A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Aulas 13.1 – O Renascimento 13.3.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Aulas 13.1 – O Renascimento 13.3."— Transcrição da apresentação:

1 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Aulas 13.1 – O Renascimento 13.3 – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica 13 O Renascimento e as reformas religiosas HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas Capítulo

2 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Mudanças na Baixa Idade Média A partir de meados do século XI, transformações na sociedade europeia levaram a uma crise dos valores medievais. Renascimento: surgido na Península Itálica, pode ser caracterizado como um movimento de renovação no saber, nas artes, nas ciências e na política entre os séculos XIV e XVI. Humanismo: pensamento que valorizava a ação, a liberdade, o espírito crítico, o talento e a capacidade do ser humano de conduzir o seu próprio destino. Os humanistas queriam superar o pensamento medieval, retomando a cultura clássica, embora muitas de suas ideias fossem herdeiras da era medieval. A invenção da prensa permitiu a difusão do pensamento humanista e renascentista pela Europa ocidental – O Renascimento

3 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO As características do Renascimento A partir do século XV, o Renascimento espalhou-se por várias regiões da Europa, onde apresentou as seguintes características: Classicismo: retomada dos valores da Antiguidade clássica. Hedonismo: valorização do corpo, dos prazeres terrenos e espirituais, culto à beleza e à perfeição. Naturalismo: interesse em retratar o ser humano, os animais e a natureza de maneira realista, por meio de estudos de anatomia. Racionalismo: busca da verdade pela pesquisa científica. Antropocentrismo: o ser humano no centro do universo. Os valores renascentistas entraram em choque com os princípios católicos, contribuindo para a eclosão de movimentos reformadores.

4 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO O desenvolvimento científico O humanismo repercutiu nos campos científicos da astronomia, matemática, física e medicina. Na astronomia, o grande avanço foi a formulação da teoria heliocêntrica pelo astrônomo e matemático Nicolau Copérnico. A teoria heliocêntrica foi confirmada pelo matemático Galileu Galilei e aperfeiçoada pelo alemão Johannes Kepler ao comprovar que os planetas giravam em torno do Sol em uma órbita elíptica. O alquimista e médico Paracelso criou o primeiro manual de cirurgia, descrevendo o papel da química na medicina.

5 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO A pintura renascentista O nascimento de Adão (detalhe), pintura de , de Michelangelo Buonarroti. REPRODUÇÃO - CAPELA SISTINA, VATICANO

6 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO A pintura renascentista A última ceia, , pintura de Leonardo da Vinci. REPRODUÇÃO - MOSTEIRO DE SANTA MARIA DELLE GRAZIE, MILÃO

7 A arquitetura renascentista CHRISTINE WEBB/ALAMY/GLOWIMAGES - PIAZZA DEL SANTO, PÁDUA Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Cúpula da Catedral de Santa Maria del Fiore, em Florença, projeto de Filippo Brunelleschi. Foto de SYLVAIN SONNET/CORBIS/LATINSTOCK

8 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO ARALDO DE LUCA/CORBIS/LATINSTOCK - BASÍLICA DE SÃO PEDRO, ROMA Pietà, século XVI, escultura em mármore de Michelangelo Buonarroti. A escultura renascentista

9 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.3 – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO As críticas à Igreja A Igreja Católica sofreu muitas críticas ao longo da Baixa Idade Média, motivadas, principalmente, pelas seguintes práticas: Venda dos cargos eclesiásticos; Despreparo dos clérigos para a vida religiosa; Vida luxuosa do clero. Movimentos heréticos na Baixa Idade Média: mistura de crítica religiosa e social. Nos séculos XIV e XV, intelectuais como John Wycliffe e Jan Huss criticavam a Igreja eles são considerados precursores da Reforma. A formação das monarquias nacionais, o movimento renascentista e o crescimento da burguesia ajudaram a enfraquecer o poder do papa – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica

