A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Família no Plural: Considerações Antropológicas sobre Família e Parentesco (À Luz de seus Confrontos de Significados num Órgão da Justiça Juvenil) Patrice.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Família no Plural: Considerações Antropológicas sobre Família e Parentesco (À Luz de seus Confrontos de Significados num Órgão da Justiça Juvenil) Patrice."— Transcrição da apresentação:

1 Família no Plural: Considerações Antropológicas sobre Família e Parentesco (À Luz de seus Confrontos de Significados num Órgão da Justiça Juvenil) Patrice Schuch (NACI/UFRGS)

2 Família: - É uma instituição central da vida moderna - A Família está em tudo e em todo o lugar - A Grande Família (importância): causa e solução de praticamente todos nossos problemas

3 Debate: - O que é família? - Existe família no singular?

4 OBJETIVO: - Assinalar: pluralidade da família como formação social; - Problematizar: qual a noção de família está implicitamente informando nossas ações em relação às pessoas com quem interagimos? Essa noção tem sentido para todas as pessoas? - Argumentar: não desejo um relativismo radical, mas uma maior atenção às práticas e não ao ideal.

5 Família e Parentesco: a Visão da Antropologia - Atenção à prática; - Estudo das interações sociais concretas; - Não parte da experiência ocidental como centro e norma, mas busca entender cada contexto específico.

6 Família: - É um produto social; não é dado natural ou universal = há pluralidade de modos de família; - É uma categoria social = articula-se na interseção entre saber e poder; QUESTÕES: Como as noções de família são construídas na prática? Quais são as suas conseqüências e significados em contextos específicos?

7 Alguns Modelos de Família/Brasil 1. Família Patriarcal de Gilberto Freyre (1930): * Miscigenação corrige a distância entre a casa grande e a senzala, democratizando o país; * Centralidade da família patriarcal na constituição do Brasil: Sobre ela (a família), o rei de Portugal quase reina sem governar (Freyre, 1978:19).

8 Críticas à Freyre: - Fábula das Três Raças (DaMatta, 1984) = unificação das diferenças sociais e raciais e diminuição do peso de cada categoria na estrutura de poder; - Perigo da extrapolação da família patriarcal como imagem dominante no país (Corrêa, 1982) = desconsideração das demais formas de família. Ex: família paulista (Samara, 1983).

9 2. Modelos Contemporâneos: Grupos Populares X Camadas Médias - Grupos Populares: prática de circulação de crianças - Quando as funções familiares são estendidas e compartilhadas entre diversas unidades: parir, educar, sustentar, garantir uma identidade social, patrocinar, oferecer um espaço de sociabilidad. Família é, além de afeto, esforço, investimento -- o resultado de quem trabalha, come, dorme, e brinca junto... (Fonseca, 1995 e Duarte, 1995); Camadas Médias: ênfase na família conjugal centrada na unidade domestica, composta apenas de pai, mãe e filhos (biológicos). Noção de escolha livre e amor gratuito. Igualdade entre membros. Este modelo se impôs na ideologia ocidental como algo surgido diretamente da natureza, fonte de toda a cultura e civilização (Duarte, 1995).

10 Críticas ao Modelo Nuclear Hegemônico - Produção discursiva de família no singular, referindo-se ao modelo das camadas médias. Outros formatos familiares são, muitas vezes, elevados à condição de espaços privilegiados da intervenção de poderes e saberes; -Pesquisas antropológicas e históricas dos últimos 40 anos demonstram que não existe família natural. Antropólogos: em geral, preferem falar de parentesco como um tipo de fazer que se define como um conjunto de práticas de relacionamentos de vários tipos, os quais negociam a reprodução da vida (Schneider, 1992; Butler, 2002); -Parentesco: nascimento, criação, laços de dependência, geracionais, etc. Atualmente: legitimação de novos tipos de família e parentesco: uniões homossexuais, adoções e famílias recompostas. O ideal da família moderna conjugal não dá conta das práticas familiares e de parentesco contemporâneas.

11 Assim… - Ideal da família conjugal moderna ocidental não dá conta das práticas de parentesco contemporâneas. - Mas: será que esse ideal ainda informa nossas práticas, a avaliação e execução de programas de atendimento? - Que descoberta podemos esperar dessa procura sistemática do mesmo? (Perrôt,apud Corrêa, 1999)

12 ) A Análise da Prática: Valores de Família e suas Negociações num Órgão de Justiça (Schuch, 2005) - Paradoxos envolvidos na prática da intervenção social: hegemonia do modelo nuclear X diversidade de práticas de família; - Não negar importância da família, mas assinalar que, enquanto valor moral, tem acrescida sua importância em paralelo com a difusão das normativas de direitos e recuo na intervenção estatal; Hoje: forma de governo que elege a família como causa e solução de quase tudo; - Mudança de foco: da fragilidade da família para a fragilidade das políticas que colocam a família como central, em detrimento de ações governamentais.

13 Vera e um Programa de Educação Familiar -Programa de Educação de Pais: -Exemplo 1: da folha de papel amassada: Que marcas vocês estão deixando para seus filhos? -Exemplo 2: inteligência emocional -Vera: -Proteção ao filho na cadeia: Se alguém tem que dar, esse alguém será eu; Então: Como são confrontados valores nem sempre semelhantes? Quais são os valores implicitamente privilegiados na formulação das políticas?

14 Considerações Finais - Perigo de se trabalhar com o ideal, com pouca representatividade nas práticas reais; - Mais do que legitimar qualquer forma de família – relativismo radical -, interessa discutir a prática; - É a análise da prática (e não a fixação em um ideal), que conduz à expansão de alternativas de transformação com incidência real e pertinente para a vida das pessoas.


Carregar ppt "Família no Plural: Considerações Antropológicas sobre Família e Parentesco (À Luz de seus Confrontos de Significados num Órgão da Justiça Juvenil) Patrice."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google