A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Objetivos oMetodologias de vulnerabilidade dos aquíferos às alterações climáticas para as três grandes famílias de aquíferos: cársicos, porosos, fraturados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Objetivos oMetodologias de vulnerabilidade dos aquíferos às alterações climáticas para as três grandes famílias de aquíferos: cársicos, porosos, fraturados."— Transcrição da apresentação:

1 Objetivos oMetodologias de vulnerabilidade dos aquíferos às alterações climáticas para as três grandes famílias de aquíferos: cársicos, porosos, fraturados oVariabilidade da recarga direta nos aquíferos e alteração dos volumes de transferências hídricas recebidas a partir de montante oImpactos das alterações climáticas sobre a qualidade das águas subterrâneas oImpactos das alterações climáticas sobre o coberto vegetal e efeitos destas modificações ecológicas sobre a recarga e a evapotranspiração oImpactos da modificação da incidência e severidade dos fogos, por efeito das alterações climáticas, sobre a qualidade e quantidade dos recursos hídricos subterrâneos Principais resultados Definição dos tipos litológicos mais suscetíveis a alterações nas recargas Definição dos tipos litológicos mais suscetíveis a alterações no escoamento superficial e contribuições para recarga de aquíferos a jusante (ex.: Querença-Silves) Definição da variação das profundidades dos níveis freáticos como indicador de vulnerabilidade (ainda em análise) Análise de modificações do funcionamento dos aquíferos / relação com EDAS e alteração do funcionamento ecológico dos EDAS Avaliação das alterações de consumos e consequentes impactos na gestão dos recursos hídricos NAS: PIP : ESTUDOS >Estudo Alterações climáticas e águas subterrâneas 2) Alteração NF e EDAS aquífero de Monforte- Alter do Chão, ano ) Recarga atual e em 2050 – aquífero de Escusa

2 Alterações nas variáveis climáticas >Alteração em: Precipitações (variação constante e variação retirando os eventos menores) Evapotranspirações (variação considerando alteração da resposta das plantas; manutenção da evapotranspiração i.e. coberto vegetal varia de modo a manter as mesmas perdas de água Humidade atmosférica Temperaturas Cenários PRC (mm/ano) ETR (mm/ano) ED (mm/ano) REC (mm/ano) REC (hm 3 /ano) % PRC actual % ETR actual % ED actual % REC actual Ano/ Modelo Actual ,04100,0% 2050 ENSEMBLES Cenário ,57 95,3%95,2%94,5%96,4% Cenário ,53 95,3%99,7%94,1%89,0% Cenário ,73 95,2%87,8%103,2%98,0% Cenário ,85 95,2%91,9%102,8%91,4% Cenário ,05 88,9%92,4%86,3%85,9% 2050 SMHIRCA_ ECHAM5 Cenário ,81 88,9%93,7%86,2%83,9% Cenário ,45 88,8%84,0%95,2%88,9% Cenário ,29 88,8%85,0%95,1%87,3% Cenário ,85 81,1%86,2%77,2%77,3% 2080 ENSEMBLES Cenário ,62 81,1%95,8%76,4%61,5% Cenário ,49 81,0%75,3%88,0%82,1% Cenário ,58 81,0%83,8%87,2%68,2% Cenário ,21 77,9%84,1%73,4%72,9% 2080 SMHIRCA_ ECHAM5 Cenário ,46 77,9%91,6%72,7%60,5% Cenário ,93 77,8%72,4%85,3%77,6% Cenário ,42 77,8%78,8%84,7%67,2% 1) Aquífero de Torres Vedras Aquífero Querença-Silves

3 Alterações no escoamento superficial e funcionamento dos aquíferos >Alterações no funcionamento aquífero devidas às alterações climáticas: Aplicação do MODFLOW aos resultados do BALSEQ_MOD 4) Escoamento superficial no aquífero Querença- Silves 1) Torres Vedras - diferença de cotas piezométricas entre a situação atual e 2050 (modelação matemática) >Consequências da alteração do funcionamento do aquífero: Modificação dos regimes/direções de fluxo Modificação do funcionamento dos EDAS Ocorrência de áreas do aquífero especialmente sensíveis às alterações climáticas

