método, materiais e máquinas) Mão-de-obra Métodos Máquinas Materiais Por que ocorrem problemas na produção? 98

99 B RAINSTORMING Expressão Idéias geram novas idéias Interação verbal Sem críticas Número suficiente de idéias Agrupamento de idéias Idéias sintetizadas Sugestão avaliada e criticada 99

100 B RAINWRITING Mesmo objetivo do brainstorming Interação por escrito Caderno de notas Troca de informações Idéias sintetizadas e agrupadas Vantagens e desvantagens Ajuda na tomada de decisões 100

101 RACIONALIDADE E INTUIÇÃO NO PROCESSO DE TOMAR DECISÕES Racionalidade: opinião Intuição: sentimentos Quem deve tomar decisões? Líder Equipe 101

102 DECISÕES AUTOCRÁTICAS Responsabilidade e autoridade Não precisam de discussão Aceleram o processo de resolver problemas Aceitas por todos Não há questionamento Nível estratégico (institucional) Estritamente técnico 102

103 DECISÕES COMPARTILHADAS Gerentes x equipe São discutidas Participativas Aconselhamento Consultivas Recomendações 103

104 DECISÕES DELEGADAS Não precisam ser aprovadas Total responsabilidade Reunir informação, maturidade e qualificações e atitudes Clareza quanto aos limites 104

105 DECISÕES DE GRUPOS Influência Vencer pelo cansaço Aumento do risco Indivíduo Habilidades de liderança Persuasão Formação de subgrupos Comportamento temperamento 105

106 P ROBLEMAS NO PROCESSO DE RESOLVER PROBLEMAS Decisão mal tomada acarreta problema maiores Problema real Diagnóstico malfeito Alternativas não apropriadas 106

107 A S 10 MELHORES EMPRESAS As campeãs no Índice de Felicidade no Trabalho (IFT) 1 Whirlpool Latin America 2 Volvo 3 Caterpillar 4 BV Financeira 5 Sama 6 Laboratório Sabin 7 Gazin 8 Eurofarma 9 Coelce 10 Dupont 107

108 A S 10 MELHORES EMPRESAS MÉDIAS Ranking das melhores com 500 a 1500 funcionários 1 Sama 2 Laboratório Sabin 3 Coelce 4 Colgate-Palmolive 5 CP Promotora 6 Chemtech 7 Losango 8 Embracon Consórcio Nac. 9 Unisc 10 Promon 108

109 A S 10 MELHORES EMPRESAS PEQUENAS Ranking das melhores com 100 a 500 funcionários 1 Unimed Sul Capixaba 2 Google 3 Portal Educação 4 Cisco 5 São Bernardo Apart Hosp 6 Pormade Portas 7 Zanzini Móveis 8 Casa Sol 9 Unimed Taquari/RioPardo 10 Phito Fórmulas 109

110 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. São Paulo: Campus, OHNO, Taiichi. O Sistema Toyota de Produção. Porto Alegre: Bookman, SHINGO, Shigeo. O Sistema Toyota de Produção. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, MAXIMIANO, Antonio. Introdução à Administração. São Paulo: Atlas, 6a. Ed

111 S COM. BR Esse deve ser seu novo endereço a partir de agora. Abraços DAYSI 111 Introdução à Administração Albertina Sousa


Carregar ppt "INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO 1 Professora Daysi Farias"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google