A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Conceitos básicos Causas de acidentes em plantas industriais Estatísticas de acidentes Natureza do processo do acidente Introdução Tópicos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Conceitos básicos Causas de acidentes em plantas industriais Estatísticas de acidentes Natureza do processo do acidente Introdução Tópicos."— Transcrição da apresentação:

1 Conceitos básicos Causas de acidentes em plantas industriais Estatísticas de acidentes Natureza do processo do acidente Introdução Tópicos

2 Conceito de Segurança ou Prevenção de Perdas: A prevenção de acidentes é feita através do uso de tecnologias apropriadas para identificar os perigos em uma planta química e eliminá-los antes que um acidente ocorra. 1. Conceitos básicos Elevadas Pressões Elevadas Temperaturas Compostos perigosos (inflamáveis, tóxicos, corrosivos)

3 Automação?Sistemas de alarmes?Redundância? 1. Conceitos básicos

4 Acidente (conceito prevencionista): Evento não planejado e indesejável. Ou uma sequência de eventos que geram consequências indesejáveis. Perigo: Condição física ou química que possui potencial para causar danos à pessoas, propriedades ou ao meio ambiente. Risco: Medida de danos à vida humana, meio ambiente ou perda econômica resultante da combinação entre a frequência de ocorrência e a magnitude das perdas ou danos. 1. Conceitos básicos

5 Risk is a combination of uncertainty and damage. Risk is a ratio of hazards to safeguards. Risk is a triplet combination of event, probability, and consequences. Risk is a combination of uncertainty and damage. Risk is a ratio of hazards to safeguards. Risk is a triplet combination of event, probability, and consequences. AICHE American Institute of Chemical Eng. Referência Complementar: Pag 5

6 Perigo - inerente a presença do agente (químico, físico, biológico). Risco - exposição ao perigo, definido pela frequência e a consequência prevista para a exposição. Lâmpada de vapor de mercúrio 1. Conceitos básicos

7 Mecânica 44% Erro do operador 22% Desconhecida 12% Distúrbios de processos 11% Perigos naturais 6% Erro de projeto 5% Sabotagem 1% Fonte: Chemical Process Safety D.A. Crowl e J.F. Louvar, Fonte: Análise de causas de acidentes e ocorrências anormais, relacionados ao trabalho, em uma refinaria de petróleo. C.A.V. de Souza e C.M. de Freitas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19, Causas de acidentes na indústria petroquímica: Falhas de componentes 61.6% Eventos internos não conectados com a instalação 19.9% Não identificadas 5.8% Erro do operador 5.0% Reações inesperadas 1.6% Corrosão 1.2% Eventos naturais 1.0% Causas imediatas de acidentes, REDUC 1997: 2. Causas de acidentes em plantas industriais

8 Tubulação 29% Desconhecido 22% Tanques de armazenagem 17% Reatores 10% Trocadores de calor 4% Válvulas 4% Compressores 2% Bombas 2% ComplexidadeNúmero de acidentes 2. Causas de acidentes em plantas industriais Onde ocorrem ? Fonte: Chemical Process Safety D.A. Crowl e J.F. Louvar, 2002.

9

10

11

12 Atenção: Conceito Prevencionista Acidente é qualquer ocorrência não programada que interfere ou interrompe o processo normal de uma atividade, trazendo como conseqüência, isolada ou simultânea, perda de tempo, danos materiais e/ou lesões ao homem.

13

14 Art O segurado que sofreu acidente do trabalho tem garantida, pelo prazo mínimo de doze meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa, após a cessação do auxílio-doença acidentário, independentemente de percepção de auxílio-acidente. LEI Nº 8.213, DE 24 DE JULHO DE O art. 118 da Lei 8.213/91 garante ao empregado, vítima de acidente do trabalho, o emprego por 12 meses após a cessão do auxílio-doença acidentário. Quem se acidenta e volta ao serviço, nos primeiros quinze dias de afastamento remunerado pela empresa, não é contemplado com a garantia de emprego durante o período acima indicado. Assim é porque, nos termos da lei específica, o pressuposto da questionada garantia é a percepção do auxílio-doença acidentário a qual só se efetua a partir do 16º dia após o acidente. Observação: em caso de acidente de trabalho, para o cálculo do auxílio doença, o percentual é maior (91 % do salário contribuição) do que aquele observado para outros acidentes.

15 3. Estatísticas de acidentes e de perdas Acidente sem lesão Acidente com lesão Acidente com morte ou lesão permanente

16 Acidente sem lesão Acidente com lesão Acidente com morte ou lesão permanente ? Paul Swuste, Estatísticas de acidentes e de perdas

17 Apresentar com duas casas decimais!

18 5 acidentes 300 horas homem de exp ao risco TFA10 6 horas Observação: 10 empregados 50 anos de trabalho cada 2000 horas de trabalho por ano (50 semanas, 40 horas por semana) 10^6

19 Apresentar com duas casas decimais!

20

21 Observação: 10 empregados 50 anos de trabalho cada 2000 horas de trabalho por ano (50 semanas, 40 horas por semana) 10 6 Logo, em uma empresa com 10 funcionários, o TF indica quantos vão ter acidentes de trabalho.

