A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LIVRO SEXO E DESTINO Capitulo III 2ª parte. Sinopse A sabedoria da Caridade. Projeção da sombra. Projeção da sombra. O poder do pensamento. Marita e Moreira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LIVRO SEXO E DESTINO Capitulo III 2ª parte. Sinopse A sabedoria da Caridade. Projeção da sombra. Projeção da sombra. O poder do pensamento. Marita e Moreira."— Transcrição da apresentação:

1 LIVRO SEXO E DESTINO Capitulo III 2ª parte

2 Sinopse A sabedoria da Caridade. Projeção da sombra. Projeção da sombra. O poder do pensamento. Marita e Moreira.

3 Questionamentos: Como admitir que MOREIRA (Estuprador, obsessor, agressivo, desregrado, inimigo) ajude ou participe no processo de recuperação de Marita? próprias mazelas? Assassina Por que MOREIRA não percebe as próprias mazelas? Por que, como justiceiro, procura Marina, e a chama de Assassina? Quem autoridade tem, se ele é, sem dúvida, participe no crime? Por que André Luiz não declarou a MOREIRA que sabia de tudo, afirmando apenas que... sem querer, assistira ao desastre e condoera-me daquela moça sozinha, jogada no asfalto?

4 Projeçãodasombra

5 I CHING Somente quando temos a coragem de enfrentar as coisas tais como são, sem nenhum autoengano ou ilusão, que surgirá uma luz dos eventos, pela qual reconheceremos o caminho ao êxito. I CHING / Livro das Mutações.

6 Valor ético cultural caminho moral ambiente sociedadetempo O homem tende a se identificar e a seguir um caminho moral determinado pelo ambiente, pela sociedade e pelo tempo. O coletivo forças ativas O coletivo tende a diminuir as forças ativas de cada indivíduo. ego exigências do coletivo no âmbito individualrejeita as tendências contrárias existentes O ego é o representante das exigências do coletivo no âmbito individual e rejeita as tendências contrárias existentes.

7 Persona ego máscara convívio social É a parte do ego que corresponde às exigências do coletivo, é a máscara utilizada no convívio social.

8 Sombra persona não estão de acordo com os valores coletivos É o outro lado da persona, composta por todas as propriedades que não estão de acordo com os valores coletivos. não reconhecida É a parte não reconhecida da personalidade. FIDELIDADE HONESTIDADE COMPANHERISMO ETC..

9 Bode expiatório É o mecanismo de que se utiliza os acusadores para se isentar de qualquer responsabilidade, sentimento de culpa e, assim, fugir da reconciliação com os padrões coletivos da coletividade.

10 Projeção da Sombra culparemorso -Quase nenhum ser humano tem a capacidade de lidar plenamente com a culpa ou remorso após uma situação conflitos... -Medo, egoísmo, procura do prazer e sobrevivência... fragilidades projetamos nos nossos semelhantes -Então, negamos as nossas fragilidades e projetamos nos nossos semelhantes, a quem acusamos responsáveis pela mesma. inimigos monstros -Transformamos nossos inimigos em monstros, indignos de qualquer comiseração humana... bode expiatório -Arranjar um bode expiatório. Pena de Morte. Uso de tortura, etc..

11 AGRESSIVIDADELASCÍVIA AGRESSIVIDADE e LASCÍVIA exclusão TRAUMA.... experiência da exclusão. TRAUMA prova contendadisputa. Reage a todo acontecimento, como se fosse uma prova, contenda ou disputa na sua leitura mental. falta de estruturasegurança afetiva. Compensar pela falta de estrutura e segurança afetiva....o agressivo se adianta a uma possível experiência de rejeição, tendo a certeza de que alguém fatalmente irá contrariar suas expectativas.

12 AGRESSIVIDADE LASCÍVIA AGRESSIVIDADE e LASCÍVIA.....mecanismos que geram a hipocrisia nas relações sociais. agressivoideia arraigada ou internalizadamuito lhe foi retirado algo de extremo valor no auge de seu gozo ou aproveitamento. O agressivo possui uma ideia arraigada ou internalizada de que há muito lhe foi retirado algo de extremo valor no auge de seu gozo ou aproveitamento. A consequência é o incremento do narcisismo, pois clama o tempo todo que foi roubado,...

13 Ricardo MOREIRA Agressivo Agressivo Irônico. Irônico. Libidinoso. Desregrado. Libidinoso. Desregrado. Justiceiro. Justiceiro.

14 arremessou-me olhar terrível Moreira arremessou-me olhar terrível, que funcionou sobre mim qual punhalada vibratória. agressivo Ajuntou frases irônicas e gritou que a casa tinha dono; e finalizou, agressivo: não vou com sua lata! Que tem você aqui? Dê o fora, que não vou com sua lata! Vá se catar, vá se catar!...

15 No hotel justapostos um ao outro propósitos iguais Cláudio estacara à porta, enlaçado pelo vam­ pirizador. Ambos justapostos um ao outro. Dupla de sentimentos e propósitos iguais. Ambos emocio­nados, corações pulsando precipites, prelibavam a caça que não lhes escaparia.

16 Notificação a Moreira - Acidente Após reiterados chamamentos, Moreira veio atender, como qualquer ser humano estremunhado. fieira de insultos, que o benfeitor recebeu com humildade...ren­teando com Félix, desenrolou comprida fieira de insultos, que o benfeitor recebeu com humildade.

