A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Industrialização Brasileira UD: II - ASSUNTO: 1. A Industrialização pós-2ª Guerra Mundial. BIBLIOGRAFIA DE REFERÊNCIA: ADAS, Melhen e ADAS, Sérgio. Panorama.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Industrialização Brasileira UD: II - ASSUNTO: 1. A Industrialização pós-2ª Guerra Mundial. BIBLIOGRAFIA DE REFERÊNCIA: ADAS, Melhen e ADAS, Sérgio. Panorama."— Transcrição da apresentação:

1 Industrialização Brasileira UD: II - ASSUNTO: 1. A Industrialização pós-2ª Guerra Mundial. BIBLIOGRAFIA DE REFERÊNCIA: ADAS, Melhen e ADAS, Sérgio. Panorama Geográfico do Brasil: contradições, impasses e desafios socioespaciais. 4ª edição reformulada. São Paulo: Moderna, I. OBJETIVO(S) ESPECÍFICO(S) A SER(EM) ATINGIDO(S): d. Correlacionar as áreas periféricas aos centros industriais. e. Analisar o Brasil como país industrializado, em desenvolvimento, dentro do contexto da economia mundial.

2 Brasil: terceira revolução industrial pós 2ª GM – Guerra Fria – grandes avanços (científicos/tecnológicos); Brasil - fatores dificultadores/impeditivos: –dívidas; desvio de capitais; concorrência tecnológica; –mau uso de capitais – desenv. científico em segundo plano; –atrasos das décadas de 1980 e 90; –falta de cultura voltada para pesquisa – herança econômica; –falta de integração entre os setores público e privado.

3 Tecnopólos Um tecnopólo reúne em seu entorno diferentes atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (abreviado como P&D) em tecnologia. Pode ser uma cidade que possua institutos e centros de pesquisa, empresas tecnológicas, universidades – entidades que se complementam. Vamos a um exemplo prático: um dos tecnopolos brasileiros é a cidade de Campinas. Ela reúne em seu território o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), o Instituto de Pesquisas Renato Archer (CenPRA), uma unidade Embrapa, dentre outros. Essa estrutura está em sintonia e trabalha junto com as universidades ao redor, principalmente com a Universidade de Campinas (Unicamp). Outros tecnopólos: São José dos Campos (ITA, Inpe); São Paulo; Rio de Janeiro; Curitiba; Florianópolis; Campina Grande; São Carlos e Brasília. inovações tecnológicas: barateamento da produção + ganho de competitividade + melhoria de qualidade; cuidado: dispensa de mão-de- obra + pobreza;

4 Concentração Industrial

5

6 grandes concentrações industriais: Sudeste São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte - aproveitamento de fatores positivos – pcp São Paulo; –centro da economia capitalista brasileira; –propagação concêntrica; –aprofundamento de desigualdades regionais e nacionais. Sul Curitiba, Londrina, Maringá (PR); Blumenau, Brusque, Joinville, Jaraguá do Sul, Siderópolis, Crisciúma, Florianópolis (SC); Porto Alegre, Rio Grande, Serra Gaúcha.

7 Nordeste Salvador, Recife, Fortaleza Norte Manaus, Belém, Carajás Centro-Oeste Corumbá, Campo Grande, Brasília, Goiânia

8 Desconcentração Industrial percepção de diversidades regionais – lideranças estaduais solicitam providências; governos militares – política de intervenção no espaço geográfico – criação de superintendências e pólos de desenvolvimento: Sudene, Sudam, Sudeco, Sudesul, Polamazônia, Polonordeste, Polocentro – favorecimento ao grande capital nacional e estrangeiro; 1967 – Zona Franca de Manaus (Suframa); Guerra fiscal - mão-de-obra barata e despolitizada – especulação imobiliária; desenvolvimento dos setores de transportes e comunicações; desconcentração relativa: dependência em relação ao complexo infra-estrutural do Sudeste.

9

10 Situação atual tentativa de recuperação; com a nova metodologia de apuração do PIB, adotada pelo IBGE, em 2007, a participação da indústria foi reduzida de 37,9% para 26,6% no conjunto da produção de riquezas. serviços (54% para 64%) e agropecuária (8,1% para 9,4%); problemas enfrentados pela pelo setor industrial brasileiro em sua tentativa de recuperação: -elevada carga tributária – busca-se pagar menos em outros países; -elevadas taxas de juros (investimento produtivo – investimento especulativo); -falta de infra-estrutura – péssimos portos, aeroportos, estradas, etc; -concorrência externa – países de tecnologias de ponta – melhor competitividade; -câmbio - Real valorizado/dólar baixo – favorecimento às importações; -Dependência de outras economias - China, UE, Estados Unidos diminuem importações de produtos brasileiros. reação aos problemas: -busca pela participação no mercado externo (empresas que buscam outros países); - governo atua na desvalorização do Real. - tentativa de aumento nas exportações; - tentativa de aumento do valor agregado dos produtos (tecnologia).

11 Fim


Carregar ppt "Industrialização Brasileira UD: II - ASSUNTO: 1. A Industrialização pós-2ª Guerra Mundial. BIBLIOGRAFIA DE REFERÊNCIA: ADAS, Melhen e ADAS, Sérgio. Panorama."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google