22 Observação: o índice inglês FAR trabalha apenas com Fatalidades, e baseia-se em 1000 empregados: FAR = número de fatalidades * 10 8 total de horas trabalhadas por todos os empregados durante o período analisado 1000 empregados 50 anos de trabalho cada 2000 horas de trabalho por ano (50 semanas, 40 horas por semana) 10 8

23

24

25

26

27

28

29 Um acidente do trabalho pode levar o trabalhador a se ausentar da empresa apenas por algumas horas, o que é chamado de acidente sem afastamento. Outras vezes, um acidente pode deixar o trabalhador impedido de realizar suas atividades por dias seguidos, ou meses, ou de forma definitiva. Se o trabalhador acidentado não retornar ao trabalho imediatamente ou até na jornada seguinte, temos o chamado acidente com afastamento

30 NBR 14280

31

32

33 INSS e FAP Em 2004 o Conselho Nacional de Previdência Social – CNPS aprovou a Resolução no 1.236/2004 com uma nova metodologia para flexibilizar as alíquotas de contribuição destinadas ao financiamento do benefício aposentadoria especial e daqueles concedidos em razão do grau de incidência de incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho. Essa nova metodologia tem como objetivo, entre outros, estimular o investimento dos empregadores em melhorias nos métodos produtivos e na qualificação dos trabalhadores visando a reduzir os riscos ambientais do trabalho. (...)

34 INSS e FAP O FAP será o elemento que materializará o processo para flexibilizar as alíquotas de contribuição destinadas ao financiamento do benefício aposentadoria especial e daqueles concedidos em razão do grau de incidência de incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho. O FAP tem como base a dicotomia bonus - malus e seu valor variará entre 0,5 e 2 conforme o maior ou menor grau de investimentos em programas de prevenção de acidentes e doenças do trabalho e proteção contra os riscos ambientais do trabalho, respectivamente. Ainda que a princípio pareça tratar-se de mecanismo meramente fiscal-tributário, o FAP trará reflexos imediatos na organização empresarial relativa à segurança e saúde do trabalhador, pois o investimento nessa área implicará maior ou menor alíquota de contribuição das empresas. O FAP, calculado considerando os eventos (benefícios) que trazem indicação estatístico-epidemiológica de nexo técnico, será aplicado a partir de janeiro de

35 Mais informações sobre a FAP: Leis, decretos, normas...

36 Sub-notificação: A metodologia aprovada necessitava de forma de identificação dos acidentes de trabalho que, aliada à CAT, minimizasse a sub-notificação dos acidentes e das doenças do trabalho e a conseqüente os benefícios decorrentes da sonegação de informações ao INSS. Estudos aplicando fundamentos estatísticos e epidemiológicos, mediante o cruzamento dos dados de código da Classificação Internacional de Doenças – CID-10 e de código da Classificação Nacional de Atividade Econômica – CNAE, permitiram identificar forte associação entre agravos1 e as atividades desenvolvidas pelo trabalhador. A partir da identificação das fortes associações entre agravo e atividade laboral foi possível construir uma matriz, com pares de associação de códigos da CNAE e da CID-10 que subsidia a análise da incapacidade laborativa pela medicina pericial do INSS: o Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário – NTEP. O NTEP surge, então, como mais um instrumento auxiliar na análise e conclusão acerca da incapacidade laborativa pela perícia médica do INSS.

37 A partir da implementação do NTEP a perícia médica passa a adotar três etapas seqüenciais e hierarquizadas para a identificação e caracterização da natureza da incapacidade – se acidentária ou não-acidentária (previdenciária). As três etapas são: 1 – Identificação de ocorrência de Nexo Técnico Profissional ou do Trabalho – NTP/T – verificação da existência da relação agravo – exposição ou exposição – agravo (Listas A e B do Anexo II do Decreto no 6.042/2007); 2 – Identificação de ocorrência de Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário – NTEP – averiguação do cruzamento do código da CNAE com o código da CID-10 e a presença na matriz do NTEP (publicada na Lista B do Anexo II do Decreto no 6.042/2007); 3 – Identificação de ocorrência de Nexo Técnico por Doença Equiparada a Acidente do Trabalho – NTDEAT – implica a análise individual do caso, mediante o cruzamento de todos os elementos levados ao conhecimento do médico-perito da situação geradora da incapacidade e a anamnese. A ocorrência de qualquer um dos três nexos implicará na concessão de um benefício de natureza acidentária. Se não houver nenhum dos nexos, o benefício será classificado como previdenciário.

38 O conjunto dos acidentes registrados passou a ser então a soma dos acidentes informados por meio da CAT com o conjunto de acidentes presumidos que deram origem a benefícios acidentários para os quais não há CAT informada.

39 Fonte: Safety of the process industries in the 21st century: A changing need of the process safety management for a changing industry. B. Knegtering e H.J. Pasman Journal of Loss Prevention in Process Industries 22, 2009 Acidentes com ou sem lesão Acidentes severos no processo x Falsa sensação de segurança. Até que ponto essas estatísticas são realmente úteis? 3. Estatística de acidentes e perdas

40 4. Natureza do processo do acidente Propagação Terminação / Término Iniciação Evitar a iniciação Reduzir a propagação Antecipar o término

41 Edificio Joelma - SP

42

43

44 Operação normal: 5. Análise do acidente de Flixborough Produção anual de toneladas de caprolactam (nylon). Oxidação do ciclohexano em 6 reatores em série Condições operacionais: temperatura 155ºC pressão 7.9 atm Mudança na rotina operacional: Diagnosticada rachadura no casco do Reator nº 5 Necessidade de remoção do reator para reparo

45 Conexão direta entre os reatores nº 4 e nº 6 Uso de reciclo para atingir a conversão desejada 5. Análise do acidente de Flixborough Trecho temporário de tubulação Solução adotada:

46 5. Análise do acidente de Flixborough Torção e quebra da conexão temporária. Acidente: Dois pontos de vazamento (reatores nº 4 e nº 6) Mais de 30 toneladas de ciclohexano vazam em menos de 1 minuto Volatização e formação de grande nuvem de vapor Ignição e explosão da nuvem Destruição completa da planta

47 ?


Carregar ppt "Conceitos básicos Causas de acidentes em plantas industriais Estatísticas de acidentes Natureza do processo do acidente Introdução Tópicos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google