17 brutalidade marcava a expressão O ex-assessor de Cláudio, ao absorver-lhe as confidências mudas, em que relacionava os pesares mais íntimos, dos quais não tivera ele conhecimento, retomava, a pouco e pouco, a brutalidade que, anteriormente, lhe marcava a expressão. Esvaeciam-se lhe as melhoras de espírito. instintos de vingador A pretexto de auxiliar a protegida, reavivava os instintos de vingador.

18 pasto robusto a nova desorientação O companheiro desencarnado que, até então, se fazia suporte psíquico de Cláudio e que necessitava de base moral para garantir o próprio reequilíbrio, encontrou pasto robusto a nova desorientação. perigo Descobri o perigo, sem poder conjurá-lo. demitido da complacência do amigo procurava-lhe na filha motivos outros em que se lhe facultasse permanecer atrelado à demência Percebendo-se demitido da complacência do amigo que se lhe transformara em joguete, procurava-lhe na filha motivos outros em que se lhe facultasse permanecer atrelado à demência.

19 E, sem a menor comiseração pela agonizante, acercou- se da filha de Dona Márcia e gritou, encolerizado: Assassina!... Assassina!.Assassina!... Assassina!.

20 Moreira no estabelecimento de socorro público miserabilidade orgânica torrente de lágrimas Carrancudo, ladeou o instrutor, sem dizer pa­ lavra, do Flamengo ao hospital, mas, topando a moça, entregue à miserabilidade orgânica, o peito se lhe explodiu numa torrente de lágrimas,... Rodou sobre os calcanhares e arrancou-se qual flecha. Cláu­ dio não tardaria... Félix, confortado, explicou que, pelo visto, Cláu­ dio não tardaria...

21 Nogueira e Moreira perante Marita MOREIRA esmagada de sofrimento amor Quase no mesmo instante, a fronte de MOREIRA vergou, como se esmagada de sofrimento... Os verdugos também pediam amor. estupradoresobsessores inimigoscar­rascos que eu detestara na vésperaEles eram meus amigos, meus irmãos!... Não!... Eles não eram os estupradores, os obsessores, os inimigos, os car­rascos que eu detestara na véspera!... Eles eram meus amigos, meus irmãos!... segurança superiorme esforçava em cultivar Queria substituir-me. E com tanta diligência e humildade se colocou no meu posto que, em minutos breves, atendia à manuten­ção da jovem, com segurança superior àquela que me esforçava em cultivar.

22 Sabedoria da caridade.

23 Telmo e Arnulfo posição espiritual Apresentei-os ao mantenedor magnético, surpreso, cuja posição espiritual reconheceram, de pronto; gentileza característica dos corações generosos contudo, na gentileza característica dos corações generosos, envidaram todos os esforços para não constrangê-lo com qualquer linha divisória de tratamento. otimismo bondade Rodearam-no de otimismo e bondade, qualificando-o na categoria de colega estimável.

24 Irmão Félix e Moreira Ah! meu amigo, meu amigo!... Nossa Marita!... Félix, sem um gesto que lhe exprobrasse a deserção, apelou para ele com absoluta confiança: Ah! meu amigo, meu amigo!... Nossa Marita!... o tratava como de igual para igual E, ante as indagações do interlocutor, que o tratava como de igual para igual, esclareceu que a menina piorara. A sofredora criança necessitava dele, esperava por ele, a fim de aliviar-se A sofredora criança necessitava dele, esperava por ele, a fim de aliviar-se. as frases sinceras regressando em nossa companhia para o hospital Ante as frases sinceras que o atingiam no fundo, o ex-assessor de Cláudio acudiu, incontinenti, regressando em nossa companhia para o hospital, onde realmente a moça se estirava em situação lastimável.

25 O PODER DO PENSAMENTO Aquela desventurada menina desconhecia os poderes do pensamento.

26 RICARDO MOREIRA próprio interesse Patenteava enorme afeição por Marita, lutava por ela, mas, no fundo, não escondia o propósito de seguir controlando Cláudio, no resguardo de seu próprio interesse. Identificando o parceiro tocado no coração pelos sentimentos edificantes que a leitura lhe sugerira Identificando o parceiro tocado no coração pelos sentimentos edificantes que a leitura lhe sugerira, revelava o desapontamento semelhante ao de um pianista que surpreendesse o instrumento favorito com as teclas mudas.

27 União Remota – Marita e Moreira?...discórdia entre o senhor de Fon­seca Teles e Teodoro Castanheira, que se atormen­taram mutuamente em onze anos de conflitos inú­teis,......até que o marido de Dona Brites (Cláudio NOGUEIRA), então vi­vendo maritalmente com Naninha de Castro (MARITA), desde muito, aparecera morto a punhaladas, na rua da Cadeia Uniu-se a outro homem (? Ricardo Moreira?), em cujo espírito insuflou despeito e ódio contra o ourives da rua Direita Naninha, porém, não ignorava que Justinia­no (Pedro NEVES) fora o mandante e tramou desforço. Uniu-se a outro homem (? Ricardo Moreira?), em cujo espírito insuflou despeito e ódio contra o ourives da rua Direita, e os dois, então morando num recanto da praia de Botafogo, planejaram assassiná-lo num suposto acidente...


Carregar ppt "LIVRO SEXO E DESTINO Capitulo III 2ª parte. Sinopse A sabedoria da Caridade. Projeção da sombra. Projeção da sombra. O poder do pensamento. Marita e Moreira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google