10 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.3 – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO A Reforma nos principados alemães O teólogo e monge agostiniano Martinho Lutero impulsionou a reforma religiosa na Alemanha. As concepções de Lutero se difundiram nos principados alemães, onde príncipes e outros setores sociais criticavam os privilégios e os abusos do clero católico. A bula de 1517, em que o papa Leão X permitia a venda de indulgências para financiar a construção da Basílica de São Pedro, provocou o rompimento Lutero publicou as 95 Teses. Excomungado pelo papa, Lutero foi protegido pelos príncipes alemães. Lutero condenou o movimento camponês liderado por Thomas Münzer que defendia a abolição da servidão e a posse comunitária das terras.

11 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.3 – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO As Reformas calvinista e anglicana Teologia calvinista Princípio da predestinação; valorização do trabalho e da poupança, vida ascética. Sua teologia agradou a burguesia, trazendo conforto espiritual para suas atividades. As ideias calvinistas se espalharam pela Europa ocidental e deram origem a várias igrejas reformistas. Reforma Anglicana Na Inglaterra, o rei Henrique VIII teve apoio dos súditos para romper com Roma e criar a Igreja Anglicana em Com o Ato de Supremacia (1534), o rei tornou-se chefe supremo da Igreja na Inglaterra.

12 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.3 – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO A Reforma Católica A Reforma Católica foi uma reação da Igreja de Roma aos movimentos protestantes e uma tentativa de disciplinar o clero católico. O papa Paulo III convocou o Concílio de Trento ( ), que tomou as seguintes resoluções: Reafirmação dos dogmas católicos e dos sete sacramentos. Confirmação da transubstanciação, da hierarquia do clero e do celibato clerical. Criação do Index de livros proibidos aos católicos. A Reforma Católica também promoveu a reorganização do Tribunal do Santo Ofício (Inquisição), visando combater as práticas judaizantes e as igrejas reformadas. O movimento católico também foi reforçado com a criação da Companhia de Jesus, por Inácio de Loyola, em 1540, importante na evangelização dos ameríndios.

13 Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.3 – A Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO O massacre de São Bartolomeu A Noite de São Bartolomeu, de François Dubois, do século XVI. A pintura de Dubois representa o massacre de 3 mil calvinistas franceses, os huguenotes, por ordem da família real católica da França, ocorrido na noite de 24 de agosto de REPRODUÇÃO – MUSÉE DES BEAUX ARTS LAUSANNE, LAUSANNE

14 ANOTAÇÕES EM AULA Coordenação editorial: Maria Raquel Apolinário, Eduardo Augusto Guimarães e Ana Claudia Fernandes Elaboração: Leandro Torelli e Gabriel Bandouk Edição de texto: Maria Raquel Apolinário, Vanderlei Orso e Gabriela Alves Preparação de texto: Mitsue Morrisawa Coordenação de produção: Maria José Tanbellini Iconografia: Aline Reis Chiarelli, Leonardo de Sousa Klein e Daniela Baraúna EDITORA MODERNA Diretoria de Tecnologia Educacional Editora executiva: Kelly Mayumi Ishida Coordenadora editorial: Ivonete Lucirio Editoras: Jaqueline Ogliari e Natália Coltri Fernandes Assistentes editoriais: Ciça Japiassu Reis e Renata Michelin Editor de arte: Fabio Ventura Editor assistente de arte: Eduardo Bertolini Assistentes de arte: Ana Maria Totaro, Camila Castro, Guilherme Kroll e Valdeí Prazeres Revisores: Antonio Carlos Marques, Diego Rezende e Ramiro Morais Torres © Reprodução proibida. Art. 184 do Código Penal e Lei de 19 de fevereiro de Todos os direitos reservados. EDITORA MODERNA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo – SP – Brasil – CEP: Vendas e atendimento: Tel. (0__11) Fax (0__11) HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO


Carregar ppt "Capítulo 13 – O Renascimento e as reformas religiosas 13.1 – O Renascimento HISTÓRIA: DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO Aulas 13.1 – O Renascimento 13.3."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google