4 >Alterações na piezometria devidas às alterações climáticas: impacto sobre os EDAS >Consequências da alteração do funcionamento do aquífero: Modificação dos regimes/direções de fluxo Modificação dos volumes de água cedidos dos aquíferos para os EDAS Modificação dos períodos de alimentação Modificação do funcionamento dos EDAS (EDAS em risco provável) Alteração funcionamento dos aquíferos: impactos sobre os EDAS 1) Profundidade da água - atual 2) Variação cotas piezométricas entre atualidade e ) Profundidade da água em 2050 EDAS

5 Alterações nas recargas >Aplicação do modelo BALSEQ_MOD às séries de variáveis climatológicas modificadas para os períodos de 2050 e ) Aquífero de Torres Vedras – Situação atual 5) Aquífero de Melides – recarga atual e em ) Ano 2050 cenário 32 3) Ano 2080 cenário 42 4) Recarga no aquífero Querença-Silves em >Sensibilidade da recarga e escoamento em cenários de alterações climáticas em função da litologia

6 Cooperação CT-Hidro Pro-África (IPT, Brasil) + FCT (LNEC, PT) com a Guiné-Bissau e Angola: AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE À INTRUSÃO MARINHA DA ZONA DE INFLUÊNCIA DE MARÉ NA GUINÉ-BISSAU POR SUBIDA DO NÍVEL DO MAR

7 >Necessidades hídricas das plantas em consequência da alteração da temperatura, precipitação e concentração de CO 2 >Variação da área ocupada pelas diferentes culturas agrícolas 2015 Cenário de Consumos: Guadalquivir adaptado a Portugal em 2080 Cenário variação área Totalidade Território EuropeuCenário variação área Região Mediterrânica Norte Cenário climático A2Cenário climático B2Cenário climático A2Cenário climático B2 A1F1A2B1B2A1A2B1B2 Ano húmido 0,8910,2180,4290,3650,802 0,566 0,5950,6341,040 Ano normal 0,9750,2210,4340,3690,514 0,574 0,6020,6420,666 Ano seco 1,1410,3450,6780,5760,507 0,896 0,9411,0030,658 1)Alteração nos consumos em função da alteração das necessidades hídricas das plantas + variação das áreas agrícolas para o aquífero de Torres Vedras – ano 2080 Cenários climáticos T média anual máxima (ºC) Novos consumos Total de consumo Tot. consumo subterrâneas BovinosSuínosAvesCenário ACenário B 2080 SMIRCA_ECHAM54,013,3270,4390,06313,8292,1826, ENSEMBLES4,113,6380,4490,06314,1502,2337, SMIRCA_ECHAM51,44,7020,1820,0424,9260,7772, ENSEMBLES1,96,3910,2290,0436,6621,0513,331 Valores atuais15,0 0,164 0, ,2030, ) Consumos pecuários previstos para necessidades animais à variação térmica – aquífero de Torres Vedras; cenário A = proporção dos consumos de origem subterrânea/superficial similar à atual; cenário B = metade dos consumos é de origem subterrânea Cenários2027 Horizonte 2050Horizonte % da RAQ actual 84% da RAQ actual 82% da RAQ actual 60% da RAQ actual Recarga actual (hm 3 /ano)8,428,257,076,915,05 Taxas de exploração Em 2027 consumos urbanos águas superficiais Sem medidas41,4%-- Com medidas31,7%-- Em 2027 consumos urbanos águas subterrâneas Sem medidas147%-- Com medidas62%-- Cenário 1A Sem medidas--42,3%49,3%50,5%69,0% Com medidas--32,3%37,7%38,7%52,8% Cenário 1B Sem medidas--150%175%244%333% Com medidas--63,3%73,9%98,2%134% Querença-Silves Alterações nos consumos agrícolas e pecuários, taxas de exploração e vulnerabilidade quantitativa dos recursos Elevado risco sobre os recursos hídricos disponíveis A determinar impactos na qualidade das águas em função das cargas poluentes atuais/futuras e a alteração dos volumes de recarga (desenvolvimentos futuros)


Carregar ppt "Objetivos oMetodologias de vulnerabilidade dos aquíferos às alterações climáticas para as três grandes famílias de aquíferos: cársicos, porosos, fraturados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google